CDS – Partido Popular

partido político português
(Redirecionado de CDS - Partido Popular)
Disambig grey.svg Nota: Para o CDS espanhol, veja Centro Democrático e Social (Espanha). Para outros usos de Partido Popular, veja Partido Popular.

O CDS – Partido Popular (CDS–PP)[10][11][12] é um partido político português conservador[2] inspirado pela democracia cristã,[2] aberto também a liberais. Fundado em 19 de Julho de 1974, com o nome Partido do Centro Democrático Social (CDS), por Diogo Freitas do Amaral, Adelino Amaro da Costa, Basílio Horta, Victor Sá Machado, Valentim Xavier Pintado, João Morais Leitão e João Porto.[13] Mais tarde, mudaria o nome apenas para Partido Popular (mantendo a sigla CDS–PP), e depois para a denominação utilizada presentemente.

CDS – Partido Popular
Partido do Centro Democrático Social
Partido Popular
Presidente Nuno Melo
Vice-presidente Telmo Correia;
Álvaro Castelo-Branco;
Ana Birrento;
Diogo Moura;
João Fernandes;
Maria Luísa Aldim;
Paulo Núncio.
Secretário-geral Pedro Morais Soares[1]
Porta-voz Isabel Galriça Neto[1]
Vogais António Marinho;
Catarina Araújo;
Duarte Correia;
Durval Ferreira;
Francisco Kreye.
Fundação 19 de julho de 1974
Sede Santa Maria Maior, Lisboa
Ideologia Democracia cristã[2]
Conservadorismo[2]
Liberalismo económico
Espectro político Direita[3][4]
Publicação Folha CDS[5]
Ala jovem presente: Juventude Popular (JP)
anteriormente: Juventude Centrista (JC)
Membros (2018) 38 455[6]
País Portugal
Afiliação internacional União Democrática Internacional[7]
Afiliação europeia Partido Popular Europeu[8]
Grupo no Parlamento Europeu Grupo do Partido Popular Europeu[8]
Assembleia da República
0 / 230
Parlamento Europeu
1 / 21
Assembleia Legislativa da Madeira
3 / 47
Assembleia Legislativa dos Açores
3 / 57
Presidentes de Câmaras Municipais
6 / 308
Vereadores Municipais
256 / 2 086
Cores Azul
Hino "Para a Voz de Portugal ser Maior"[9]
Símbolo eleitoral
CDS-PP (Símbolo Eleitoral).png
Bandeira do partido
Flag of the CDS – People's Party.svg
Página oficial
www.cds.pt

CDS é a sigla de Centro Democrático Social, o primeiro nome do partido.

O CDS integrou diversos governos, sempre em coligação: quando dirigido por Diogo Freitas do Amaral coligou-se com o PS de Mário Soares (II); com o PSD, de Francisco Sá Carneiro, e o PPM, de Gonçalo Ribeiro Telles, constituindo a Aliança Democrática (VI e VII); sob a liderança de Paulo Portas, novamente com o PSD, após as eleições legislativas de 2002 (XV, com José Durão Barroso, e XVI com Pedro Santana Lopes) e, mais recentemente, com o PSD de Pedro Passos Coelho, na sequência das eleições legislativas de 2011 e 2015 (XIX e XX governos, respetivamente).

O partido é membro da União Internacional Democrata[14] e do Partido Popular Europeu. O CDS–PP tem algumas organizações autónomas que perfilham os seus ideais políticos. Entre elas, a Juventude Popular e a Federação dos Trabalhadores Democratas-Cristãos (FTDC).

Nas eleições legislativas de 2005 foram eleitos pelas suas listas 12 deputados. O resultado foi considerado fraco pelo líder do partido, Paulo Portas, que apresentou a sua demissão nesse dia mas que viria depois a ser de novo o presidente. Nas eleições legislativas de 2009, foram eleitos pelas suas listas 21 deputados. Este resultado foi considerado uma grande vitória pelo CDS–PP, que se tornou assim na terceira força política na Assembleia da República (AR).[15] Com as eleições legislativas de 2011, o CDS-PP conseguiu reforçar a sua força parlamentar, passando de 21 para 24 deputados, resultado de aumento percentual dos votos de 10,4% para 11,7%. Nas eleições de 2015 o CDS-PP concorreu coligado com o PSD (coligação Portugal à Frente), tendo elegido 18 deputados. Nas eleições legislativas de 2019, o CDS-PP perdeu 13 deputados, sendo reduzido a 5 deputados e atingindo 4,25% dos votos. Nas eleições legislativas de 2022, o CDS-PP não elegeu qualquer deputado à Assembleia da República, obtendo apenas 1,61% dos votos, no que foi o pior resultado eleitoral da sua história, e perdendo assim a representação parlamentar que tinha desde 1975.[16]

Base de apoioEditar

 
Largo Adelino Amaro da Costa, sede do partido.

O eleitorado do CDS-PP é bastante diverso. O partido agrega um maior apoio local no norte do país (em especial em distritos como Aveiro, Viseu e Viana do Castelo). Nas primeiras eleições legislativas em democracia, em 1976, o CDS obteve cerca de 16% dos votos, tendo registado resultados francamente melhores no norte do país, e conseguido chegar a primeira força política no distrito da Guarda (com 32% dos votos). Por outro lado, a sua expressão eleitoral é tradicionalmente mais reduzida a sul do Tejo, em particular no Alentejo.

Ao longo do tempo, o CDS sofreu muitas vezes da transferência de voto para o PSD (o chamado "voto útil"). Este fenómeno foi observável em 1987, com as eleições legislativas e europeias realizadas simultaneamente, tendo o CDS–PP registado um resultado inferior a 5% nas legislativas, e de aproximadamente 15% nas eleições europeias.

O partido, autonomamente, tem uma reduzida expressão autárquica (seis câmaras municipais), no entanto participa em coligação (usualmente com o Partido Social Democrata) na governação de dezassete autarquias. Neste momento, o partido faz também parte dos governos regionais dos Açores e da Madeira, em coligação com o PSD.

A sua base de apoio integra tanto cidadãos da direita conservadora, democratas-cristãos e liberais.

HistóriaEditar

A fundaçãoEditar

O Partido do Centro Democrático Social (CDS) foi fundado em 19 de julho de 1974, fruto de uma iniciativa dos mais prudentes membros do Estado Novo, de direita, que preferiram "jogar pelo seguro usando uma identidade centrista". Estes membros eram elementos jurídicos e tecnocráticos da ditadura derrubada pela Revolução de 25 de Abril de 1974, ditadura com qual estavam menos comprometidos.[17] O partido assumiu-se "contra o Marxismo, moderado e aberto às correntes de catolicismo social e conservadorismo liberal". Apesar de estar à direita do PPD/PSD, ambos eram bem recebidos por muitos apoiantes do Estado Novo; e o partido teve como bases os católicos, conservadores, e liberais desse regime.[18]

Em relação ao posicionamento, o CDS negou sempre ser de direita, e colocavam-se, em vez disso, no centro, fixado no personalismo católico e no catolicismo social. A posição bispal, onde a Igreja Católica aprovava a participação dos seus seguidores em partidos políticos, mas não se dispunha a apoiar partidos confessionais, levou em parte à adoção do nome "social democracia" em vez de "democracia cristã", este último mais conservador.[18] Durante o Processo Revolucionário em Curso, o CDS, mantendo uma posição cautelosa, rejeitou ser um partido de direita, e, em simultâneo, demonstrou cuidado em manter o seu eleitorado conservador, incluindo o de extrema-direita, boicotando qualquer coisa que pudesse ser uma ameaça para o seu domínio sobre estes. A estratégia funcionou, e o CDS, não só evadiu a repressão das forças revolucionários, até nos momentos mais intensos, como se cimentou na direita da Assembleia da República, sem ser marginalizado na extrema-direita.[18]

 
Diogo Freitas do Amaral foi o primeiro líder do CDS, partido que acabou por abandonar mais tarde.

Entre os seus principais fundadores estão Diogo Freitas do Amaral, Victor Sá Machado e Adelino Amaro da Costa.

