Caramujo-gigante-africano

O caramujo-gigante-africano[1] (nome científico: Lissachatina fulica) é um molusco da classe dos gastrópodes (Gastropoda). Pertence à subfamília dos acatiníneos (Achatininae) da família dos acatinídeos (Achatinidae).[2] Possui concha cônica marrom ou mosqueada de tons claros. Nativo no leste-nordeste da África, foi introduzido no Brasil em 1983 visando ao cultivo e comercialização do escargô.[3] Esta espécie tem sido considerada uma causa significativa de problemas de pragas em todo o mundo. Internacionalmente, é a espécie invasora que ocorre com mais frequência.[4] Fora de sua área nativa, prospera em muitos tipos de habitat em áreas com climas amenos. Alimenta-se vorazmente e é vetor de fitopatógenos, causando sérios danos às culturas agrícolas e plantas nativas. Compete com taxa de caracóis nativos e é uma praga incômoda de áreas urbanas e espalha doenças humanas.[5] Está em segundo lugar na lista de 100 das espécies exóticas invasoras mais daninhas do mundo[6] e na Lista de espécies invasoras no Brasil.[7]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaCaramujo-gigante-africano
Snail in Ubud, Bali, 2010 (1).jpg
Giant African Land Snail (Achatina fulica) in Hyderabad, AP W IMG 0596.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Subclasse: Heterobranchia
Ordem: Stylommatophora
Subordem: Achatinina
Superfamília: Achatinoidea
Família: Achatinidae
Gênero: Lissachatina
Espécie: L. fulica
Nome binomial
Lissachatina fulica
(Férussac, 1821)
Sinónimos
  • Achatina (Lissachatina) fulica ((Férussac, 1821))· aceita, representação alternativa Achatina fulica ((Férussac, 1821))
  • Achatina (Lissachatina) fulica fulica (Bowdich, 1822)
  • Achatina acuta (Lamarck, 1822)
  • Achatina couroupa (Lesson, 1831)
  • Achatina fasciata (Deshayes, 1831)
  • Achatina fulica (Bowdich, 1822)
  • Achatina fulva (Deshayes, 1838)
  • Achatina mauritiana (Lamarck, 1822)
  • Achatina mauritiana var. sinistrorsa Grateloup, 1840
  • Achatina redivina (Mabille, 1901)
  • Achatina zebra var. macrostoma (Beck, 1837)
  • Helix (Cochlitoma) fulica (Férussac, 1821)
  • Helix fulica (Férussac, 1821)

DistribuiçãoEditar

A espécie é nativa da África Oriental,[8] mas foi amplamente introduzida em outras partes do mundo através do comércio de animais de estimação, como recurso alimentar e por introdução acidental.[9] Foi encontrada na China desde 1931[10] e seu ponto inicial de distribuição na China foi Xiamen.[11] Também foi estabelecido na ilha das Pratas, em Taiuã,[12] em toda a Índia, Pacífico, ilhas do oceano Índico, Sudeste Asiático[9][13] e Índias Ocidentais. A espécie foi estabelecida nos Estados Unidos em 1936, onde foram trazidos por meio de importações, destinados a usos educacionais e para serem animais de estimação. Alguns também foram introduzidos porque foram enviados acidentalmente com outras cargas.[14] Um esforço de erradicação na Flórida[15] começou em 2011 quando foi avistado pela primeira vez, e o último avistamento foi em 2017. Em outubro de 2021, o Departamento de Agricultura da Flórida declarou a erradicação um sucesso após não haver mais avistamentos nesses quatro anos.[16] Em junho de 2022, o caramujo foi novamente encontrado na Flórida.[17]

A espécie foi observada no Butão (Guielpojim, Mongar), onde é uma espécie invasora desde 2006 e seu número aumentou drasticamente desde 2008.[18][19] Começou a atacar campos agrícolas e jardins de flores. Acredita-se que cães morreram como resultado do consumo do caramujo e da infecção pelo verme pulmonar do rato, Angiostrongylus cantonensis, causando meningite eosinofílica em humanos.[20] A partir de 2010,[21] indivíduos da espécie foram encontrados na úmida e subtropical Mesopotâmia argentina. O Serviço Nacional de Sanidade Agropecuária estabeleceu um projeto em andamento para detectar, estudar e prevenir a expansão desta praga.[22] No início de abril de 2021, a Proteção das alfândegas e fronteiras dos Estados Unidos (USCBP) interceptou 22 contrabandeados de Gana aos Estados Unidos, juntamente com vários outros itens de quarentena proibidos.[23]

