Christopher Marlowe

Christopher Marlowe (batizado a 26 de fevereiro de 156430 de maio de 1593) foi dramaturgo, poeta e tradutor inglês, e viveu no Período Elizabetano. É considerado o maior renovador da forma do teatro do período com a introdução dos versos brancos, estrutura que será empregada por Shakespeare. Inclusivamente especula-se que ele será o próprio, como uma segunda identidade, e senão for assim, pelo menos parece ter sido provado que terão trabalhado em conjunto na composição de algumas peças de teatro.[1]

Christopher Marlowe
Nascimento 23 de fevereiro de 1564
Cantuária (Reino da Inglaterra)
Morte 30 de maio de 1593 (29 anos)
Deptford (Reino da Inglaterra)
Batizado 26 de fevereiro de 1564
Cidadania Reino da Inglaterra
Alma mater
Ocupação dramaturgo, poeta, tradutor, autor, escritor
Obras destacadas Edward II, A Trágica História do Doutor Fausto, O Judeu de Malta
Movimento estético teatro isabelino
Causa da morte esfaqueamento
Assinatura
Christopher Marlowe Signature.svg

Especula-se que Marlowe tenha atuado como agente secreto para Francis Walsingham. Segundo o depoimento dos seus assassinos Christopher Marlowe foi morto ainda jovem numa briga de taberna em maio de 1593, se bem que não se tenha a certeza do que aconteceu naquela tarde fatídica.

Marlowe frequentou a The King's School (Canterbury) (onde uma edificação atualmente leva seu nome) e o Corpus Christi College (Cambridge), onde recebeu o grau de Bachelor of Arts em 1584.[2]

VidaEditar

Primeiros anos (1564-1580)Editar

Marlowe era o filho de John Marlowe, um sapateiro[3], e Elizabeth Archer, e foi batizado em 26 de fevereiro de 1564 na cidade de Cantuária em Kent na Inglaterra.[4] Documentos locais que sobreviveram daquele período contêm inúmeras ocorrências acerca do que se supõe um comportamento agressivo de John. Essa personalidade irascível certamente foi passada adiante para Marlowe, uma vez que mais tarde o poeta viria a se envolver em uma série de conflitos violentos.[5] Em 1589, por exemplo, Marlowe foi brevemente preso após uma briga na qual um homem acabou morto. Tempos depois, foi novamente preso após uma briga de rua.[6]

Restaram poucas informações relativamente à infância de Marlowe, mas é certo que, em 14 de janeiro de 1579[7], ele foi estudar na The King's School da Cantuária.[8][4] Kit Marlowe, como ele tamém era conhecido, recebia uma bolsa anual no valor de quatro libras, pagas a "jovens pobres, mas dotados de grande aptidão para aprender".[5] Durante o período em que frequentou a King's School, Marlowe estudou sob a orientação de John Greeshop, então diretor da escola. Um inventário da biblioteca de Greeshop elaborado em 1580 oferece um vislumbre do material acadêmico apresentado a Marlowe na King's School. Em meio a mais de trezentos volumes, encontravam-se exemplares de Ovídio, Petrarca, Chaucer e Bocaccio. Constavam também a obra Cosmographia de Münster e a Utopia de Moore, além das comédias de Plauto e dos tratados filosóficos de Ficino.[5]

 
Local de nascimento de Marlowe, na Cantuária, mais tarde destruído nos bombardeios de 1942.[9]

Após dois anos, Marlowe foi agraciado com uma nova bolsa de estudos, desta vez para estudar no Corpus Christi College, em Cambridge. A bolsa foi subvencionada pelo então arcebispo da Cantuária Matthew Parker, ainda em 1580, e condicionava o suporte à capacidade do candidato de demonstrar proeficiência em gramática latina e talento para a poesia, além da capacidade de compor e cantar. Uma vez que Marlowe recebeu a única bolsa entre tantos candidatos, é possível ter uma vaga ideia em relação às suas realizações acadêmicas na King's School.[5][10] [11]

