Bandeira da deficiência

bandeira que representa pessoas com deficiência
(Redirecionado de Bandeira da Deficiência)

A bandeira da deficiência, também chamada de bandeira da superação[1] ou bandeira dos direitos das pessoas com deficiência, é uma bandeira que representa as pessoas com deficiência. Foi criada em 2017 por Eros Recio, um dançarino valenciano com síndrome de Down.[2][3] A bandeira destina-se a uso geral, particularmente em eventos centrados na deficiência.

Bandeira da deficiência
Bandeira da deficiência
Aplicação
Proporção 2:3
Adoção 3 de dezembro de 2017 (6 anos)
Criador Eros Recio
Descrição Três listras horizontais coloridas em ouro, prata e bronze, respectivamente.
Tipo Internacional
Bandeira do orgulho da deficiência de Ann Magill (2021)

Há outra bandeira amplamente usada chamada de Bandeira do Orgulho da Deficiência, criada em 2016 por Ann Magill, uma mulher com deficiência, e posteriormente readaptada em 2021. Esta bandeira foi criada para ser usada nos dias de parada do orgulho da deficiência, seu uso é comum em países de língua inglesa,[4][5][6] popular também nas redes sociais durante o mês do orgulho da deficiência.[7][8]

Design e significado

editar

As bandeiras destinam-se a representar as pessoas com deficiência, sua luta por direitos e conceitos relacionados, incluindo o movimento do orgulho da deficiência e os Jogos Paralímpicos.[3][9] A bandeira da deficiência é uma bandeira tricolor com três listras horizontais de tamanho igual em cores de ouro, prata e bronze. Essas cores pretendem evocar as três medalhas dos Jogos Paralímpicos e pretendem representar a superação de obstáculos pelo coletivo, e não os sentimentos competitivos e meritocráticos relacionados ao evento em si. Por exemplo, as adversidades discriminatórias impostas pela sociedade, a conquista de novos direitos conquistados para o coletivo e a celebração de uma maior consciência da desigualdade.[10][11] Segundo Recio, as três cores também representam as diferentes formas de deficiência. No entanto, os significados dessas cores devem ser decididos pela comunidade coletiva que representam.[12]

 
Bandeira do orgulho da deficiência de Ann Magill com zigue-zague (2016)

A bandeira do orgulho da deficiência representa o movimento do orgulho da deficiência.[13][14] A origem é predominante nas redes sociais e nos países anglófonos, onde a presença do movimento é maior.[15][16] A bandeira original foi projetada em 2016[17] e adaptada em junho de 2019.[18][19][20] O fundo preto representa o sofrimento da comunidade com deficiência pela violência e também serve como cor de rebelião e protesto. O relâmpago representa como as pessoas com deficiência devem superar as barreiras e demonstra sua criatividade ao fazê-lo. As cinco cores representam a variedade de necessidades e experiências: transtorno mental, deficiência intelectual e de desenvolvimento, deficiência invisível e não diagnosticada, deficiência física e deficiência sensorial.[18]

Em 2021, a bandeira de Ann Magill foi alterada para ficar visualmente segura, com cores suaves e listras diagonais retas, e evitar gatilhos como enxaquecas, desorientação, epilepsia e outros tipos de fadiga ocular.[6][21] O design de Magill ficou popular no Mês do Orgulho da Deficiência [en].[22][23] A bandeira do Orgulho da Deficiência é de domínio público sob uma licença Creative Commons CC0 1.0 Universal (CC0 1.0).[24] O amarelo, outras vezes dourado, representa o espectro autista, a neurodiversidade e deficiências cognitiva e intelectual,[25] o azul para depressão, ansiedade e transtornos mentais,[26] vermelho para deficiências físicas,[27] branco para deficiências invisíveis ou não diagnosticadas[23] e verde para deficiências de percepção sensorial.[22][28][16]

Movimento e influência

editar

O movimento do orgulho da deficiência tem suas raízes em eventos de conscientização do orgulho para outras comunidades minoritárias. O conceito e o design da Bandeira do Orgulho da Deficiência também foram inspirados e influenciados por movimentos sociais como a comunidade LGBT+, orgulho LGBT e orgulho negro [en].[24]