Foi introduzido ilegalmente no Brasil, inicialmente no estado do Paraná na década de 1980,[24] como alternativa econômica ao escargô (Helix aspersa), numa feira agropecuária. A segunda introdução teria ocorrido no Porto de Santos por um servidor público em meados da década de 90, que montou um heliciário na Praia Grande, no qual promovia cursos de final de semana. O fracasso das tentativas de comercialização, devido a sua carne ser mais dura do que a do escargô e por não ser um prato apreciado no País, levou os criadores, por desinformação, a soltar os caracóis nas matas. Como se reproduz rapidamente e possui poucos predadores naturais em áreas antropizadas e urbanas no Brasil, tornou-se uma praga agrícola e pode ser encontrado em praticamente todo o país, inclusive nas regiões litorâneas.[25] Em ambiente urbano foi constatada sua predação pelo rato doméstico (Rattus sp.)[26] tanto no Brasil como no Havaí, onde também é considerado uma espécie invasora.[27] A espécie foi oficialmente declarada invasora em 2005.[28]

DescriçãoEditar

O caramujo-gigante-africano adulto tem cerca de 7 centímetros (2,8 polegadas) de diâmetro e 20 centímetros (7,9 polegadas) ou mais de comprimento, tornando-o um dos maiores de todos os caracóis terrestres existentes.[29] A concha tem forma cônica, sendo cerca de duas vezes mais longa que larga. Tanto no sentido horário (dextral) quanto no sentido anti-horário (sinistral) podem ser observados no enrolamento da casca, embora o cone dextral seja o mais comum. A coloração da casca é altamente variável e dependente da dieta. Normalmente, o marrom é a cor predominante e a concha é em faixas.[30]

EcologiaEditar

AlimentaçãoEditar

O caramujo-gigante-africano é um herbívoro macrófago; come grande variedade de material vegetal, frutas, legumes, líquens e fungos.[29][31] Em cativeiro, pode ser alimentada com ampla variedade de frutas e vegetais, carne moída sem tempero ou ovo cozido. Devem sempre ser fornecidos com uma fonte de carbonato de cálcio, como osso de choco, vital ao crescimento saudável da concha. Eles requerem cerca de 20% de proteína bruta em sua dieta para um crescimento ideal.[32]

Ciclo de vidaEditar

Esta espécie é hermafrodita simultânea; cada indivíduo tem testículos e ovários e é capaz de produzir espermatozoides e óvulos. Os testículos geralmente amadurecem primeiro por volta de cinco a oito meses, seguidos pelos ovários.[33] A autofecundação não é viável e, portanto, os caramujos precisam dum parceiro para se reproduzir. Normalmente acasalam com um caramujo de tamanho semelhante.[34] Acasalam à noite e seu acasalamento começa com rituais de namoro que podem durar até meia hora, incluindo acariciar suas cabeças e partes da frente um contra o outro. Um caramujo inicia o namoro e, se tudo correr bem, começam a cópula. No entanto, a cópula nem sempre ocorre porque os caramujos mostram o comportamento de escolha do parceiro, e as observações mostraram que até 90% das tentativas de namoro foram rejeitadas e não terminaram em cópula.[35] A cópula pode durar de uma a 24 horas, mas tende a durar de seis a oito horas. Os caramujos são ovíparos e põem ovos com casca.[34] O número de ovos por ninhada e ninhadas por ano varia de acordo com o ambiente e a idade do pai, mas a média é de cerca de 200 ovos por ninhada e 5-6 ninhadas por ano. Os ovos eclodem após 1-17 dias e os caramujos emergem como juvenis. Atingem o tamanho adulto em cerca de seis meses, após o que o crescimento diminui, mas não cessa até a morte. A expectativa de vida é de três a cinco anos na natureza e de cinco a seis anos em cativeiro, mas podem viver até dez anos. São principalmente ativos à noite e passam seus dias em locais escuros e úmidos, como enterrados no solo ou sob serrapilheira.[33]

ParasitasEditar

Várias espécies e tipos diferentes de parasitas são conhecidos por infectar o caramujo-gigante-africano.

