Abrir menu principal

Dinastia de Trastâmara

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde fevereiro de 2013). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Série
História de Espanha
Espanha na Pré-História
Espanha pré-romana
Hispânia
Visigodos e Suevos
Domínio árabe e a Reconquista
A Reconquista e o Reino das Astúrias
Reinos de Leão, Castela, Aragão e Navarra
Dinastia de Borgonha
Dinastia de Trastâmara
Reis Católicos
Descobrimentos
Guerra da Sucessão Espanhola
Guerra Peninsular
Governo de Fernando VII
Guerras Carlistas
Revolução de 1868 e Sexênio Revolucionário
Dinastia de Saboia
Primeira República
Restauração Bourbon
Ditadura de Primo de Rivera
Segunda República Espanhola
Guerra Civil
Franquismo
Transição Espanhola
Fernando I de Aragão

A dinastia de Trastâmara, fundada pelo rei Henrique II,[1] governou o reino de Castela de 1369 a 1516 [2]. Pelo Compromisso de Caspe, celebrado em 1412 na sequência da morte sem herdeiros de Martim I de Aragão, foi inaugurado um novo ramo da dinastia de Trastâmara na Coroa de Aragão, onde passou a governar Fernando de Antequera,[3] segundo filho de João I de Castela e neto de Henrique II.

A casa (um ramo colateral da reinante Casa de Borgonha[4] tomou seu nome do Condado de Trastâmara, no noroeste da Galiza, condado referido ao rio Tambre,[nota 1] título que ostentava Henrique II (após a guerra civil que terminou com a morte em 1369 do seu meio-irmão paterno Pedro I de Castela), desde 1345, juntamente com os títulos de conde de Lemos e Sarria, por ter prohijado por o nobre asturiano Rodrigo Alvares .[5]

Dinastia de origem bastarda e fratricida; mas tronco de descendentes ilustres dotados de mentes abertas e virtudes políticas, segundo o historiador Ramón Menéndez Pidal,[6] é casa dinástica de alguns personagens conhecidos da história espanhola que se destacam, entre eles:

O último monarca desta casa em governar na Espanha foi a rainha Joana I a Louca, que deu passo com o seu filho, Carlos I, ao governo da Espanha por reis da casa de Habsburgo.

Genealogia dos reis da Casa de Trastâmara: em amarelo os reis de Castela, em vermelho os da Coroa de Aragão, em azul os de Navarra. Ao casar-se com Catarina de Lencastre (neta e herdeira de Pedro I), Henrique III recuperou a legitimidade dinástica perdida pela usurpação de Henrique II.

Notas

  1. Indicando a zona detrás do Tambre, ("Trans Tameris"), até o mar

Referências

  1. Valdeón Baruque 2001, p. 15
  2. Valdeón Baruque 2001, p. 11
  3. Valdeón Baruque 2001, p. 44 e 107
  4. A Casa de Borgonha (de Espanha) tem origem no Condado de Borgonha, não sendo aparentada com a Casa de Borgonha (de Portugal) com origem no Ducado de Borgonha
  5. Valdeón Baruque 2001, p. 23
  6. Valdeón Baruque 2001, p. 14

BibliografiaEditar

  • Valdeón Baruque, Julio (2001). Los Trastámaras: El triunfo de una dinastía bastarda (em espanhol). Madrid: Temas de Hoy, S.A. ISBN 84-8460-129-3