Discussão:Suicídio

Discussões ativas

Louise DuChevalierEditar

Gostaria de saber quem é a tal desenhista Louise DuChevalier, pois procurei no Google e não encontrei. E por que o desenho está em domínio público?? abraço! Lipe FML_ 00:29, 19 Outubro 2006 (UTC)

Guerra de edições entre os usuários Auréola e EternamenteAprendizEditar

Caros, estou aqui para tentar intervir na disputa entre os usuários Auréola e EternamenteAprendiz. Como podemos acompanhar nas discussões apresentadas aqui e aqui, aparentemente existe um conflito de interesses que se resume no seguinte:

  • Por um lado existe o usuário Auréola que defende a imparcialidade e a qualidade do artigo seguindo as recomendações do livro de estilo.
  • Por outro lado existe o usuário EternamenteAprendiz que concorda com a imparcialidade, mas prefere que as informações estejam presentes no artigo ao invés de simplesmente excluí-las por não representarem diretamente um consenso universal. Ele faz isso aparentemente motivado pela utilidade pública de tais informações, e faz questão que todas (ou boa parte delas) estejam no artigo principal.

Bom amigos, na minha opinião, o Auréola está certo. Devemos nos limitar a dar apenas informações históricas e que sejam consenso. Essa discussão é antiga e faz parte da política oficial da Wikipédia, afinal a Wikipédia não dá conselhos médicos.

Caro EternamenteAprendiz, eu notei que suas informações são extremamente valiosas e existe espaço na Wikipédia para elas (a ideial de criar uma página só para elas, me pareceu ótima, você deveria aderir esta ideia). Apenas tome cuidado com o modo as apresenta. Tomando certos cuidados, creio que todos ficarão contentes e não haverá mais discussões. Caso não tenha lido ainda, recomendo que você leia sobre o Princípio da Imparcialidade para entender melhor o que digo. O livro de estilo e o texto sobre termos vagos também são boas leituras.

Apenas para citar um exemplo, ao invés de escrever coisas como:

Pessoas com pensamentos suicidas devem fazer isso ou aquilo para prevenir o suicídio.

prefira escrever

Os estudos feitos pela psicologia indicam que o suicídio pode ser prevenido (++referências). Eles, inclusive, indicam práticas de prevenção como fazer isso e aquilo para evitá-lo.

Note que a mesma informação foi apresentada, mas a primeira indica algo que já é um consenso, enquanto a segunda atribui a responsabilidade da afirmação a um grupo limitado de pessoas que realmente acreditam naquilo.

Claro que essa "técnica" de atribuição só serve para afirmações pequenas, simples e concisas. Se for escrever textos muito longos que exprimem um ponto de vista (como parece ser seu caso), procure criar uma seção única para aquilo (Ex.: "Visão do suicídio na psicologia" etc.)

Por fim, o artigo realmente está muito longo (assim como esse comentário). Na minha opinião, ele deve ser dividido seguindo as regras do livro de estilo. No entanto, vejo muito mais motivos para criar uma página "Interpretações religiosas do suicídio", do que se preocupar com um trecho tão pequeno como o que fala da prevenção.

Terminando meu "discurso", deixo um mensagem para o Auréola. Embora você esteja certo, tente presumir boa fé dos colegas wikipedistas. Você foi muito agressivo nas suas declarações com o companheiro. Sem contar que, ao invés de utilizar a página de discussão para discutir sobre o assunto, você se prontificou e apagou tudo que o colega tinha escrito. Isso não foi legal de sua parte.

Além do mais, encontrei por acaso uma edição de sua autoria nesse mesmo artigo dizendo que "o suicídio (...) interfere com os planos de Deus para dominar o mundo", que felizmente já foi desfeita. Eu me considero ateu, mas tenho plena ciência de que uma declaração desse tipo é extremamente ofensiva para um cristão, além de ser parcial. Embora reconheça a sua contribuição para a Wikipédia como um todo, acho que não preciso dizer que essas e outras atitudes não contribuem para o desenvolvimento de uma boa reputação.

