Abrir menu principal

Camaquã

município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Minas do Camaquã.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Camaquã (desambiguação).

Camaquã é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. É a 32.ª maior cidade e 30.ª mais antiga do estado.

Município de Camaquã
Igreja Matriz de Camaquã

Igreja Matriz de Camaquã
Bandeira de Camaquã
Brasão de Camaquã
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 19 de Abril
Fundação 1864 (155 anos)
Gentílico camaquense
Lema Liberdade e trabalho
Prefeito(a) Ivo de Lima Ferreira (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Camaquã
Localização de Camaquã no Rio Grande do Sul
Camaquã está localizado em: Brasil
Camaquã
Localização de Camaquã no Brasil
30° 51' 03" S 51° 48' 43" O30° 51' 03" S 51° 48' 43" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Camaquã IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Cerro Grande do Sul, São Lourenço do Sul, Arambaré, Sentinela do Sul, Dom Feliciano, Amaral Ferrador, Cristal e Chuvisca
Distância até a capital 127 km
Características geográficas
Área 1 679,556 km² [2]
População 66 034 hab. est. IBGE/2018[3]
Densidade 39,32 hab./km²
Altitude 39 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,768 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 924 042,937 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 14 771,45 IBGE/2008[5]

GeografiaEditar

Localiza-se a uma latitude 30º51'04" sul e a uma longitude 51º48'44" oeste, estando a uma altitude de 39 metros. Sua população estimada em 2004 era de 63 128 habitantes. Pertence à Microrregião de Camaquã.

O município de Camaquã está localizado na Serra do Sudeste (Encosta da Serra do Sudeste); faz parte da Região Centro-Sul; localiza-se a 30º51' minutos de latitude Sul e 51º e 48' de longitude Oeste, situando-se à margem esquerda da Laguna dos Patos e à margem esquerda do Rio Camaquã, hoje município de Cristal (ex-distrito de Camaquã), distante 127 km da Capital do Estado - Porto Alegre, e 125 km de Pelotas. No km 362 da BR-116.

HidrografiaEditar

 
Barragem de Arroio Duro.

O município conta com as águas do Rio Camaquã, do Arroio Duro e ainda é banhado pela Laguna dos Patos onde se localiza um belo balneário, conhecido pelos camaquenses como Areal ou como IRGA (Instituto Rio Grandense do Arroz), pois lá existe uma unidade desativada dessa instituição.

A barragem do Arroio Duro, além de ser grande ponto turístico por sua beleza, constitui também um importante marco para a economia da região, com 170 milhões de metros cúbicos de água acumulada para irrigar a área de 50.000 has de terras fertilíssimas, onde o índice de produtividade média é excepcional.

Em 2008 iniciaram as obras da Barragem do Passo do Maria Ulguim, que além de aumentar a proteção contra enchentes, irá aumentar a capacidade de água acumulada.

Dados GeraisEditar

  • Área territorial: 1.680 km²
  • Área urbana: 77,95%
  • Área rural: 22,05%
  • População: 63.128 habitantes
  • Masculina: 49,68%
  • Feminina: 50,32%

Distritos[6]Editar

O município de Camaquã é constituído por 8 distritos:

  • Camaquã (Sede): possui 47 117 habitantes.[7]
  • Bandeirinha: o distrito possui 2 379 habitantes.[7]
  • Banhado do Colégio: o distrito possui 1 619 habitantes.[7]
  • Bonito: o distrito possui 2 653 habitantes e está situado na região norte do município.[7]
  • Capela Santo Antônio: o distrito possui 1 451 habitantes.[7]
  • Capela Velha: o distrito possui 1 569 habitantes e está situado na região oeste do município.[7]
  • Pacheca: o distrito possui 1 368 habitantes e está situado na região sul do município.[7]
  • Sant'Auta: o distrito possui 2 227 habitantes e está situado na região norte do município.[7]

Origem do nomeEditar

Dentre os diversos significados dados ao município de Camaquã o mais adequado segundo o autor Antonio Cândido Silveira Pires é o de rio correntoso ou rio forte. Camaquã vem de Icabaquã e na língua tupi-guarani, onde "I" significa rio, água e "Cabaquã" quer dizer velocidade, correnteza. O Rio Camaquã cruza a região, sendo a origem do nome do município.

Brasão do MunicípioEditar

Lei nº 167 de 30 de agosto de 1960

Art. 1º - O Brasão de Armas do Município de Camaquã é representado por um escudo ducal, encimado pela coroa representativa de sua sede - cidade. Este escudo está dividido em três faixas: I - A primeira, dividida em duas bandas. A banda esquerda está representando o Rio Camaquã, principal fator da riqueza econômica do Município, sob o fundo de ouro. A banda direita, aparecem sob o fundo de três faixas em diagonal em cor vermelha, evocando estas faixas as três grandes revoluções do Estado, nas quais o solo do Município foi banhado pelo sangue dos seus filhos. A primeira evoca a Epopeia Farroupilha, na qual teve fator predominante o combate das forças sob o comando de Garibaldi na foz do Rio Camaquã;

II - A segunda relembra a Revolução de 1893;

III - A terceira a Revolução de 1923.