A oposição à convocação da «maioria silenciosa» planeada para 28 de Setembro contribuíram para o CDS sobreviver, ao contrário de grupos direitistas, como o Partido do Progresso (MFP/PP) e o Partido Liberal.[19] No dia 13 de Janeiro de 1975, os responsáveis do CDS entregaram no Supremo Tribunal de Justiça a documentação necessária à legalização do partido. O primeiro congresso foi a 25 de Janeiro de 1975 no Palácio de Cristal, no Porto. Foi nesse mesmo congresso que o cerco por militantes de extrema-esquerda marcou um dos episódios de maior confronto da vida política da democracia portuguesa e, apesar do qual, prosseguiu. O CDS é, juntamente com o PS e o PSD, uma das forças políticas a quem se credita o esforço da estabilização política após o PREC com obtenção de uma democracia liberal em oposição aos intentos alegadamente totalitários de parte das forças políticas revolucionárias neste conturbado período. Não obstante isto, são várias as acusações e alegadas implicações de notáveis do partido, no período do PREC, que terão contribuído para o contra-ataque às ofensas que as sedes do partido sofriam no Sul com recurso a movimentos populares, em especial no Norte, para a defesa de propriedades privadas, tendo por vezes recorrido para tal a vandalização e instigação de sedes de movimentos políticos de esquerda nesta região.

Primeiros anos de oposiçãoEditar

Depois de 11 de Março de 1975, o regime que então tentava dominar o país definiu como principais vetores as questões sociais, a intervenção na economia e a tutela militar. Tudo isto, somado ao COPCON (organização militar criada em 1974) e ao questionamento dos modelos democráticos ocidentais, levou o CDS a declarar-se partido de oposição. Os seus 16 deputados votaram sozinhos contra a Constituição de 1976, no dia 2 de Abril, também pelo facto de esta incluir no seu preâmbulo que Portugal é um país "a caminho do socialismo", frase que ainda contém.[20]

Nas eleições de 1976, o CDS conseguiu os seus objetivos ao ultrapassar o PCP e conseguir eleger 42 deputados.

Governo PS–CDSEditar

O CDS chegou pela primeira vez ao poder em aliança parlamentar com o Partido Socialista. O II Governo Constitucional tomou posse a 23 de Janeiro de 1978, e incluía três ministros do CDS: Rui Pena (Reforma Administrativa), Sá Machado (Negócios Estrangeiros) e Basílio Horta (Comércio e Turismo), além de cinco secretários de Estado. Terminou o seu mandato a 29 de Agosto de 1978.

A Aliança Democrática (AD)Editar

 
Adelino Amaro da Costa, um dos fundadores do CDS e Ministro da Defesa da AD, faleceu no desastre de Camarate

Em 1979 o partido propôs a criação de uma frente eleitoral ao Partido Social-Democrata e ao Partido Popular Monárquico. Essa proposta deu origem à Aliança Democrática, conhecida por AD, que, liderada por Francisco Sá Carneiro (PSD), venceu as eleições legislativas de 1979 e de 1980.

Nos governos da AD o CDS foi representado por cinco ministros e dez secretários de estado, tendo o presidente do partido, Diogo Freitas do Amaral, sido nomeado vice-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros (mais tarde, vice-primeiro-ministro e ministro da Defesa Nacional).

Na noite de 4 de Dezembro de 1980, o primeiro-ministro de Portugal, Francisco Sá Carneiro, o ministro da Defesa, Adelino Amaro da Costa, Snu Abecassis, Maria Manuel Amaro da Costa, António Patrício Gouveia e os pilotos Jorge Albuquerque e Alfredo de Sousa morreram num trágico despenhamento de avião em Camarate. Oficialmente tratou-se de um acidente, no entanto há muitos que ainda hoje suspeitam de atentado, tendo o assunto ficado conhecido como Caso Camarate.

Assim, o presidente do CDS, Freitas do Amaral, foi chefe de governo interino (como vice-primeiro-ministro) até à nomeação de um novo governo, desta vez, liderado por Francisco Pinto Balsemão. O VII Governo Constitucional tomou posse a 9 de Janeiro de 1981 e terminou o seu mandato a 4 de Setembro do mesmo ano, seguindo-se o VIII Governo Constitucional, liderado novamente por Pinto Balsemão, e que terminou o seu mandato a 9 de Junho de 1983, após Freitas do Amaral, depois de desentendimentos no seio da AD, se ter demitido do Governo e da presidência do partido, acabando assim com a coligação.

Uma oposição de vinte anos: 1982–2002Editar

 
Francisco Lucas Pires liderou o CDS entre 1983 e 1985

Após a desintegração da AD, no fim de 1982, e depois da demissão de Freitas do Amaral, o partido procurava novo líder e novas estratégias. No V Congresso do partido, em Fevereiro de 1983, Francisco Lucas Pires saiu vitorioso, concorrendo contra Luís Barbosa.

Face aos fracos resultados eleitorais de 6 de Outubro de 1985, o líder do partido, Lucas Pires, apresentou a sua demissão. O seu sucessor foi o professor Adriano Moreira, que, confrontado com novos resultados negativos, decidiu não se recandidatar. Assim, o fundador Freitas do Amaral voltou à presidência em plena era cavaquista, em que o partido estava reduzido a 4 (mais tarde 5) deputados. Manter-se-ia no cargo até 1992.

Em 1992 uma nova geração tomou conta do CDS. Em Março, no X Congresso do partido, foi eleito o ex-presidente da Juventude Centrista, Manuel Monteiro. Um ano depois, um congresso extraordinário adiciona a expressão "Partido Popular" ao nome do partido.[21] A denominação atual foi fixada no XIII Congresso, em Fevereiro de 1995.[22]

Nas legislativas de 1995 o CDS–PP apresenta uma recuperação eleitoral, conseguindo eleger 15 deputados. No entanto, em 1997, após fracasso eleitoral nas autárquicas, Manuel Monteiro apresenta a sua demissão, sendo convocado o XVI Congresso em Braga, em que Paulo Portas sai vencedor após derrotar Maria José Nogueira Pinto. Paulo Portas propôs a reconciliação dentro do partido e um regresso à matriz democrata-cristã. Nas legislativas de 1999, o CDS–PP consegue manter o seu grupo parlamentar de 15 deputados.

Após grande derrota eleitoral nas autárquicas de 2001, o então primeiro-ministro socialista António Guterres apresentou a sua demissão, dando lugar a novas eleições.

 
Paulo Portas foi o líder de maior longevidade no CDS-PP

A Coligação DemocráticaEditar

O PSD venceu as eleições legislativas de 2002 com maioria relativa. Dadas as circunstâncias, vinte anos depois voltou a celebrar um acordo de coligação para governar Portugal. No novo governo, o CDS–PP teve direito a três ministérios: Paulo Portas na Defesa Nacional, Bagão Félix como ministro do Trabalho e Celeste Cardona sobraçando a pasta da Justiça.

No Verão de 2004, Durão Barroso foi presidir à Comissão Europeia, tendo o presidente da República Jorge Sampaio nomeado um novo governo PSD/CDS–PP, agora liderado por Pedro Santana Lopes. O novo governo gozou de fraca popularidade e, após quatro meses, o presidente da República dissolveu a Assembleia da República que apoiava em maioria o governo. Novas eleições foram convocadas para fevereiro de 2005.

Legislativas de 2005Editar

O CDS-PP partia sozinho e com grandes expectativas para as eleições legislativas. Esperando beneficiar do resultado da governação dos seus ministros e da sua participação nos governos de coligação, o partido lançou-se para metas ambiciosas: Manter-se como terceira força política, impedir a maioria absoluta do PS e atingir os 10% dos votos expressos. Todos os objetivos falharam, tendo o CDS-PP perdido dois deputados. Isto, aliado à grande derrota do PSD, levou Paulo Portas a demitir-se e a convocar novo congresso.

"Portugal 2009"Editar

Convocado novo congresso, os candidatos tardaram em aparecer. Surgiram então dois candidatos: Telmo Correia e José Ribeiro e Castro. O primeiro era visto como claro favorito,[carece de fontes?] representando a linha da continuidade de Paulo Portas. Apesar do favoritismo inicial, Ribeiro e Castro conquistou surpreendentemente o congresso, tendo a sua moção, "2009", saído eleita. No dia seguinte Ribeiro e Castro foi eleito presidente do CDS.

