Abrir menu principal

Discussão:Greves de 2007 em universidades públicas brasileiras

protecçãoEditar

Página protegida devido a guerra de edições. Fazer uso da página de discussão. Cumprs. Lijealso ? 14:10, 27 Maio 2007 (UTC)

artigo parcialEditar

"o governador de São Paulo, José Serra, assinou uma série de decretos que proporcionam maior controle sobre as despesas e gastos das universidades mantidas pelo Estado de São Paulo, as três grandes (três grandes universidades públicas de São Paulo - USP, UNICAMP e UNESP) e restringem o livre redirecionamento das verbas entre as diversas aplicações possíveis." Isto não é factual; muitas pessoas discordam desta posição, de que os tais decretos proporcionariam maior controle sobre os gastos e iriam restringir o direcionamento de verbas. O artigo deveria ser wikificado. Lenineleal 22:56, 27 Maio 2007 (UTC)

Sobre a eliminaçãoEditar

A votação não deve se dar enquanto a página estiver bloqueada para edição.

Uma das prerrogativas para a eliminação da página deve ser a sua falta de utilitade enciclopédica/educativa. Se tratando de um assunto que interessa à muitos; apesar de ser um evento atual, é importante que a wikipedia pt tenha em seu acervo uma página que explica imparcialmente e enciclopédicamente esse acontecimento político, cívico e social.

Acho que ao invés de eliminar o artigo, deve-se aprimora-lo e corrigi-lo para que o mesmo se conforme com as normas da nossa wiki. A votação é suspeita, e o bloqueio é mais impróprio ainda. Mais um exemplo do reincidente autoritarismo e elitismo que tenho visto tão frequentimente na wiki lusitana por parte de poucos e privando muitos. o comentário precedente não foi assinado por 68.200.124.219 (discussão • contrib.) 00:02, 28 Maio 2007 (UTC)

Acontecimento "cívico"? É para rir? Dantadd 00:02, 28 Maio 2007 (UTC)
Se você discorda da natureza ou "legitimidade cívica" do movimento é uma questão de opinião. Agora quando temos quase todos meios jornalísticos do Brasil comentando em primeira página o fato, que já se tornou histórico, e um usuário não consegue encontrar na wiki um artigo sobre o mesmo para se informar, acredito que exista algum problema de fundamento.
A uma semana visito a pt.wiki em busca de um artigo incisivo sobre o assunto sem encontra-lo, não entendo porque você acha que tem a autoriade de decidir o que deve ou não ser mantido.
Concordo plenamente com você sobre a imparcialidade, após ler o artigo antigo, antes das edições. O que questiono é o seu bloqueio precipitado e a votação, que como disse considero suspeita.
Não assinei a mensagem por não ter uma conta de usuário na wiki lusitana, sendo uma das razões justamente essas squirmishes e falta de respeito de um usuário com os outros e de admin/sysops sem maturidade para lidar com a autoridade que lhes é conferida. Fazendo com que a pt.wiki seja apesar de ser uma das maiores wikis, uma wiki com qualidade bem baixa dos artigos.--68.200.124.219 00:42, 28 Maio 2007 (UTC)
E onde eu disse que eu tinha qualquer autoridade? Se eu tivesse autoridade já teria apagado estes panfletos de quinta categoria logo após terem sido criados. Submeti a votação o tema, portanto é lá que a autoridade reside. Achar que uma invasão, executada por meia-dúzia de estudantes teleguiados por sindicados dominados por micropartidos de extrema-esquerda, já é um evento histórico é sim uma pretensão realmente nababesca. Dantadd 00:55, 28 Maio 2007 (UTC)


Essa é uma vergonha! Tudo culpa dos partidos fasci-comunistas revolucionários! Infelizmente pelo tamanho que está tomando é capaz de fazer sentido existir esse artigo sobre esse lamentável episódio. Mas por enquanto ainda não faz sentido. E cadê a danada da reintegração de posse na USP? Aaaaaaaarh! Tem que expulsar esses pilantras que batem em professor! --Henriquevicente 01:57, 28 Maio 2007 (UTC)


Vejo muita parcialidade por aqui. Expressões como "Achar que uma invasão, executada por meia-dúzia de estudantes teleguiados por sindicados dominados por micropartidos de extrema-esquerda" realmente são parciais, ou não? Bom, deixando a ironia de lado, porque não contribuir? Não faço parte do movimento de ocupação, porém há de se pensar que motivos, sim. Analisados porcamente, como se está fazendo, a wiki vai perder muita credibilidade. O usuário Dantadd claramente tem uma posição contrária à ocupação, é normal que haja isto em uma sociedade, a diversidade de opiniões é saudável, tanto que os alunos só ocuparam a reitoria por divergir das opiniões da reitora e do governador, mas assumir uma atitude grotesca não é a melhor maneira de resolver o problema. Para constar, a ocupação na reitoria vem recebendo apoio de diversas partes do Brasil, e até de fora do Brasil se não me engano. Sem relatar o fato de que muitos professores e alunos apoiam o movimento. É um erro dizer que é um movimento vazio, desprovido de sentido e apoiado em partidos políticos de esquerda. Pode ter sido radical, mas baseado em partidos de esquerda, sindicatos e que não conta com o apoio de grande parte da comunidade uspiana, é outra coisa e que seria muito interessante se as fontes fosse citadas.—Mitherdil 03:43, 28 Maio 2007 (UTC)

Há uma diferença enorme entre emitir opiniões aqui na página de discussão e emitir opiniões panfletárias no texto do artigo. Percebe? Dantadd 12:19, 28 Maio 2007 (UTC)
Concordo plenamente contigo, Dantadd. Deve haver algum espaço para que coloquemos nossas opiniões. Seria até interessante, se quissesse conversar em email particular sobre o porquê de nossas divergencias. Até o momento, não encontrei opiniões contrárias que se pautassem em fatos, mas tão e somente no que foi divulgado pelos grandes meios de comunicação e/ou falta de compreensão real do que está acontecendo.
Não tenho direito a voto, mas gostaria que os que têm, usassem o bom senso, não somente a sua opinião, pois você pode detestar o governo militar, mas é um fato, histórico, mesmo que retire da página dos livros, aquilo não deixou de acontecer. Pode ser que a "memória popular" perca a informação em algumas décadas ou gerações, o que constituiria um erro enorme, degradando a evolução do pensamento, pois não é com os erros que se aprende? Ao não permitir a permanência deste artigo, estará privando um dos únicos meios imparciais encontrados pelos estudantes da USP para divulgarem o que realmente acontece e não o que a mídia divulga, já que todos aqui tem maturidade suficiente para discernir uma da outra.
Caso Dantadd ou outra pessoa queira conversar particularmente, preferia que me contactassem por email (mitherdil@gmail.com), já que ainda desconheço o funcionamento da wiki (se alguém quiser me ajudar, ficaria grato!), pois até ontem era apenas leitor. —Mitherdil 15:51, 28 Maio 2007 (UTC)
Em tempo, Dantadd não sei a que se refere quando disse "emitir opiniões panfletárias", possivelmente por não ter visto o artigo antes de ontem à noite. Peço que não generalize, como ficou subentendido com esta declaração, já que isto não é muito "saudável" em uma conversa, além de constituir falácia.—Mitherdil 16:07, 28 Maio 2007 (UTC)

DesproteçãoEditar

Considerando que um dos protagonistas da guerra de edições é um dos que foi bloqueado por uma semana por ter feito ameaças de medidas judiciais, daria para diminuir a proteção para apenas usuários não logados? Como foi levantada na votação de eliminação a possibilidade de fazer fusão, queria fazer um test drive se é possível melhorar este ou não, se se apaga tudo ou não. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 00:26, 28 Maio 2007 (UTC)

Coloquei como Protegida-ip.--OS2Warp msg 00:49, 28 Maio 2007 (UTC)


Vamos melhorar o artigo?Editar

Agradeço a chance de podermos melhorar o artigo!

Mão a obra!?

PS: Estou cadastrado, mas não consigo fazer alterações na página!!!

Tchelauskas 03:10, 28 Maio 2007 (UTC)


Também tentei, mas não consegui. Citarei aqui a primeira parte que acho que deve ser alterada: "A ocupação da reitoria da USP é um movimento de um grupo de alunos de algumas das faculdades da Universidade de São Paulo ocorrido a partir de 3 de maio de 2007. Uma de suas reinvidicações é a de que um decreto do governador de São Paulo, José Serra, que abre uma brecha na constituição para diminuir a autonomia das três universidades publicas paulitas, seja revogado.

