Abrir menu principal

Barriguda

(Redirecionado de Ceiba glaziovii)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBarriguda
Paineirasrosaebranca.jpg
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Anthophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malvales
Família: Malvaceae
Subfamília: Bombacoidae
Género: Ceiba
Espécie: C. glaziovii
Nome binomial
Ceiba glaziovii
(Kuntze) K.Schum.

A barriguda, ou paineira-branca (Ceiba glaziovii) um caule espécie de Paineira do género Ceiba, muito semelhante à paineira-rosa.

OcorrênciaEditar

Ocorre principalmente na caatinga dos estados do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, e na mata atlântica dos brejos em serras nordestinas e de Minas Gerais, São Paulo e Paraná. E algumas cidades do Centro Oeste, Goiânia tem esse tipo de planta.

É a arvore símbolo do Distrito de Roda Velha, município de São Desidério, Bahia.

Significado dos nomes popularesEditar

Barriguda refere-se ao intumescimento da parte central do caule, à meia altura da árvore, tendo a mesma um diâmetro maior no meio do que na base, e que serve para armazenar água extraída através da seiva xilemática. Já paineira-branca refere-se à cor de suas flores, que geralmente se dão quando as árvores estão sem folhagem na estação seca, ou perdendo suas folhas.

CaracterísticasEditar

  • Árvore de 6–18 m de altura, com copa ampla e bastante ramificada, de tronco intumescido com mais de 1 m de diâmetro
  • Casca cinza-claro, lisa e dotada de grande número de acúleos cônicos e rígidos de até 5 cm de comprimento
  • Folhas compostas palmadas, com 4-7 folíolos (geralmente 5), sobre pecíolos ligeiramente dilatados no ápice e na base
  • Flores brancas, de 1-3 por nó, em inflorescências terminais
  • Frutos do tipo cápsula elipsóide, deiscente, glabra, coriácea, contendo muitas sementes pequenas,cada uma de 6 mm, marrom-escuras, redondas, envoltas por pêlos finíssimos, com consistência sedosa, que ajudam na dispersão das mesmas

EcologiaEditar

Planta decídua, heliófita, xerófita, de sucessões secundárias, de dispersão descontínua, porém ampla, com capacidade de dispersar as sementes pelo vento.

FenologiaEditar

Perde as folhas na estação seca e floresce entre julho e outubro, e os frutos geralmente amadurecem ainda na estação seca (entre setembro e novembro).

UtilidadesEditar

  • Madeira empregada em caixotaria
  • Casca usada na medicina caseira contra inflamação do fígado e para tratar hérnias
  • Planta ornamental, principalmente por causa de sua floração, servindo para arborizar praças e no paisagismo urbano
  • Pode ser usada para enriquecer capoeiras e vegetação empobrecida e na segunda fase de recomposição florestal de áreas degradadas
  • Os pêlos que envolvem as sementes (chamados popularmente de "lã de barriguda") são empregados no enchimento de almofadas, travesseiros, colchões, selas e estofamento de móveis
  • Nas estradas vicinais do Nordeste brasileiro, pode ser usada como cerca viva

ReferênciasEditar