Oposição e instabilidade interna: 2005–2007Editar

 
Comício do CDS–PP em Janeiro de 2005, no Europarque, Santa Maria da Feira, com mais de 5 000 pessoas.

A surpreendente vitória de José Ribeiro e Castro, após a saída de Paulo Portas, não agradou a muitos elementos do partido, levando a um período de crescente instabilidade interna. José Ribeiro e Castro foi reeleito nas primeiras eleições diretas do partido, e, mais tarde, reeleito em Congresso, contra João Pinho de Almeida, então presidente da Juventude Popular.

O facto de o grupo parlamentar, escolhido pelo anterior presidente, Paulo Portas, não integrar o novo presidente do partido (então eurodeputado) nem elementos da nova direção, conduziu a que Ribeiro e Castro não tivesse condições de visibilidade pública no combate ao governo semelhantes às dos outros líderes da oposição. A articulação da maioria dos deputados com Paulo Portas, que revelava a vontade de regressar à liderança do partido, foi tornando cada vez mais difícil a tarefa da direção de Ribeiro e Castro e agravando uma imagem permanente de instabilidade interna. Ribeiro e Castro ainda vence um novo Congresso (extraordinário) em Maio de 2006, mas o clima de desacerto e confronto entre o grupo parlamentar e a direção do partido tornou claro que haveria novo embate a seguir ao referendo à despenalização do aborto, em 2007.

A relação com o grupo parlamentar atingiu um ponto de rutura em inícios de 2007, com a demissão do seu presidente, Nuno Melo, após novo ataque contra a direção do partido no Natal de 2006. Passado o referendo à despenalização do aborto, em fevereiro de 2007, com a vitória do "Sim", o ex-presidente do Partido, Paulo Portas, lança de imediato o movimento para reaver a liderança do partido e anuncia que era candidato à presidência do CDS–PP, desafiando Ribeiro e Castro para eleições diretas. Contudo, Ribeiro e Castro e os seus apoiantes viam na eleição por Congresso a única solução para esta disputa da liderança. Este diferendo evoluiu para sucessivos confrontos políticos e estatutários, que culminaram num lamentável episódio de agressões físicas e injúrias entre os membros do Conselho Nacional, reunido em Óbidos, fazendo com que Maria José Nogueira Pinto abandonasse o partido. Maria José Nogueira Pinto ainda acusou Paulo Portas de deslealdade e de estar por detrás da instabilidade no partido, bem como disse ter sido alvo de agressões físicas da parte do deputado Hélder Amaral.

As eleições acabaram por ser diretas e Paulo Portas saiu vencedor com 72% dos votos. Uma situação que foi seguida de grande mediatismo pelas constantes acusações dentro e fora do partido de irregularidade e eventual ilegalidade, segundo os estatutos do próprio partido, para a realização de eleições diretas.

Segunda liderança de Paulo PortasEditar

A segunda liderança de Paulo Portas, iniciada em 2007, acabou por levar o partido a subir na Assembleia Regional dos Açores, nas eleições regionais, tendo o CDS sido o partido que mais subiu.

Nas eleições europeias de 2009, apesar de todas as sondagens apontarem para uma perda significativa do CDS, este subiu em quase todos os distritos.

Nas eleições legislativas de 2009, realizadas no dia 27 de Setembro de 2009, o CDS–PP conseguiu ser a terceira força política na Assembleia da República (AR), ao conquistar 592 997 votos (10,43% dos votos expressos) e 21 assentos parlamentares.[15] Foi considerada uma grande vitória para o CDS–PP e, particularmente, para o seu líder, Paulo Portas, sobretudo face às projeções negras que muitas sondagens preconizavam para o partido e que terão sido evocadas pelo próprio como prejudiciais à campanha, apesar de vários politólogos de esquerda e direita terem atribuído um efeito positivo às más sondagens dada a diminuição do chamado "efeito do voto útil", no qual existe uma habitual transferência de votos dos eleitores habituais do CDS para o PSD, mobilizando o eleitorado típico do CDS para o voto neste invés de no PSD para a criação de uma maioria absoluta favorável aos sociais-democratas.

Este aumento do número de deputados do CDS permitiu trazer ao Parlamento "novas caras" como sejam Assunção Cristas, Filipe Lobo d'Ávila, João Pinho de Almeida, Cecília Meireles e Michael Seufert.

Governo de coligação PSD–CDS (2011-15)Editar

Em 2011, o CDS voltou a registar franco crescimento eleitoral, tendo subido de 10,4% para 11,7% e elegido 24 deputados nas legislativas. Face aos resultados eleitorais do PSD, que não conseguiu maioria absoluta, foi celebrada nova coligação com o CDS, formando assim o XIX Governo Constitucional.

Nas eleições legislativas regionais na Madeira de 2011, o CDS subiu de 5% e 2 deputados para 17,6% e 9 deputados, tendo ainda sido o partido que registou a maior subida e passando a ser a segunda força política nesta mesma região. Em 2015 verificou-se uma ligeira queda no arquipélago para 13,7% e 7 deputados, mantendo-se como a segunda força política da Madeira.

Nas eleições autárquicas de 2013, o partido obteve também resultados positivos, conseguindo dezenas de autarquias em coligações com o PSD, e concorrendo individualmente conseguiu subir o número de uma para cinco autarquias, num total de 47 mandatos.

Em 25 de abril de 2015, no decorrer das comemorações dos 41 anos da Revolução dos Cravos, o líder do Partido Social Democrata, Pedro Passos Coelho e o líder do CDS, Paulo Portas anunciaram uma coligação pré-eleitoral entre os partidos para as eleições legislativas de 2015.[23] No início de Junho de 2015 foi anunciado o nome da coligação, Portugal à Frente.[24]

Após a vitória da coligação PSD/CDS nas eleições legislativas de 2015, o secretário-geral do PS, António Costa, formou governo com apoio do PCP e do BE, não tendo Pedro Passos Coelho e Paulo Portas formado novo governo. Em consequência, Paulo Portas anunciou, ao fim de 16 anos, que não se recandidataria à presidência do CDS-PP no congresso a realizar em março de 2016. Renunciou também ao mandato de deputado em junho de 2016.[25]

Regresso à oposição - Assunção Cristas e Francisco Rodrigues dos SantosEditar

Estando aberto o período de candidaturas à presidência do CDS-PP, potenciais candidatos como Nuno Melo, João Almeida e Pedro Mota Soares abdicaram de se candidatar a favor de Assunção Cristas, que se apresentou como candidata única.[26] Foi eleita para a presidência do partido no congresso realizado a 12 e 13 de março de 2016, realizado em Gondomar, com 95% dos votos[27] sendo a primeira mulher a dirigir o CDS-PP. A sua liderança ficou marcada por divergência com o tradicional parceiro de coligação, o PSD, então liderado por Pedro Passos Coelho[28][29] e pela candidatura da própria a presidente da Câmara Municipal de Lisboa, em 2017, tendo obtido, após recusar uma coligação com o PSD, obteve 20,6% dos votos e coligçaão com o MPT e o PPM, contra os 11% da candidata do PSD, Teresa Leal Coelho. Ao nível nacional, o CDS-PP passou de 5 para 6 presidências de câmaras municipais nas eleições autárquicas de 2017.