O caramujo-gigante-africano é responsável indireto pela potencial transmissão da febre amarela e da dengue. Foi constatado inicialmente na Tanzânia que as conchas de caramujos-gigantes-africanos mortos podiam encher-se d'água e tornar-se um potencial ponto à proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor dessas doenças. Em 2001, esse mosquito também foi encontrado em conchas de Lissachatina fulica no estado de São Paulo.[3]

Espécie invasoraEditar

Em muitos lugares, o caramujo é uma praga da agricultura e das famílias, com a capacidade de transmitir patógenos humanos e vegetais. Devido ao seu sucesso reprodutivo, ele tornou-se uma terrível praga agrícola, alimentando-se vorazmente de diversos vegetais de consumo humano, e por isso o parecer técnico 003/03 publicado pelo Ibama e pelo Ministério da Agricultura em 2003, que considera ilegal a criação de caracóis africanos no país, determina a erradicação da espécie e prevê a notificação dos produtores sobre a ilegalidade da atividade.[40] Este parecer vem reforçar a Portaria 102/98 do Ibama, de 1998, que regulamenta os criadouros de fauna exótica para fins comerciais, com o estabelecimento de modelos de criação e a exigência de registro dos criadouros junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

O combate químico com uso de pesticidas não é indicado, pois o produto pode contaminar o solo, a água e até o lençol freático, podendo, assim, levar à intoxicação dos animais e do ser humano; além disso, o molusco pode ser resistente a vários pesticidas.[41] As medidas preventivas sugeridas incluem quarentena estrita para evitar a introdução e disseminação adicional. Recebeu a maior importância de quarentena nacional nos Estados Unidos.[42] No passado, oficiais de quarentena conseguiram interceptar e erradicar com sucesso invasões incipientes no continente dos Estados Unidos.[43] Eles também são conhecidos por danificar edifícios comendo estuque e materiais semelhantes para o cálcio.[44] Na natureza, esta espécie muitas vezes abriga o nematoide parasita Angiostrongylus cantonensis, que pode causar uma meningite muito grave em humanos. Os casos humanos dessa meningite geralmente resultam de uma pessoa que comeu o caracol cru ou mal cozido, mas mesmo o manuseio de caracóis selvagens vivos dessa espécie pode infectar uma pessoa com o nematoide, causando uma infecção com risco de vida.[37]

Uso humanoEditar

Esses caramujos são usados por alguns praticantes do Candomblé para fins religiosos no Brasil como oferenda à divindade Oxalá. Os caracóis substituem uma espécie intimamente relacionada, Archachatina marginata, normalmente oferecido na Nigéria. As duas espécies são semelhantes o suficiente na aparência para satisfazer as autoridades religiosas.[45] Também são comestíveis se cozidos adequadamente.[46] Em Taiuã, esta espécie é usada no prato de 炒螺肉 (carne de caracol frita), que é uma iguaria entre os petiscos tradicionais. L. fulica também constitui o caracol terrestre predominante encontrado nos mercados chineses, e espécies maiores têm potencial como gado pequeno e eficiente.[47] Também se tornaram cada vez mais populares como animais de estimação[48][49][50] em países como França e Reino Unido,[9] onde várias empresas os venderam tanto como animal de estimação quanto como auxiliar educacional.[51] O heparinoide é isolado desta espécie.[52]