Segundo o grupo de alunos ocupantes da reitoria, cerca de trezentos alunos ocupam a reitoria. A USP conta com ais de 80 mil alunos entre graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado, sendo 48 mil só na graduação. O movimento de apoio não há dados precisos, haja visto que, a cada dia, outros setores da USP aderem à greve. Também é impreciso o número de moções de apoio."—Mitherdil 03:58, 28 Maio 2007 (UTC)

sou a favor da exclusãoEditar

A wikipédia não é um jornal para ser tratada como fonte de informação dos fatos recentes, ainda "quentes". O verbete não tem relevância histórica e muito menos enciclopédica. Além disso fica difícil escrever algo neutro, com os fatos ainda por encontrarem um desfecho. Essa página de discussão já é um exemplo disso. Se aqui, onde deveriam debater, as pessoas estão tratando de colocar suas manguinhas de fora e derramar suas convicções políticas arbitrárias, o que se dirá no verbete em si. Eu por exemplo estudo na USP e não estou participando da ocupação, mas estou vendo o ABSURDO que a Veja e outros meios de comunicação estão fazendo com esse movimento. É tudo mentira! Não se quebrou nada, não se pichou nada, não há desorganização e muito menos vandalismo. Agora, vocês vão acreditar em mim??? Não há como provar o que eu estou dizendo, menos o que a VEJA está dizendo, muito menos publicando na capa da Veja São Paulo uma foto de uma fogueira feita durante um Sarau realizado no dia 5 de maio, durante a virada cultural! Não há como provar factualmente os acontecimentos listados no verbete, pois fontes de informações como jornais e revistas, principalmente quando tratam de assuntos recentes, não são fontes confiáveis. É por isso que eu sou pela exclusão, mesmo sem ter direito a voto ainda (eu acho!). kemelzaidan 13:54, 28 Maio 2007 (UTC)

Ocupação da Reitoria - Parte 2Editar

O texto seguinte foi movido de: Wikipedia:Esplanada/geral Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 20:26, 28 Maio 2007 (UTC) Olá, estamos em uma discussão bastante séria sobre o artigo: ocupação da reitoria da USP:

  • O artigo já foi remanejado para outra página (tudo bem).
  • Em teoria teríamos tempo para melhorar o artigo, mas acontece que ele está protegido e a maioria das pessoas que estão contribuindo são novatas, registradas, mas não são administradores. Além disso a votação segue para o dia primeiro e ninguém pode mudar nada. Resumidamente, isso não é uma chance de verdade, nem um esforço concreto de resolução de conflitos.
  • Entendo o papel dos administradores como pessoas que devem auxiliar os novatos na construção de um trabalho colaborativo e que a eliminação de um artigo é o último recurso e não um dos primeiros.
  • Não concordo com o argumento da panfletagem, pois:
  • Gostaríamos de mostrar todos os lados da discussão, mas não podemos, pois não temos acesso a edição da página;
  • A ocupação se mostra como um fato atual e discutido na grande mídia e mídia alternativa;
  • É a maior mobilização de estudantes na USP desde o fim da ditadura militar;
  • A ocupação permanece há quase um mês - período de permanência histórica;
  • Este movimento tem gerado uma série de moções de apoio (e também de rejeição) de toda a sociedade, logo é um evento relevante;
  • Outros movimentos têm surgido inspirado neste.

(posso enviar os links sobre essas informações mais tarde)

Ou seja, coloco esses pontos para poder caracterizar a relevância do assunto. Agora, o conteúdo pode ser construído colaborativamente para que fique o mais imparcial possível (desde que possamos trabalhar nele).

  • Finalmente, há uma discussão muito séria: A intransigência de certos administradores está levantando questões sobre a validade do conteúdo da wikipédia lusófona e está reverberando na mídia independente, assim como na mídia comercial (passo os links depois). Ou seja, é um caso muito sério, pois está desistimulando a participação de várias pessoas e essa postura inflexível e que se diz imparcial, mas é tão parcial quanto, está levantando dúvidas sobre a liberdade de se escrever na wikipédia, um espaço que deixa de ser uma construção colaborativa e passa a ser de censura.
  • Agradeço a atenção e espero que esse caso seja analisado com carinho, assim como seus desdobramentos, para melhorar ainda mais a qualidade da wikipédia, estimular a participação e melhorar a forma como os administradores têm atuado em certos casos em que eles não concordam ideologicamente com o conteúdo, pois sobre o formato, isso podemos mudar a qualquer momento de modo coletivo. Tchelauskas 13:25, 28 Maio 2007 (UTC)


Antes de dizer sobre a repercussão de nossas ações na mídia, deveria antes de mais nada, saber o que se passa dentro da wikipédia, através da manifestação de usuários experientes da Wikipédia em português.
Diversos verbetes de natureza política que tenho entre meus artigos vigiados e que foram colocados para serem votados para eliminação, e que foram salvos sob os mais diversos argumentos explosivos, entre eles a afirmação que a sua eliminação iria desestimular a participação de diversos editores e desacreditar a wikipédia.
Os artigos estão lá repletos de quadros de avisos e ninguém os edita a muitos meses, nem para wikificar, nem para corrigir os erros de português. Pior, removem informações sobre como por exemplo o fato do termo cone sul tinha sentido pejorativo na imprensa brasileira do passado e entra em discussão filosófico-espiritual sobre quais os países que pertencem ao cone sul, tal como ocorre com a discussão se Trinidad e Tobago pertence ou não a América do Sul.
Quem vai ter que editar os artigos vai ser naturalmente eu e não a tal coletividade. Ouviu alguma vez falar em um tal de Pacote de Abril ? Peguei um talvez neo-monarquista que está liquidando um artigo sobre a república do Brasil. Acho que ele brevemente vai se sentir desestimulado em colaborar com a wikipédia.--OS2Warp msg 17:37, 28 Maio 2007 (UTC)

É incrível, mas a história se repente again, and again, and again.... Esta é a crônica de uma história anunciada:

  1. O indivíduo percebe que a Wikipédia tem um alto page rank no Google
  2. Então ele pensa: mmmm, aqui é um bom lugar para eu divulgar minhas idéias, meus produtos, minha banda, meu partido, meu "movimento social", meu isso e meu aquilo
  3. Sem demora o indivíduo "seqüestra" um artigo e se instala para criar sua plataforma de divulgação
  4. Cria o artigo
  5. Um editor/administrador percebe a "jogada" e frustra os intentos de propaganda (de idéias, produtos, sites, bandas etc. etc.)
  6. Pronto, está armada a suposta "censura"
  7. A maioria amansa e passa a dizer que o texto é imparcial
  8. Outros são descaradas (como o caso recente do militante João Carlos Correia) e propagam que sua verdade tem de estar na Wikipédia, universalizando SUA análise como A análise
  9. Depois que nenhuma das tentativas obtêm êxito sobram páginas externas para choras as pitangas e falar mal da Wikipédia

Portanto, ir no seu bloguinho ou no site "mídia independente" (sic) para atacar a Wikipédia é muitíssimo fácil. Difícil é mesmo ter coragem de admitir os objetivos iniciais e reais: divulgação nua e crua de posições políticas, produtos, bandas, pessoas etc. etc. As pessoas que se dedicam a esta enciclopédia devem estar sempre alerta, pois o assédio dos panfleteiros é contínuo e interminável. Dantadd 20:17, 28 Maio 2007 (UTC) O texto anterior foi O texto seguinte foi movido de: Wikipedia:Esplanada/geral Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 20:26, 28 Maio 2007 (UTC)

Você quer saber minha real intenção? É ter a liberdade de escrever na wikipédia. Acho que todos esses pontos que você citou acima, se referem as coisas que passam na sua cabeça, a felicidade de poder dizer o que entra ou não na enciclopédia como se fosse sua... Mas ela não é... Poder se sentir o Dono Da Wikipédia. Talvez seja mais gostoso ainda pois ela é livre e você consegue ter influência assim mesmo... Meus parabéns! Estou cansado desse seu jogo sujo e de alguns outros administradores, que estragam os trabalhos com os quais vocês não concordam e ponto. Poucas pessoas foram colaborativas de fato! Mas ainda assim elas existem e eu agradeço. Essa zona toda poderia ter sido evitada se você tivesse engolido o seu ego, mas não, tem que dar a última palavra! E que dê! Tudo nessa vida é aprendizado, e muita gente está aprendendo com o que está acontecendo aqui. Na verdade, muitas das pessoas que queriam colaborar, só queriam justificativas claras e racionais se o artigo era ou não conveniente, ou ainda o que poderia ser melhorado. Mas você com suas intransigências só faz a coisa piorar, quer tudo do seu jeito. Evitei ataques pessoais, fiz esforços para discutir as coisas de forma decente, mas não consegui, virou um punhado de briginhas.
  • Se coloquei o que escrevi acima na esplanada era para que um grupo de pessoas discutissem se o artigo era pertinente ou não. E ter ajuda para resolver o caso. Mas claro, o artigo foi removido, não tive nenhuma resposta “oficial”. Ah! Claro, tive a resposta do Dantadd, que devo considerar oficial, desculpe.
Peço desculpas aos moderadores que estão empenhados em resolver o problema, mas se não fosse o Dantadd e alguns outros moderadores, tudo isso poderia ter sido resolvido pacificamente... O João Carlos e outros erraram em entrar em ofensas pessoais, mas é que o Sr. Dantadd, revestido de seu poder de administrador em momento algum tentou resolver o conflito, mas só desgastar e descategorizar as pessoas que eram a favor do artigo. Apesar de não justificar, uma hora elas perdem a paciência, elas também têm o direito de se defender. O Sr. Dantadd pode não xingar as pessoas, mas desqualifica a todos que não têm a mesma opinião que ele. Acredito que desqualificar é uma maneira mais polida de ofender a moralidade de uma pessoa e de rebaixá-la, ou seja, é mais cruel. Mas é claro, nada diz nas regras da wikipédia que não pode desqualificar... xingar, não! Desqualificar, por que não, né Dantadd? Diversas sugestões foram dadas, mudar a página, eliminar a votação, permitir a melhora da página, mas é claro... Quem não quis? A única coisa que Dantadd dizer é: isso é panfletário, isso é panfletário, isso é panfletário ou atacar as pessoas que trabalhavam pelo artigo.
Toda essa discussão é mais do que um artigo sobre a ocupação da reitoria da USP, é sobre as intrasigências que estão acontecendo na wikipédia lusófona.A wikipédia já tem problemas o suficiente de funcionamento, natural, pois lida com trabalho colaborativo, mas aqui na wikipédia em português, está impressionante. Vocês já pararam para dar uma olhada na quantidade de artigos na internet e algumas mensagens na própria wikipédia sobre os Xerifes da Wikipédia? Acho que daria até para ser mais um verbete e em formato enciclopédico. E se isso é possível, é porque infelizmente há pessoas que trabalham nessa linha. Espero que todo esse bate-boca sirva para o futuro trabalho dos administradores, assim para as pessoas que queiram colaborar com a wikipédia lusófona. Tchelauskas 21:13, 28 Maio 2007 (UTC)
Ok, vou refletir. Dantadd 01:42, 29 Maio 2007 (UTC)