Em 2017, o CDS-PP, juntamente com o PAN, votou contra a proposta de abolição do limite de angariação de fundos por parte de partidos políticos, com votos a favor do PS, PSD, PCP, BE e PEV, que permite a todos os partidos aceitar de forma ilimitada "donativos" de entidades privadas que, no entanto, não são obrigados a revelar.[30][31][32] Não obstante, a lei foi aprovada pelo Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa.[33][34][35]

Assunção Cristas revelou estar pronta para assumir a liderança da oposição, pretendendo retirar esse estatuto ao PSD, e para se afirmar como candidata a primeira-ministra.[36] Foi reeleita para o cargo no congresso de Lamego, a 10 e 11 de março de 2018, com 89% dos votos.[37] Enfrentou contestação das correntes mais conservadoras do partido ao assumir posições favoráveis em algumas matérias de costumes, como a lei das quotas para mulheres em cargo de representação política.[38] Nas eleições europeias de 2019, o partido elegeu apenas Nuno Melo, com 6,1% dos votos. Nas eleições regionais da Madeira, em setembro de 2019, o partido passou de 7 para 3 deputados, com 5,8% dos votos, mas passou a integrar o XIII Governo Regional da Madeira, presidido por Miguel Albuquerque, em coligação com o PSD, passando José Manuel Rodrigues a assumir a presidência da Assembleia Legislativa da Madeira. Para as eleições legislativas de 2019, recusou estabelecer uma coligação pré-eleitoral com o PSD, então liderado por Rui Rio, levando o CDS a um dos piores resultados da história - 4,25% dos votos e 5 deputados.[39] Anunciou, na sequência das eleições legislativas de 2019, que não se recandidataria à presidência do CDS-PP. Renunciou ao mandato de deputada em janeiro de 2020.[40] Em setembro de 2019, o antigo presidente do partido, Manuel Monteiro, solicitou a refiliação no CDS-PP, tendo Assunção Cristas recusado decidir sobre o pedido de refiliação, optando por deixar a decisão para a direção seguinte.[41] Poucos dias antes das eleições legislativas de 2019, morreu o fundador do CDS-PP, Diogo Freitas do Amaral.

No congresso realizado em Aveiro, a 26 e 27 de janeiro de 2020, concorreram à sucessão de Assunção Cristas Francisco Rodrigues dos Santos (46,4% dos votos), João Almeida (38,9% dos votos) e Filipe Lobo d'Ávila (14,45% dos votos). Acabou por ser eleito presidente do CDS-PP Francisco Rodrigues dos Santos, com uma votação de 66% dos votos para a Comissão Política Nacional, após estabelecer acordo com a candidatura de Filipe Lobo d'Ávila.[42] Nascido em Coimbra, o ex-aluno do Colégio Militar foi até dezembro de 2019 membro da direção do Sporting Clube de Portugal, presidida por Frederico Varandas. Frequentou igualmente a FDUL.[43][44] Francisco Rodrigues dos Santos defendeu o regresso à criminalização do aborto em Portugal. Recusa pertencer à Opus Dei. Defendeu também que a designação de "casamento entre pessoas do mesmo sexo" fosse outra, sem especificar a designação que defende. É contra o retorno ao serviço militar obrigatório.[45]

Durante a presidência de Francisco Rodrigues dos Santos, o partido apresentou um pendor conservador nos costumes. Francisco Rodrigues dos Santos enfrentou forte contestação interna dos antigos apoiantes de Paulo Portas, tendo sido agendadas reuniões do conselho nacional do partido em 2021, com vista a decidir a eventual destituição da direção de Francisco Rodrigues dos Santos - em fevereiro - e a eventual antecipação do congresso do partido com vista a eleger uma nova direção antes das eleições legislativas de 2022 - em outubro, tendo ambas as propostas sido rejeitadas, a favor de Francisco Rodrigues dos Santos.[46][47] Muitos militantes destacados do partido desfiliaram-se em protesto contra Francisco Rodrigues dos Santos, como António Pires de Lima e Adolfo Mesquita Nunes. Nas eleições regionais dos Açores, em 2020, o partido diminuiu de 4 para 3 deputados, com 5,5% dos votos, mas passou a integrar o XIII Governo Regional dos Açores, liderado por José Manuel Bolieiro, em coligação com o PSD e o PPM. Nas eleições autárquicas de 2021, manteve as seis presidências de câmaras municipais que já detinha.

Perda da representação parlamentarEditar

Nas eleições legislativas de 2022, Francisco Rodrigues dos Santos apresentou a demissão do cargo de presidente do CDS-PP na sequência da perda de representação parlamentar do CDS-PP, que obteve apenas 1,61% dos votos, e não elegeu qualquer deputado à Assembleia da República, no que foi o pior resultado eleitoral da história do partido. O acontecimento espoletou um debate interno e externo acerca da viabilidade da existência do CDS-PP no futuro, que se encontra em curso.[16]

Ao congresso do partido, realizado em Guimarães a 2 e 3 de abril de 2022, apresentaram-se como candidatos Nuno Melo, Nuno Correia da Silva, Miguel Matos Chaves e Bruno Filipe Costa, tendo o primeiro saído vencedor com 73% dos votos de apoio à sua moção e 75% dos votos de apoio à sua comissão política nacional. Nuno Melo sucede, assim, a Francisco Rodrigues dos Santos, sendo o atual presidente do CDS-PP.[1]

Órgãos NacionaisEditar

Comissão ExecutivaEditar

Presidente: Nuno Melo

Vice-Presidentes:

1º VP: Telmo Correia

2º VP: Álvaro Castelo-Branco

3º VP: Ana Clara Birrento

4º VP: Diogo Moura

5º VP: João Varandas Fernandes

6º VP: Maria Luísa Aldim

7º VP: Paulo Núncio

Secretário-Geral: Pedro Morais Soares

Vogais:

1º Vogal: António Marinho

2º Vogal: Catarina Araújo

3º Vogal: Duarte Nuno Correia

4º Vogal: Durval Tiago Ferreira

5º Vogal: Francisco Kreye

Membros com lugar por inerência dos seus cargos:

Presidente CDS-Madeira: Rui Barreto

Presidente CDS-Açores: Artur Lima

Porta-Voz: Isabel Galriça Neto

Coordenador Autárquico Nacional: Mário Araújo e Silva

Mesa do Congresso NacionalEditar

Presidente: José Manuel Rodrigues

Vice-Presidentes:

1º VP: Vitor Mendes

2º VP: Miguel Paiva

3º VP: João Pinheira da Silva

Secretários:

1º secretário: Isaías Afonso

2º secretário: Maria do Céu Marques

3º secretário: Maria da Conceição Pinho

4º secretário: Vitor Matos Pereira

5º secretário: Pedro Castelo

Mesa do Conselho NacionalEditar

Presidente: Luís Pedro Mota Soares

Vice-Presidentes:

1º VP: José Bourbon Ribeiro

2º VP: Sandra Melo de Almeida

Secretários:

1º secretário: Gonçalo Pimenta Castro

2º secretário: Diogo Lencastre

3º secretário: Ilda Araújo Novo

4º secretário: Ricardo Mendes

Conselho Nacional de JurisdiçãoEditar

Presidente: António José Baptista

Vice-Presidente: António Velez

Vogais:

  • Vasco Moura Ramos
  • Paulo Rebelo
  • Maria José França
  • Rui Pedrosa Moura
  • Gonçalo Carneiro

Conselho Nacional de FiscalizaçãoEditar

Presidente: Pedro Moutinho

Vice-Presidente: Luís Mesquita

Vogais:

  • Frutuoso Tomé
  • Mário Praça
  • Miguel Ascensão
  • Pedro Teixeira Luís
  • Manuel Leite da Costa

Juventude PopularEditar

A Juventude Popular (JP) é a organização política e autónoma de juventude do CDS-PP. Criada em 4 de Novembro de 1974, com o nome de Juventude Centrista (JC), destacou-se no "Verão Quente" de 1975 como intenso opositor aos movimentos de esquerda que tentavam construir em Portugal um projeto de inspiração progressista e eram na maioria contra a propriedade privada.[48] Adotou o nome Juventude Popular (JP) em 1998.[49]

Correntes e tendênciasEditar

Resultados eleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1975 Diogo Freitas do Amaral 4.º 434 879
7,61 / 100,00
16 / 250
Assembleia Constituinte
1976 3.º 876 007
15,98 / 100,00
 8,37
42 / 263
 26 Oposição (1976-1978)
Governo (1978)
Oposição (1978-1980)
1979 Aliança Democrática
43 / 250
 1 Governo
1980
46 / 250
 3 Governo
1983 Francisco Lucas Pires 4.º 716 705
12,56 / 100,00
30 / 250
 16 Oposição
1985 5.º 577 580
9,96 / 100,00
 2,60
22 / 250
 8 Apoio parlamentar
1987 Adriano Moreira 5.º 251 987
4,44 / 100,00
 5,52
4 / 250
 18 Oposição
1991 Diogo Freitas do Amaral 4.º 254 317
4,43 / 100,00
 0,01
5 / 230
 1 Oposição
1995 Manuel Monteiro 3.º 534 470
9,05 / 100,00
 4,62
15 / 230
 10 Oposição
1999 Paulo Portas 4.º 451 453
8,34 / 100,00
 0,71
15 / 230
  Oposição
2002 3.º 477 350
8,72 / 100,00
 0,38
14 / 230
 1 Governo
2005 4.º 416 415
7,24 / 100,00
 1,48
12 / 230
 2 Oposição
2009 3.º 592 997
10,43 / 100,00
 3,19
21 / 230
 9 Oposição
2011 3.º 653 987
11,70 / 100,00
 1,27
24 / 230
 3 Governo
2015 Portugal à Frente
18 / 230
 6 Governo (outubro-novembro de 2015)
Oposição (novembro de 2015-2019)
2019 Assunção Cristas 5.º 216 448
4,25 / 100,00
5 / 230
 13 Oposição
2022 Francisco Rodrigues dos Santos 8.º 90 539
1,60 / 100,00
 2,62
0 / 230
 5 Extra-parlamentar

Resultados por círculos eleitoraisEditar

Resultados por círculo eleitoral
AçoresEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 5 118
3,5 / 100,0
0 / 6
1976 3.º 13 537
10,7 / 100,0
 7,2
0 / 6
 
1979 3.º 9 518
7,3 / 100,0
 3,4
0 / 5
 
1980 3.º 5 467
4,5 / 100,0
 2,8
0 / 5
 
1983 3.º 5 020
4,7 / 100,0
 0,2
0 / 5
 
1985 4.º 6 710
6,5 / 100,0
 1,8
0 / 5
 
1987 3.º 3 129
3,3 / 100,0
 3,2
0 / 5
 
1991 3.º 3 591
3,4 / 100,0
 0,1
0 / 5
 
1995 3.º 9 971
9,4 / 100,0
 6,0
0 / 5
 
1999 3.º 5 219
5,6 / 100,0
 3,8
0 / 5
 
2002 3.º 7 521
8,4 / 100,0
 2,8
0 / 5
 
2005 3.º 3 675
4,0 / 100,0
 4,4
0 / 5
 
2009 3.º 9 798
10,3 / 100,0
 6,3
0 / 5
 
2011 3.º 10 944
12,1 / 100,0
 1,8
0 / 5
 
2015 4.º 3 654
3,9 / 100,0
 8,2
0 / 5
 
2019 4.º 4 014
4,8 / 100,0
 0,9
0 / 5
 
AveiroEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 36 602
11,1 / 100,0
2 / 14
1976 3.º 72 638
22,5 / 100,0
 11,4
4 / 15
 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 56 115
16,4 / 100,0
2 / 15
1985 3.º 47 501
13,5 / 100,0
 2,9
2 / 15
 
1987 3.º 18 794
5,3 / 100,0
 8,2
0 / 15
 2
1991 3.º 22 624
6,1 / 100,0
 0,8
1 / 14
 1
1995 3.º 48 383
12,6 / 100,0
 6,5
2 / 14
 1
1999 3.º 49 196
13,6 / 100,0
 1,0
2 / 15
 
2002 3.º 47 131
12,9 / 100,0
 0,7
2 / 15
 
2005 3.º 38 001
9,8 / 100,0
 3,1
1 / 15
 1
2009 3.º 50 687
13,0 / 100,0
 3,2
2 / 16
 1
2011 3.º 49 523
12,9 / 100,0
 0,1
2 / 16
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 20 045
5,7 / 100,0
1 / 16
BejaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 6.º 2 821
2,2 / 100,0
0 / 6
1976 4.º 5 004
4,2 / 100,0
 2,0
0 / 6
 
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 4 719
4,1 / 100,0
0 / 5
1985 5.º 2 471
2,2 / 100,0
 1,9
0 / 5
 
1987 5.º 2 011
2,0 / 100,0
 0,2
0 / 5
 
1991 5.º 2 245
2,3 / 100,0
 0,3
0 / 4
 
1995 4.º 3 495
3,6 / 100,0
 1,3
0 / 4
 
1999 4.º 3 313
3,9 / 100,0
 0,3
0 / 3
 
2002 4.º 3 063
3,7 / 100,0
 0,2
0 / 3
 
2005 5.º 2 562
2,9 / 100,0
 0,8
0 / 3
 
2009 5.º 4 696
5,7 / 100,0
 2,8
0 / 3
 
2011 4.º 5 462
7,3 / 100,0
 1,6
0 / 3
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 1 480
2,3 / 100,0
0 / 3
BragaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 60 754
18,0 / 100,0
3 / 15
1976 3.º 86 148
25,2 / 100,0
 7,2
4 / 15
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 69 051
18,3 / 100,0
3 / 16
1985 4.º 55 331
14,0 / 100,0
 4,3
2 / 16
 1
1987 4.º 23 854
5,9 / 100,0
 8,1
1 / 17
 1
1991 3.º 23 715
5,6 / 100,0
 0,3
1 / 16
 
1995 3.º 48 430
10,7 / 100,0
 5,1
1 / 16
 
1999 3.º 38 973
8,9 / 100,0
 1,8
1 / 17
 
2002 3.º 42 074
9,3 / 100,0
 0,4
1 / 18
 
2005 3.º 37 618
7,8 / 100,0
 1,5
1 / 18
 
2009 3.º 48 158
9,7 / 100,0
 1,9
2 / 19
 1
2011 3.º 50 456
10,4 / 100,0
 0,7
2 / 19
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 19 127
4,1 / 100,0
1 / 19
BragançaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 13 533
13,5 / 100,0
0 / 4
1976 2.º 26 927
28,3 / 100,0
 14,8
2 / 5
 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 19 382
20,9 / 100,0
1 / 4
1985 3.º 15 773
17,1 / 100,0
 3,8
1 / 4
 
1987 3.º 7 041
7,6 / 100,0
 9,5
0 / 4
 1
1991 3.º 7 452
8,2 / 100,0
 0,6
0 / 4
 
1995 3.º 8 493
9,4 / 100,0
 1,2
0 / 4
 
1999 3.º 7 131
8,7 / 100,0
 0,7
0 / 4
 
2002 3.º 9 213
10,9 / 100,0
 2,2
0 / 4
 
2005 3.º 7 964
9,7 / 100,0
 1,2
0 / 4
 
2009 3.º 10 541
12,6 / 100,0
 2,9
0 / 3
 
2011 3.º 8 380
11,1 / 100,0
 1,5
0 / 3
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 2 831
4,5 / 100,0
0 / 3
Castelo BrancoEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 9 743
6,4 / 100,0
0 / 6
1976 3.º 28 257
19,9 / 100,0
 13,5
2 / 7
 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 18 264
13,2 / 100,0
1 / 6
1985 4.º 13 555
9,6 / 100,0
 3,6
0 / 6
 1
1987 5.º 6 396
4,7 / 100,0
 4,9
0 / 6
 
1991 4.º 5 269
3,9 / 100,0
 0,8
0 / 5
 
1995 3.º 9 863
7,2 / 100,0
 3,3
0 / 5
 
1999 3.º 7 660
6,3 / 100,0
 0,9
0 / 5
 
2002 3.º 8 491
7,1 / 100,0
 0,8
0 / 5
 
2005 3.º 6 590
5,3 / 100,0
 1,8
0 / 5
 
2009 4.º 9 839
8,4 / 100,0
 3,1
0 / 4
 
2011 3.º 10 535
9,6 / 100,0
 1,2
0 / 4
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 3 479
3,7 / 100,0
0 / 3
CoimbraEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 4.º 12 187
4,6 / 100,0
0 / 12
1976 3.º 29 967
12,5 / 100,0
 7,9
1 / 12
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 25 375
10,2 / 100,0
1 / 11
1985 5.º 21 208
8,6 / 100,0
 1,6
1 / 11
 
1987 4.º 11 025
4,5 / 100,0
 4,1
0 / 11
 1
1991 4.º 8 715
3,5 / 100,0
 1,0
0 / 10
 
1995 3.º 17 976
7,1 / 100,0
 3,6
0 / 10
 
1999 4.º 13 875
6,0 / 100,0
 1,1
0 / 10
 
2002 3.º 15 629
6,7 / 100,0
 0,7
0 / 10
 
2005 5.º 13 365
5,5 / 100,0
 1,2
0 / 10
 
2009 4.º 20 711
8,7 / 100,0
 3,2
1 / 10
 1
2011 3.º 22 389
9,9 / 100,0
 1,2
1 / 9
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 3 654
3,5 / 100,0
0 / 9
ÉvoraEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 5.º 3 586
2,8 / 100,0
0 / 5
1976 4.º 9 645
8,0 / 100,0
 5,2
0 / 6
 
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 5 395
4,5 / 100,0
0 / 5
1985 5.º 3 890
3,3 / 100,0
 1,2
0 / 5
 
1987 5.º 2 316
2,1 / 100,0
 1,2
0 / 4
 
1991 4.º 2 953
2,8 / 100,0
 0,7
0 / 4
 
1995 4.º 5 453
5,2 / 100,0
 2,4
0 / 4
 
1999 4.º 4 683
5,1 / 100,0
 0,1
0 / 4
 
2002 4.º 4 171
4,6 / 100,0
 0,5
0 / 3
 
2005 5.º 3 594
3,7 / 100,0
 0,9
0 / 3
 
2009 5.º 5 858
6,4 / 100,0
 2,7
0 / 3
 
2011 4.º 7 513
8,7 / 100,0
 2,3
0 / 3
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 2 535
3,4 / 100,0
0 / 3
FaroEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 5.º 6 889
3,4 / 100,0
0 / 9
1976 4.º 13 010
6,8 / 100,0
 3,4
0 / 9
 
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 14 428
7,4 / 100,0
0 / 9
1985 5.º 12 146
6,1 / 100,0
 1,3
0 / 9
 
1987 5.º 5 910
3,1 / 100,0
 3,0
0 / 9
 
1991 4.º 5 435
2,8 / 100,0
 0,3
0 / 8
 
1995 3.º 16 497
8,3 / 100,0
 5,5
0 / 8
 
1999 4.º 13 091
7,3 / 100,0
 1,0
0 / 8
 
2002 3.º 15 539
8,3 / 100,0
 1,0
0 / 8
 
2005 5.º 11 537
5,8 / 100,0
 2,5
0 / 8
 
2009 4.º 21 596
10,7 / 100,0
 4,9
1 / 8
 1
2011 3.º 25 561
12,7 / 100,0
 2,0
1 / 9
 
2015 Portugal à Frente
2019 6.º 6 578
3,8 / 100,0
0 / 9
GuardaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 24 731
19,5 / 100,0
1 / 6
1976 1.º 39 120
32,1 / 100,0
 12,6
2 / 6
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 28 135
23,8 / 100,0
1 / 5
1985 3.º 23 139
19,5 / 100,0
 4,1
1 / 5
 
1987 3.º 7 827
6,6 / 100,0
 12,9
0 / 5
 1
1991 3.º 6 676
5,9 / 100,0
 0,7
0 / 4
 
1995 3.º 11 265
9,9 / 100,0
 4,0
0 / 4
 
1999 3.º 10 014
9,8 / 100,0
 0,1
0 / 4
 
2002 3.º 9 657
9,6 / 100,0
 0,2
0 / 4
 
2005 3.º 7 035
7,0 / 100,0
 2,6
0 / 4
 
2009 3.º 11 433
11,2 / 100,0
 4,2
0 / 4
 
2011 3.º 10 436
11,2 / 100,0
 
0 / 4
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 3 823
5,0 / 100,0
0 / 3
LeiriaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 16 322
6,8 / 100,0
1 / 11
1976 3.º 43 213
19,4 / 100,0
 12,6
2 / 11
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 38 556
16,2 / 100,0
2 / 11
1985 4.º 29 332
12,2 / 100,0
 4,0
1 / 11
 1
1987 3.º 14 608
6,0 / 100,0
 6,2
0 / 11
 1
1991 3.º 11 527
4,8 / 100,0
 1,2
0 / 10
 
1995 3.º 27 863
11,4 / 100,0
 6,6
1 / 10
 1
1999 3.º 23 099
9,9 / 100,0
 1,5
1 / 10
 
2002 3.º 23 460
9,8 / 100,0
 0,1
1 / 10
 
2005 3.º 22 043
8,9 / 100,0
 0,9
1 / 10
 
2009 3.º 31 260
12,6 / 100,0
 3,7
1 / 10
 
2011 3.º 31 819
12,8 / 100,0
 0,1
1 / 10
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 11 905
5,3 / 100,0
0 / 10
LisboaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 4.º 60 691
4,8 / 100,0
3 / 55
1976 4.º 157 554
13,2 / 100,0
 8,4
8 / 58
 5
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 148 379
11,7 / 100,0
7 / 56
1985 5.º 104 010
8,1 / 100,0
 3,6
4 / 56
 3
1987 5.º 45 465
3,7 / 100,0
 4,4
2 / 56
 2
1991 4.º 49 194
4,0 / 100,0
 0,3
2 / 50
 
1995 4.º 118 547
9,4 / 100,0
 5,4
5 / 50
 3
1999 4.º 97 028
8,5 / 100,0
 0,9
4 / 49
 1
2002 4.º 96 543
8,5 / 100,0
 
4 / 48
 
2005 5.º 97 659
8,2 / 100,0
 0,3
4 / 48
 
2009 3.º 126 088
11,0 / 100,0
 2,8
5 / 47
 1
2011 3.º 161 227
13,8 / 100,0
 2,8
7 / 47
 2
2015 Portugal à Frente
2019 6.º 48 502
4,4 / 100,0
2 / 48
MadeiraEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 12 669
10,0 / 100,0
0 / 6
1976 3.º 15 310
13,3 / 100,0
 3,3
1 / 6
 1
1979 3.º 14 005
11,0 / 100,0
 2,3
0 / 5
 
1980 3.º 8 298
6,7 / 100,0
 4,3
0 / 5
 
1983 3.º 9 734
8,2 / 100,0
 1,5
0 / 5
 
1985 4.º 9 463
7,8 / 100,0
 0,4
0 / 5
 
1987 3.º 6 200
5,2 / 100,0
 2,6
0 / 5
 
1991 3.º 7 602
6,1 / 100,0
 0,9
0 / 5
 
1995 3.º 17 157
12,9 / 100,0
 6,8
0 / 5
 
1999 3.º 13 209
10,9 / 100,0
 2,0
0 / 5
 
2002 3.º 15 185
12,1 / 100,0
 2,2
0 / 5
 
2005 3.º 9 215
6,6 / 100,0
 5,5
0 / 6
 
2009 3.º 15 244
11,1 / 100,0
 4,5
1 / 6
 1
2011 3.º 19 101
13,7 / 100,0
 2,6
1 / 6
 
2015 5.º 7 536
6,0 / 100,0
 7,7
0 / 6
 1
2019 3.º 7 852
6,1 / 100,0
 0,1
0 / 6
 
PortalegreEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 5.º 4 040
4,0 / 100,0
0 / 4
1976 3.º 13 375
13,9 / 100,0
 9,9
0 / 4
 
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 6 715
7,5 / 100,0
0 / 4
1985 5.º 4 603
4,9 / 100,0
 2,6
0 / 3
 
1987 5.º 2 652
3,1 / 100,0
 1,8
0 / 3
 
1991 4.º 2 734
3,3 / 100,0
 0,2
0 / 3
 
1995 4.º 5 182
6,3 / 100,0
 3,0
0 / 3
 
1999 4.º 4 180
5,9 / 100,0
 0,4
0 / 3
 
2002 4.º 4 419
6,5 / 100,0
 0,6
0 / 3
 
2005 5.º 2 988
4,2 / 100,0
 2,3
0 / 2
 
2009 5.º 5 286
8,0 / 100,0
 3,8
0 / 2
 
2011 4.º 6 247
10,1 / 100,0
 2,1
0 / 2
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 1 961
3,8 / 100,0
0 / 2
PortoEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 74 685
8,9 / 100,0
3 / 36
1976 3.º 129 732
15,7 / 100,0
 6,8
6 / 38
 3
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 111 007
12,5 / 100,0
5 / 38
1985 5.º 89 976
9,8 / 100,0
 2,7
4 / 39
 1
1987 5.º 36 997
4,0 / 100,0
 5,8
1 / 39
 3
1991 4.º 38 882
4,1 / 100,0
 0,1
1 / 37
 
