Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo programa de televisão brasileiro exibido pelo SBT entre 1991 e 2001, veja Programa Livre. Se procura pelo programa exibido pela Rede Bandeirantes, veja Canal Livre.

Programa Livre foi um programa jornalístico brasileiro com o formato de jornalismo local transmitido originalmente como Canal Livre pela TV Bandeirantes Amazonas (então TV Rio Negro) entre 1996 e março de 2009. Voltou ao ar no dia 12 de abril de 2013, sendo exibido pela TV Em Tempo (filiada ao SBT)[1], mas foi descontinuado em 2016.

Programa Livre
Logotipo utilizado em 2016, na segunda fase do programa na TV Em Tempo
Informação geral
Também conhecido(a) como Canal Livre (1996-2009)
Formato Programa jornalístico
Gênero policialesco
Estado descontinuado
Criador(es) Wallace Souza
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Carlos Souza
Apresentador(es) Wallace Souza (1996-2009)

Carlos Souza (2013-2016)

Elenco Carlos Souza
Fausto Souza
Gil da Esfirra
Galerito
Localização Manaus, Amazonas
Exibição
Emissora de televisão original TV Bandeirantes Amazonas

TV Em Tempo

Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original
2016
N.º de temporadas 2

HistóriaEditar

O programa foi criado em 1996 como Canal Livre e era exibido originalmente na TV Rio Negro (atual Band Amazonas). Inicialmente, tinha uma espécie de tribuna, onde Wallace Souza exibia matérias, produzidas por ele. Sempre mostrando a ineficiência do poder público e cobrando as autoridades competentes uma solução para os problemas. Mas logo, começou a adotar o estilo do Programa do Ratinho, com denúncias, casos de polícia, brincadeiras e um auditório, cuja apresentação era dividida por Wallace Souza e seus dois irmãos: Carlos Souza, (que depois se tornaria vereador em 2000 e em 2002, Deputado Federal) e Fausto, que era responsável pelas reportagens de rua. O estúdio do programa era no Olímpico Clube (avenida Constantino Nery) e contava com um espaço para mais de 300 lugares. A produção do programa era da produtora do programa Canal Livre (a versão nacional, exibida pela Rede Bandeirantes), Vanessa Lima[2]. O programa foi conhecido por exibir corpos de pessoas assassinadas e famílias chorando ao redor deles, e por sempre chegar nos locais antes da polícia, imagens que eram comentadas por Wallace, sempre com uma cobrança ao poder público[3].

Carlos e Wallace ganharam visibilidade política através do Canal Livre: Nunca neguei para as pessoas que o Canal Livre sempre representou um porcentual muito grande na minha eleição e do Carlos, disse Wallace.[4]

No início de 2008, o programa deixou de ser exibido, na TV Rio Negro e migra para a Tv Em Tempo. No início de 2009, com a descoberta do escândalo envolvendo os "Irmãos Souza" (principalmente o Deputado Wallace Souza), o programa sai do ar.

Em 12 de abril de 2013, após fechar contrato com a TV Em Tempo, Carlos Souza anuncia que o programa estará de volta ao ar após 4 anos, desta vez com o nome Programa Livre, segundo ele, com uma nova fórmula e novos equipamentos[5]. Em 2016, o programa é novamente descontinuado.

ControvérsiasEditar

No dia 11 de maio de 2010, a produtora e repórter do Canal Livre, Gisele Vaz, afirmou em depoimento prestado na 2ª Vara Especializada em Crimes de Uso e Tráfico de Entorpecente (2ª Vecute), que participou de pelo menos uma das reuniões em que Wallace Souza tramava, junto a mais três pessoas, o assassinato da juíza federal Jaiza Fraxe.[2]

Em 31 de maio de 2019, o serviço de streaming on demand Netflix disponibiliza a série Bandidos na TV, que retrata a história de Wallace e seus irmãos no programa, além de mostrar as acusações nas quais o apresentador encomendava mortes para exibir ao público, aumentando a repercussão e a audiência do Canal Livre. A série é dividida em sete episódios e foi distribuída em 190 países, tendo a direção de Daniel Bogado. Essa história tem uma premissa cativante. Um apresentador que, supostamente, matou pessoas para transmitir as mortes no seu programa. Quando começamos a pesquisar, constatamos que isso é apenas o ponto de partida. Os acontecimentos seguintes são repletos de reviravoltas e choques, disse Bogado[6].

Referências

  1. «"Canal Livre", dos irmãos Souza, volta a ser exibido. Agora no SBT». www.portaldoholanda.com.br. Consultado em 31 de julho de 2019 
  2. Portal Amazônia - http://portalamazonia.globo.com/pscript/noticias/noticias.php?idN=95928
  3. «'Bandidos na TV': o caso do apresentador acusado de encomendar mortes por audiência». F5. 13 de junho de 2019. Consultado em 31 de julho de 2019 
  4. Assembléia Legislativa do Amazonas - http://www.ale.am.gov.br/noticia_materia.asp?id=3594
  5. «B R M : CARLOS SOUZA DE VOLTA AO PROGRAMA LIVRE HOJE NA TV EM TEMPO». B R M. Sexta-feira, 9 de outubro de 2015. Consultado em 31 de julho de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Série "Bandidos na TV" faz sucesso ao retratar a história de Wallace Souza, apresentador do polêmico "Canal Livre"». GaúchaZH. 10 de junho de 2019. Consultado em 31 de julho de 2019 
  Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.