Art. 2º - Em faixa em sentido horizontal, sob fundo branco, está sobreposta uma estrela de cinco pontas, representando o Município da comunidade riograndense. Esta faixa de fundo branco representa a paz fecundante que permitiu o desenvolvimento de sua riqueza agrícola e pastoril, que é representada na parte inferior do escudo pela cor verde de nossos campos e coxilhas, e na qual se vê os símbolos da agricultura e o da pecuária.

Art. 3º - Ao pé do escudo desdobra-se uma fita vermelha, na qual estão escritos os fatores predominantes do sentimento de seus filhos - Liberdade e Trabalho. Nas pontas desta faixa estão expostas as datas predominantes da vida da comuna: 1815, que diz da fundação da Capela de São João Velho, primeiro núcleo populacional do Município e a outra 1864, quando da criação da comuna. Parágrafo único - Ladeando o escudo, como iluminando-o, se entrelaçam uma espiga de milho e uma de arroz, símbolo das principais riquezas agrícolas do município.

TurismoEditar

 
Forte Zeca Netto.

Forte Zeca NettoEditar

Abriga a Biblioteca Pública Municipal, o Museu Municipal Divino Alziro Beckel e a Secretaria Municipal da Cultura. É referencial da história do município, serviu de residência ao legendário General José Antônio Netto, líder revolucionário das lutas entre libertadores e chimangos de 1893 a 1923. Informações fone (51) 3671-5288.

Museu Municipal Divino Alziro BeckelEditar

Acervo com material relativo ao General Zeca Netto, Revolução de 1923 e objetos doados pela comunidade. Rua General Zeca Netto, 20 - Jardim do Forte fone: (51) 3671-5288 ramal 37 de terça a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 18h30min.

Caminho FarroupilhaEditar

A Costa Doce, uma das mais belas regiões do Rio Grande do Sul, constituída por um complexo lagunar que inclui o Lago Guaíba, o Rio Camaquã, o Canal São Gonçalo e as Lagoas dos Patos, Mirim e Mangueira, foi cenário do principal acontecimento político-militar do Rio Grande do Sul, no século XIX, a Revolução Farroupilha (1835-1845). Prédios e sítios em Guaíba, Camaquã, São Lourenço, Cristal, Piratini, Pelotas, Rio Grande e José do Norte são testemunhas da riqueza gerada pela indústria do charque, motivo básico do conflito, e de episódios dos combates entre farroupilhas e os soldados do Império do Brasil. Figuras como Bento Gonçalves, Gomes Jardim, Domingos José de Almeida, Corte Real, Onofre Pires, David Canabarro, General Netto, Giuseppe e Anita Garibaldi, Joaquim Teixeira Nunes e seus Lanceiros Negros, John Griggs, Caxias e Grenfell estão presentes na cultura e na memória.

Cascata D'água GrandeEditar

É uma cachoeira com queda dágua natural, cercada por vegetação nativa, tendo à frente a reserva indígena dos guaranis. Para visitação é necessário e agendamento. Localiza-se em Santa Auta, 5º Distrito. Informações fones: (51) 9984-2289 e 9984-8449.

Barragem Arroio DuroEditar

Reservatório artificial de água, cercado por mata nativa e floresta de pinos. Funciona diariamente a partir das 8h. Informações fone: (51) 3671-4433 ramal 46.

Complexo Poliesportivo Ruy de Castro Netto (Prainha)Editar

Localizado no bairro Jardim do Forte. Contém um lago artificial, uma raia de 600m própria para a prática de esportes. Funciona diariamente a partir das 8h. Informações fone: (51) 3671-4433 ramal 46.

Fazenda da FigueiraEditar

Casa de fazenda construída em 1795, durante dez anos serviu como Quartel General da Revolução Farroupilha. Cercada por mata nativa. A visitação não é permitida.

Caminho Farroupilha, Cultura e Tradição GaúchaEditar

A Costa Doce e o Pampa Gaúcho, duas das mais belas regiões do Rio Grande do Sul, foram cenários do principal acontecimento político-militar do Sul do Brasil, no século XIX, a Revolução Farroupilha (1835-1845). Reunindo cultura, belas paisagens e diversão, a Costa Doce e o Pampa Gaúcho oferecem um passeio único com seus visitantes: um roteiro integrado que fará o visitante se emocionar pela saga farroupilha. No roteiro as estâncias, museus e charqueadas abrem as portas para receber os turistas, oferecendo passeios temáticos, a vivência nas lidas campeiras e, principalmente, o acesso a informação de dados sobre a história do Rio Grande do Sul.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 23 de junho de 2019 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «O histórico de Camaquã» (PDF). Consultado em 23 de junho de 2019 
  7. a b c d e f g h Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Censo Demográfico 2000». Consultado em 23 de junho de 2019 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar