Abrir menu principal

Potencialidade e atualidade

(Redirecionado de Atualidade)

Na filosofia, potencialidade e atualidade[1] são um par de princípios intimamente ligados que Aristóteles usou para analisar movimento, causalidade, ética e fisiologia, formando a chamada teoria do ato e potência, em Física, Metafísica, Ética a Nicômaco e De Anima, esta última que trata da psique humana.[2]

O conceito de potencialidade, nesse contexto, geralmente se refere a qualquer "possibilidade" que uma coisa possa ter. Aristóteles não considerou todas as possibilidades iguais e enfatizou a importância daquelas que se tornam reais por vontade própria quando as condições são adequadas e nada as impede.[3] A atualidade, em contraste com a potencialidade, é o movimento, mudança ou atividade que representa um exercício ou a realização de uma possibilidade, quando uma possibilidade se torna real no sentido mais pleno.[4]

Esses conceitos, em formas modificadas, permaneceram muito importantes na Idade Média, influenciando o desenvolvimento da teologia medieval de várias maneiras. Ademais nos tempos modernos, enquanto a compreensão da natureza, e, de acordo com algumas interpretações, da divindade, implícita na dicotomia, perdeu importância, a terminologia encontrou novos usos, desenvolvendo-se indiretamente a partir dos antigos. Isso é mais óbvio em palavras como "energia" e "dinâmica" - palavras usadas pela primeira vez na física moderna pelo cientista e filósofo alemão Gottfried Wilhelm Leibniz. Outro exemplo é o conceito biológico altamente controverso de uma "enteléquia".

PotencialidadeEditar

Potencialidade e potência são traduções da palavra grega antiga dunamis (δύναμις), usada por Aristóteles como um conceito contrastando com atualidade. Sua tradução para o latim é "potentia", raiz da palavra potencial em inglês e usada por alguns estudiosos em vez das variantes gregas ou inglesas.

Dunamis é uma palavra grega comum para possibilidade ou capacidade. Dependendo do contexto, poderia ser traduzido como "potência", "potencial", "capacidade", "aptidão", "poder", "capabilidade", "possibilidade", "força" e é a raiz das palavras modernas "dinâmico", "dinamite" e "dínamo".[5] No início da filosofia moderna, autores ingleses como Hobbes e Locke usaram a palavra em inglês "power" como sua tradução do latim potentia.[6]

Em sua filosofia, Aristóteles distinguiu dois significados da palavra dunamis. De acordo com sua compreensão da natureza, havia um senso fraco para potencial, significando simplesmente que algo "poderia acontecer ou não acontecer", e um senso mais forte, para indicar como algo poderia ser feito bem. Por exemplo, "às vezes dizemos que aqueles que podem simplesmente dar um passeio, ou falar, sem o fazer tão bem quanto pretendem, não podem falar ou andar". Esse sentido mais forte é dito principalmente sobre os potenciais dos seres vivos, embora também seja às vezes usado para coisas como instrumentos musicais.[7]

Ao longo de suas obras, Aristóteles distingue claramente coisas que são estáveis ou persistentes, com sua forte tendência natural a um tipo específico de mudança, daquelas que parecem ocorrer por acaso. Ele trata essas últimas como tendo uma existência diferente e mais real. "Naturezas que persistem" são ditas por ele como sendo uma das causas de todas as coisas, enquanto naturezas que não persistem "muitas vezes podem ser difamadas por não serem em absoluto, por alguém que fixa seu pensamento severamente sobre elas como se pensa de um criminoso". As potências que persistem em um material específico são uma maneira de descrever "a própria natureza" desse material, uma fonte inata de movimento e de repouso dentro desse material. Em termos da teoria de quatro causas de Aristóteles, o potencial não acidental de um material é a causa material das coisas que podem surgir desse material e uma parte de como podemos entender a substância (ousia, às vezes traduzida como "coisidade") de qualquer coisa separada. (Como enfatizado por Aristóteles, isso exige sua distinção entre causas acidentais e causas naturais.)[8] Segundo Aristóteles, quando nos referimos à natureza de uma coisa, estamos nos referindo à forma, configuração ou aparência de uma coisa, que já estava presente como um potencial, uma tendência inata à mudança, naquele material antes de atingir essa forma, mas as coisas mostrariam o que elas são mais plenamente, como uma coisa real, quando estão "totalmente em atividade".[9]

AtualidadeEditar

Atualidade é muitas vezes usado para traduzir ambos energeia (ενέργεια) e entelecheia (ἐντελέχεια) (às vezes apresentada como "enteléquia"). "Atualidade" vem do latim actualitas e é uma tradução tradicional, mas seu significado normal em latim é "qualquer coisa que esteja acontecendo atualmente"

As duas palavras energeia e entelecheia foram cunhadas por Aristóteles, e ele afirmou que pretendia-se convergir seus significados.[10] Na prática, a maioria dos comentaristas e tradutores considera as duas palavras intercambiáveis.[11][12] Ambas se referem a algo em seu próprio tipo de ação ou em trabalho, como todas as coisas estão quando são reais no sentido mais amplo, e não apenas potencialmente reais. Por exemplo, "ser uma rocha é esforçar-se para estar no centro do universo e, assim, estar em movimento, a menos que seja restrita de outra forma",[2] (em uma alusão à gravidade).