A primeira Parada do Orgulho da Deficiência nos Estados Unidos foi realizada em Boston, Massachusetts, em 1990. Desde então, as paradas do orgulho da deficiência se espalharam por todo o país. Desfiles também ocorreram na Noruega, Reino Unido, Coreia do Sul e Alemanha.[29]

Relação com Eros Recio

editar

Segundo Eros Recio, a bandeira é desenhada com as cores de três metais: ouro, prata e bronze. Estes pretendem representar os três principais tipos de deficiência: física, mental (intelectual ou psicossocial) e sensorial.[12][30] A bandeira e seu desenho têm um caráter geral, ou seja, cada cor não representa exclusivamente um tipo específico de deficiência, mas sim todas elas como um todo. Tampouco significa que exclui outras formas de deficiência, como deficiência visceral ou deficiência múltipla. É importante mencionar que nenhuma cor é considerada mais importante que outra.[12][31]

Em 12 de dezembro de 2019, Eros Recio participou de um ato oficial do Colégio Superior de Arte da Seda [es] de Valência, no qual uma Bandeira da Deficiência feita de seda foi adicionada à exposição. Nesta ocasião, Recio reiterou sua afirmação em um discurso de que esta bandeira representa todas as pessoas com deficiência.[1][32]

Durante o ato, foi mencionada a incorporação de uma nova definição para a bandeira: "Bandeira da Superação". Isso foi para destacar o caráter vingativo do termo “deficiência” e evitar uma possível segregação social típica do capacitismo.[1]

Além disso, alguns pequenos banners foram entregues em reconhecimento a este trabalho social a Vicente Genovés, Presidente do Grande Colégio de Arte da Seda; José María Chiquillo, Presidente da Rede Internacional Rotas da Seda da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO),[33] representantes de organizações de pessoas com deficiência, como a Fundação Roig Alfonso ou Aspaym CV, e a escritora Carmen Carrasco.[34]

Em 3 de dezembro de 2017, no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas, parlamentares de países latino-americanos se reuniram em uma assembleia plenária no Peru.[35] Por aclamação, declararam que a bandeira é o símbolo de todas as pessoas com deficiência. No mesmo dia, a bandeira foi entregue à sede europeia das Nações Unidas.[3][12] Muitas cidades e municípios espanhóis exibem a bandeira no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. Em 2018, a bandeira foi exibida na cidade de Santa Cruz de La Palma, nas Ilhas Canárias de La Palma.[36] Em 3 de dezembro de 2018, a bandeira foi adotada pelo "Foment d'Esportistes amb Reptes" (FER), uma organização esportiva olímpica e paralímpica da Espanha.[2][37]