Universidade (1580-1587)Editar

Kit Marlowe aparece pela primeira vez nos registros de Cambridge por meio dos livros que detalham os gastos dos estudantes com comida e bebida, que sobreviveram desde aquele período. Esse documento indica que ele pode ter chegado à universidade em 10 de dezembro de 1580, em um sábado, embora sua matrícula tenha sido feita apenas em 17 de março de 1581.[12] Marlowe recebeu seu Bachelor of Arts não muito mais tarde, em março de 1584, embora sem grandes distinções. Na ordem de formação, ele aparece como o 199º de 231 alunos.[13] Após dar início a seu Master of Arts, em 1585, a frequência de Marlowe na universidade se tornou muito irregular, embora suas despesas com alimentação tenham aumentado graças a uma renda inesperada. Acredita-se que essa renda extracurricular proviesse de atividades governamentais de espionagem. É o que se pode inferir de um memorando do Conselho Privado da Rainha Elizabeth I, de 1587, segundo o qual durante suas abstenções Marlowe estivera prestando valiosos serviços à Coroa.[14][15]

 
Old Court em Corpus Christi College, onde Marlowe ficou alojado em seu tempo como estudante em Cambridge.

Embora não haja consenso quanto à ordem cronológica da obra de Marlowe, há uma tradição estabelecida de que tenha começado em Cambridge, com as traduções das Elegias de Ovídio e dos poemas sombrios de Lucano. Usualmente se considera Dido como sendo a primeira peça escrita por Marlowe, provavelmente em parceria com Thomas Nashe. A peça Tamburlaine também possui características que remontam ao período em Cambridge.[16]

Ao fim dos seus estudos no Corpus College, Kit recebeu seu masters of arts em julho de 1587, ainda que não sem dificuldades. Suas ausências, bem como as suspeitas de que ele se encontrava em Rheims, na França, indicavam que ele pudesse estar envolvido com o catolicismo, em total desconformidade com a Igreja Anglicana, então religião oficial do Reino da Inglaterra desde 1558[17]. Quando o grau acadêmico lhe foi negado, Kit apelou a Sir. Francis Walsingham, chefe do serviço secreto de Elizabeth I naquela ocasião. Um documento foi elaborado pelo Conselho Privado da Rainha e Marlowe finalmente recebeu o título de Master of Corpus.[18]

Em Cambridge, além de ter dado início à sua obra, bem como ao serviço de espionagem, Marlowe travou contato com figuras importantes da Londres elisabetana, tais quais seu contemporâneo Thomas Nashe, co-autor de Dido, Thomas Walsingham, Robert Greene, John Lyly e Gabriel Harvey. Além dessas personagens, Marlowe certamente conheceu um Thomas Fineaux of Hoghan e um Simon Aldrich, ambos estudantes em Cambridge. Um diarista da época, Henry Oxiden, anotou comentários de Aldrich a respeito de Marlowe e seu período no College:[12]

"Sr. Aldrich disse que o Sr. Fineux de Dover foi um ateísta e que teria ido até a floresta à meia-noite e se ajoelhado para rezar ardentemente ao diabo. Ele aprendeu tudo de coração com Marlowe, além de outros livros. Marlowe fez dele um ateísta". Washington, DC, Folger Shakespeare Library, MS 750.1

Em 1593, o agente duplo Richard Baines e o dramaturgo Thomas Kyd viriam a acusar Marlowe de ateísmo, atribuindo-lhe uma série de práticas que implicavam traição, como homossexualidade e heresia.[19][20][21][22]

Espionagem (1585-1593)Editar

 
Retrato do "spymaster" Sir. Francis Walsingham, chefe do serviço secreto da Rainha Elizabeth I.

É amplamente documentado que Marlowe serviu como espião, embora não tenham sobrevivido maiores informações quanto à extensão de suas atividades ou período exato.[23][6][24][25] Hilton especula que Marlowe possa ter sido recrutado em Cambridge, por Thomas Walsingham, que mais tarde também seria seu protetor e financiador em Londres.[26]

O atestado de envolvimento com o serviço secreto fica subentendido em um famoso documento de estado. Na ocasião, em 29 de junho de 1587, o Conselho Privado da Rainha deliberou a respeito do caso de um estudante de Cambridge chamado Christopher 'Morley', cuja honra vinha sofrendo com certas difamações e que justamente por isso a concessão de seu diploma lhe havia sido negada. Apenas o resumo da deliberação enviado à universidade sobreviveu até os dias atuais, conforme a tradução que segue abaixo:[27]

Considerando que foi reportado ter Christopher Morley viajado para Rheims e lá permanecido, os membros acharam por bem certificar de que a intenção dele lá não era essa [de permanecer]; mas que, ao contrário, em todas suas ações ele se comportou ordeira e discretamente, realizando serviços em nome de Sua Majestade, de modo que merece ser bem recompensado por seus negócios fidedignos. Os membros requerem que os rumores mencionados sejam dissipados por todos os meios possíveis e que para ele [Marlowe] seja concedido o seu grau acadêmico, uma vez que não agrada a Sua Majestade que um de seus empregados, como ele [Marlowe], envolvido em questões pertinentes ao benefício de seu país, seja difamado por indivíduos ignorantes dos casos em que ele se envolveu.