EnergeiaEditar

Energeia é uma palavra baseada em ἔργον (ergon), que significa "obra", "trabalho".[11][13] É a fonte da palavra moderna "energia", mas o termo evoluiu tanto ao longo da história da ciência que a referência ao termo moderno não ajuda muito a entender o original usado por Aristóteles. É difícil traduzir seu uso da energeia com consistência. Joe Sachs o apresenta com a frase "estar em trabalho/obra" e diz que "podemos construir a palavra 'is-at-work-ness' (poderia ser traduzido grosseiramente como a qualidade 'está-em-obreidade') a partir das raízes anglo-saxônicas para traduzir energeia para o inglês".[14] Aristóteles diz que a palavra pode ser esclarecida olhando exemplos, em vez de tentar encontrar uma definição.[15]

Dois exemplos de energeiai nas obras de Aristóteles são prazer e felicidade (eudaimonia). O prazer é uma energeia do corpo e da mente humanos, enquanto a felicidade é mais simplesmente a energeia de um ser humano.[16]

Kinesis, traduzida como movimento, moção ou, em alguns contextos, mudança, também é explicada por Aristóteles como um tipo particular de energeia. Ver abaixo.

Enteléquia (entelechia)Editar

Enteléquia, em grego entelécheia, foi cunhada por Aristóteles e transliterada em latim como entelechia. Segundo Sachs (1995, p. 245):

Aristóteles inventa a palavra combinando entelēs (ἐντελής, "completo, adulto") com echein ( = hexis, estar de certa maneira pelo esforço contínuo de se manter nessa condição), ao mesmo tempo em que faz um trocadilho com endelecheia (ἐνδελέχεια, "persistência") inserindo "telos" (τέλος, "conclusão"). Este é um circo de três anéis de uma palavra, no centro de tudo no pensamento de Aristóteles, incluindo a definição de movimento.

Sachs, portanto, propôs um neologismo complexo próprio: "estar-em-obra-permanecendo-o-mesmo".[17] Outra tradução nos últimos anos é "estar-em-um-fim" (que Sachs também usou).[2]

Entelecheia, como pode ser visto por sua derivação, é uma espécie de completude, enquanto "o fim e a completação de qualquer ser genuíno é o seu estar-em-obra" (energeia). A entelecheia é um contínuo estar-em-obra (energeia) quando algo está realizando sua "obra" completa. Por esse motivo, os significados das duas palavras convergem, e ambos dependem da ideia de que a "coisidade" de cada coisa é um tipo de obra ou, em outras palavras, uma maneira específica de estar em movimento. Todas as coisas que existem agora, e não apenas potencialmente, são seres-em-obra, e todas elas têm uma tendência a estar-em-obra de uma maneira específica que seria a maneira adequada e "completa".[17]

Sachs explica a convergência de energeia e entelecheia da seguinte maneira e usa a palavra atualidade para descrever a sobreposição entre elas:[2]

Assim como a energeia se estende à entelecheia, porque é a atividade que torna uma coisa o que é, a entelecheia se estende à energeia, porque é o fim ou a perfeição que só existe em, através e durante a atividade.

MovimentoEditar

Aristóteles discute o movimento (kinēsis) em sua Física de maneira bem diferente da ciência moderna. A definição de movimento de Aristóteles está intimamente ligada à sua distinção entre atualidade e potencialidade. Tomado literalmente, Aristóteles define movimento como a atualidade (entelecheia) de uma "potencialidade como tal".[18] O que Aristóteles quis dizer, no entanto, é objeto de várias interpretações diferentes. Uma grande dificuldade vem do fato de que os termos atualidade e potencialidade, vinculados nesta definição, são normalmente entendidos em Aristóteles em oposição um ao outro. Por outro lado, o "como tal" é importante e é explicado detalhadamente por Aristóteles, dando exemplos de "potencialidade como tal". Por exemplo, o movimento de construir é a energeia da dunamis dos materiais de construção tais como materiais de construção, em oposição a qualquer outra coisa que eles possam se tornar, e esse potencial nos materiais não construídos é referido por Aristóteles como "o construível". Portanto, o movimento de construção é a atualização do "construível" e não a atualização de uma casa como tal, nem a atualização de qualquer outra possibilidade que os materiais de construção possam ter.[19]

Materiais de construção têm potenciais diferentes.

Um é o de que pode-se construir com eles.

Construir é um movimento que havia sido um potencial no material de construção.

Portanto, é a energeia ou a ação dos materiais de construção como materiais de construção

Uma casa é construída e não mais está em movimento

Num influente artigo de 1969, Aryeh Kosman dividiu as tentativas anteriores de explicar a definição de Aristóteles em dois tipos, criticou-as e depois deu sua própria terceira interpretação. Embora isso não tenha se tornado um consenso, ela foi descrita como tendo se tornado "ortodoxa".[20] Esta e outras publicações mais recentes semelhantes são a base do seguinte resumo.

1. A interpretação de "processo"Editar

Kosman (1969) e Coope (2009) associam essa abordagem com W.D. Ross. Sachs (2005) aponta que ela era também a interpretação de Averróis e Maimônides.

Essa interpretação é, usando as palavras de Ross, a de que "é a passagem para a atualidade que é kinesis", em oposição a qualquer potencialidade ser uma atualidade.[21]

O argumento de Ross para essa interpretação exige que ele afirme que Aristóteles realmente usou sua própria palavra entelecheia de maneira errada ou inconsistente, apenas dentro de sua definição, fazendo com que tal signifique "atualização", o que está em conflito com o uso normal de palavras de Aristóteles. Segundo Sachs (2005) essa explicação também não pode explicar o "como tal" na definição de Aristóteles.

2. A interpretação de "produto"Editar

Sachs (2005) associa essa interpretação a Tomás de Aquino e explica que, com essa explicação "a aparente contradição entre potencialidade e atualidade na definição de movimento de Aristóteles" é resolvida "argumentando que em todo movimento a realidade e a potencialidade são misturadas ou combinadas". O movimento é, portanto, "a atualidade de qualquer potencial, na medida em que ainda é uma potencialidade". Ou em outras palavras:

A mistura tomística de atualidade e potencialidade tem a característica de que, na medida em que é atual, não é potencial, e na medida em que é potencial, não é atual; quanto mais quente é a água, menos ela é potencialmente quente, e quanto mais fria é, menos atualmente e mais potencialmente é quente.

Assim como quanto à primeira interpretação, no entanto, Sachs (2005) objeta que:

Uma implicação dessa interpretação é que, o que quer que aconteça agora, é uma enteléquia, como se algo intrinsecamente instável como a posição instantânea de uma flecha em vôo merecesse ser descrito pela palavra que Aristóteles reserva em qualquer outro lugar para estados que persistem, que se mantêm contra causas internas e externas que tentam destruí-las.

Em um artigo mais recente sobre esse assunto, Kosman associa a visão de Tomás de Aquino à de seus próprios críticos, David Charles, Jonathan Beere e Robert Heineman.[22]

3. A interpretação de Kosman, Coope, Sachs e outrosEditar

Sachs (2005), entre outros autores (como Aryeh Kosman e Ursula Coope), propõe que a solução para os problemas de interpretação da definição de Aristóteles deve ser encontrada na distinção que Aristóteles faz entre dois tipos diferentes de potencialidade, sendo apenas um deles correspondente à "potencialidade como tal" aparecendo na definição de movimento. Ele escreve:

O homem que tem visão, mas com os olhos fechados, difere do cego, embora nenhum deles esteja vendo. O primeiro homem tem a capacidade de ver, o que falta ao segundo homem. Existem então potencialidades bem como atualidades no mundo. Mas quando o primeiro homem abre os olhos, ele perdeu a capacidade de ver? Obviamente não; enquanto ele está vendo, sua capacidade de ver não é mais meramente uma potencialidade, mas uma potencialidade que foi posta em obra. A potencialidade de ver existe algumas vezes como ativa ou em-obra, e outras como inativa ou latente.

Em relação ao movimento, Sachs dá o exemplo de um homem atravessando a sala e diz que...

  • "Uma vez que ele alcançou o outro lado da sala, sua potencialidade de estar lá foi atualizada no sentido de Ross para o termo". Esta é um tipo de energeia. No entanto, não é um movimento e não é relevante para a definição de movimento.
  • Enquanto um homem está caminhando, sua potencialidade de estar do outro lado da sala é atual apenas como uma potencialidade, ou em outras palavras, o potencial como tal é uma atualidade. "A atualidade da potencialidade de estar do outro lado da sala, assim como essa potencialidade, não é nem mais nem menos do que a caminhada pela sala".

Em outros termos, é considerado um movimento enquanto houver uma potencialidade como tal (no exemplo, estar do outro lado da sala), ativa/atual, em um processo de atualização que não foi definitivamente completado.

Sachs (1995, pp. 78–79), em seu comentário ao livro III da Física de Aristóteles, apresenta os seguintes resultados de sua compreensão da definição de movimento de Aristóteles:

O gênero do qual o movimento é uma espécie é o estar-em-obra-permanecendo-si-mesmo (entelecheia), do qual a única outra espécie é a coisidade. O estar-em-obra-permanecendo-si-mesmo de uma potência (dunamis), como material, é uma coisidade. O estar-em-obra-permanecendo-si-mesmo de uma potência como uma potência é o movimento.

A importância da atualidade na filosofia de AristótelesEditar

 
Um bloco de mármore em Carrara. Poderia haver uma escultura específica já existente nela como uma potencialidade? Aristóteles escreveu com aprovação de tais maneiras de falar e notou que refletiam um tipo de causalidade na natureza que é frequentemente ignorada nas discussões científicas.

A distinção atualidade-potencialidade em Aristóteles é um elemento-chave ligado a tudo em sua física e metafísica.[23]

Aristóteles descreve a potencialidade e a atualidade, ou potência e ação, como uma das várias distinções entre coisas que existem ou não. Em certo sentido, algo que existe potencialmente não existe, mas o potencial existe. E esse tipo de distinção é expresso para vários tipos diferentes de ser dentro das categorias de ser de Aristóteles. Por exemplo, da Metafísica de Aristóteles, 1017a:[24]

  • Falamos de uma entidade como sendo uma coisa "que vê", esteja ela atualmente vendo ou apenas sendo capaz de ver.
  • Falamos de alguém que tenha entendimento, esteja usando esse entendimento ou não.
  • Falamos de milho existente em um campo, mesmo quando ainda não maduro.
  • Às vezes, as pessoas falam de uma figura como já estando presente em uma rocha que pode ser esculpida para representar essa figura.

Nas obras de Aristóteles, os termos energeia e entelecheia, frequentemente traduzidos como atualidade, diferem do que é meramente real, porque pressupõem especificamente que todas as coisas têm um tipo de atividade ou obra adequado que, se alcançado, seria seu fim apropriado. O grego para finalidade, nesse sentido, é telos, uma palavra componente em entelecheia (uma obra que é o fim apropriado de uma coisa) e também teleologia. Esse é um aspecto da teoria de quatro causas de Aristóteles e, especificamente, da causa formal (eidos, que Aristóteles diz ser energeia[25]) e causa final (telos).

Em essência, isso significa que Aristóteles não via apenas as coisas como matéria em movimento, mas também propunha que todas as coisas tivessem seus próprios objetivos ou fins. Em outras palavras, para Aristóteles (diferentemente da ciência moderna), há uma distinção entre coisas com uma causa natural no sentido mais forte e coisas que realmente acontecem por acidente. Ele também distingue potencialidades não racionais das racionais (por exemplo, a capacidade de aquecer e a capacidade de tocar flauta, respectivamente), apontando que estas requerem desejo ou escolha deliberada para sua atualização.[26] Devido a esse estilo de raciocínio, Aristóteles costuma ser referido como tendo uma teleologia e, às vezes, uma teoria das formas.

Enquanto a atualidade está ligada por Aristóteles ao seu conceito de causa formal, a potencialidade (ou potência), por outro lado, está ligada por Aristóteles aos seus conceitos de matéria hilomórfica e causa material. Aristóteles escreveu, por exemplo, que "a matéria existe potencialmente, porque pode atingir a forma; mas, quando existe de fato, está na forma".[27]

O intelecto ativoEditar

O intelecto ativo era um conceito descrito por Aristóteles que requer uma compreensão da dicotomia atualidade-potencialidade. Aristóteles descreveu isso em seu De Anima (livro 3, cap. 5, 430a10-25) e cobriu terreno semelhante em sua Metafísica (livro 12, cap.7-10). O seguinte é do De Anima, traduzido por Joe Sachs,[28] com algumas notas entre parênteses sobre o grego. A passagem tenta explicar "como o intelecto humano passa de seu estado original, no qual não pensa, para um estado subsequente, no qual o faz". Ele inferiu que a distinção energeia/dunamis também deve existir na própria alma:[29]

...uma vez que na natureza uma coisa é o material [hulē] para cada tipo [genos] (isso é, o que em potência é todas as coisas particulares desse tipo), mas outra é a coisa que é causal e produtiva pela qual todos eles são formados, como é o caso de uma arte em relação ao seu material, é necessário na alma [psuchē] também que esses aspectos distintos estejam presentes;

uma coisa é o intelecto [nous] em se tornando todas as coisas, outra em formando todas as coisas, da mesma maneira que uma condição ativa [hexis] como a luz também faz com que as cores que estão em potência estejam em obra como cores [to phōs poiei ta dunamei onta chrōmata energeiai chrōmata].

Esse tipo de intelecto está separado, além de estar sem atributos e sem mistura, pois é por coisidade um estar-em-obra, pois o que age é sempre diferenciado em estatura acima do que é exercido, pois uma fonte governante está acima do material em que trabalha.

O conhecimento [epistēmē], em seu estar-em-obra, é o mesmo que a coisa que ele sabe, e embora o conhecimento em potência chegue pela primeira vez em qualquer conhecedor, no todo das coisas ele não tem precedência nem mesmo no tempo.

Isso não significa que em um momento ele [intelecto] pensa, mas em outro momento não, mas quando separado ele é exatamente o que é, e isso por si só é imortal e eterno (embora não tenhamos memória, porque esse tipo de intelecto é não atuado, enquanto o tipo que é atuado é destrutível), e sem ele nada pensa.

Isso foi referido como uma das "frases mais intensamente estudadas na história da filosofia".[29] Na Metafísica, Aristóteles escreveu mais detalhadamente sobre um assunto semelhante e é frequentemente entendido como tendo equiparado o intelecto ativo como sendo o "motor imóvel" e Deus. No entanto, como Davidson observa:

Exatamente o que Aristóteles quis dizer com intelecto potencial e intelecto ativo - termos nem mesmo explícitos no De anima e, na melhor das hipóteses, implícitos - e como ele entendeu a interação entre eles permanece discutível até hoje. Os estudantes da história da filosofia continuam a debater a intenção de Aristóteles, particularmente a questão de saber se ele considerava o intelecto ativo um aspecto da alma humana ou uma entidade existente independentemente do homem.[29]

Uso pós-aristotélicoEditar

Novos significados de energeia ou energiaEditar

Já nos trabalhos de Aristóteles, o conceito de distinção entre energeia e dunamis era usado de várias maneiras, por exemplo, para descrever a maneira como metáforas impressionantes funcionam[30] ou a felicidade humana. Políbio, por volta de 150 a.C., em seu trabalho Histórias, usa a palavra energeia de Aristóteles de maneira aristotélica e também para descrever a "clareza e vivacidade" das coisas.[31] Diodoro Sículo, em 60 a 30 a. C., usou o termo de maneira muito semelhante a Políbio. No entanto, Diodoro usa o termo para denotar qualidades exclusivas dos indivíduos. Usando o termo de maneiras que possam ser traduzidas como "vigor" ou "energia" (em um sentido mais moderno); para a sociedade, "prática" ou "costume"; para uma coisa, "operação" ou "trabalho"; como vigor em ação.[32]

Platonismo e neoplatonismoEditar

Já em Platão encontramos a noção de potência e ato implícita em sua apresentação cosmológica do vir-a-ser (kinēsis) e das forças (dunamis),[33] ligada ao intelecto ordenador, principalmente na descrição do Demiurgo e do "Receptáculo" no Timeu.[34][35] Ela também já foi associada à díade das doutrinas não escritas de Platão,[36] e está imersa na questão do ser e não-ser desde os pré-socráticos,[37] como no mobilismo de Heráclito e no imobilismo de Parmênides. O conceito mitológico do Caos primordial também é classicamente associado ao de uma prima matéria em desordem, que, passiva e plena de potencialidades, seria ordenada em formas atuais, como pode ser visto no neoplatonismo, principalmente em Plutarco, Plotino e entre os Pais da Igreja,[37] e na filosofia medieval e renascentista subsequente, como no Livro do Caos de Ramon Lllul[38] e na obra Paraíso Perdido de John Milton.[39]

Plotino foi um filósofo e teólogo pagão clássico tardio, cujas interpretações monoteístas de Platão e Aristóteles foram influentes entre os primeiros teólogos cristãos. Em seus Enéadas, ele procurou reconciliar ideias de Aristóteles e Platão com uma forma de monoteísmo, que usava três princípios metafísicos fundamentais, que foram concebidos em termos consistentes com a dicotomia energeia/dunamis de Aristóteles, e uma interpretação de seu conceito de intelecto ativo (discutido acima):

  • A Mônada ou "o Uno" às vezes também é descrito como "o Bom". Este é a dunamis ou possibilidade de existência.
  • O Intelecto, ou Inteligência, ou, para usar o termo grego Nous, que é descrito como Deus ou Demiurgo. Ele pensa seu próprio conteúdo, que são os pensamentos, equiparados às ideias ou formas platônicas (eide). O pensamento deste Intelecto é a atividade mais alta da vida. A atualização desse pensamento é o ser das formas. Este Intelecto é o primeiro princípio ou fundamento da existência. O Uno é anterior a ele, mas não no sentido de que uma causa normal é anterior a um efeito, mas, ao invés, o Intelecto é chamado de emanação do Uno. O Uno é a possibilidade deste fundamento de existência.
  • Alma ou, para usar o termo grego, psique. A alma também é uma energeia: age sobre ou atualiza seus próprios pensamentos e cria "um cosmos material separado que é a imagem viva do Cosmos espiritual ou noético contido como um pensamento unificado dentro da Inteligência".

Isso se baseou amplamente na leitura de Platão por Plotino, mas também incorporou muitos conceitos aristotélicos, incluindo o Motor Imóvel como energeia.[40]

Debate sobre energias e essência na teologia cristã medievalEditar

No cristianismo ortodoxo oriental, São Gregório Palamas escreveu sobre as "energias" (atualidades; energeia singular em grego ou actus em latim) de Deus em contraste com a "essência" de Deus (ousia). Esses são dois tipos distintos de existência, com a energia de Deus sendo o tipo de existência que as pessoas podem perceber, enquanto a essência de Deus está fora da existência normal, da inexistência ou da compreensão humana - transcendente, na medida em que não é causada ou criada por qualquer outra coisa.

Palamas deu essa explicação como parte de sua defesa da prática ascética ortodoxa oriental do hesicasmo. O palamismo se tornou uma parte padrão do dogma ortodoxo após 1351.[41]

Por outro lado, a posição do cristianismo medieval ocidental (ou católico) pode ser encontrada, por exemplo, na filosofia de Tomás de Aquino, que se baseou no conceito de enteléquia de Aristóteles, quando definiu Deus como actus purus, ato puro, atualidade sem mistura de potencialidade. A existência de uma essência verdadeiramente distinta de Deus, que não é atual, geralmente não é aceita na Teologia Católica.

Influência na lógica modalEditar

A noção de possibilidade foi amplamente analisada pelos filósofos medievais e modernos. O trabalho lógico de Aristóteles nessa área é considerado por alguns como uma antecipação da lógica modal e seu tratamento da potencialidade e do tempo. De fato, muitas interpretações filosóficas de possibilidade estão relacionadas a uma famosa passagem em Da Interpretação, de Aristóteles, relativa à verdade da afirmação: "Haverá uma batalha marítima amanhã".[42]

A filosofia contemporânea considera a possibilidade, como estudada pela metafísica modal, um aspecto da lógica modal. A lógica modal como assunto nomeado deve muito aos escritos dos escolásticos, em particular William de Ockham e João Duns Escoto, que raciocinaram informalmente de maneira modal, principalmente para analisar afirmações sobre essência e acidente.

Influência na física modernaEditar

A metafísica de Aristóteles, seu relato de natureza e causalidade, foi em grande parte rejeitada pelos primeiros filósofos modernos. Francis Bacon, em seu Novum Organon, em uma explicação do caso de rejeição do conceito de causa formal ou "natureza" para cada tipo de coisa, argumentou, por exemplo, que os filósofos ainda devem procurar causas formais, mas apenas no sentido de "naturezas simples" como cor e peso, que existem em muitas gradações e modos em tipos muito diferentes de corpos individuais.[43] Nos trabalhos de Thomas Hobbes, então, os termos aristotélicos tradicionais, "potentia et actus", são discutidos, mas ele os iguala simplesmente a "causa e efeito".[44]

 
Gottfried Wilhelm von Leibniz, a fonte das adaptações modernas dos conceitos de potencialidade e atualidade de Aristóteles.

Houve uma adaptação de pelo menos um aspecto da potencialidade de Aristóteles e da distinção de atualidade, que se tornou parte da física moderna, embora, segundo a abordagem de Bacon, seja uma forma generalizada de energia, não conectada a formas específicas para coisas específicas. A definição de energia na física moderna como o produto da massa e o quadrado da velocidade foi derivada por Leibniz, como uma correção de Descartes, baseada na investigação de Galileu sobre a queda de corpos. Ele preferiu se referir a ela como entelecheia ou "força viva" (latim vis viva), mas o que ele definiu hoje é chamado de "energia cinética", e foi visto por Leibniz como uma modificação da energeia de Aristóteles e seu conceito de potencial para o movimento que está nas coisas. Em vez de cada tipo de coisa física ter sua própria tendência específica a se mover ou mudar, como em Aristóteles, Leibniz disse que, em vez disso, força, poder ou movimento em si poderia ser transferido entre coisas de tipos diferentes, de maneira que existe uma conservação geral dessa energia. Em outras palavras, a versão moderna de enteléquia ou energia de Leibniz obedece a suas próprias leis da natureza, enquanto diferentes tipos de coisas não têm suas próprias leis da natureza separadas.[45] Leibniz escreveu:[46]

...a enteléquia de Aristóteles, que fez tanto barulho, não passa de força ou atividade; isto é, um estado do qual a ação flui naturalmente se nada a impedir. Mas a matéria, primária e pura, tomada sem as almas ou vidas que estão unidas a ela, é puramente passiva; propriamente falando, também não é uma substância, mas algo incompleto.

O estudo de Leibniz sobre a "enteléquia", agora conhecido como energia, fazia parte do que ele chamou de sua nova ciência da "dinâmica", baseada na palavra grega dunamis e no seu entendimento de que ele estava criando uma versão moderna da antiga dicotomia de Aristóteles. Ele também se referiu a ela como a "nova ciência da potência e da ação", (latim "potentia et effectu" e "potentia et actione"). E é dele que decorre a distinção moderna entre estática e dinâmica na física. A ênfase em dunamis no nome dessa nova ciência vem da importância de sua descoberta de energia potencial que não é ativa, mas que conserva energia. "Como 'uma ciência do poder e da ação', a dinâmica surge quando Leibniz propõe uma arquitetônica adequada de leis para movimentos restritos e irrestritos".[47]

Para Leibniz, como Aristóteles, essa lei da natureza relativa às enteléquias também era entendida como uma lei metafísica, importante não apenas para a física, mas também para entender a vida e a alma. Uma alma, ou espírito, de acordo com Leibniz, pode ser entendida como um tipo de enteléquia (ou mônada viva) que possui percepções e memória distintas.

Na física quântica contemporânea, há interpretações que defendem os conceitos de potencialidade e atualidade para o entendimento de fenômenos do vácuo quântico e as probabilidades do colapso da função de onda.[48][49][50] O físico Wolfgang Smith propunha-os no entendimento da sobreposição quântica. David Bohm também os utiliza na sua descrição de ordem implícita e ordem explícita.[51]

Entelecheia na filosofia e biologia modernasEditar

Como discutido acima, termos derivados de dunamis e energeia tornaram-se partes do vocabulário científico moderno com um significado muito diferente do de Aristóteles. Os significados originais não são usados pelos filósofos modernos, a menos que estejam comentando sobre a filosofia clássica ou medieval. Em contraste, entelecheia, na forma de "enteléquia", é uma palavra usada muito menos em sentidos técnicos nos últimos tempos.

Como mencionado acima, o conceito ocupava uma posição central na metafísica de Leibniz e está intimamente relacionado à sua mônada, no sentido de que cada entidade senciente contém nele seu próprio universo inteiro. Mas o uso desse conceito por Leibniz influenciou mais do que apenas o desenvolvimento do vocabulário da física moderna. Leibniz também foi uma das principais inspirações para o importante movimento na filosofia conhecido como idealismo alemão, e dentro desse movimento e das escolas influenciadas por essa enteléquia podem denotar uma força que impulsiona a autorrealização.

No vitalismo biológico de Hans Driesch, os seres vivos se desenvolvem pela enteléquia, um campo comum de propósito e organização. Os principais vitalistas como Driesch argumentaram que muitos dos problemas básicos da biologia não podem ser resolvidos por uma filosofia em que o organismo é simplesmente considerado uma máquina.[52] O vitalismo e seus conceitos como enteléquia foram descartados como sem valor para a prática científica pela esmagadora maioria dos biólogos profissionais.

No entanto, na filosofia, aspectos e aplicações do conceito de enteléquia foram explorados por filósofos cientificamente interessados e por cientistas filosoficamente inclinados. Um exemplo foi o crítico e filósofo americano Kenneth Burke (1897-1993), cujo conceito de "telas terminísticas" ilustra seu pensamento sobre o assunto. O mais proeminente foi talvez o físico quântico alemão Werner Heisenberg. Ele olhou para as noções de potencialidade e atualidade para entender melhor a relação da teoria quântica com o mundo.[53]

O professor Denis Noble argumenta que, assim como a causa teleológica é necessária para as ciências sociais, uma causa teleológica específica na biologia, expressando um propósito funcional, deve ser restaurada e que ela já está implícita no neodarwinismo (por exemplo, "gene egoísta"). A análise teleológica se mostra parcimoniosa quando o nível de análise é apropriado à complexidade do 'nível' exigido de explicação (por exemplo, corpo ou órgão inteiro, e não o mecanismo celular).[54]