Referências

  1. «Caramujo-gigante-africano (Achatina fulica. Brasília Ambiental. 7 de maio de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2022 
  2. Bouchet, P. (2016). «Achatina fulica (Férussac, 1821)». World Register of Marine Species (WoRMS). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2021 
  3. a b c d Paiva, Celso do Lago (2001). Lissachatina fulica: praga agrícola e ameaça à saúde pública no Brasil. Fontes de informação impressas e digitais. São Paulo: Centro de Memória UNICAMP (GEHT/CMU) 
  4. Thiengo, Silvania (21 de setembro de 2006). «Rapid spread of invasive snail in South America: the giant African snail, Achatina fulcia, in Brasil» (PDF). Biological Invasions. 9 (6): 693–702. doi:10.1007/s10530-006-9069-6 
  5. «Achatina fulica». Global Invasive Species Database (ISSG), União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 23 de abril de 2022 
  6. Lowe, S.; Browne, M.; Boudjelas, S.; Poorter, M. (2004) [2000]. «100 of the World's Worst Invasive Alien Species: A selection from the Global Invasive Species Database» (PDF). Auclanda: O Grupo de Especialistas em Espécies Invasoras (ISSG), um grupo de especialistas da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC) da União Mundial de Conservação (IUCN). Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2017 
  7. «Achatina fulica (Bowdich, 1822)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2022 
  8. Rowson, B.; Warren, B.; Ngereza, C. (2010). «Terrestrial molluscs of Pemba Island, Zanzibar, Tanzania, and its status as an "oceanic" island». ZooKeys (70): 1–39. PMC 3088446 . PMID 21594041. doi:10.3897/zookeys.70.762  
  9. a b c Fontanilla, Ian Kendrich Carandang; Sta. Maria, Inna Mikaella P.; Garcia, James Rainier M.; Ghate, Hemant; Naggs, Fred; Wade, Christopher M. (9 de setembro de 2014). «Restricted Genetic Variation in Populations of Achatina (Lissachatina) fulica outside of East Africa and the Indian Ocean Islands Points to the Indian Ocean Islands as the Earliest Known Common Source». PLOS ONE (em inglês). 9 (9): e105151. Bibcode:2014PLoSO...9j5151F. ISSN 1932-6203. PMC 4159197 . PMID 25203830. doi:10.1371/journal.pone.0105151  
  10. Lv, S.; Zhang, Y.; Liu, H. X.; Hu, L.; Yang, K.; Steinmann, P.; Chen, Z.; Wang, L. Y.; Utzinger, J.; Zhou, X. N. (2009). «map of distribution in 2007». PLOS Neglected Tropical Diseases. 3 (2): e368. PMC 2631131 . PMID 19190771. doi:10.1371/journal.pntd.0000368 
  11. Lv, S.; Zhang, Y.; Liu, H. X.; Hu, L.; Yang, K.; Steinmann, P.; Chen, Z.; Wang, L. Y.; Utzinger, J. R.; Zhou, X. N. (2009). Knight, Matty, ed. «Invasive Snails and an Emerging Infectious Disease: Results from the First National Survey on Angiostrongylus cantonensis in China». PLOS Neglected Tropical Diseases. 3 (2): e368. PMC 2631131 . PMID 19190771. doi:10.1371/journal.pntd.0000368  figure 5.
  12. Wu, S.-P.; Hwang, C.-C.; Huang, H.-M.; Chang, H.-W.; Lin, Y.-S; Lee, P.-F. (2007). «Land Molluscan Fauna of the Dongsha Island with Twenty New Recorded Species» (PDF). Taiwania. 52 (2): 145-151. Cópia arquivada (PDF) em 18 de julho de 2011 
  13. Foon, Junn Kitt; Clements, Gopalasamy Reuben; Liew, Thor-Seng (7 de abril de 2017). «Diversity and biogeography of land snails (Mollusca, Gastropoda) in the limestone hills of Perak, Peninsular Malaysia». ZooKeys (em inglês) (682): 1–94. ISSN 1313-2970. PMC 5523159 . PMID 28769723. doi:10.3897/zookeys.682.12999  
  14. «Giant African Snail». National Invasive Species Information Center. 17 de março de 2016. Consultado em 25 de abril de 2016. Cópia arquivada em 6 de julho de 2022 
  15. Campo-Flores, Arian (4 de outubro de 2011). «Giant Alien Snails Attack Miami, Though They're Not in Much of a Rush: Eradication Teams Go House to House, Nabbing 10,000 Invaders; 'Crunch Under Our Feet'». Wall Street Journal. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2022 
  16. Berlin, Samantha (7 de outubro de 2021). «Florida spent over $24M eradicating invasive snails that damage homes». Newsweek. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2022 
  17. Mole, Beth (6 de julho de 2022). «Florida once again has giant calamitous snails that spew parasitic brain worms». Ars Technica. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 22 de julho de 2022 
  18. «Gyalpoizhing town representative accused of spreading snails». Bhutan Broadcasting Service. Bhutan Broadcasting Service. Consultado em 1 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2021 