Espero ter ajudado. Boas contribuições. --Diego Queiroz (discussão) 16h45min de 2 de julho de 2011 (UTC)

Olá Diego, obrigado pelo acolhimento do caso. Devo confessar que fiquei mais satisfeito com as recentes edições do EternamenteAprendiz D​ C​ E​ F. Mas fiz algumas modificações: retirei uma imagem um tanto forte e que não ajudará na compreensão do artigo (na verdade aquela imagem serve mais para ilustrar um artigo de revista), e uni a seção "Intervenção em crise" com a sub-seção "Abordagem psicológica", porque tratam de um mesmo tema. Também coloquei um link de artigo principal para Prevenção do suicídio na seção "Prevenção". Meu objetivo, como bem notou o Diego, era adotar uma coesão imparcial. Isso é difícil num tema complexo e polêmico como esse porque, ao contrário das outras concepções acerca do assunto (como a filosófica, a religiosa, etc.), as concepções médicas e psicólogas são práticas demais e isso pode ir contra várias outras visões, e a prevalência dessas práticas faria do artigo um verbete parcial e com uma visão bastante estreita, quase uma doutrinação. É certo que considero que o leitor é quem decide se acredita ou não num texto, mas o texto imparcial precisa tentar ser o menos convencedor possível (ao meu ver, deve convencer apenas que é imparcial e completo, amplo). —Auréola συζήτηση 22h16min de 2 de julho de 2011 (UTC)
Eu aceito suas mudanças, estou satisfeito com o artigo. Também concordo com a criação de um artigo específico para interpretações religiosas e filosóficas sobre suicídio como tem na wikipédia em inglês. Mas levando em conta que existem familiares e amigos de pessoas que se suicidaram lendo. Só vou recolocar o fato que você retirou junto com a imagem. EternamenteAprendiz (discussão) 21h25min de 3 de julho de 2011 (UTC)
Você diz que conhecidos seus se suicidaram lendo o artigo? —Auréola συζήτηση 21h43min de 3 de julho de 2011 (UTC)
Não, eu disse que existem familiares de pessoas que se suicidaram que lêem esse artigo. No sentido de que quem for escrever sobre suicídio e religião não deveria escrever "todos suicidas vão pro inferno sofrer eternamente" sem pensar no impacto que afirmações assim causam nos familiares de pessoas que se suicidaram. EternamenteAprendiz (discussão) 04h44min de 4 de julho de 2011 (UTC)

Não sei... É preciso ter cuidado com esse tipo de pensamento. Se formos pensar dessa forma, estaremos censurando outras formas de se pensar sobre todos os assuntos de uma enciclopédia. Algumas religiões dizem isso, que suicidas vão pro inferno. Devemos citá-las, mas não compactuar com elas, apenas citá-las, sem preconceito. É por isso que sempre defendi a imparcialidade e a abertura de mente, pretendendo mostrar tudo o que já se escreveu, falou e se pensou sobre o suicídio (ou qualquer outro assunto). Os livros (e artigos, da Wikipédia ou não, enfim, qualquer texto) não influenciam ninguém que não quer se deixar influenciar. É certo que Os Sofrimentos do Jovem Werther inspirou jovens da época em se matarem -- mas e os que não se mataram e riram de Goethe? E os realistas que vieram depois, a rirem sobre o romantismo e o dramatismo exarcebado da obra? Essa é a potência humana: a capacidade de rir e mudar sua condição. E é isso que, a meu ver, certos profissionais como os psicólogos deveriam estimular em seus pacientes, esse lado forte dos seres humanos, de agir e pensar como quiser, e não fazê-los ficarem cegos sobre as fragilidades, tirando todas as pedras do caminho que existem e sempre existirão na vida humana. As fragilidades existem, basta que, quando eu as encontrar, passeia tranquilo por cima delas... —Auréola συζήτηση 15h16min de 4 de julho de 2011 (UTC)

Você viu minhas contriuições em religião? Meu argumento era mais de não condenar o suicida sem a menor piedade. Deixar margem para dúvidas. Porque os livros religiosos podem ser interpretados de muitas formas diferentes, inclusive defendendo pontos de vista opostos com o mesmo livro.EternamenteAprendiz (discussão) 12h41min de 5 de julho de 2011 (UTC)

BudismoEditar

Não é explicado na seção Budismo, pelo menos não com clareza, o que o suicídio representa para a religião.User33 (discussão) 02h13min de 29 de agosto de 2011 (UTC)

Discussão: A interpretação mais cuidada e reveladora.Editar

Suicídio, homicídio dissimulado e cometido por outrem, ou então induzido por perseguição, privação de direitos ou impostos forjados causando insustentabilidade total e assim a morte por si mesmo à vítima.

O suicídio é muito raro por causas naturais ou por doença mental, é mais por chantagem contra a vida de alguém, ou através da indução de uma perturbação, normalmente por negação de um direito ou de todos os direitos, tornando a vida de uma pessoa insustentável por exemplo através de impostos forjados ou de qualquer perseguição, roubo ou até por uma perseguição judicial em estado nazi, ditadura ou dinastia (membros de uma seita ou partido distribuídos pelas instituições e justiça que tomam as decisões sobre os actos que eles mesmo programam e induzem).

Regressar à página "Suicídio".