Ver tambémEditar

Referências

  1. dynamis–energeia, traduzido em latim como potentia–actualitas (anteriormente também possibilitas–efficacia). Giorgio Agamben, Opus Dei: An Archaeology of Duty (2013), p. 46.
  2. a b c d Sachs (2005)
  3. Sachs (1999, p. lvii).
  4. Durrant (1993, p. 206)
  5. Ver referências do dicionário Perseus para dunamis.
  6. Locke (1689, chpt. XXI)
  7. Metafísica 1019a - 1019b. As traduções usadas são aquelas por Tredennick no Perseus project.
  8. De Física 192a18. Tradução de Sachs (1995, p. 45)
  9. Physics 193b. (Sachs (1995, p. 51).)
  10. Metafísica 1047a30, na tradução de Sachs (1999): "a frase estar-em-obra, projetada para convergir em significado com estar-em-obra-permanecendo-completo". Grego: ἐλήλυθε δ᾽ ἡ ἐνέργεια τοὔνομα, ἡ πρὸς τὴν ἐντελέχειαν συντιθεμένη
  11. a b Bradshaw (2004) page 13
  12. Durrant (1993)
  13. Metafísica 1050a21-23. Na tradução de Tredennick: "Pois a atividade é o fim, e a atualidade (energeia) é a atividade (ergon); portanto, o termo "atualidade" é derivado de "atividade" e tende a ter o significado de "realidade completa (entelecheia)." Grego: τὸ γὰρ ἔργον τέλος, ἡ δὲ ἐνέργεια τὸ ἔργον, διὸ καὶ τοὔνομα ἐνέργεια λέγεται κατὰ τὸ ἔργον καὶ συντείνει πρὸς τὴν ἐντελέχειαν.
  14. Sachs (1995), Sachs (1999), Sachs (2005)
  15. Metaphysics 1048a30ff.
  16. Ética a Nicômaco, Livro X. Chapters 1–5: Book X. Chapters 1–5.
  17. a b Sachs (1995)
  18. Physics 201a10-11, 201a27-29, 201b4-5. Metaphysics Book VII.
  19. Metaphysics Book XI, 1066a.
  20. Trifogli, Cecilia (2000), Oxford Physics in the Thirteenth Century (ca. 1250-1270): Motion, Infinity, Place & Time, ISBN 9004116575, Brill, p. 8 
  21. Physics, text with commentary, London, 1936, p. 359, quoted by Sachs (2005).
  22. Kosman (2013), chapter 2, footnote 19.
  23. Sachs (1995).
  24. Tradução de Tredennick, com ligações para as referências cruzadas de suas notas de rodapé, usando os recursos online do Perseus: "Pois dizemos que tanto aquilo que vê potencialmente quanto o que vê atualmente são "uma coisa que vê". E da mesma maneira chamamos de "entendimento" aquilo que pode usar o entendimento, e aquilo que o faz; e chamamos de "tranquilo" tanto aquilo em que a tranquilidade já está presente quanto o que é potencialmente tranquilo. Da mesma forma, no caso das substâncias. Pois dizemos que Hermes está na pedra (Cf. Aristóteles Met. 3.5.6.) e a metade da linha no todo; e chamamos de "milho" o que ainda não está maduro. Mas quando uma coisa é potencialmente existente e quando não é, deve ser definida em outro lugar." Aristóteles Metafísica 9.9.
  25. Metaphysics 1050b. Greek: ὥστε φανερὸν ὅτι ἡ οὐσία καὶ τὸ εἶδος ἐνέργειά ἐστιν.
  26. Metafísica 1048a. As palavras gregas são orexis para desejo e proairesis para escolha deliberada.
  27. Metaphysics 1050a15. Greek: ἔτι ἡ ὕλη ἔστι δυνάμει ὅτι ἔλθοι ἂν εἰς τὸ εἶδος: ὅταν δέ γε ἐνεργείᾳ ᾖ, τότε ἐν τῷ εἴδει ἐστίν
  28. Sachs (2001)
  29. a b c Davidson (1992)
  30. Retórica (Aristóteles)f 1411b
  31. Bradshaw (2004, p. 51)
  32. Bradshaw (2004, p. 55)
  33. Cleary, John J. (1998). «'Powers that Be': The Concept of Potency in Plato and Aristotle». Méthexis. XI
  34. Brisson, Luc (1 de janeiro de 2016). «The Intellect and the cosmos». Méthodos (16). ISSN 1626-0600. doi:10.4000/methodos.4463
  35. Claghorn, George S. (1954). «Aristotle's Criticism of the Receptacle». Dordrecht: Springer Netherlands: 5–19. ISBN 9789401181907 
  36. Turner, John Douglas (2001). Sethian Gnosticism and the Platonic Tradition (em inglês). [S.l.]: Presses Université Laval. ISBN 9782763778341. p. 329
  37. a b Dillon, Jonh. Plutarch as a Polemicist.
  38. «Potentiality and Act in Chaos». lullianarts.narpan.net. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  39. Chambers, A. B. (1998). «Chaos in Paradise Lost». Méthexis. XI 
  40. Ver Moore, Edward, «Plotinus», Internet Encyclopedia of Philosophy  and Gerson, Lloyd, «Plotinus», Stanford Encyclopedia of Philosophy . A citação direta acima vem de Moore.
  41. «Gregory Palamas: An Historical Overview» [ligação inativa] 
  42. Ver cópia da tradução de W.D. Ross's em scan no Internet Archive.
  43. Book II, aphorism V
  44. De Corpore chapter X (in Latin; in English).
  45. Klein (1985), e Sachs (2005): "Leibniz, que criticou a física de Descartes e inventou uma ciência da dinâmica, reconheceu explicitamente sua dívida com Aristóteles (veja, por exemplo, Specimen Dynamicum), cuja doutrina de entelecheia ele se considerava restauradora de uma forma modificada. De Leibniz derivamos nossa atual as noções de energia potencial e cinética, cujos nomes, apontando para a atualidade em potencial e a atualidade em movimento, preservam as resoluções tomísticas dos dois paradoxos na definição de movimento de Aristóteles. "
  46. Leibniz (1890)
  47. Duchesneau (1998)
  48. FLEMING, GORDON N. (1992). «The Actualization of Potentialities in Contemporary Quantum Theory». The Journal of Speculative Philosophy. 6 (4): 259–276. ISSN 0891-625X 
  49. Bishop, Robert R.; Brenner, Joseph E. (20 de dezembro de 2017). «Potentiality, Actuality and Non-Separability in Quantum and Classical Physics: Res Potentiae in the Macroscopic World». arXiv:1801.01471 [physics, physics:quant-ph] 
  50. Kastner, R. E.; Kauffman, Stuart; Epperson, Michael (11 de setembro de 2017). «Taking Heisenberg's Potentia Seriously». arXiv:1709.03595 [physics, physics:quant-ph] 
  51. Pylkkänen, Paavo T. I. (2007). Mind, Matter and the Implicate Order (PDF). [S.l.]: Springer-Verlag Berlin Heidelberg. ISBN 9783540480587. OCLC 1067021904 
  52. Mayr (2002)
  53. See Jaeger
  54. Noble, D. (2016). Dance to the tune of life: Biological relativity. Cambridge University Press. pp 53, 198, 210, 277.

BibliografiaEditar

Traduções antigas de AristótelesEditar