Crânio de Florisbad

Homo helmei
Florisbad-Helmei-Homo heidelbergensis.jpg
Apresentação
Tipo
táxon fóssil (d)
Coordenadas

O crânio de Florisbad é um importante fóssil humano do início da Idade da Pedra Média, representando o Homo heidelbergensis final ou o Homo sapiens inicial.[1] Foi descoberto em 1932 por T. F. Dreyer no sítio Florisbad, Província de Free State, África do Sul.[2]

ClassificaçãoEditar

O crânio de Florisbad foi classificado como Homo (Africanthropus) helmei por Dreyer (1935), em homenagem ao patrocinador da expedição de Dreyer, R. E. Helme. O nome genérico Africanthropus proposto por Dreyer foi adotado por Weinert (1938) para se referir aos primeiros fósseis humanos africanos.[3] Scerri et al. (2018) apresentam o fóssil como evidência de "multirregionalismo africano", a visão de uma especiação complexa de H. sapiens amplamente dispersa pela África, com hibridização substancial entre H. sapiens e hominíneos mais divergentes em diferentes regiões. Lahr e Mounier (2019) também classificam o crânio de Florisbad como um exemplo dos primeiros H. sapiens, que eles sugerem ter surgido entre 350.000 e 260.000 anos atrás da fusão de populações na África do Sul e Oriental.[4][5]

DescriçãoEditar

O Crânio de Florisbad pertencia a um espécime dentro da faixa de tamanho dos humanos modernos, com um volume cerebral maior que a média moderna, de 1.400 cm3.[6] Com base em amostras de esmalte do dente encontrado com o crânio, o fóssil foi datado diretamente por ressonância de spin eletrônico datando de cerca de 259 ± 35 ka (entre 294.000 e 224.000 anos de idade).[7]

Referências

  1. «Oldest Homo sapiens bones ever found shake foundations of the human story». the Guardian (em inglês). 7 de junho de 2017. Consultado em 25 de junho de 2021 
  2. Hublin, Jean-Jacques; Ben-Ncer, Abdelouahed; Bailey, Shara E.; Freidline, Sarah E.; Neubauer, Simon; Skinner, Matthew M.; Bergmann, Inga; Le Cabec, Adeline; Benazzi, Stefano (junho de 2017). «New fossils from Jebel Irhoud, Morocco and the pan-African origin of Homo sapiens». Nature (em inglês) (7657): 289–292. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/nature22336. Consultado em 25 de junho de 2021 
  3. Schwartz, Jeffrey H.; Tattersall, Ian (11 de março de 2005). The Human Fossil Record, Craniodental Morphology of Genus Homo (Africa and Asia) (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons 
  4. Mounier, Aurélien; Mirazón Lahr, Marta (10 de setembro de 2019). «Deciphering African late middle Pleistocene hominin diversity and the origin of our species». Nature Communications. ISSN 2041-1723. PMC 6736881 . PMID 31506422. doi:10.1038/s41467-019-11213-w. Consultado em 25 de junho de 2021 
  5. Zimmer, Carl (10 de setembro de 2019). «Scientists Find the Skull of Humanity's Ancestor, on a Computer». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de junho de 2021 
  6. Rightmire, G. Philip (22 de setembro de 2009). «Middle and later Pleistocene hominins in Africa and Southwest Asia». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (38): 16046–16050. ISSN 0027-8424. PMC 2752549 . PMID 19581595. doi:10.1073/pnas.0903930106. Consultado em 25 de junho de 2021 
  7. Grün, Rainer; Brink, James S.; Spooner, Nigel A.; Taylor, Lois; Stringer, Chris B.; Franciscus, Robert G.; Murray, Andrew S. (agosto de 1996). «Direct dating of Florisbad hominid». Nature (em inglês) (6591): 500–501. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/382500a0. Consultado em 25 de junho de 2021 
  Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.