O texto seguinte foi movido de: Wikipedia:Esplanada/geral Bonás 03:00, 30 Maio 2007 (UTC):
O que são vocês? Administradores ou caçadores de bruxas? A rigor, os usuários não fizeram nada. O fato de trocarem informações entre si não consiste em uma ameaça legal. A ameaça nem chegou a ser feita. E, além do mais, quem são vocês para dizerem aos outros o que deve e o que não deve ser dito ou discutido? E como se pode falar em panfletagem quando os administradores (dentre eles Dantadd) defendem uma causa como a pró-pedofilia? [1]. Nem vou chegar ao ponto de discutir a opção sexual de cada um, mas isso que voçês estão fazendo contra usuários que estão apenas emitindo suas opiniões não é nem um pouco democrático. LIBERDADE PARA EJC E JOÃO CARLOS CORREIA!!! o comentário precedente não foi assinado por Burgesscorry (discussão • contrib.)

Interessante...vocês devem estar procurando agulha em palheiro para tentar me denegrir de qualquer jeito. Agora vem este covarde, esta escória humana, dizer que eu defendo a causa da pró-pedofilia. É um disparate proporcional à decepção que os panfleteiros tiveram ao verem seus intentos frustrados. E você, "usuário" Burgesscorry, se repetir mais uma vez esta calúnia será bloqueado, por mim mesmo. Não vou tolerar uma coisa dessas. Dantadd 03:12, 30 Maio 2007 (UTC)
peço desculpas o comentário precedente não foi assinado por Burgesscorry (discussão • contrib.)

Nova página criada do zeroEditar

Com o intuito de não herdar as desavenças do antigo artigo, refiz completamente um artigo que cobre os assuntos da ocupação e da greve na USP. Ele ainda esta deveras incompleto e completamente saturado de erros ortográficos, porque eu fiquei sem café. Peço a ajuda de todos para que possamos faze-lo o mais imparcial, limpo, e informativo possível.

Peço também que se adicione o tag: {{Ver artigo principal|[[Greve e ocupação da Universidade de São Paulo]]}} abaixo de ==Universidade de São Paulo== no artigo principal ou então que o admin responsavel tenha a sensatez de finalmente desbloquea-lo. Qualquer dúvida ou sugestão, estou a disposição. Um abraço! --Resistor 14:48, 28 Maio 2007 (UTC)

Não amigão, não é assim que ocorre. Já existe um artigo que está sendo votado, não pode criar outro para driblar o fato. Se quiser colaborar esboce as idéias em sua página pessoal ou exponha-as aqui na página de discussão. Não podemos criar quinze artigos sobre o mesmo tema para contentar a gregos e troianos. É confusão demais. Dantadd 15:07, 28 Maio 2007 (UTC)
Olá Dantadd, não consigo acreditar que você sumariamente removeu atraves de um REDIRECT um página que foi completamente re-escrita para justamente atender os anseios de imparcialidade e neutralidade da comunidade.
O novo artigo incluía 12 itens de Indice principais, 24 referencias jornalísticas claramente documentadas, 8 ligações externas, uma secção de exclarecimentos e exposição de "Controvérsias", citações da Folha de S.Paulo, dO Estado de São Paulo, da USP, do CMI, YouTube, entre outros. Foto carregada e liberada através do GFDL, NENHUMA informação anedotal ou editorial, e escrita de maneira extremamente moderada e encilopédica num total de 14KB.
É interessante como ninguém teve a oportunidade nem de ler ou revisar o artigo, porque você na sua falta de critica do mesmo resolveu imediatamente e unilateralmente anula-lo em menos de 30 minutos.
Acredito que todos aqui nesse fórum, assim como na comunidade da wikipedia, tem o direito de ter a sua própria opinião sobre o artigo, então eu apelo para que você reconsidere essa atitude impulsiva de deletar, e permita que pelo menos os nossos companheiros tenham o direito de apreciar e revisar o novo artigo. Mesmo que seja em uma artigo temporário ou sob um nome diferente para que o mesmo não agrida a sua sensibilidade e percepção de que se trata de um ato de desrespeito contra o processo jurídico/legislativo/burocrático interno da wiki.
Eu não irei reverter o que você fez, nem entrar em um embate de censura ou uma guerra de influências, só espero que tenhamos bom senso nesse impasse. No aguardo... --Resistor 15:51, 28 Maio 2007 (UTC)
Eu já expliquei acima porque foi feito o redirecionamento. A página está sendo votada, não sendo possível muito menos correto criar uma página diferente para o gosto de cada um. Sua redação está no histórico e, dependendo da decisão COLETIVA, tudo pode ser recuperado e reaproveitado. Sem dramas. Aguarda o fim da votação e faça suas propostas em sua página de usuário e não no domínio principal. Dantadd 16:03, 28 Maio 2007 (UTC)
O novo artigo criado para a elucidação do assunto foi salvo na minha página pessoal. Peço a todos que o avaliem, e sintam-se livres para comentar na minha página de discussão. O intuito é mostrar que é possível criar um artigo que trata de um assunto polêmico, político e de natureza atual e mutável. Acredito que com a exposição desse artigo na minha página pessoal, fique clara na votação a necessidade de um artigo sobre esse assunto, ao invés de censura-lo, enterra-lo e fazer um tabu em torno do mesmo, como é claramente objetivo de alguns poucos. Um abraço! --Resistor 16:53, 28 Maio 2007 (UTC)
Pronto, viu só? Não doeu nada. Chega de dramalhões... Dantadd 16:58, 28 Maio 2007 (UTC)

Resistor, penso em adotar para a parte que fala da USP o texto de sua página de usuário, exceto a seção "Wikipédia" (não temos o costume de falar nos verbetes sobre coisas ocorridas no projeto). Apenas me dêem mais um tempo para a ler melhor. À todos, espere até pelo menos 48 horas a contar de agora antes de fazerem um juízo de valor sobre o presente verbete. Isto é uma wiki, o texto poderá (e será) alterado drásticamente durante tal período. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 18:22, 28 Maio 2007 (UTC)

Comentários quanto à nova redaçãoEditar

Estou revisando à nova redação da parte sobre os protestos na USP. Primeiro estou revisando o estilo de texto, depois revisarei consultando as fontes apresentadas, e depois vou adicionar eu mesmo algumas coisas que li em outros veículos de comunicação.

  • Na seção Os Decretos, segundo parágrafo, aparece Foi compilado pela associação de docentes da universidade federal (...). Qual seria essa universidade?
  • Na mesma seção, removi referência ao blog, o mantendo apenas na seção de links.
  • Seção Controvérsias: dados sobre adesões e não adesões direcionados para outras partes do texto. Dados sobre apoio removidos. Apenas quando existir, de fato, um estudo de algum instituto de pesquisa será possível readicioná-los; por enquanto são apenas especulações (ver Wikipedia:Nada de pesquisa inédita). Sub-seção autonomia: será removida pois vou inserir algo baseado nas repostagens do caderno "Cotidiano" da edição de ontem da Folha de S.Paulo. Sub-seção Caso Abdalla: só quem é de São Paulo sabe o que houve nisso, não é caso notório (até o momento) para ser abordado na Wikipédia.

Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 19:15, 28 Maio 2007 (UTC)

Falei mais acima ser contra falar sobre as desventuras do verbete na Wikipédia, mas agora que vi um portal falando sobre isso, começo a achar que talvez valha uma menção à menção que o caso teve. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 02:01, 29 Maio 2007 (UTC)

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

    • Deu agora nO Jornal Nacional da TV Globo. 8 unidades da USP operam noralmente e 16 parcialmente. O movimento perdeu força e a USP retorna aos poucos a normalidade. A desocupação da reitoria é a única coisa que está em foco o resto não.--OS2Warp msg 23:35, 28 Maio 2007 (UTC)
O governo do estado só tinha uma escolha: deixar os invasores mofarem na reitoria. A polícia não vai retirá-los, pois é o que eles desejam. Eles querem manchete de jornal para se transformarem em mártires neorevolucionários. A USP volta ao normal e em breve as pessoas esquecem que eles estão lá. Quando eles desistirem, deveriam ser presos e responder pelos crimes que cometeram: destruição de patrimônio público, violação do sigilo de correspondência etc. etc. Vai acontecer? Duvido, mas que mereciam, mereciam. Dantadd 00:12, 29 Maio 2007 (UTC)

Os estudantes merecem ser saudados como heróis por defenderem a autonomia universitária, coisa que pouca gente tem a coragem de fazer. Se eles não se levantarem agora e tomarem uma atitude, sabe o que vai acontecer? O ensino público e gratuito vai ser destruído no estado de São Paulo. Vai haver um professor para cada 300 alunos. A qualidade do ensino vai cair ainda mais. Vão ser abolidos todos os cursos que não servirem para a formação de robôs para produzir lucro para as grandes corporações multinacionais. A própria FFLCH, onde o Dantadd estudou, vai ser abolida. Para que artes? Para que filosofia? Para que história? Para que ciências humanas? A quantia de dinheiro que vai ter que se pagar para cursar a universidade vai subir a níveis astronômicos. Os estudantes vão ser obrigados a pedir empréstimos e pagarem juros extorsivos, como já ocorre aqui nos Estados Unidos, onde o ensino universitário público e gratuito já foi abolido há muito tempo. A qualidade do ensino universitário americano hoje é ridícula. Só para se ter uma idéia, Bush, um ignorante total e tapado que não sabe nem falar a língua dele, tem um diploma universitário!!! E de Yale, ainda por cima!!! Como foi que ele conseguiu isso?! Ora meu caro, pagou, passou! O pai dele havia cursado a mesma universidade - está explicado como ele entrou lá e conseguiu o diploma. Aqui a pocos passos de onde eu moro fica o campus da Universidade da Califórnia em Berkeley. Essa já foi uma das melhores universidades do mundo. Hoje, não produz nada que preste. Ela está inteiramente dominada por empresas e corporações multinacionais, que mandam nela totalmente, determinando aquilo que pode ser ensinado e o que não pode. As vagas são caríssimas, e só quem é rico pode estudar. Muitos estudantes contraem dívidas e depois ficam pagando o resto da vida! Não têm nem o direito de receber o salário, que quase 100% do cheque já vai direto para a boca dos tubarões. Isso é o que vai acontecer no Brasil, se esses estudantes que estão bebendo cerveja preguiçosamente nos bares não despertarem e forem apoiar os colegas. Luiz Netto 10:37, 29 Maio 2007 (UTC)

O caro amigo Luís é um romântico... infelizmente esqueceu que a invasão de prédio público fere a legalidade, que os invasores cometeram crimes (como violação de correspondência) e devem ser punidos. Há muitas formas de protestar e a legalidade não pode permitir que cem pessoas invadam quando lhes dê na telha um prédio público. Quanto a suas críticas a Bush, é sintomática de sua posição política, diretamente do parque jurássico da política. Dantadd 12:48, 29 Maio 2007 (UTC)

Cabe à justiça decidir se os estudantes cometeram crimes ou não, caro sr. Dantadd. E quanto à ilegalidade dos decretos do sr. governador? A invasão de prédios públicos é uma medida drástica, concordo, mas diante de atos drásticos são requeridas medidas drásticas. Quando nossos direitos são ameaçados, não podemos ficar no bar bebendo cerveja. Luiz Netto 15:06, 29 Maio 2007 (UTC)

Justamente: cabe a Justiça decidir sr. Luís Neto. E que fixação com "beber cerveja em bar"? Os invasores bebem cerveja e dão um tapa na pantera lá na reitoria mesmo. Dantadd 15:18, 29 Maio 2007 (UTC)

Francamente! >> Wikipedia:Páginas de discussão. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 16:56, 29 Maio 2007 (UTC)


O texto ficou muito bom, mas ainda assim, não vejo em quê a greve desse ano é diferente da de 2005, da 2001... Ou das futuras. Então não vejo motivo para manter. Talvez se isso ficasse claro no artigo. - Jota Morais 03:30, 29 Maio 2007 (UTC)

Como falei anteriormente, existe a categoria de eventos atuais, que podem ser radicalmente alterados em um curto espaço de tempo. A ocupação é um fato, independentemente dos resultados. Neste momento poderia contar os fatos recentes e uma cronologia e ao fim, depois que tudo passar, ser readaptado. Não é essa a idéia de evento atual? Tchelauskas 05:23, 29 Maio 2007 (UTC)

Como fazer uma nova redação se o acordo não é respeitado?Editar

  • Como é possível fazer uma nova redação se o acordo de utilizar a página de discussão do Resistor para as alterações não está sendo respeitada? Como posso fazer minhas contribuições então? Obrigado. Tchelauskas 05:19, 29 Maio 2007 (UTC)
Tchelauskas, enquanto o sistema não passa a considerar a sua conta, de forma automática, como apta a fazer edições, você pode propor alterações aqui ou diretamente à mim, pelo e-mail que nos falamos ontem. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 16:56, 29 Maio 2007 (UTC)


Edições de RmbrEditar

Muito interessante. Um usuário de três contribuições faz uma edição sem justificar e agora sou eu que tenho de justificar porque as edições dele não são válidas? É uma total inversão de confiabilidades. Enfim:

  1. A reivindicação refere-se a decretos que tocam o ensino superior e não a qualquer decreto sobre a área da Educação
  2. A assembléia UMA PARTE dos funcionários decide fazer greve. Mais uma vez a panfletagem quer empurrar "os funcionários", "os professores", "os estudantes", como se a totalidade tomasse as decisões. Não é verdade, se assim fosse, todos os funcionários estariam em greve, o que está a anos-luz de distância da realidade
  3. O correto na frase é "em vez de" e não "ao invés de". Há uma substituição e não uma contrariedade de sentidos.
  4. Outra vez querem empurrar que os alunos/manifestantes são uma totalidade. Não são. Os mobilizados não passam de trezentos, sendo generoso.

Estando explicado, recolocarei o texto original. E quem quiser mudar sentido é que deve explicar aqui e não quem reverte edições espertinhas. Dantadd 19:42, 29 Maio 2007 (UTC)

Não é inversão de confiabilidades. Eu confiar e estimar alguém não quer dizer que estou dando um passaporte de 100% de aprovações. Todos são humanos. Vou detalhar cada uma das edições recentes que eu vi tendo problemas, na sequência cronológica:
  1. [2] > não é a fala de um manifestante, é a fala de quem escreveu a reportagem. Só que como esse número está um tanto estranho, se comparado com outras numerações, prefiro que por hora continue removido.
  2. [3] > realmente não informa a quantia de funcionários. O "240" está precisando de um pequeno {{carece de fontes}} ou de um texto complementar como fonte.
  3. [4] > realmente não consta, também está precisando do mesmo do de cima
  4. [5] > nem a interpretação atual das reinvidicações (errônea pelo que li até agora), nem a citação da mesma me soam adequadas. Prefiro um terceiro texto. Na falta do terceiro texto, a manutenção da transcrição, para quem ler tirar por si suas conclusões.
  5. [6] > não domino o assunto, preciso de uma explicação sobre isso
Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 19:53, 29 Maio 2007 (UTC)
O jornal "traduz" naquele parágrafo o que foi informado pelos próprios manifestantes, não é uma constatação do jornal. Os pontos 2 e 3 já foram resolvidos na minha opinião. Já apresentei referência para os 240 e todas as outras reportagens citam as quantidades que flutuam entre as poucas centenas. No ponto 4 os manifestantes se declaram contrários à política do Serra para o ensino superior. E no cinco é simples: "Choveu ao invés de fazer o sol que eu estava esperando", "comi batata em vez de feijão porque não tinha tempo para cozinhar". Dantadd 20:08, 29 Maio 2007 (UTC)
Tentei fazer um ajuste final quanto ao ponto 3 acima. Duvido que a FFLCH tenha tantos funcionários assim para terem sido apenas 300 alunos no abraço simbólico, e ao mesmo tento referenciei aonde são falados, taxativamente, 300 alunos.
Se os manifestantes declaram isso no ponto 4, então há algum problema com esta matéria e o texto atual do verbete. O ponto 5 não entendi ainda, mas não faço questão, desde que não hajam mais embates nele. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 20:37, 29 Maio 2007 (UTC)
O colaborador Dantadd esta tão alterado e inapto a estar contribuindo com esse artigo que não é capaz de ler nem a reportagem de referência que ele próprio inseriu:
http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL40863-5604,00.html
O artigo do site da Globo faz a cobertura da assembléia geral do corpo docente (conhecidos como os professores) e não dos funcionários (conhecidos com os servidores:) como ele sugere.
Mas enquanto nesse tópico, já que o azol foi lançado: Considerando que se aceita o estado tradicional de direito e de democracia representativa que é o que rege todo a nossa sociedade civil e política como defende os tipos legalistas, independe a quantidade de atendentes na assembléia geral dos professores. Des de que se tenha quorúm mínimo estipulado pelo estatuto (nesse caso acredito que seja 40, ou seja, 200 a mais do que o necessário se apresentaram para votação http://www.adusp.org.br/Juridico/adusp_regim/RGAcapIV.htm)
Decisões tiradas nessa assembléia efetivamente representam a vontade democrátiva representativa da categoria como um todo... eu sei democracia direta é mais gostoso, mas acredito que infelizmente deverás inviavél. Enfim, é sempre um prazer poder elucidar companheiros informados que nem o sr. Dantadd. --Rmbr 20:46, 29 Maio 2007 (UTC)

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

Tarda mais não falha, a martelada sindical dá o ar da sua graça. Quer dizer que 200 piqueteiros agora representam "todos" os mais de 5000 professores? Quer dizer que 100 alunos/agitadores representam "todos" os 80 000 estudantes? A "democracia" sindical é uma pândega. Aqui não. Dantadd 21:01, 29 Maio 2007 (UTC)

Martelada sindical foi hilário... enfim. Não, eu pessoalmente não acredito que 200 professores representem a vontade de 5000 professores. Da mesma maneira que eu não acredito que 500 deputados representem a vontade de 180 milhoes de brasileiros. Mas o que eu acredito não interessa. O fato é que 200 professores resolveram se manifestar, enquanto 4800 preferiram não faze-lo. Talvez por comodismo, talvez por consentimento ou conscenso. Mas isso é só especulação.
Dizer que os 200 são a favor da greve, e os 4800 que não se apresentaram são contra é que me parece fantasioso. Se os 79800 estudantes da USP são contra a ocupação e contra a greve, por que não lemos notícias sobre contra-manifestações nas ruas, e porque não a mobilização de anti-ocupantes entrando em embate na reitoria.
Antes 200 representates da categora em assembléia para dizer o que os professores querem, do que 1 Dantadd na wikipedia falando pelos outos 4800.
É engraçado achar que você primeiro defende o estado de direito tradicional defendendo a reintegração da propriedade ocupada. E depois articula contra o sistema democrático que é exercido no meio legislativo, executivo e sindical que criou esse mesmo estado de direito. No meu vocabulário isso se parece com o que chamam Hipocrisia
Enfim, não vou mais perder tempo com isso, acho que já ficou bem claro o que esta ocorrendo aqui... esta tudo registrado. Adeus...--Rmbr 21:16, 29 Maio 2007 (UTC)
Não queira comparar o sistema eleitoral que elege deputados e governadores ao sistema de assembléias sindicais. Fazer esta comparação é que constitui uma hipocrisia sem tamanho. Eu não disse que todos os outros estudantes são contra, só disse que não se deve generalizar, pois 200 estudantes não representam 80 mil. Eu estudei na USP e em nenhum momento deleguei minha vontade a ninguém. E também não use esse argumento vil de que os descontentes devem se manifestar e, se não se manifestam, é como se fossem a favor. A maioria das pessoas têm de tocar suas vidas e não podem ficar perdendo tempo em intermináveis assembléias dominadas por sindicatos em que qualquer manifestação contrária é devidamente neutralizada mediante o uso das mais medonhas estratégias. Resumindo: não compare eleições regulares numa democracia ao arremedo de pluralidade nessas assembleias sindicais. Dantadd 23:38, 29 Maio 2007 (UTC)
Tá bom então, vamos por parte:
"Não queira comparar o sistema eleitoral que elege deputados e governadores ao sistema de assembléias sindicais. Fazer esta comparação que é um hipocrisia sem tamanho."
Não, a hipocrisia esta em acreditar que uma forma de representatividade esta acima da outra sem demonstrar na prática e no fundamento a sua diferença. Mas já que você não fez, deixa que eu faço: Uma tem voto obrigatório e secreto. A outra o voto não é obrigatório, e o voto pode ou não ser secreto. Efetivamente não consigo achar uma diferença entre a eleição um deputado como Severino Cavalcanti e um lidér sindical corrupto. Agora assembléias como conhecemos foram a primeira forma de democracia direta que concebemos e só podem efetivamente ser superadas por um plebicito.
"Eu estudei na USP e em nenhum momento deleguei minha vontade a ninguém."
Se em nenhum momento você delegou a sua vontade, eu estou contigo... sou assim tmb! Só que quando você não delega, mas também não à expressa, ai temos um problema, não é amigão! pufff... hmm, esse é o som de vc caindo em contradição novamente.
" também não use esse argumento vil de que os descontentes devem se manifestar e, se não se manifestam, é como se fossem a favor. A maioria das pessoas têm de tocar suas vidas e não podem ficar perdendo tempo em assembléias..."
Vil é esse batido argumento de que pessoas não tem tempo pra participar da politica da pólis; política que exerce um impacto direto em sua realidade. Vida todos nós temos, e garanto que tem muita gente com problemas, carências e urgencias maiores do que estudantes e professores da USP pra justificar a não participação.
"...dominadas por sindicatos em que qualquer manifestação contrária é devidamente neutralizada mediante o uso das mais medonhas estratégias"

Bom... neutralizam-se artigos até na wikipedia. Sindicatos fedem, mas dizer que eles podem neutralizar seu braço levantado ou o seu voto depositado, realmente requer o devido esclarecimento de tais "medonhas estratégias".
"Resumindo: não compare eleições regulares numa democracia ao arremedo de pluralidade nessas assembleias sindicais. "
Não, não comparo... nem me atreveria, numa assembléia eu meto a boca, voto contra, quebro o pau. Em eleições regulares eu assisto o circo no horário eleitoral, vejo a novela das 8 na globo e aperto o botão na maquininha. Pfff.. esse é o som que eu faço suspirando com cansaço de te desbancar novamente, acho que o resto da comunidade esta farto da gente, chega por favor! --Rmbr 00:23, 30 Maio 2007 (UTC)
Me desbancando? Então você argumenta e automaticamente julga a si próprio "vencedor" do debate? Pouca pretensão a sua, não? Indo ao que interessa: não vale realmente a pena discutir com alguém que pensa que uma pessoa que estuda (pra valer) e que também trabalha tenha realmente tempo a perder com assembléias dominadas por comunistas recalcitrantes e totalitários. Essas assembléias são completamente vazias de representatividade e é exatamente por isso que têm de usar métodos violentos e arbitrários como invadir a reitoria. Se houvesse o mínimo de real representação os protestos seriam levados mais a sério. Como a reitora (e a torcida do Corinthians) sabe que os agitadores são sempre as mesmas figurinhas, só se dão ao trabalho de driblar a chusma na medida do possível. Depois de levarem muitos "olés", fizeram como criança mimada, confiscaram a bola, ou melhor, invadiram a reitoria. Como ninguém os ouve, resolveram usar a violência, o que não é nada surpreendente. Como diz o neo-revolucionário no videozinho do YouTube: "quem quer assistir a uma aula fere o direito coletivo dos que querem fazer greve". É sempre a recaída totalitária indefectível: impedem professores de dar aula, invadem prédio público, calam a boca de quem não concorda etc. etc. etc. Dantadd 00:45, 30 Maio 2007 (UTC)

TítuloEditar

Havia falado com o Lugusto em PVT antes, e como dito, coloco aqui minha dúvida: está havendo nesse instante movimentação de greve em várias universidades federais pelo país. Técnicos administrativos de 34 universidades já pararam até agora; não se sabe se os professores aderirão. Posto isso, acho que esse título fica um pouco confuso, já que a causa inicial das greves das federais e das estaduais de São Paulo são diferentes. A página poderia ser movida para um nome mais adequado, ou então poderia entrar também considerações sobre as outras greves. (não li as discussões anteriores na página, desculpem-me) Mateus Hidalgo diga! 21:43, 29 Maio 2007 (UTC)

Mesmo as causas sendo diferentes, a área de educação no Brasil sempre está com problemas, fazendo com que essa greve das federais pudesse ter início em qualquer época. A aparente coincidência tem no mínimo a relação de terem pensando "já que eles estão fazendo, porque não aproveitamos?". Para evitar o problema de arrumar algum título que diferenciasse a greve das federais (não ia ter jeito, há greves declaradamente apoiando a da USP em outros estados além de São Paulo), acho que cabe uma mençãozinha de umas três ou quatro linhas, contextualizando a partir do início das datas. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 23:58, 29 Maio 2007 (UTC)

Sugestões de alteraçõesEditar

Universidade de São PauloEditar

Sugiro a retirada dos termos invasão, pois:

  • De acordo com o Dicionário Houaiss (fonte que acredito ser considerada confiável), ocupação significa:
  1. ato de apoderar-se de algo ou de invadir uma propriedade; posse
  2. ato de trabalhar em algo; o próprio trabalho a ser executado ou que se executou; serviço
  3. atividade, serviço ou trabalho principal da vida de uma pessoa
  4. obrigação a cumprir, papel a desempenhar em determinados setores profissionais ou não; cargo, função, ofício
  5. ato de colocar(-se) em (um cargo, emprego, função etc., que estava livre); preenchimento
  6. Rubrica: termo jurídico.
  • Ou seja, ocupação é sinônimo de invasão, seria uma redundância deixar ambos e o próprio nome do artigo faz referência a ocupação, tanto a ação como o nome do movimento.
Não concordo absolutamente. Há meios que empregam o termo invasão, pois há grupos que já seqüestraram semanticamente a palavra "ocupação" a seu favor (vide MST, que "ocupa", não "invade", segundo seus partidários). É justo dizer "invasão". Dantadd 12:30, 30 Maio 2007 (UTC)
Minhas razões para deixar só ocupação nesse primeiro trecho:
  • invasão é um sinônimo de ocupação (vide explicação acima);
  • o próprio juiz que decretou a reintegração de posse chama de ocupação;
  • acredito que tem mais a ver com ocupação com invasão... Pois ocupou-se o espaço como protesto, mas um dia vai se desocupar... não tomando posse definitiva da reitoria;
  • Finalmente, acho que há espaço para falar sobre a questão de invasão na parte Invasão versus ocupação, assim como acrescentar referências que usam invasão.
  • Se mesmo assim, não estiverem de acordo de modo geral sugiro que editem para não ficar tão estranho, que fale da invasão, mas de um modo que se incorpore bem no texto e não pareça só um remendo. Tchelauskas 15:06, 30 Maio 2007 (UTC)
  • Observação: Dantadd, eu movi seu texto para o tópico aqui de cima, pois o de baixo é outro assunto.Tchelauskas 15:13, 30 Maio 2007 (UTC)

Partes envolvidas no conflitoEditar

Fiz um apanhado de links que envolvem as partes envolvidas no conflito (acredito que todas), em separadado, assim cada um pode buscar informações na fonte oficial que quiser:

Aproveito e deixo aqui três analises opostas e uma guia especial do impasse do Estadão:

--Rmbr 06:41, 30 Maio 2007 (UTC)

ControvérsiasEditar

Sugiro mais essas incorporações, não estão completas e contrapontos podem ser educadamente inseridos. Acredito que explicitar os conflitos gera uma maior imparcialidade. Tchelauskas 13:00, 30 Maio 2007 (UTC)

Invasão versus ocupaçãoEditar

Há diferentes formas e visões sobre como denominar o que aconteceu: foi uma invasão ou uma ocupação.

O termo invasão é empregado pelos que são contra a ocupação, baseados nos decretos judiciais que proferem a : “ilicitude da ocupação de dependências administrativas da Universidade por estudantes, como forma de pressão para atendimento de suas reivindicações” e a reintregração de posse da reitoria (ver decretos judiciais na íntegra).

Já o termo ocupação se refere tanto ao ato, de os estudantes ocuparem a reitoria em quanto não fossem atendidos pela reitora, que por conta dos impasses entre as partes ganhou caráter político de resistência (ver tópico abaixo sobre Ilegalide verus desobediência civil).

Desfazendo confusõesEditar

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

Não sei como pode haver tanta confusão com o uso de dois termos tão simples. Invasão é algo que ocorre num determinado momento, a penetração num certo espaço físico. Ocupação é algo que dura um determinado período de tempo, a permanência nesse mesmo espaço físico. Nenhum desses dois termos é pejorativo. Ambos são moralmente neutros. Nenhum deles, em si configura crime. Porque, se um desses dois termos configura crime, então o Dantadd está dizendo que a invasão e subseqüente ocupação do Iraque por George W. Bush configura crime. Será que é isso que ele quer dizer?

A posição do Dantadd ficou bastante clara aqui na Wikipédia: ele é contra as reivindicações dos estudantes, professores, trabalhadores, e principalmente dos sindicatos, que ele odeia com toda a sua alma. Ele é contra tudo que não seja o direito total e absoluto do sistema capitalista de explorar as pessoas, sugando até a última gota do seu sangue. Luiz Netto 20:10, 30 Maio 2007 (UTC)

Ah claro, sou um capitalista inveterado e, claro, antidemocrático. Democracia mesmo apenas na Venezuela, Cuba e Coréia do Norte. Dantadd 20:22, 30 Maio 2007 (UTC)

Nossas discussões estão muito divertidas, Dantadd. Luiz Netto 20:44, 30 Maio 2007 (UTC)

Neste ponto estou completamente de acordo. Seria cômico se não fosse trágico. Dantadd 21:03, 30 Maio 2007 (UTC)

Aviso: se forem proferidos mais ataques pessoais, INDEPENDENTEMENTE DA PESSOA SER ADMINISTRADOR(A) DA WIKIPÉDIA OU NÃO, medidas serão tomadas. Ler Wikipedia:Como resolver disputas e Wikipedia:Nada de ataques pessoais Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 01:11, 31 Maio 2007 (UTC)

Que ataques pessoais foram proferidos aqui? Não vi ataque pessoal nenhum. Luiz Netto 01:23, 31 Maio 2007 (UTC)

O destino do aviso não é você, seus comentários no máximo beiraram ataques pessoais. Mas, desde a votação até a tentativa de re-escrever o verbete vi dezenas, vindo de diversas partes. Cinco dias de xingamentos mútuos me soam como tempo demais. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 01:29, 31 Maio 2007 (UTC)

Ilegalidade versus desobediência civilEditar

A ocupação é judicialmente considerada ilegal, mas por outro lado os alunos alegam que formular decretos, é se sobrepor a discussões no âmbito do poder legislativo e da sociedade como um todo, além do conteúdo dos decretos ser nocivo à autonomia universitária e inconstitucional. Logo, se utiliza da ocupação como forma de desobediência civil (ver Manifesto sobre a desobediência civil).

Visões sobre a mídiaEditar

Os estudantes e apoiadores da greve alegam que não conseguem o mesmo espaço na grande mídia, em relação a posição da reitoria e do governo para esclarecer os fatos, assim como para expressar suas idéias.

Em contraposição a esta questão elaboraram certas estratégias de comunicação: organização de uma comissão de comunicação, a criação de um blog mantido pelos estudantes da ocupação, vídeos no YouTube, blogs individuais e utilização do CMI – Centro de Mídia Independente. Ou seja, a internet tem um papel importante de livre expressão dos estudantes da ocupação da reitoria da USP.

Ligações externasEditar

Quem puder melhorar acho legal, pois está um pouco misturado notícias (que poderiam estar incluídas nas referências e outras fontes). Se aqui entra * Blog de Reinaldo Azevedo com extensa cobertura da invasão da reitoria da USP, e aqui acho que invasão está bem, pois preserva a visão do autor. Acho que também entra:

Tchelauskas 05:02, 30 Maio 2007 (UTC)

Não me oponho que se coloque o blog do Paulo Henrique Amorim, é até uma forma de suavizar o assunto com um site humorístico. A questão é a seguinte: tem de haver equilíbrio entre os sites que apóiam a invasão e os que condenam. Dantadd 12:27, 30 Maio 2007 (UTC)
Concodo com o equilíbrio, mas deve haver um equilíbrio entre os tipos de fontes, ambos são blogs e opiniões individuais e um tanto polarizadas. O Paulo Henrique Amorim é risível para alguns, tanto quanto o Tio Rei, como o autor é chamado em seu próprio blog. Como você disse, é bom, todo mundo se diverte um pouco, rs. Tchelauskas 13:09, 30 Maio 2007 (UTC)
Sim, como disse não me oponho. Só não pode é haver: blog de invasores + rádio dos invasores + centro de mídia (in)dependente dos invasores + nãoseioquê dos invadores... aí não há equilíbrio. Dantadd 15:38, 30 Maio 2007 (UTC)

Por hj e amanhã estou fisicamente impossibilitado de escrever muito, o que faz com que eu não consiga ajudar nos impasses (ou seja, controlem-se). No entanto, Tchelauskas, acredito que as controvérsias sobre os termos não cabem neste verbete. Procure discorrer sobre o tema em ocupação e invasão, de forma genérica para diversos casos, seguindo as recomendações da Wikipédia e azule tais termos na primeira ocorrência dos mesmos neste verbete. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 20:08, 30 Maio 2007 (UTC)

Por mim tudo bem. Mas precisamos chegar a um acordo sobre as definições utilizadas ou pelo menos de como citá-las de forma que fiquem bem integradas ao texto e não só como acréscimos. Tchelauskas 22:13, 30 Maio 2007 (UTC)
Mudei de idéia. Simplesmente se utilize o verbo acampar, que é o ato concreto feito pelos estudantes. Ocupar e invadir são juízos de valores, incompatíveis com a neutralidade pretendida pelo projeto. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 01:06, 31 Maio 2007 (UTC)
Cachorrinho está latindo lá no fundo do quintal, acampar não é o que está acontecendo, a idéia é que os alunos ficam no local, não saem e dão outro tipo de uso ao local, é lá que funcionam as assembléias, a comunicação, as aulas, atividades culturais. Me parece mais que acampar.Tchelauskas 01:53, 31 Maio 2007 (UTC)
Hum, sim, ia dar problema de dar a impressão de se estar em um lugar de forma estática, como uma estátua que não fala nem faz nada. Nesse caso, acho mais razoável então ser mencionado:
  1. No começo do texto, pela primeira vez que se fossem empregar os termos, uma expressão mais ou menos como a ocupação[1] (ou invasão[2]) dos alunos(...), com tais notas apontando um local onde tal termo é usado predominantemente;
  2. Discussões de semântica sobre o uso de tais termos sendo feitas em invasão e ocupação, de forma genérica e aplicável a uma quantia maior possível de casos;
  3. Ocupação e invasão passarem a ser utilizados como palavras de "revezamento" (para a parte de orientações genéricas de redação, de não se repetir determinado termo empregado a poucas linhas atrás), desde que no trecho não seja induzido a se ser contra ou favorável a algo;
  4. Não utilizar ocupação (ou invasão) ao decorrer do texto, que pode ser ao invés de um ajeitamento para agradar a todos, uma poluição visual/de leitura.
Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 02:43, 31 Maio 2007 (UTC)

"Acampar"? Interessante, se um dia acamparem na sala da minha casa sem minha autorização eu chamo a polícia, pois é uma invasão de propriedade. Entrar e permanecer sem autorização da autoridade LEGALMENTE constituída para tal constitui "invasão". "Ocupação" é um eufemismo espertamente utilizado. Dantadd 12:17, 31 Maio 2007 (UTC)

O Lugusto tem atitudes realmente estranhas. Primeiro ele reverte uma edição minha, aí eu reverto a dele, depois reverte novamente e alega que eu não discuti. Interessante. Bom, a questão é a seguinte: o link do blog dos invasores deve ter um contraponto e não é o manifesto dos reitores. Tem de haver tratamento equitativo. Por que o blog dos invasores permanece sem contraponto? Dantadd 20:35, 31 Maio 2007 (UTC)
Dantadd, ao olhar este diff e olhar este, onde eu restauro apenas dois links, só posso concluir uma coisa: você não olha a tela de diferenças de edições de forma completa antes de reverter. Se eu tenho atitudes estranhas, as suas são mais. Me adianto que o seu comportamento, em outras wikis, já o teria feito ser proibido de editar em verbetes sobre política durante um ano. Mas, me prendendo ao que importa: ao restaurar os dos links, relevantes para o verbete, restaurei o link que transcreve a carta da Reitoria, que se opõe à ocupação. Isso para mim soa como um equilíbrio de parcialidade de discursos. O link que você inseriu é, por enquanto, aceitável. Porque do por enquanto: atualmente, na capa de tal blog, há menções à greve. Mas daqui a oito meses, ainda haverá? Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 20:50, 31 Maio 2007 (UTC)
Quando não houver, buscamos um permalink para a discussão mais relevante. Quanto às minhas atitudes, causa-me riso a suposta tal proibição que eu sofreria, só mesmo para dar um tempero à discussão que você diz algo tão sem cabimento. Pode fazer um scan em TODAS as minhas contribuições e achem UMA (00001) propaganda política que eu tenha feito, aliás, qualquer propaganda. Minha posição política só fica evidente quando eu tento conter os panfleteiros. Já contive panfleteiros de direita e de esquerda. O duro nesta história toda é que poucos querem realmente ajudar para manter a imparcialidade. Infelizmente, a arte de "parecer" (ao melhor estilo da mulher de César) eu não domino como tantos outros. Dantadd 21:00, 31 Maio 2007 (UTC)
Pode ter certeza de que eu fiz. Se deixar envolver emocionalmente demais em um tema, nas wikis que eu me referi, é motivo suficiente. Não faz nem bem à sua saúde se irritar tanto com um texto que não lhe proverá recurso financeiro algum, nem ao meu braço direito o teimar utilizar nestes dias. A maior parte das minhas edições neste tema ainda é no verbete. Enquanto muitos que acreditam defender a imparcialidade estavam chamando manifestantes de arruaceiros, eu estava sendo o único a analisar seriamente o texto. Assumir a ma fé comigo, fazendo dois ataques pessoais ao mesmo tempo em uma só frase (sendo um deles, ao analisar de forma assumidamente mais paranóica com base em dados que alguém tem sobre mim, de teor homofóbico) não é coisa sensata a se fazer. Há a política Wikipedia:Nada de ataques pessoais e há os textos disponíveis em Wikipedia:Como resolver disputas, aprovados por outros que também dominam a "arte de fazer 'parecer'". Mais uma e eu sigo as instruções mais detalhadas sobre o tema. Este já é o quarto aviso. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 21:14, 31 Maio 2007 (UTC)

Primeiro: "Teor homofóbico"? De onde você tirou isso? Segundo: "arruaceiro"? Quando foi que eu chamei alguém de "arruaceiro" no texto do verbete? Minha opinião sobre sua intervenção é clara: você não está sendo tão imparcial quanto imagina. Isso não é ataque pessoal. Você me dá avisos e quero saber onde estão os ataques pessoais. Não houve ataque pessoal nenhum, nem muito menos qualquer insinuação homofóbica, nem imagino de onde você a tirou. Li e reli meu texto e não achei, nem sei porque eu a faria, pois não faz parte do meu caráter. Posso ter muito defeitos, mas tenho caráter e escrúpulos. Dantadd 21:20, 31 Maio 2007 (UTC)

Como eu disse acima, se eu me valer de uma interpretação mais paranóica. Na mensagem de agora você conseguiu expressar sua opinião sobre as minhas edições sem me atacar, apesar de na anterior o ter feito. É um avanço.
Você não chamou ninguém de arruaceiro no verbete, mas nas discussões de eliminação e nesta se utilizou de expressões que muitas vezes poderiam ser sintetizadas nessa expressão. Você não foi o único, apesar de ter sido o mais frequente, já que houve na Esplanada um administrador afastado desde 2004 que se deu o trabalho de editar como logado apenas para dizer a mesma coisa. Enquanto as pessoas se divertiam desabafando sobre suas opiniões políticas, eu estava lá, analisando o texto do Resistor e o adaptando. No fim, o que está com uma indiscreta faixa de estar afastado da Wikipédia em sua página de usuário é um dos que mais trabalhou na análise e escrita, de fato, do texto do verbete.
Amanhã deverá sair uma nota em meu blog destinado a coisas sobre a Wikimedia (não atualizado a mais de um mês) do porquê eu ter resolvido intervir na redação deste verbete. Apesar das guerras de edições e dos nervos acessos terem prosseguido, terminando com os administradores parando de relaxar com a aplicação das políticas referentes à guerra de edições (pedido implícito que eu havia feito para poder editar) e o terem protegido novamente na forma total, e do verbete ainda ser um esboço, considero uma vitória, já que meu objetivo foi atingido. Adiantando: mesmo que seu alvo sejam outros projetos da Wikimedia Foundation, muitas vezes se é necessário zelar pela manutenção da dignidade da Wikipédia para o público externo, já que ela é, desigualmente, o projeto mais conhecido.
Ainda estarei acompanhando o desenvolvimento desta página, e estarei emtindo opiniões. Agora vou descançar meus braços. Cachorrinho está latindo lá no fundo do quntal 00:33, 1 Junho 2007 (UTC)

Apelo por mediaçãoEditar

Mediação de conflitos
Estado: Fechado


  • Não se chega a nenhum consenso fácil a cada modificação que se faz na página
  • Acredito que nesta momento esta de um lado Dantadd e do outro todos que se atrevem a editar a página
  • Não há solução facíl, usuário Dantadd simplismente reverte e repete insistentemente suas saturadas razões e falsas pretencões de imparcialidade para justificar a sua agenda. No caso das Ligações externas isso fica explícito.

Infelizmente o usuário Lugusto não esta aqui no momento para botar o usuário Dantadd em cheque, que nos últimos dias, apesar de ser aparentemente respeitado pela comunidade, tem se comportado como um vandalo. --Rmbr 21:50, 31 Maio 2007 (UTC)

Não, está de um lado o Dantadd e do outro lado o Rmbr tentando transformar o artigo num panfleto dos grevistas. Ação de vandalismo faz quem tenta imprimir sua agenda neste verbete. Sou respeitado porque nunca fiz o que você faz: propaganda política na Wikipédia. Eu não tenho agenda nenhuma, tenho sim o dever moral de impedir que você transforme este artigo no seu panfleto de greve. Dantadd 21:55, 31 Maio 2007 (UTC)
bla, bla, blah... vc me cansa. Teu discurso é sempre o mesmo, vc sim que parece um desses sindicalistas xaropes. Eu não discuto mais com vc, além de vc não ter mais argumento nenhum ainda tranca a reversão no histórico. Logo logo, vai tentar me provocar, pra tentar trancar o artigo de novo ou conseguir razão pra me banir... portanto agora eu só converso com um mediador. --Rmbr 22:01, 31 Maio 2007 (UTC)
Ok, converse com quem quiser, pena que o papa não está mais no Brasil. Mas desista: não vais conseguir transformar este verbete em circular de ADUSP/SINTUSP e assemelhados. Dantadd 22:05, 31 Maio 2007 (UTC)
A propósito, a referência estava errada SIM e de novo apontando para a citação numero 5, só agora você corrigiu.
Aqui estão as provas [7],[8] pra todo mundo ver. --Rmbr 22:09, 31 Maio 2007 (UTC)

Sim, foi um erro de sintaxe na fórmula {{citar web}} e não um erro na referência apresentada. As provas estão nas edições. Dantadd 22:30, 31 Maio 2007 (UTC)

Protecção de páginaEditar

O artigo está sob guerra de edições há várias horas e vocês precisam de acalmar os ânimos. Protegi o artigo; por favor cheguem a um consenso na discussão. PatríciaR msg 00:14, 1 Junho 2007 (UTC)