  19. «Outbreak of the invasive Giant African Land Snail in Gyelpozhing frustrates the residents». The Bhutanese. Consultado em 1 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2021 
  20. «Giant African land snails». National Plant Protection Center. NPPC. Consultado em 1 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 16 de julho de 2022 
  21. «Caracol Gigante Africano en Argentina». 30 de junho de 2013. Consultado em 13 de abril de 2019. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2019 
  22. «Detección de Caracol Gigante Africano en la ciudad de Corrientes». SENASA (em espanhol). 12 de novembro de 2013. Consultado em 13 de abril de 2019. Cópia arquivada em 14 de março de 2022 
  23. «JFK Airport CBP Catches Highly Invasive Giant African Snails in Man's Baggage». U.S. Customs and Border Protection. 6 de abril de 2021. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 6 de abril de 2021 
  24. Silva, Michele Ribeiro da (2009). O Achatina fulica e sua utilização zooterápica através de dietas acrescidas de própolis (PDF). Pirassununga: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Cópia arquivada (PDF) em 26 de agosto de 2021 
  25. a b c Paulo Aníbal G. Mesquita (6 de maio de 2004). «Achatina fulica, o caracól gigante invasor no BR.» 
  26. Nunes, C.E.P. 2017. Observação pessoal.
  27. Meyer, Wallace M. (2009). «Black Rat (Rattus rattus) Predation on Nonindigenous Snails in Hawai'i: Complex Management Implications». Pacific Science. doi:10.2984/049.063.0304. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 19 de abril de 2022 
  28. «Instrução Normativa 73/2005/Ibama» (PDF). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 29 de março de 2022 
  29. a b «Achatina fulica (Giant African Snail)» (PDF). Sta.uwi.edu. Consultado em 22 de março de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 1 de janeiro de 2022 
  30. Skelley, P. E.; Dixon, W. N.; Hodges, G. (2011). Giant African land snail and giant South American snails: field recognition (PDF). Gainesville, Flórida: Departamento de Agricultura e Serviços ao Consumidor da Flórida. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 15 de agosto de 2021 
  31. Hoffman, T.; Pirie, N. (2014). «Achatina fulica (Giant african snail)». Animal Diversity Web (ADW), do Museu de Zoologia da Universidade de Michigão. Consultado em 12 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2022 
  32. Soares, C. M.; Hayashi, C.; Gonçalves, G. S.; Nagae, M. Y.; Boscolo, W. R. (1999). «Exigência de proteína para o caracol gigante (Achatina fulica) em fase de crescimento (Protein requirements for giant snail (Achatina fulica) during the growth phase». Acta Scientiarum. Animal Sciences. 21 (3): 683-686. Consultado em 12 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 26 de março de 2022 
  33. a b «Achatina fulica (giant African land snail)» (em inglês). CAB International (CABI). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 21 de julho de 2022 
  34. a b Molluscs as crop pests. Wallingford, Oxon, UK: CABI Pub. 2002. pp. 55–114. ISBN 0-85199-790-2. OCLC 52761130 
  35. Tomiyama, Kiyonori (15 de fevereiro de 1996). «Mate-choice criteria in a protandrous simultaneously hermaphroditic land snail Achatina fulica (Férussac) (Stylommatophora: Achatinidae. Journal of Molluscan Studies. 62 (1): 101–111. ISSN 0260-1230. doi:10.1093/mollus/62.1.101 
  36. a b c Ohlweiler, F. P.; Guimarães, M. C. D. A.; Takahashi, F. Y.; Eduardo, J. M. (2010). «Current distribution of Achatina fulica, in the State of São Paulo including records of Aelurostrongylus abstrusus (Nematoda) larvae infestation». Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. 52 (4): 211–214. PMID 21748230. doi:10.1590/S0036-46652010000400009 . Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2022 
  37. a b Kremer, William (3 de agosto de 2012). «African snail: Deadly invasion in South America». BBC News. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2021 
  38. a b c Igbinosa, I. B.; Isaac, C.; Adamu, H. O.; Adeleke, G. (1 de dezembro de 2016). «Parasites of edible land snails in Edo State, Nigeria». Helminthologia (em inglês). 53 (4): 331–335. doi:10.1515/helmin-2016-0031. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2022 