Uma das interpretações para esse documento sustena que Marlowe possa ter frequentado círculos católicos em Rheims na posição de espião ou "infiltrado", atividades governamentais comuns no período, tipicamente (mas não exclusivamente) sob a égide de Sir. Francis Walsingham. [28][29][30]

Ainda no que concerne às atividades de inteligência, especula-se, igualmente, que Marlowe seria um acadêmico de nome "Morley", cujas atividades envolviam a de preceptor de Arbella Stuart.[31] "Morley" (uma das diferentes grafias utilizadas para se referirem a Marlowe em sua época)[32] foi descrito pela guardiã legal de Arbella, a Condessa de Shrewsbury, como alguém que esperava o pagamento de £40 (quarenta libras) pelos seus trabalhos com Arbella, de vez que ele se encontrava em desgraça desde que deixara a universidade. A Condessa declarou que ele tomava conta da pequena Arbella já fazia três anos, mas que era um acadêmico de atitudes suspeitas, possivelmente um simpatizante papista, o que converge para as circunstâncias sabidas a respeito de Marlowe.[31] A possibilidade de que esse "Morley" tenha sido Marlowe foi levantada pela primeira vez por no periódico literário Times Literary Supplement e posteriormente foi sustentada também por John Baker em um jornal acadêmico intitulado Notes and Queries. Segundo John, apenas Marlowe poderia ser esse "Morley" mencionado, dada a falta de documentação que indique a existência de outro "Morley" naquela ocasião, que, acima de tudo, possuísse o grau de Master of Arts. Se Marlowe realmente serviu como tutor de Arbella, então é possível que tenha agido na condição de agente secreto. Arbella era sobrinha de Mary, Rainha da Escócia e de James VI da Escócia, mais tarde Rei James I da Inglaterra, e a menina era uma forte candidata à sucessão ao trono de Elizabeth I.[33][31][34] Frederick S. Boas, por seu lado, rejeita a possibilidade aventada baseando-se em documentos legais que indicam a residência de Marlowe, entre setembro e dezembro de 1589, como sendo em Londres, virtualmente distante, portanto, de onde vivia Arbella Stuart no mesmo período.[35]

No verão de 1589, Kit Marlowe e o poeta Thomas Watson viviam juntos em Norton Folgate, nos subúrbios de Shoreditch, na região central de Londres, onde também vivia o jovem e recém-chegado à cidade Wiliam Shakespeare.[36] Na tarde de 18 de setembro daquele ano, Marlowe veio a altercar-se com um William Bradley usando espadas e adagas. Aparentemente a contenda envolvia Bradley e Watson, pois que à vista de Watson, Bradley lhe teria gritado: "Só agora você vem? Então vou lutar com você". Nesse ínterim, contudo, Bradley foi morto, e ambos os dois, Kit e Watson, foram detidos pelo condestável local, que os enviou à prisão de Newgate.[37][38] Após o devido inquérito, concluiu-se que Marlowe agiu em estado de legítima defesa, sendo ele logo posto em liberdade a 1º de outubro daquele ano, sob a prestação de caução no valor de £40 libras (o mesmo valor que o acadêmico "Morley" exigiu, na mesma época, da cuidadora de Arbella Stuart, como foi mencionado no parágrafo anterior).

Durante esses doze dias em que esteve preso em Newgate, Marlowe parece ter travado contato com certo John Poole, um católico preso sob a suspeita de que falsificava moedas. Mais tarde, Marlowe seria acusado pelo agente duplo Richard Baines da prática de falsificaçao de moedas junto de John Poole.[39] E, de fato, Kit veio a ser preso em 1592 na cidade de Flessingue, na Holanda, acusado de estar envolvido na cunhagem ilegal de moedas. Ele foi deportado para a Inglaterra e enviado para o conselheiro da Rainha, Sir William Cecil, o 1º Barão de Burghley. Contudo, não lhe foi aplicada nenhuma punição, tampouco lhe sobrevieram consequências dos crimes a ele imputados, embora fosse grave a pena para os crimes envolvendo falsificação de moedas.[40]