1995 3.º 77 602
7,8 / 100,0
 3,7
3 / 37
 2
1999 3.º 68 951
7,5 / 100,0
 0,3
3 / 37
 
2002 3.º 79 034
8,4 / 100,0
 0,9
3 / 38
 
2005 3.º 68 824
6,9 / 100,0
 1,5
2 / 38
 1
2009 3.º 93 831
9,3 / 100,0
 2,4
4 / 39
 2
2011 3.º 99 338
10,0 / 100,0
 0,7
4 / 39
 
2015 Portugal à Frente
2019 6.º 31 181
3,3 / 100,0
1 / 40
SantarémEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 4.º 12 748
4,3 / 100,0
0 / 13
1976 4.º 37 699
13,9 / 100,0
 9,6
2 / 13
 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 27 310
10,0 / 100,0
1 / 12
1985 5.º 21 369
7,7 / 100,0
 2,3
1 / 12
 
1987 5.º 9 674
3,6 / 100,0
 4,1
0 / 12
 1
1991 4.º 8 823
3,3 / 100,0
 0,3
0 / 10
 
1995 4.º 23 466
8,7 / 100,0
 5,4
1 / 10
 1
1999 4.º 19 560
8,1 / 100,0
 0,6
1 / 10
 
2002 4.º 20 410
8,4 / 100,0
 0,3
1 / 10
 
2005 4.º 17 607
6,9 / 100,0
 1,5
0 / 10
 1
2009 4.º 27 660
11,2 / 100,0
 4,3
1 / 10
 1
2011 3.º 29 196
12,3 / 100,0
 1,1
1 / 10
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 9 793
4,7 / 100,0
0 / 9
SetúbalEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 6.º 5 853
1,6 / 100,0
0 / 16
1976 4.º 15 724
4,4 / 100,0
 2,8
0 / 17
 
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 20 578
5,1 / 100,0
1 / 17
1985 5.º 16 140
3,8 / 100,0
 1,3
0 / 17
 1
1987 5.º 7 401
1,9 / 100,0
 1,9
0 / 17
 
1991 4.º 10 903
2,7 / 100,0
 0,8
0 / 16
 
1995 4.º 31 261
7,2 / 100,0
 4,5
1 / 17
 1
1999 4.º 21 983
5,6 / 100,0
 1,6
1 / 17
 
2002 4.º 27 216
6,9 / 100,0
 1,3
1 / 17
 
2005 5.º 21 683
5,1 / 100,0
 1,8
1 / 17
 
2009 5.º 38 378
9,2 / 100,0
 4,1
1 / 17
 
2011 4.º 50 660
12,0 / 100,0
 2,8
2 / 17
 
2015 Portugal à Frente
2019 6.º 11 703
3,0 / 100,0
0 / 18
Viana do CasteloEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 20 313
14,5 / 100,0
1 / 6
1976 3.º 30 437
23,5 / 100,0
 9,0
2 / 7
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 25 291
18,4 / 100,0
1 / 6
1985 3.º 23 368
16,6 / 100,0
 1,8
1 / 6
 
1987 3.º 10 727
7,7 / 100,0
 8,9
0 / 6
 1
1991 3.º 10 081
7,2 / 100,0
 0,5
0 / 6
 
1995 3.º 16 328
11,3 / 100,0
 4,1
0 / 6
 
1999 3.º 19 249
14,0 / 100,0
 2,7
1 / 6
 1
2002 3.º 14 283
10,3 / 100,0
 3,7
0 / 6
 1
2005 3.º 16 205
11,4 / 100,0
 1,1
1 / 6
 1
2009 3.º 19 246
13,6 / 100,0
 2,2
1 / 6
 
2011 3.º 18 129
13,4 / 100,0
 0,2
1 / 6
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 7 576
6,2 / 100,0
0 / 6
Vila RealEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 10 065
7,2 / 100,0
0 / 6
1976 3.º 23 808
18,3 / 100,0
 11,1
1 / 7
 1
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 25 291
18,4 / 100,0
1 / 6
1985 3.º 16 375
12,5 / 100,0
 5,9
1 / 6
 
1987 3.º 6 741
5,0 / 100,0
 7,5
0 / 6
 1
1991 3.º 6 692
5,1 / 100,0
 0,1
0 / 6
 
1995 3.º 10 420
7,8 / 100,0
 2,7
0 / 5
 
1999 3.º 8 507
6,8 / 100,0
 1,0
0 / 5
 
2002 3.º 10 225
8,1 / 100,0
 1,3
0 / 5
 
2005 3.º 8 509
6,8 / 100,0
 1,3
0 / 5
 
2009 3.º 12 761
10,1 / 100,0
 3,3
0 / 5
 
2011 3.º 10 373
8,7 / 100,0
 1,4
0 / 5
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 4 510
4,5 / 100,0
0 / 5
ViseuEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1975 3.º 40 422
17,2 / 100,0
2 / 10
1976 2.º 67 864
31,2 / 100,0
 14,0
4 / 11
 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 3.º 46 015
20,7 / 100,0
2 / 10
1985 3.º 44 257
19,9 / 100,0
 0,8
2 / 10
 
1987 3.º 15 852
7,0 / 100,0
 12,9
0 / 10
 2
1991 3.º 13 697
6,3 / 100,0
 0,7
0 / 9
 
1995 3.º 24 904
11,5 / 100,0
 5,2
1 / 9
 1
1999 3.º 21 300
10,5 / 100,0
 1,0
1 / 9
 
2002 3.º 22 374
10,6 / 100,0
 0,1
1 / 9
 
2005 3.º 18 477
8,6 / 100,0
 2,0
1 / 9
 
2009 3.º 28 867
13,4 / 100,0
 4,8
1 / 9
 
2011 3.º 25 090
12,4 / 100,0
 1,0
1 / 9
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 10 462
5,9 / 100,0
0 / 8
EuropaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1976 4.º 3 555
6,9 / 100,0
0 / 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 4.º 3 955
11,1 / 100,0
0 / 2
1985 4.º 4 074
17,3 / 100,0
 6,2
0 / 2
 
1987 4.º 1 278
6,6 / 100,0
 10,7
0 / 2
 
1991 4.º 894
3,0 / 100,0
 3,6
0 / 2
 
1995 4.º 1 143
4,4 / 100,0
 1,4
0 / 2
 
1999 4.º 829
3,2 / 100,0
 1,2
0 / 2
 
2002 3.º 1 179
5,0 / 100,0
 1,8
0 / 2
 
2005 4.º 794
3,4 / 100,0
 1,6
0 / 2
 
2009 4.º 785
4,7 / 100,0
 1,3
0 / 2
 
2011 3.º 993
5,5 / 100,0
 0,8
0 / 2
 
2015 Portugal à Frente
2019 5.º 5 296
3,0 / 100,0
0 / 2
Fora da EuropaEditar
Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1976 2.º 13 483
33,7 / 100,0
1 / 2
1979 Aliança Democrática
1980
1983 2.º 16 511
34,1 / 100,0
1 / 2
1985 2.º 12 829
37,9 / 100,0
 3,8
1 / 2
 
1987 2.º 6 089
19,9 / 100,0
 18,0
0 / 2
 1
1991 2.º 4 613
14,6 / 100,0
 5,3
0 / 2
 
1995 3.º 771
3,8 / 100,0
 10,8
0 / 2
 
1999 3.º 593
3,5 / 100,0
 0,3
0 / 2
 
2002 3.º 533
3,4 / 100,0
 0,1
0 / 2
 
2005 3.º 470
3,5 / 100,0
 0,1
0 / 2
 
2009 3.º 274
3,2 / 100,0
 0,3
0 / 2
 
2011 3.º 615
4,1 / 100,0
 0,9
0 / 2
 
2015 Portugal à Frente
2019 4.º 2 141
4,3 / 100,0
0 / 2

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de Lista Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1987 Francisco Lucas Pires 3.º 868 718
15,40 / 100,00
4 / 24
1989 4.º 587 497
14,16 / 100,00
 1,24
3 / 24
 1
1994 Manuel Monteiro 3.º 379 044
12,45 / 100,00
 1,71
3 / 25
 