Nenhum mediador ainda se apresentou para tentar nos ajudar a superar esse impasse, talvez fosse mais facil você mediar ao inves de bloquear (bloqueio que estranhamente se deu alguns minutos depois que Dantadd reverteu várias edições comprometendo a qualidade do artigo e efetivando seu POV) Alguns pontos são bem faceis de se poderar e refletir.
  • Citação numero 7, na referência ele usa palavras e termos e alegações que não constam no artigo. Corrigo para uma citação direta, ele as reverte.
  • Essa última reversão feita por Dantadd, o paragrafo inteiro foi revertido, nenhuma observação foi feita do porque da eliminação, existiam referencias e o modo de discursão era neutro.
Enfim... a lista é extensa, até o Lugusto é testemunha da arbitrariedade de Dantadd. --Rmbr 00:46, 1 Junho 2007 (UTC)
Eu protejo o artigo no estado em que o encontro, independentemente de quem o editou em último lugar. Logicamente que é apenas alguns minutos após qualquer um de vós o editar, já que passaram a maior parte do tempo a editar o artigo (= reverter edições), não? A mediação torna-se mais simples se o conteúdo não flutuar feito doido. PatríciaR msg 00:52, 1 Junho 2007 (UTC)
Não havia nada de neutro na sua intervenção. Eu inseri um dado e uma referência e logo após você desautoriza minha referência com uma "apuração" (sic) justamente do montada pelo blog dos invasores da reitoria. Obviamente que eles, como você, jamais poderão aceitar que há mais professores contra eles do que a favor, sendo assim eles atacam a legitimidade da lista. Aliás, legitimidade mesmo têm as assembléias, das quais participam 50 estudantes, 100 agitadores, 100 sindicalistas e mais quem estiver lá perto para contar. Hoje mesmo houve pouco mais de mil manifestantes na tal passeata, já segundo os invasores foram 10 mil. Conseguem mentir mais que o Maluf. Dantadd 01:02, 1 Junho 2007 (UTC)
Eu não desautorizei a sua referencia, você botou uma fato e referenciou, eu botei outro que contra-dizia e referenciei. Dai voce simplismente apagou o que eu adicionei e deixou o seu.
E você ainda não explicou daonde tirou "contra a invasão da reitoria e aos métodos violentos utilizados pelos militantes". invazão? violentos? militantes? Isso é invensão da sua mente, você esta sendo desonesto, e isso é inaceitável.Pare de tentar discutir a política do acontecimento comigo, eu não tenho interesse nenhum nesse debate de opiniões com vc, só estou querendo que agente possa construir o artigo mais justo possível.
É uma pena que não tem ninguém assistindo isso... depois se faz de vítma, homem da ordem e dono da razão da esplanada. --Rmbr 01:12, 1 Junho 2007 (UTC)
"Invazão" eu realmente não escrevi nem achei em lugar algum. Os professores falam sim de métodos violentos. Estão se referindo a quem? Ao Bruce Lee? Podemos discutir a redação do parágrafo sem problema algum, mas não me venha com contestação da lista feita pelo próprios invasores. Isso é passar do limite da panfletaria. Eles não apresentam absolutamente prova nenhuma que os nomes que lá estão são de "não-docentes", apenas dizem que fulano e sicrano (todos do grupo dos invasores) apuraram isso e aquilo, com base em que provas? Dantadd 01:18, 1 Junho 2007 (UTC)
E eu cito de sua referencia:
"PROFESSORES DA USP PELA DESOCUPAÇÃO DA REITORIA
Professores de todas as Unidades da USP, desolados diante do esgotamento de todas as possibilidades de diálogo oferecidas aos que ocuparam pela violência a Reitoria, vêm a público conclamar colegas, estudantes, funcionários e todos aqueles que reconhecem nesta Universidade um patrimônio público inalienável, a apoiar sua pronta desocupação e a volta à normalidade de suas atividades, que primam por ter a palavra e o diálogo como meios de tratar as diferenças, bem-vindas, necessárias e fundamentais nesta instituição.
Lista de assinaturas...

" Aonde eles falam alguma coisa sobre violencia? militantes ou invasão? Que farsa... --Rmbr 01:25, 1 Junho 2007 (UTC)

Mmmm, deixe-me ver, será aqui: "ocuparam pela violência a Reitoria"? Ocupar pela violência é o quê? Dantadd 01:27, 1 Junho 2007 (UTC)
Amigão você sabe muito bem do que eu estou falando, esta certo sobre a palavra "violencia". Só que termos por termos, eles usam a palavra ocupação, e você insistiu em usar a sua preferida "invasão". Ué, aonde esta sua ética agora. é bem simples, deixe um mediador decidir, o que é mais neutro de acordo com a citação:
  • Por outra parte, quase mil professores da universidade já se declararam abertamente contra a invasão da reitoria e aos métodos violentos utilizados pelos militantes[7].
  • Por outra parte, quase mil professores da universidade já se declararam a favor da "desocupação e a volta à normalidade de suas atividades, que primam por ter a palavra e o diálogo como meios de tratar as diferenças"[7].
Quando qualquer terceiro mediador vier aqui é disser que a primeira sentença é mais neutra, eu desisto do caso. --Rmbr 02:59, 1 Junho 2007 (UTC)
Você quer evitar a todo custo a palavra "violência". Pois ela está lá e estará aqui também. Violência usada pelos invasores e por toda corja político-sindical que os cerca, apóia e alimenta. Dantadd 20:31, 1 Junho 2007 (UTC)

Aqui esta Essa reversão demonstra em um só fato, exatamente o que tem acontecido nesse artigo. Só essa reversão prova 1. Não tem transparencia nas suas edições (sem explicações) 2. Não prezou por manter informação factual no artigo (apagou citação direta e inseriu texto proprio). 3. Apagou paragrafo com NPOV e referencias impecaveis (porque iam contra o seu POV) Resumindo, total falta de caráter. Acrecento que:

  • Ele é o usuário que sugeriu a votação eliminação do Artigo, a três dias atrás quando estava completamente diferente (Foi reescrito do zero)
  • Votou a favor da eliminação do artigo e continua a modificar o artigo (contradição)
  • A flutuação do assunto não impactua de maneira nenhuma no profissionalismo, e na hostidade factual e redacional do mesmo. Ou seja, referencias e NPOV ainda deve ser respeitados.
  • Adicione também que o protect não afeta admins, o que ele é, e já provou em outras ocasiões que não tem pudor de editar artigos protegidos.
  • E por último, hoje é o último dia antes da votação. Então é importante deixar o artigo mais justo e limpo possivel, para que todos possam fazer uma decisão justa. Tracando o artigo, ele é o unico beneficiado, pois visa a eliminação do mesmo.

--Rmbr 01:03, 1 Junho 2007 (UTC)

Deixe de ser manipulador! NPOV uma ova! Você inseriu uma apuração fajuta que consta no blog dos invasores! Tenha dignidade! Se quiser ficar falando de mim, vamos também falar de você: quem é você? É sock puppet de quem? Se preferir, abordamos apenas o texto. Mas se quiser ficar me denegrindo vai ter de falar de você também. Dantadd 01:06, 1 Junho 2007 (UTC)
Você me acusa de tentar te atingir, quando o que eu estou tentando é somente contestar as suas ações erradas, e isso vou continuar fazendo. Não sou socketpuppet de ninguém. A página com a lista e a moção esta hospedada em um Institudo da USP, e foi publicada na página principal da agencia de comunicação controlada pela reitoria. Você não tem o direito de CENSURAR nada aqui na wikipedia. Eu estou tentando manter a conversa num ambito enciclopédico e jornalísco, e tu constantemente manda jabs políticos, pessoais e irrelevantes para a discussão. --Rmbr 01:18, 1 Junho 2007 (UTC)
Amigo, repito: tenha dignidade. Quem levou isso para o lado pessoal foi você. Utilizou um assunto completamente alheio a esta presente discussão para me atacar de uma forma agressiva e impiedosa, utilizando ferramentas sutis. Você sabe o que fez, utilizou-se doutro debate para me atacar e agora diz que eu personalizo a discussão. Não me interessa quem é você, estou disposto a discutir o conteúdo deste artigo, mas saiba que defenderei até onde me for possível para que ele não seja seqüestrado por uma agenda política. Dantadd 01:24, 1 Junho 2007 (UTC)
Não me venha falar de dignidade, quando você já disistiu da sua faz tempo. Não levei nada pro lado pessoal, aquela discussão sobre os seus abusos de autoridade na esplanada é outra, e é muito válida. Inclusive as coisas que pautei lá, estão se manifestando aqui novamente. É incrível como você insiste em afimar que eu tenho uma agenda, quando é você que é um reacionário descontrolado de extrema direita que tem uma agenda política conservadora de manutenção do status-quo. Eu acho que eu nunca um comportamento tão irracional como o seu, num plano intelectual você não tem chance nenhuma, então apela como uma criança convicta que tem a razão e sabe a única "verdade". --Rmbr 02:50, 1 Junho 2007 (UTC)

Tempos atrás um direitista disse que eu fazia parte do lobby gay de esquerda. Os panfleteiros como você são assim, seja de que lado estejam. E...como é, "plano intelectual"? Não me faça rir. Dantadd 20:28, 1 Junho 2007 (UTC)

Por favor mantenham a discussão ao nível do conteúdo. Esta troca de ataques pessoais não ajuda ninguém. Vou ter de tomar outras medidas se os insultos parte a parte continuarem. PatríciaR msg 20:45, 1 Junho 2007 (UTC)

AtualizaçãoEditar

Olá, tenho algumas dúvidas... Quando esse artigo ira ser finalmente desbloqueado? Como ficou o resultado da votação sobre o artigo? Atualizações precisam ser postadas aqui na discussão para serem aprovadas e inseridas? --Resistor 03h02min de 8 de Junho de 2007 (UTC)

Bom, como não houve mais discussão nemhuma sobre o conteúdo, eu vou baixar o nível de protecção do artigo. Assumo que os editores em disputa se desinteressaram em continuar a discussão. Actualizações deverão sempre seguir as regras de imparcialidade pelas quais a Wikipédia se rege. Se achar que é coisa polémica/parcial, será talvez melhor apresentá-la na página de discussão.
Se os editores envolvidos anteriormente em guerras de edições persistirem nesse comportamento, serão bloqueados. PatríciaR msg 11h11min de 9 de Junho de 2007 (UTC)

Trechos apagadosEditar

Por que foram apagados trechos nesta página de discussão? Dornicke 23h26min de 9 de Junho de 2007 (UTC)

Que trechos foram apagados? PatríciaR msg 17h13min de 13 de Junho de 2007 (UTC)
Creio que ele está confundindo com a discussão que está na página de votação da eliminação. Dantadd 18h41min de 13 de Junho de 2007 (UTC)
Patricia, falamos de avisos sobre sock puppets. Mas já estamos procurando conhecer melhor o que se passa. Isso quer dizer que estamos vigiando de perto o histórico de administradores-comunistas e em pouco tempo veremos mudanças na administração. o comentário precedente não foi assinado por 200.170.105.167 (discussão • contrib.) 18h44min de 20 de Junho de 2007 (UTC)
Seja mais claro, por favor. Dantadd 18h44min de 20 de Junho de 2007 (UTC)
  1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome oc
  2. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome inv
  3. Regressar à página "Greves de 2007 em universidades públicas brasileiras".