É igualmente possível que na tarde de sua morte, em 30 de maio de 1593, Marlowe estivesse planejando uma excursão secreta para a Escócia, a mando de Burghley, junto com os agentes Robert Poley, Nicholas Skeres e Ingram Freezer, este último seu assassino.[41]

Fama e Controvérsia (1587-1593)Editar

Pouco se sabe a respeito de Christopher Marlowe nos períodos que sucedem à sua formação acadêmica. A despeito disso, Kit foi e continua a ser descrito como um espião, um arruaceiro e um herético, assim como lhe atribuem condutas envolvendo "magia", "duelos", "fumo", "estelionato" e libertinagem. Enquanto J.A. Dawnie e Constance Kuriyama se opõem aos rótulos mais sensacionalistas, John Barry Steane lembra que é difícil dissipar esses rumores que chegam do período elisabetano, de vez que já se tornaram parte do "mito de Marlowe". Além disso, muito já foi escrito relativamente a este curto período da vida de Kit (c.1587-93), incluindo eventos muitas vezes especulativos a respeito de seu envolvimento com o serviço secreto britânico, suas declarações de cunho ateísta, seus interesses sexuais (provavelmente homossexuais) e as enigmáticas circunstâncias envolvendo a sua morte.[42]

O primeiro empreendimento teatral exitoso de Marlowe foi o drama sobre ambição e conquista Tamburlaine O Grande, escrito em duas partes e baseado na vida do guerreiro e imperador mongol Tamerlão. A data exata de sua elaboração é incerta, mas é certo que a primeira publicação da peça ocorreu em 1590, de modo que se estima ter sido a obra escrita por volta de 1587.[43] O primeiro registro de montagem da peça remonta a 1587, tendo sido encenada pela trupe de teatro The Admiral's Men.[44] Com o sucesso, sobrevieram as inúmeras controvérsias nas quais Marlowe se envolveu em seu curto período de atividade em Londres. Em 1588, por exemplo, o dramaturgo Robert Greene, invejoso da posição literária de prestígio alcançada por Kit, escreveu sobre o jovem autor [45][46]:

"Eu tenho tomado [Marlowe] para mim com zombaria, pois eu não seria capaz de fazer meus verso jorrarem no palco daquela forma [...], desafiando o próprio Deus como aquele Tamburlaine ateísta". Perimedes the Blacke-Smith, in Complete Works, ed. A. Grosart, 1881–6, 7.8

As palavras finais são alusões à primeira parte da peça Tamburlaine, especificamente ao Ato 1, Cena 2: "[...] a figura dele ameaça os céus e desafia os deuses".

Greene também se refere a Marlowe como um autor "blasfemando com aquele louco padre do sol", possivelmente referindo-se a Giordano Bruno. E continua dizendo tratar-se Marlowe de um dos "loucos e zombadores poetas que têm o espírito profético da estirpe de Marlin" (fazendo um trocadilho com Marlowe e Marlin).[47]

Também se tem notado que em tais ataques velados a Marlowe, invocando ateísmo e magia, Greene possa estar se baseando não apenas em Tamburlaine, como também na tragédia Doctor Faustus, cuja data de composição é incerta e de difícil precisão. [48] O mais antigo registro de montagem da peça remonta a 30 de setembro de 1594, mais de um ano após a morte de Marlowe.[49]

O dramaturgo Thomas Nashe, em um amargo prefácio à obra Menaphon (1589), de autoria do já mencionado Robert Greene, também tece críticas a Marlowe. A respeito de seu colega de teatro, Nashe o trata como um "alquimista da eloquência", "encimado no palco da arrogância", "[que] acredita se sair bravamente melhor com sua escrita inchada de fanfarronice bombástica em versos brancos". Posteriormente, no entanto, Nashe acabou defendendo a memória do "pobre e falecido Marlowe", lembrando-se dele como alguém que ele "tomava por um amigo".[50]

Havia outros membros nesse círculo do qual o próprio Marlowe era parte conhecido como "university wits", que reunia os autores londrinos que possuíam formação acadêmica superior.[51] Entre alguns nomes figuravam George Peele, Matthew Roydon e Thomas Watson, sendo que estes dois últimos também possuíam ligações com atividades governamentais exatamente como Marlowe. Shakespeare nunca pertenceu a essa associação por carecer das mesmas raizes.[52] Mas seu relacionamento com Marlowe, embora factível, não deixou registros. A influência de Marlowe em Shakespeare atravessa a carreira do Bardo insistentemente e parece envolver até mesmo colaborações, como no caso da trilogia Henrique VI.[53][54]

