Bajazeto de Bastã

Bajazeto de Bastã (em persa: بايزيد بسطامى; romaniz.:Bayazid al-Bastami), também conhecido como Abu Iázide de Bistã (Abu Yazid Bistami), Taifur Abu Iázide de Bustam (Tayfur Abu Yazid al-Bustami) e Bāyazīd Bisṭāmī (Bastã, Cumis, 804874 ou 877/8)[2] foi um lider religioso persa sufi[3] nascido em Bastã, na altura uma cidade do Califado Abássida, atualmente no Irã.

Bajazeto de Bastã
بايزيد بسطامى
Bajazeto de Bastã
Mesquita de Bajazeto em Bastã, Irã
Nascimento 804
Bastã, Cumis, Califado Abássida
Morte 874 (70 anos)[1]
Bastã
Ocupação filósofo, teólogo, líder religioso
Escola/tradição sufi
Principais interesses teologia e filosofia islâmica, misticismo, filosofia, panteísmo
Ideias notáveis Sukr

Biografia editar

O nome Bastami significa "da cidade de Bastã". O avô de Bajazeto era um zoroastriano que se converteu ao islã.[4] Seu avô teve três filhos, Adam, Taifur e 'Ali. Todos eles eram ascetas. Bajazeto era filho de Tayfur. Não se sabe muito de sua infância, mas sabe-se porém que ele passou a maior parte de sua vida em constante isolamento, fosse em sua casa ou na mesquita. Embora tenha ele permanecido em isolamento não pode isolar-se do sufismo. Recebia as pessoas, estudantes e devotos, em sua casa quando lá iam para discutir o islã. Bajazeto também levou uma vida de ascetismo e renunciou a todos os prazeres mundanos, a fim de ser um com Deus, "o Exaltado". Em última análise, isso levou Bajazeto a um estado de "auto-aniquilação", que, de acordo com o islã, é o único estado que uma pessoa poderia estar em ordem para alcançar a união com Deus. Bajazeto ficou conhecido como o primeiro sufi "embriagado" por causa da abertura de suas expressões que ele sentia em relação a Deus (shatahat).[carece de fontes?]

Tão grande era a devoção de Bajazeto à suna (enfatizando a repetição da vida de Maomé mais que simplesmente a obediência à xaria como sinal sufi) que se recusou a comer uma melancia por nenhum de seus alfaquis conseguir encontrar uma evidência de como Maomé teria cortado o fruto.[5]

 
Túmulo de Bajazeto em Bastã, Irã
 
Complexo histórico de Bajazeto em Bastã

Influência editar

Bajazeto esteve em estreito contato com os Doze imames do islã.[6] Ele recebeu a iniciação do imame Ali ar-Ridha [7] e ambos morreram em 874 ou 877/8, o que indica provavelmente, ele também teria sido associado aos grandes imames da família do profeta Maomé, incluindo o imame Muhammad at-Taqi (m. 835), Imame Ali Alhadi (m. 868), e Imame Haçane Alascari (m. 874), os ancestrais paternos Baodim Naquesbande Bucari, que viria a dar o nome à cadeia dos mestres sufis da Ásia Central do século X ao século XVI, conhecidos coletivamente como os Khwajagan. O sucessor de Bajazeto foi Abu al-Hassan al-Kharaqani, que transmitiu a crença nos doze imames tanto Khwaja Abdullah Ansari, em cujo santuário os nomes dos doze imames estão inscritos,[8] e Abu al-Hassan al-Kharaqani's sucessor de Abul Qasim Gurgani (m. 1076), em cujo santuário estes nomes também estão inscritos.

O antecessor de Bastami Dhu'l-Nun al-Misri (m. 859) foi um murid de Jābir ibn Hayyān, que era um estudante do sexto imame do islã Jafar al-Sadiq, também.[9] Al-Misri havia formulado a doutrina da ma'rifa (gnosis), apresentando um sistema que ajudou a murid (iniciar) e o xeique (guia) para se comunicar. Bajazeto Bastami levou isso um passo mais longe e enfatizou a importância do êxtase no islã, conhecido em suas palavras como "embriaguez" (Shukr ou wajd), um meio de auto-aniquilamento na Divina Presença do Criador, Allah. Antes dele, o sufismo era praticado no islã baseado, principalmente, na religiosidade e na obediência, e ele desempenhou um papel importante na colocação do conceito do amor divino no centro do sufismo.

Bastami foi um dos primeiros a falar da "aniquilação do Ego em Deus" (fana fi 'Allah') e "subsistência através de Deus" (baqa' bi 'Allah). A "aniquilação do Eu"(fana fi 'Allah') refere-se a aniquilação do ego ou o eu individualizado com todos os seus anexos, que resulta na obtenção da união com Deus ou tornar-se um Deus realizado. Quando uma pessoa entra no estado de fana acredita-se que ele tenha se fundido em Deus. Suas palavras paradoxais ganhou uma grande circulação e em breve exerceu uma influência cativante sobre as mentes dos alunos que aspiravam entender o significado da wahdat al-wujud, "unidade do ser". Quando Bajazeto morreu, ele tinha mais de 70 anos de idade. Antes de morrer, alguém lhe perguntou sua idade. Ele disse: "Tenho quatro anos de idade. Até os setenta eu estava velado. Eu me livrei dos meus véus há apenas quatro anos.”