  39. a b c d Libora, M.; Morales, G.; Carmen, S.; Isbelia, S.; Luz, A. P. (2010). «Primer hallazgo en Venezuela de huevos de Schistosoma mansoni y de otros helmintos de interés en salud pública, presentes en heces y secreción mucosa del molusco terrestre Achatina fulica (Bowdich, 1822). (First finding in Venezuela of Schistosoma mansoni eggs and other helminths of interest in public health found in faeces and mucous secretion of the mollusc Achatina fulica (Bowdich, 1822))» 🔗 (PDF). Zootecnia Tropical. 28: 383-394 
  40. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Divisão de Vigilância e Controle de Pragas (20 de janeiro de 2003). «Parecer Técnico DPC/CPP/DDIV - nº003/03» (PDF). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 8 de março de 2022 
  41. Instituto Ambiental do Paraná (ed.). «Medidas de controle Lissachatina fulica» (PDF). Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 30 de janeiro de 2019 
  42. Cowie, R. H.; Dillon, R. T.; Robinson, D. G.; Smith, J. W. (2009). «Alien non-marine snails and slugs of priority quarantine importance in the United States: A preliminary risk assessment» (PDF). American Malacological Bulletin. 27 (1–2): 113–132. doi:10.4003/006.027.0210. Arquivado do original (PDF) em 16 de junho de 2016 
  43. «PBS "Alien Invasion"». PBS. Consultado em 13 de outubro de 2022 
  44. «Giant snails attack Florida». CBS News. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2021 
  45. Léo Neto, N. A.; Brooks, S. E.; Alves, R. M. R. (2009). «From Eshu to Obatala: Animals used in sacrificial rituals at Candomblé "terreiros" in Brazil». Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine. 5: 23. PMC 2739163 . PMID 19709402. doi:10.1186/1746-4269-5-23 
  46. Hayward, Tim (3 de julho de 2009). «African Land Snails Video». The Guardian. Guardian. Cópia arquivada em 2 de abril de 2022 
  47. Lv, S.; Zhang, Y.; Steinmann, P.; Zhou, X.-N. (2008). «Emerging angiostrongyliasis in mainland China». Emerging Infectious Diseases. 14 (1): 161–164. PMC 2600175 . PMID 18258099. doi:10.3201/eid1401.061529 
  48. Borrero, Francisco; Breure, Bram; Christensen, Carl C.; Correoso, Modesto. «Into the Andes: three new introductions of Lissachatina fulica (Gastropoda, Achatinidae) and its potential distribution in South America» (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2018 
  49. Vogler, Roberto E.; Beltramino, Ariel A.; Sede, Mariano M.; Gregoric, Diego E. Gutiérrez; Núñez, Verónica; Rumi, Alejandra (2013). «The Giant African Snail, Achatina fulica (Gastropoda: Achatinidae): Using Bioclimatic Models to Identify South American Areas Susceptible to Invasion» (PDF). American Malacological Bulletin (em inglês). 31 (1): 39–50. ISSN 0740-2783. doi:10.4003/006.031.0115. Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 24 de novembro de 2021 
  50. «Giant snails invade, coat Florida in slime». MNN - Mother Nature Network (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2021 
  51. Dickens, Katrina Leah; Capinera, John Lowell; Smith, Trevor Randall (2018). «Effects of Density and Food Deprivation on Growth, Reproduction, and Survival of Lissachatina fulica». American Malacological Bulletin (em inglês). 36 (1): 57–61. ISSN 0740-2783. doi:10.4003/006.036.0115 
  52. Gunay, N. S.; Linhardt, R. J. (1999). «Heparinoids: structure, biological activities and therapeutic applications» (PDF). Planta Med. 65 (4): 301–6. PMID 10364832. doi:10.1055/s-1999-13990 . Cópia arquivada (PDF) em 10 de julho de 2020 

BibliografiaEditar

  • Martinez Escarbassiere, Rafael; Martinez Moreno, Enrique (1997). «Nota acerca de la Achatina (Lissachatina) fulica (Bowdich, 1111), peligroso caracol africano (Pulmonata Achatinidae) introducido en Venezuela». Acta Biologica Venezuelica. 17 (1): 37-40 
  • Santana Teles, Horácio Manuel; Faria Vaz, Jorge; Roberto Fontes, Luiz; Domingos, Maria de Fátima (junho de 1997). «Registro de Lissachatina fulica Bowdich, 1822 (Mollusca, Gastropoda) no Brasil: caramujo hospedeiro intermediário da angiostrongilíase». São Paulo. Rev. Saúde Pública. 31 (3) 
  • Carvalho, Omar dos Santos; Teles, Horácio M. S.; Mot, Ester Maria; et al. (2003). «Potentiality of Lissachatina fulica Bowdich, 1822 (Mollusca: Gastropoda) as intermediate host of the Angiostrongylus costaricensis Morera & Céspedes 1971». Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 36 (6): 743-745. ISSN 0037-8682 

Ligações externasEditar

O Wikispecies tem informações sobre: Caramujo-gigante-africano