ObraEditar

Referências

  1. Afinal, Christopher Marlowe também foi Shakespeare, Rita Cipriano, Observador, 25/10/2016
  2. Marlowe, Christopher" in J. Venn e J. A. Venn, Alumni Cantabrigienses. 10 vols. (Cambridge: Cambridge University Press, 1922–1958) ACAD - A Cambridge Alumni Database
  3. «Marlowe's Birth». The Marlowe Society (em inglês). Consultado em 4 de julho de 2022 
  4. a b «British Library». www.bl.uk. Consultado em 4 de julho de 2022 
  5. a b c d «Marlowe [Marley], Christopher (bap. 1564, d. 1593), playwright and poet». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). doi:10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-18079. Consultado em 4 de julho de 2022 
  6. a b «British Library». www.bl.uk. Consultado em 6 de julho de 2022 
  7. «Christopher Marlowe | English writer | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 4 de julho de 2022 
  8. «Marlowe's Life». The Marlowe Society (em inglês). Consultado em 4 de julho de 2022 
  9. «Marlowe's Birth». The Marlowe Society (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2022 
  10. A. D. Wraight and V. Stern, Virginia (1965). In search of Christopher Marlowe. Inglaterra: Adam Hart Publishers. p. 63 
  11. Hilton, Della (1977). Who Was Kit Marlowe. Inglaterra: Taplinger Pub. Co. p. 8. ISBN 0800882911 
  12. a b «Marlowe [Marley], Christopher (bap. 1564, d. 1593), playwright and poet». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). doi:10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-18079. Consultado em 6 de julho de 2022 
  13. Venn, John (1910). Grace Book Δ‎, Containing the Records of the University of Cambridge, 1542–89. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 372–3. ISBN 978-1108002448 
  14. Park, Honan (2007). Christopher Marlowe: Poet and Spy. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0199232697 
  15. Hilton, Della (1977). Who was Kit Marlowe?. [S.l.]: Taplinger Pub. Co. p. 18-19. ISBN 978-0800882914 
  16. Hilton, Della (1977). Who was Kit Marlowe?. [S.l.]: Taplinger Pub. Co. p. 10-11; 16-17. ISBN 978-0800882914 
  17. «BBC - History - The English Reformation». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2022 
  18. Hilton, Della (1977). Who was Kit Marlowe. [S.l.]: Taplinger Pub. Co. p. 24-25. ISBN 978-0800882914 
  19. «British Library». www.bl.uk. Consultado em 6 de julho de 2022 
  20. Foundation, Poetry (6 de julho de 2022). «Christopher Marlowe». Poetry Foundation (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2022 
  21. «Kyd's Accusations». marloweshakespeare.info. Consultado em 6 de julho de 2022 
  22. «The 'Baines Note' (1)». marloweshakespeare.info. Consultado em 6 de julho de 2022 
  23. Hilton, Della (1977). Who was Kit Marlowe?. [S.l.]: Taplinger Pub. Co 
  24. «Christopher Marlowe | English writer | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2022 
  25. Downie & Parnell,, J. A.; J. T.;. Constructing Christopher Marlowe. [S.l.]: Cambridge University Press. p. ?. ISBN 978-0521572552 
  26. Hilton, Della (1977). Who was Kit Marlowe?. [S.l.]: Taplinger Pub. Co. p. 18. ISBN 978-0800882914 
  27. Documento datado de 29 de junho de 1587, disponível no registro do National Archives - Acts of Privy Council
  28. «Christopher Marlowe». Archon Books. The tragicall history of Christopher Marlowe (B0007DLE50). 1964 
  29. D, Carlo (1 de maio de 2011). «Marlowe and the Privy Council». The Marlowe-Shakespeare Connection. Consultado em 7 de julho de 2022 
  30. WRIGHT, STERN, A.D.; V. F. (1993). In Search of Christopher Marlowe. [S.l.]: Adam Hart Publishers; 2nd Edition. ISBN 978-1897763032 
  31. a b c NICHOLL, Charles (1992). The Reckoning: The Murder of Christopher Marlowe. Londres: Jonathan Cape. p. 342. 2 páginas. ISBN 978-0-224-03100-4 
  32. «The Spelling of Marlowe's Name». marloweshakespeare.info. Consultado em 20 de setembro de 2022 
  33. KURIYAMA, Constance (2002). Christopher Marlowe: A Renaissance Life. Ithaca, NI, E.U.A.: Cornell University Press. ISBN 0801439787 
  34. HANDOVER, P. M. (1957). Arbella Stuart, royal lady of Hardwick and cousin to King James. Londres: Eyre & Spottiswoode. p. ? 
