Abrir menu principal

Compact disc

Armazenador de dados
(Redirecionado de Compact Disc)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre Compact Disc. Para o partido politico português, veja CDS - Partido Popular. Para outros significados, veja CD (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: "Compact Disc" redireciona para este artigo. Para o álbum da banda Public Image Ltd., veja Album.
Compact Disc
Tipo de mídia
Disco óptico
Compact Disc wordmark.svg

OD Compact disc.svg
A imagem mostra a parte do CD que é lida pelos lasers de um dispositivo
Uso em Armazenamento de dados diversos
Capacidade Tipicamente, 700 MB / 80 minutos de áudio
Mecanismo de leitura 780 nm de onda laser semicondutora
Desenvolvido por Philips, Sony
Dimensões 12 cm de diâmetro (tamanho comum universal) ou 8 cm (tamanho reduzido)
Fita cassete
Disco de vinil
Disquete
DVD

Um disco compacto, disco compacto a laser, disco a laser, compacto laser ou simplesmente disco laser (popularmente conhecido por CD, sigla para a designação inglesa, Compact Disc) é um disco ótico digital de armazenamento de dados. O formato foi originalmente desenvolvido com o propósito de armazenar e tocar apenas músicas, mas posteriormente foi adaptado para o armazenamento de dados, o CD-ROM.

Diversos outros formatos foram depois derivados deste, incluindo o CD de áudio e dados (CD-R), mídias regraváveis (CD-RW), o Video Compact Disc (VCD), o Super Video Compact Disc (SVCD), o Photo CD, Picture CD, CD-i, Enhanced Music CD, dentre outros.

Os CDs de áudio e leitores de CD são comercializados desde o início dos anos 80.

O diâmetro de um CD tradicional é de 120 milímetros (4.7 polegadas), e possui a capacidade de armazenar até 80 minutos de áudio não-comprimido, ou 700MB de dados. Seu primo menor, o mini-CD, tem vários diâmetros, indo de 60 milímetros até 80 milímetros (2,4 para 3,1 polegadas); eles são usados algumas vezes para singles em CD, podem armazenar mais de 24 minutos de áudio, ou para a distribuição de controladores de computadores.

Na época do lançamento do sistema, o CD possuía uma capacidade maior de armazenamento que muitos HDs. Já na atualidade, qualquer HD possui uma capacidade superior a de um CD.

Em 2004, as vendas mundiais de CDs, CD-ROMs e CD-Rs alcançaram a marca de 30 bilhões de discos vendidos. Em 2007, 200 mil milhões de discos foram vendidos no mundo todo.[1]

Os CDs estão sendo altamente substituídos por outras formas de mídias digitais ou de distribuição e, como resultado, as vendas dos CDs caíram para 50% de seu pico nos Estados Unidos.[2]

Em 2014, as receitas de serviços de música digital se igualaram às vendas de formato físico pela primeira vez.[3]

Índice

HistóriaEditar

A partir do final da década de 1980 e início da década de 1990, a popularidade dos Compact Discs aumentaria, assim fornecendo maior capacidade, durabilidade e clareza sonora, sem chiados, fazendo os discos de vinil serem considerados obsoletos.

Com a banalização dos discos compactos, a consecutiva banalização de gravadores de CD permitiu a qualquer utilizador de PC gravar os seus próprios CDs, tornando este meio um sério substituto a outros dispositivos de backup.

Surgiu assim a popularização dos "discos laser virgens" (CD-R), para gravação apenas, e dos discos que podem ser "reescritos" (CD-RW). A diferença principal entre estes dois é precisamente a capacidade de se poder apagar e reescrever o conteúdo no segundo tipo, característica que iria contribuir para o desaparecimento dos/das disquetes como meio mais comum de transporte de dados.

Efetivamente, um CD é agora capaz de armazenar conteúdo equivalente a aproximadamente 497 disquetes de 3 1/2" (com capacidade de 1440 KB), ou seja, uma capacidade de 700 MB de dados com muito maior fidelidade - uma das características negativas de disquetes era a sua reduzida fidelidade, já que facilmente se danificavam ou se corrompiam. Como exemplo, a exposição ao calor, frio e, até mesmo, a proximidade a aparelhos com campo magnético, como celulares.

A Philips anunciou publicamente um protótipo de CD-ROM de áudio em uma conferência de imprensa, intitulada "Philips Introduce Compact Disc"[4], em 8 de março de 1979, Eindhoven, Países Baixos.[5]

No entanto, alguns anos antes em 1976, a Sony, assim como a Philips, já havia estudado com protótipos, uma possibilidade de um novo disco óptico digital de áudio.[6]

A Philips e a Sony criaram uma força-tarefa conjunta de engenheiros, para desenvolver um novo disco digital de áudio. A força-tarefa, liderada por membros proeminentes da Philips, Kees Schouhamer Immink, e Sony, Toshitada Doi, progrediram na pesquisa em tecnologia-laser e discos ópticos digitais que tinha sido iniciada de forma independente pela Sony em 1975 e pela Philips em 1977.[4]

Seu lançamento se deu a partir de 1º de outubro de 1982 no mercado mundial, começando com o Japão e a Europa. Em fevereiro de 1983, o sistema apareceu na América do Norte. No Brasil, o então novo sistema digital só foi lançado em julho de 1987.

As datas de lançamento do CD em diversos países foram graduais e consecutivas, pois a Philips e a Sony tiveram, por motivos financeiros e de custos na fabricação dos discos, atrasos no cumprimento do lançamento. Sendo assim, com receio, ao invés de optar por ficar adiando permanentemente o lançamento do novo sistema sem concretizá-lo, optaram por lançar aos poucos em cada país. [7] [8]

FuncionamentoEditar

 
Medidas de um disco.

Um CD é um disco de acrílico, sobre o qual é impressa uma longa espiral (22,188 voltas, totalizando 5,6 km de extensão). As informações são gravadas em furos nessa espiral, o que cria dois tipos de irregularidades físicas: pontos brilhantes e pontos escuros. Estes pontos são chamados de bits, e compõem as informações carregadas pelo CD.

A leitura dessas informações é feita por dispositivos especiais, que podem ser leitores de CD ou leitores de DVD. A superfície da espiral é varrida por um laser, que utiliza luz no comprimento infravermelho. Essa luz é refletida pela superfície do disco e captada por um detector. Esse detector envia ao controlador do aparelho a sequência de pontos claros e escuros, que são convertidos em "uns ou zeros", os bits (dados binários). Para proteger a superfície do CD de sujeira, é colocada sobre ela uma camada de policarbonato.

Referências

  1. «Compact disc hits 25th birthday». BBC. 17 de agosto de 2007 
  2. Plambeck, Joseph (30 de maio de 2016). «As CD Sales Wane, Music Retailers Diversify». New York Times (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2017. 
  3. «IFPI publishes Digital Music Report 2015». IFPI (em inglês). 14 de abril de 2015. Consultado em 11 de maio de 2017. 
  4. a b BBC News (17 de agosto de 2007). «How the CD Was Developed». Consultado em 17 de agosto de 2007. 
  5. «Philips Compact Disc» (em inglês). Philips Museum Eindhoven. Consultado em 6 de julho de 2014.. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2013 
  6. «A Long Play Digital Audio Disc System». AES. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. 
  7. Shannon, Beethoven, and the Compact Disc by Kees A. Schouhamer Immink
  8. Kretschmer, Tobias and Muehlfeld , Katrin, Co-opetition in Standard-Setting: The Case of the Compact Disc (October 2004). NET Institute Working Paper No. 04-14.

Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outras mídias sobre Compact disc