Bajazeto morreu em 874 e foi enterrado na sua cidade natal de Bastã ou ou em Semnã, ambas atualmente no centro-norte do Irã.

Embriaguez sufi editar

A "embriaguez sufi" é um estado onde o sufi expressa seus sentimentos abertamente sem desconsiderar as consequências sociais em fazê-lo. Bajazeto era o mais famoso por expressar-se abertamente. Ao contrário do sufi Junaide de Bagdá, que se caracterizava pela sobriedade, o que significa que ele reservava seus sentimentos dentro de si mesmo, não permitindo-se tais expressões, reservando-as do mundo exterior. Este foi o comportamento aceitável de um sufi, no entanto, quando Bajazeto começou a expressar-se abertamente, muitos se afastaram dele. As pessoas que se opunham a esta abertura de Bajazeto, acusaram-no de herege por suas frases bizarras. Não apenas suas palavras foram consideradas controversas, mas Bajazeto também alegou ter viajado através dos sete céus em seus sonhos. Esta jornada proclamada por Bajazeto é semelhante ao Mi'raj do Profeta Maomé.[10]

Santuário de Bajazeto editar

 
Santuário de Bajazeto em Chittagong, Bangladexe

Um santuário sufi em Chittagong (antiga Chatigaon), Bangladesh foi dedicado a Bajazeto. Uma lenda local diz que ele ou seus seguidores visitou Bengala como missionários quando seguiam para a Índia ou a China. Enquanto não há nenhuma evidência para sugerir que o registrado Bajazeto, traduziu-se a partir de fatos, visitar a região, Chittagong foi um importante porto no sul da Rota da Seda e atraiu missionários muçulmanos e comerciantes, desde o século VIII. Além disso, o sufismo desempenhou um papel central na difusão do islã em Bengala.[1]

Referências

  1. a b Abdul Karim. «Bayazid Bostami». Banglapedia. Consultado em 4 de fevereiro de 2013 [ligação inativa] 
  2. Os Dervixes: Ou o Espiritualismo oriental, por John Pair Brown, p. 141
  3. Walbridge, John. "Suhrawardi e Iluminação" em "The Cambridge Companion à Filosofia Árabe" editado por Peter Adamson, Richard C. Taylor, Cambridge University Press, 2005. pg 206.
  4. Abu 'l-Qasim Al-Qushayri, "Al-qushayri's Epístola do Sufismo: Al-risala Al-qushayriyya Fi 'ilm Al-tasawwuf", Tradução de Alexander D. Knysh, Garnet & Ithaca Press, 2007. pg 32
  5. Ahmad, Zulfiqar. Love for Allah (PDF) (em inglês). [S.l.]: Faqir Publications. pp. 91–92. Consultado em 11 de setembro de 2018 
  6. (Isso significa que Bajazeto (ou apenas o autor desta página) havia afirmado que Bajazeto foi capaz de viajar no tempo e conhecer alguns imanes místicos do passado, contrariando as teses científicas) os herdeiros do Profeta: Carisma e Religiosa Autoridade em Islamismo Xiita por Liyakat N. Takim, p.69
  7. “Hacegan Hanedani”, por H. L. Shushud, Istanbul 1958. Publicado originalmente em “Systematics” Volume 6, No. 4 Março 1969 por J. G. Bennett
  8. Abdullah Ansari - Complexo do Santuário, Herat, Afeganistão http://www.kufic.info/architecture/ansari/ansari.htm
  9. al-Qifti, Tarikh al-Hukama' [Leipzig, 1903], 185; al-Shibi, op. cit., 360
  10. Sells 1996, p. 213.

Bibliografia editar

  • Ritter, H. "abu Yazīd (Bayazid) Tayfur B. Isa B. Surūshān al-Bistami". Enciclopédia do islã, Segunda edição. Editado por: P. Urso, Th. Bianquis, CE Bosworth, E. van Donzel e Heinrichs WP. Brill, 2009. Brill Online. Augustana. 28 de setembro de 2009 ver online
  • Quasem, Muhammad Abul. "A avaliação de Al-Ghazali, de Abu Yazid al-Bistami e sua desaprovação dos conceitos místicos de ..." Filosofia da Ásia 3.2 (outubro de 1993): 143. Academic Search Premier.EBSCO. Augustana College, em Rock Island, IL. 28 de setembro de 2009 ver online;
  • Majaddedi, Jawid A. "Embriagar-se de Abu Yazid ou ficar sóbrio com Junayd: A criação da Tipologia Popular do Sufismo" Boletim da Escola de Estudos Orientais e Africano (Nov. 2003): 1-13 pg.
  • Sells, Michael A., ed. O misticismo islâmico. New Jersey: Paulinas, 1996. Imprimiu.
  • Bowering, Gerhard. Besṭāmī Bayazid. "Encyclopædia Iranica online, 2005, disponível em Iranica Online.

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Bajazeto de Bastã