1999 Paulo Portas 4.º 283 067
8,16 / 100,00
 4,29
2 / 24
 1
2004 João de Deus Pinheiro Força Portugal
2 / 24
 
2009 Nuno Melo 5.º 298 423
8,36 / 100,00
2 / 21
 
2014 Aliança Portugal
1 / 21
 1
2019 5.º 205 048
6,19 / 100,00
1 / 21
 

Eleições presidenciaisEditar

Data Candidato
apoiado
1.ª Volta 2.ª Volta
Cl. Votos % Cl. Votos %
1976 Ramalho Eanes 1.º 2 967 137
61,59 / 100,00
1980 Soares Carneiro 2.º 2 325 481
40,23 / 100,00
1986 Freitas do Amaral 1.º 2 629 597
46,31 / 100,00
2.º 2 872 064
48,82 / 100,00
1991 Basílio Horta 2.º 696 379
14,16 / 100,00
1996 Cavaco Silva 2.º 2 595 131
46,09 / 100,00
2001 Ferreira do Amaral 2.º 1 498 948
34,68 / 100,00
2006 Cavaco Silva 1.º 2 773 431
50,54 / 100,00
2011 1.º 2 231 956
52,95 / 100,00
2016 Marcelo Rebelo de Sousa 1.º 2 410 286
52,00 / 100,00
2021 1.º 2 533 799
60,70 / 100,00

Eleições autárquicas (os resultados apresentados excluem os resultados de coligações que envolvem o partido)Editar

Câmaras e Vereadores MunicipaisEditar

Data Cl. Votos % +/- Presidente CM +/- Vereadores +/-
1976 4.º 692 869
16,61 / 100,00
36 / 304
317 / 1 908
1979 5.º 344 902
6,92 / 100,00
 9,69
20 / 305
 16
156 / 1 900
 161
1982 5.º 386 527
7,53 / 100,00
 0,61
27 / 305
 7
185 / 1 913
 29
1985 4.º 471 591
9,72 / 100,00
 2,19
27 / 305
 
222 / 1 975
 37
1989 4.º 451 163
9,12 / 100,00
 0,60
20 / 305
 7
179 / 1 997
 43
1993 4.º 455 357
8,42 / 100,00
 0,70
13 / 305
 7
133 / 2 006
 46
1997 4.º 302 763
5,65 / 100,00
 2,77
8 / 305
 5
83 / 2 021
 50
2001 5.º 195 994
3,73 / 100,00
 1,92
3 / 308
 5
39 / 2 044
 44
2005 5.º 165 697
3,07 / 100,00
 0,66
1 / 308
 2
30 / 2 046
 9
2009 6.º 171 049
3,09 / 100,00
 0,02
1 / 308
 
31 / 2 078
 1
2013 6.º 152 073
3,04 / 100,00
 0,05
5 / 308
 4
47 / 2 086
 16
2017 7.º 134 311
2,59 / 100,00
 0,45
6 / 308
 1
41 / 2 074
 6
2021 10.º 77069
1,50 / 100,00
 1,09
6 / 308
 
31 / 2 074
 10

Assembleias MunicipaisEditar

Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1976 4.º 685 574
17,24 / 100,00
1 053 / 5 135
1979 5.º 308 721
7,04 / 100,00
 10,20
832 / 9 703
 221
1982 5.º 379 833
7,81 / 100,00
 0,77
1 003 / 9 897
 171
1985 4.º 761 855
16,73 / 100,00
 8,92
1 015 / 6 672
 12
1989 4.º 443 731
9,35 / 100,00
 7,38
712 / 6 753
 303
1993 4.º 445 065
8,23 / 100,00
 1,12
556 / 6 769
 156
1997 4.º 395 209
7,37 / 100,00
 0,86
437 / 6 807
 119
2001 5.º 226 774
4,32 / 100,00
 3,05
253 / 6 876
 184
2005 6.º 175 943
3,26 / 100,00
 1,06
190 / 6 695
 63
2009 7.º 195 365
3,54 / 100,00
 0,28
253 / 6 946
 63
2013 6.º 159 921
3,20 / 100,00
 0,34
224 / 6 487
 29
2017 7.º 138 720
2,68 / 100,00
 0,52
184 / 6 461
 40
2021 9.º 77 069
1,54 / 100,00
 1,14
118 / 6 461
 66

Assembleias de FreguesiaEditar

Data Cl. Votos % +/- Deputados +/-
1976 4.º 617 690
15,07 / 100,00
5 077 / 26 135
1979 5.º 306 332
7,18 / 100,00
 7,89
4 661 / 40 110
 416
1982 5.º 381 150
7,74 / 100,00
 0,56
4 837 / 41 636
 176
1985 4.º 507 499
10,52 / 100,00
 2,78
4 531 / 31 941
 306
1989 4.º 397 164
8,39 / 100,00
 2,13
3 444 / 33 000
 1 087
1993 4.º 418 998
7,78 / 100,00
 0,61
2 719 / 33 458
 725
1997 4.º 287 724
5,39 / 100,00
 2,39
1 840 / 33 953
 339
2001 6.º 189 838
3,62 / 100,00
 1,77
970 / 34 569
 870
2005 7.º 144 328
2,68 / 100,00
 0,94
822 / 34 498
 148
2009 7.º 128 947
2,33 / 100,00
 0,35
693 / 34 672
 129
2013 6.º 139 304
2,79 / 100,00
 0,46
725 / 27 167
 32
2017 7.º 122 679
2,37 / 100,00
 0,42
628 / 27 019
 97
2021 11.º 68 133
1,36 / 100,00
 1,01
416 / 26 790
 212

Eleições regionaisEditar

Região Autónoma dos AçoresEditar

Data Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1976 3.º 8 291
7,6 / 100,0
2 / 43
Oposição
1980 3.º 5 379
4,5 / 100,0
 3,1
1 / 43
 1 Oposição
1984 3.º 8 442
7,9 / 100,0
 3,4
2 / 44
 1 Oposição
1988 3.º 7 472
7,9 / 100,0
 0,8
2 / 51
  Oposição
1992 3.º 5 217
4,6 / 100,0
 2,5
1 / 51
 1 Oposição Aliança com PPM
1996 3.º 8 346
7,4 / 100,0
 2,8
3 / 52
 2 Apoio parlamentar
2000 3.º 9 605
9,6 / 100,0
 2,2
2 / 52
 1 Oposição
2004 Coligação Açores
2 / 52
  Oposição
2008 3.º 7 857
8,7 / 100,0
5 / 57
 3 Oposição
2012 3.º 6 110
5,7 / 100,0
 3,0
3 / 57
 2 Oposição
2016 3.º 6 674
7,2 / 100,0
 1,5
4 / 57
 1 Oposição
2020 3.º 5 734
5,5 / 100,0
 1,7
3 / 57
 1 Governo

Região Autónoma da MadeiraEditar

Data Cl. Votos % +/- Deputados +/- Status
1976 3.º 10 185
9,5 / 100,0
2 / 41
Oposição
1980 3.º 8 016
6,5 / 100,0
 3,0
1 / 44
 1 Oposição
1984 3.º 7 420
6,1 / 100,0
 0,4
1 / 50
  Oposição
1988 3.º 10 263
8,2 / 100,0
 2,1
2 / 53
 1 Oposição
1992 3.º 10 582
8,1 / 100,0
 0,1
2 / 57
  Oposição
1996 3.º 9 950
7,3 / 100,0
 0,8
2 / 59
  Oposição
2000 3.º 12 612
9,7 / 100,0
 2,4
3 / 59
 1 Oposição
2004 3.º 9 691
7,0 / 100,0
 2,7
2 / 68
 1 Oposição
2007 4.º 7 519
5,3 / 100,0
 1,7
2 / 47
  Oposição
2011 2.º 25 974
17,6 / 100,0
 12,3
9 / 47
 7 Oposição
2015 2.º 17 514
13,7 / 100,0
 3,9