Cartel de Medellín

antiga facção criminosa colombiana internacional liderada por Pablo Escobar

O Cartel de Medellín foi uma rede de traficantes de drogas muito bem organizada, originária da cidade de Medellín, na Colômbia. O cartel de drogas operava na Colômbia, Bolívia, Peru, Honduras, Estados Unidos, bem como no Canadá entre 1972 e 1993. Embora a organização tenha começado como uma rede de contrabando no final da década de 1960, foi somente em 1976 que a organização se voltou para o tráfico de cocaína. Este foi o resultado de Escobar ter sido apresentado à lucrativa ideia do contrabando de cocaína pelo colega traficante colombiano Griselda Blanco.[3] O Cartel chegava a faturar cerca de 60 milhões de dólares por dia, isto é, 720 milhões de dólares por semana e quase 3 bilhões ao mês.[4]

Cartel de Medellín
Local de fundação Medellín, Colômbia
Anos ativo 1972 - 1993[1]
Território (s) Colômbia
Líder (es) Pablo Escobar

[2]

Atividades Narcotráfico
Lavagem de dinheiro
Atentados a bomba
Extorsão
Extorsão mediante sequestro
Suborno
Sequestro
Assassinato
Corrupção política
Tráfico de armas
Ocultação de cadáver
Terrorismo
Aliados Cartel de Guadalajara

Cartel dos Beltrán-Leyva Cartel de Sinaloa Cartel de Juárez Cartel do Golfo Los Zetas Alianza de Sangre Cartel de Tijuana Cartel de La Costa Cartel del Norte del Valle Mara Salvatrucha Família Gambino Yakuza

Rivais Cartel de Cáli, Los Pepes

Dos 21 anos de existência do Cartel de Medellín, em quase todos eles, o faturamento anual com narcotráfico chegava a 40 bilhões de dólares americanos.

InícioEditar

O Cartel de Medellín foi fundado pelo traficante e terrorista Pablo Escobar em 1972, responsável pela maior parte das exportações de drogas para os Estados Unidos, Europa e Oriente médio e se tornou o maior cartel de drogas que o mundo já viu, o maior império criminoso do mundo e Pablo Escobar seu rei.[5]

O Cartel ganhou muito de sua força e influência após a morte de muitos políticos e traficantes rivais ao Cartel, o que o levou a se fortalecer nas sombras como uma entidade unificada, ganhando mais poder e dinheiro. O Cartel também financiava as campanhas eleitorais de políticos da região de Medellín.[6]

Por volta dessa época, no início dos anos 1980, sequestros feitos por grupos guerrilheiros. levou o Estado a colaborar com grupos criminosos como os formados por Escobar e os Ochoas. O sequestro de Carlos Lehder, bem como o sequestro da irmã dos Ochoas em 1981, levaram à criação de exércitos privados financiados por cartéis que foram criados para combater guerrilheiros que tentavam redistribuir suas terras para os camponeses locais, sequestrá-los ou extorquir as FARC.[5]

O grupo MAS (Muerte a Secuestradores) era um grupo paramilitar criado no início dos anos 80 pelo cartel de Medellín em retaliação pelo sequestro de uma das irmãs dos irmãos Ochoa e outros traficantes de drogas pelo grupo Movimiento 19 de Abril, "M-19" (grupo guerrilheiro nacionalista de esquerda).[7] Os paramilitares também assassinaram sindicalistas, jornalistas e militantes comunistas, supostamente simpatizantes de grupos guerrilheiros (FARC, ELN, M-19).[8]

Em 1982, a cocaína ultrapassou o café como principal produto de exportação colombiano.[9]

AugeEditar

 
Pablo Escobar

Em meados da década de 1980, o ACDEGAM (Associação de Agricultores e Agricultores do Médio Magdalena), para cuidar tanto da logística como das relações públicas da organização, e para fornecer uma frente legal para vários grupos paramilitares, e o MAS tiveram um crescimento significativo.[8] Em 1985, Pablo Escobar começou a canalizar grandes quantias de dinheiro para a organização para pagar equipamentos, treinamento e armamento. O dinheiro para projetos sociais foi cortado e redirecionado para o fortalecimento do MAS. Fuzis de batalha modernos, como o AKM, FN FAL, Galil e HK G3, foram comprados dos militares, INDUMIL e vendas privadas financiadas por drogas. A organização tinha computadores e administrava um centro de comunicações que funcionava em coordenação com o escritório estadual de telecomunicações. Eles tinham 30 pilotos e uma variedade de aeronaves e helicópteros de asa fixa. Instrutores militares britânicos, israelenses e americanos foram contratados para ensinar em centros de treinamento paramilitar.[10][11]