  35. BOAS, Frederick S. (1953). Christopher Marlowe: A biographical and critical study. Oxford: Clarendon Press 
  36. ACKROYD, Peter (2006). Shakespeare: The Biography. Nova Iorque, NY, E.U.A: Anchor Books. p. 139. ISBN 978-1400075980 
  37. BARBER & SCOTT, Ros; e Sarah K. (2010). Was Marlowe a Violent Man?. Londres: Ashgate. p. pp. 47-61. ISBN 978-0-7546-6983-8 
  38. «Marlowe [Marley], Christopher (bap. 1564, d. 1593), playwright and poet». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). doi:10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-18079#odnb-9780198614128-e-18079-div1-d398417e1140. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  39. Downie, J. A. “Marlowe, May 1593, and the ‘Must-Have’ Theory of Biography.” The Review of English Studies, vol. 58, no. 235, 2007, pp. 245–67. JSTOR, http://www.jstor.org/stable/4501597. Accessed 9 Sep. 2022.
  40. Trecho da carta original, em inglês: "[...] Besides the prisoner Evan Flud, I have also given in charge to this bearer my anciant twoe other prisoners, the one named Christofer Marly, by his profession a scholer, and the other Gifford Gilbert a goldsmith taken heer for coining, and their mony I have sent over unto yowr Lordship [...] 26 of January 1592" Em tradução livre: "[...] Além do prisioneiro Evan Flud, eu também confiro a este encarregado outros dois prisioneiros, um de nome Christofer Marly, prossionalmente um acadêmico, e um Gifford Gilbert, ourives, aqui encontrados falsificando moedas, cujo montante eu envio a Vossa Senhoria. [...] 26 de janeiro de 1592".
  41. HONAN, Park (2005). Christopher Marlowe: Poet & Spy. Nova Iorque, NI, E.U.A.: Oxford University Press. p. 353-354. 2 páginas. ISBN 978-0199232697 
  42. STEANE, John Barry (1969). Introduction to Christopher Marlowe: The Complete Plays. Aylesbury, UK: Penguin. ISBN 978-0-14-043037-0 
  43. «Tamburlaine the Great | drama by Marlowe | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2022 
  44. Brooke, C.F. Tucker (1964). The Works of Christopher Marlowe. Londres, Inglaterra, Reino Unido.: Oxford: Clarendon Press. p. 1–5 
  45. Ribner, Irving. “Greene’s Attack on Marlowe: Some Light on ‘Alphonsus’ and ‘Selimus.’” Studies in Philology, vol. 52, no. 2, 1955, pp. 162–71. JSTOR, http://www.jstor.org/stable/4173128. Accessed 9 Sep. 2022.
  46. «Marlowe [Marley], Christopher (bap. 1564, d. 1593), playwright and poet». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). doi:10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-18079#odnb-9780198614128-e-18079-div1-d398417e1140. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  47. Rutter, Tom. “Marlowe, the ‘Mad Priest of the Sun’, and Heliogabalus.” Early Theatre, vol. 13, no. 1, 2010, pp. 109–19. JSTOR, http://www.jstor.org/stable/43499551. Accessed 9 Sep. 2022.
  48. «Marlowe [Marley], Christopher (bap. 1564, d. 1593), playwright and poet». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). doi:10.1093/ref:odnb/9780198614128.001.0001/odnb-9780198614128-e-18079#odnb-9780198614128-e-18079-div1-d398417e1140. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  49. «CLASSIC POETRY For Christopher Marlowe's Deathday: The Survival of "Doctor Faustus"». Daily Kos. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  50. Meyers, Jeffrey (Summer 2003). «Marlowe's Lives». Michigan Quarterly Review (3). ISSN 1558-7266. Consultado em 9 de setembro de 2022  Verifique data em: |data= (ajuda)
  51. «university wits | English dramatists | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2022 
  52. «Was Shakespeare Educated?». Shakespeare Birthplace Trust. Consultado em 9 de setembro de 2022 
  53. efrench (21 de fevereiro de 2017). «Shakespeare and Marlowe: Attributing 'Henry VI' Authorship». www.folger.edu (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2022 
  54. «Here's Why Christopher Marlowe Co-wrote Shakespeare's "Henry VI"». The Theatre Times (em inglês). 2 de dezembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2022 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Christopher Marlowe
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Christopher Marlowe
  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.