Ver também

editar

Referências

  1. a b c Fontán, Julio (16 de dezembro de 2019). «La bandera de la superación». Actualidad Fallera (em espanhol). Consultado em 12 de abril de 2021 
  2. a b «El Proyecto FER apadrina la bandera de la discapacidad». Las Provincias (em espanhol). 3 de dezembro de 2018. Consultado em 8 de março de 2021 
  3. a b c Álvarez, Maira (17 de dezembro de 2017). «La bandera de las personas con discapacidad». ABC Blogs (em espanhol). Consultado em 8 de março de 2021 
  4. «It's Disability Pride Month: Does Your Website Say it's Accessible?». Firefly Partners (em inglês). 22 de julho de 2022. Consultado em 27 de agosto de 2022 
  5. «Disability Pride Month Event Page and Resources». Twinkl [en]. Consultado em 28 de julho de 2022 
  6. a b R. Bogart, Kathleen (1 de julho de 2021). «Disability Pride Month: Disability Is Broader Than You Think». Psychology Today [en] Canada (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2022 
  7. «What is Disability Pride Month?». BBC Newsround (em inglês). 21 de julho de 2023. Consultado em 29 de abril de 2024 
  8. «Here's Why the Disability Pride Flag Design Changed». Good Housekeeping (em inglês). 10 de dezembro de 2023. Consultado em 29 de abril de 2024 
  9. «ABBE - La bandera de las personas con discapacidad». www.abbe.es. Consultado em 12 de abril de 2021 
  10. «Exaltación de la Bandera de la Superación y la Discapacidad». Noticias sobre discapacidad, dependencia y salud (em espanhol). 15 de dezembro de 2019. Consultado em 12 de abril de 2021 
  11. «La bandera de la discapacidad ya 'ondea' en el fondo del mar». Ideal (em espanhol). 3 de agosto de 2019. Consultado em 12 de abril de 2021 
  12. a b c d «Las bandera de la discapacidad». rehatrans.com (em espanhol). 24 de janeiro de 2018. Consultado em 12 de abril de 2021 
  13. «Disability Pride Month 2022». Bracknell Forest Council [en] (em inglês). 29 de junho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  14. «Disability Pride Month». Inclusive Employers (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2022 
  15. «Disability Pride Flag: everything you need to know». URevolution (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2022 
  16. a b «Disability Pride Month celebrates Americans with Disabilities Act anniversary». U.S. Embassy & Consulates in Italy (em inglês). 25 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  17. Magill, Ann (10 de agosto de 2016). «This is my proposal for a Disability Pride Flag». capri0mni.dreamwidth.org (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2022 
  18. a b «Celebrating Disability Pride Month». The American Foundation for the Blind [en] (em inglês). 15 de julho de 2021. Consultado em 26 de agosto de 2022 
  19. «Disability Pride Month». Capability Scotland [en] (em inglês). 19 de julho de 2021. Consultado em 26 de agosto de 2022 
  20. Magazine, Enable (2 de julho de 2021). «Raising awareness of all disabilities this July during Disability Pride Month». Enable Magazine (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2022 
  21. «O Mês do Orgulho das Pessoas com Deficiência comemora o aniversário da Lei dos Americanos com Deficiência». ShareAmerica. 25 de julho de 2022. Consultado em 26 de agosto de 2022 
  22. a b «Observing Disability Pride Month this July». Human Rights Watch (em inglês). 22 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  23. a b «July Is Disability Pride Month». SBU News (em inglês). 6 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  24. a b «Disability Pride Month». Qi Creative Inc. (em inglês). 22 de julho de 2020. Consultado em 26 de agosto de 2022 
  25. Gray, Corinne (2 de julho de 2018). «Disability Pride Flag: everything you need to know». URevolution (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2022 
  26. «Updated: The Disability Pride Flag». Meriah Nichols (em inglês). 13 de julho de 2022. Consultado em 27 de agosto de 2022 
  27. «Disability Pride Month». www.usf.edu. Consultado em 27 de agosto de 2022 
  28. Block, Becca (15 de julho de 2022). «Have You Seen The New Disability Pride Flag?». Respect Ability (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2022 
  29. «What is Disability Pride... And How to Display It». www.ameridisability.com. 12 de julho de 2019. Consultado em 12 de abril de 2021 
  30. World, Disabled (25 de julho de 2022). «Disability Flags». Disabled World (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2022 
  31. Torán, E. (12 de dezembro de 2019). «Una bandera de seda valenciana por la Superación y la Discapacidad». 7TeleValencia (em espanhol). Consultado em 12 de abril de 2021 
  32. a b Comunicación (12 de dezembro de 2019). «Bandera de la Superación y la Discapacidad en el Museo de la Seda.». Museo y Colegio de arte Mayor de la Seda Valencia (em espanhol). Consultado em 12 de abril de 2021 
  33. «UNESCO Silk Roads Programme | Programa de las Rutas de la Seda». es.unesco.org. Consultado em 12 de abril de 2021 
  34. «Acerca de mí». Carmen Carrasco (em espanhol). Consultado em 12 de abril de 2021 
  35. «I Encuentro Latinoamericano de Discapacidad, Cultura y Responsabilidad Social». Puntos de Cultura (em espanhol). 5 de dezembro de 2017. Consultado em 31 de março de 2021 
  36. Rodriguez Gonzalez, Roman (2009). «Ayuntamiento de Deza». Netbiblo. Reformar la Administracion Territorial. Municipios eficientes y viables: 201–230. ISBN 978-84-9745-271-7. doi:10.4272/978-84-9745-271-7.ch10. Consultado em 31 de março de 2021 
  37. «Qué es». Proyecto FER (em espanhol). Consultado em 31 de março de 2021