Escobar era conhecido por ostentar sua riqueza e passou a fazer parte da lista de bilionários da Forbes por sete anos seguidos, entre 1987 e 1993.[12] Sua luxuosa propriedade multimilionária "Hacienda Nápoles" tinha seu próprio zoológico, e ele supostamente comia de sólidos conjuntos de jantar de ouro. Escobar era conhecido por investir os lucros do tráfico de drogas em bens de luxo, propriedades e obras de arte.[13] Ele também teria escondido seu dinheiro em "enseadas escondidas", supostamente enterrando-o em suas fazendas e sob o chão em muitas de suas casas.[5]

Na cultura popularEditar

O cartel foi apresentado e referenciado em inúmeras obras de cultura popular.

  • Profissão de Risco: filme de 2001 sobre os traficante de drogas George Jung, Carlos Lehder (chamado Diego Delgado no filme) e o Cartel de Medellín.
  • Narcos: é uma série da Netflix (2015–2017) que narra a vida de Pablo Escobar e a ascensão do Cartel de Medellín. A primeira e a segunda temporada retratam sua ascensão ao status de um poderoso traficante de drogas, bem como seus atos narcoterroristas, guerra contra o governo colombiano e, finalmente, sua morte. O papel de Escobar é interpretado pelo ator brasileiro Wagner Moura. A organização de Medellín também é brevemente retratada e mencionada na série spinoff Narcos: México.
  • American Made: filme ficcional de 2017 sobre o traficante de drogas Barry Seal (Tom Cruise) e o Cartel de Medellín, liderado por Jorge Ochoa ( Alejandro Edda).

RelacionadosEditar

Referências

  1. «Edificio que perteneció a Pablo Escobar se convertirá en la Secretaría de Seguridad de Medellín». La Tercera. 15 de abril de 2015. Consultado em 23 de agosto de 2015 
  2. «El fin del narcoterrorismo». El Tiempo. 23 de junho de 1991. Consultado em 22 de agosto de 2015 
  3. «Quem é Griselda Blanco, a 'rainha' da cocaína' vivida por Catherine Zeta-Jones na TV». BBC News Brasil. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  4. Miller Llana, Sara (25 de outubro de 2010). «Medellín,to keep the peace». The Christian Science Monitor. Consultado em 27 de setembro de 2011 
  5. a b c Crime, InSight (30 de agosto de 2021). «Pablo Escobar». InSight Crime (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2022 
  6. «"Narcopols": Medellín Cartel "Financed" Senate Campaign of Former President Álvaro Uribe, Colombian Senators Told U.S. Embassy | National Security Archive». nsarchive.gwu.edu. Consultado em 9 de dezembro de 2018 
  7. «Colombia's Killer Networks: The Military - Paramilitary Partnership and the United States». www.hrw.org. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  8. a b Hristov, Jasmin (2009). Blood and Capital: The Paramilitarization of Colombia (em inglês). [S.l.]: Ohio University Press 
  9. «Como Colômbia produz mais cocaína apesar de redução da área de cultivo». BBC News Brasil. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  10. «Democracy Now! | Who Is Israel's Yair Klein and What Was He Doing in Colombia and Sierra Leone?». web.archive.org. 14 de março de 2007. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  11. Simons, Geoff (2004). Colombia: a brutal history. [S.l.]: Saqi Books. p. 56. ISBN 978-0-86356-758-2 
  12. Teixeira, Lucas (21 de setembro de 2015). «Acompanha "Narcos"? Leia o perfil de Pablo Escobar, publicado por FORBES em 1987». Forbes Brasil. Consultado em 13 de novembro de 2022 
  13. «Antiga fazenda de Pablo Escobar hoje é parque temático; veja». www.uol.com.br. Consultado em 13 de novembro de 2022 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cartel de Medellín