Eilat Mazar

Eilat Mazar (10 de setembro de 1956 – 25 de maio de 2021) foi uma arqueóloga israelense. Ela se especializou em Jerusalém e arqueologia fenícia. Ela também foi uma pessoa chave na arqueologia bíblica conhecida por sua descoberta da Grande Estrutura de Pedra, que ela supôs ser o palácio do Rei Davi.

Elilat Mazar
Eilat Mazar discursando na 34.ª Conferência Arqueológica em Israel
Nascimento 10 de setembro de 1956
Morte 25 de maio de 2021 (64 anos)
Nacionalidade israelense
Ocupação arqueóloga

BiografiaEditar

Eilat Mazar nasceu em 10 de setembro de 1956.[1] Ela era neta do pioneiro arqueólogo israelense Benjamin Mazar, que serviu como presidente da Universidade Hebraica de Jerusalém.[2] Ela obteve um Bacharelado em Artes pela mesma instituição, antes de se juntar à equipe de escavação de Yigal Shiloh em 1981 e trabalhar lá por quatro anos.[3] Ela recebeu o título de Doutora em Filosofia pela Universidade Hebraica em 1997.[4] Sua tese foi escrita sobre a cultura da Fenícia, com base nas escavações que realizou em Achziv.[2]

Mazar teve uma filha de seu primeiro casamento, que terminou em divórcio.[2][5] Seu segundo casamento foi com Yair Shoham, que também era arqueólogo. Eles permaneceram casados até sua morte por ataque cardíaco em 1997, aos 44 anos.[5] Juntos, eles tiveram três filhos.[6]

Mazar faleceu em 25 de maio de 2021. Ela tinha 64 anos e sofria de uma longa doença não especificada antes de sua morte.[2][3]

Carreira na arqueologiaEditar

Mazar serviu como membro sênior no Shalem Center. Ela trabalhou nas escavações do Monte do Templo e nas escavações em Achzib. Ela foi anteriormente chefe do Instituto de Arqueologia do Shalem Center.[4]

A Grande Estrutura de Pedra ("Palácio do Rei David")Editar

Em 4 de agosto de 2005, Mazar anunciou que havia descoberto em Jerusalém o que pode ter sido o palácio do rei bíblico Davi, segundo a Bíblia, o segundo rei de um Reino Unido de Israel, que pode ter governado no final do século XI ao início do X século a.C. Agora referida como a estrutura da Grande Pedra, a descoberta de Mazar consiste em um edifício público que ela datava do século 10 a.C, um rolo de cobre, cerâmica do mesmo período e uma bula de argila, ou selo inscrito, de Jehucal, filho de Selemias, filho de Shevi, um oficial mencionado pelo menos duas vezes no Livro de Jeremias. Em julho de 2008, ela também encontrou uma segunda bula, pertencente a Gedaliah ben Pashhur, que é mencionado junto com Jehucal em Jeremias 38:1.[7] A escavação foi patrocinada pelo Shalem Center e financiada por um banqueiro de investimento americano, Baron Corso de Palenzuela Ha Levi-Kahana Mayuha. A terra é propriedade da Fundação Ir David.[8]

Amihai Mazar, professor de arqueologia da Universidade Hebraica e primo de Mazar, chamou a descoberta de "algo de um milagre". Ele disse que acredita que o edifício pode ser a Fortaleza de Sião que Davi teria capturado.[8] Outros acadêmicos duvidam que as paredes da fundação sejam do palácio de Davi. Eles sugerem que a Grande Estrutura de Pedra é um enorme edifício jebuseu que foi construído no final do domínio jebuseu sobre Jerusalém. Em seu relatório preliminar publicado em 2009, a Dra. Mazar reconheceu que isso era possível, mas também explicou por que é altamente improvável. Os jebuseus não teriam investido o tempo e os recursos necessários para construir uma enorme estrutura palaciana fora de sua cidade-fortaleza, numa época em que os israelitas cresciam em poder e se preparavam para conquistar o território jebuseu.[9]

Muralha de NeemiasEditar

Em 2007, Mazar descobriu o que ela sugeriu ser o muro de Neemias.[10]

Portão salomônico e torreEditar

Em 2010, Mazar anunciou a descoberta de parte das antigas muralhas da cidade ao redor da cidade de Davi, que ela acreditava datar do século X a.C. De acordo com Mazar, "é a construção mais significativa que temos desde os dias do Primeiro Templo em Israel" e "Isso significa que naquela época, o século X, em Jerusalém havia um regime capaz de realizar tal construção". O décimo século antes de Cristo é o período que a Bíblia descreve como o reinado do Rei Salomão. Nem todos os arqueólogos acreditam que havia um estado forte naquela época, e o arqueólogo Aren Maeir tem dúvidas sobre tais alegações e sobre a datação de Mazar.[11]

Inscrição de OphelEditar

Em 2012, Mazar anunciou a descoberta de uma inscrição na escavação de Ofel. A inscrição Ophel foi feita em um grande jarro de armazenamento, e apenas um pedaço de 8 letras foi preservado. Várias leituras foram sugeridas, bem como várias atribuições, possivelmente a jebuseus ou a hebreus. Datado do século XI ao X a.C.[12][13][14]

Tesouro de ouro em OphelEditar

Em 9 de setembro de 2013, a Universidade Hebraica de Jerusalém anunciou que Eilat Mazar descobriu recentemente um tesouro de ouro no sopé do Monte do Templo, que remonta ao final do período bizantino (início do século VII). Apelidado de Tesouro de Ophel, o esconderijo de 1.400 anos contém um medalhão de ouro no qual uma menorá, um shofar e um rolo da Torá estão gravados.[15]

Bula de EzequiasEditar

Em 2015, Mazar fez a descoberta da bula real do bíblico Ezequias, que diz "Pertencente a Ezequias [filho de] Acaz rei de Judá" e data entre 727-698 a.C.[16][17] Esta foi, de acordo com Mazar, "a primeira vez que uma impressão de selo de um rei israelita ou judeu veio à luz em uma escavação arqueológica científica".[18][19]

Bula de IsaíasEditar

Em 2018, Mazar publicou um relatório discutindo a descoberta de outra bula que ela disse que pode ter pertencido a Isaías, profeta e contemporâneo de Ezequias. Ela acreditava que o fragmento fazia parte de um selo cujo texto completo poderia ser "Pertencente ao profeta Isaías".[20] Outros especialistas, incluindo Christopher Rollston, da Universidade George Washington, apontaram que a bula está incompleta e que a inscrição atual não se refere necessariamente à figura bíblica.[21]

Método científicoEditar

Mazar era uma maximalista bíblica e, segundo ela mesma, "trabalho com a Bíblia em uma mão e as ferramentas de escavação na outra, e tento considerar tudo".[22]

No entanto, Israel Finkelstein e outros arqueólogos da Universidade de Tel Aviv sinalizaram preocupação de que, com referência à datação de 2006 da "muralha da cidade salomônica" na área ao sul do Monte do Templo conhecida como "Ofel", "o texto bíblico domina esta operação de campo, não a arqueologia. Se não fosse pela leitura literal de Mazar do texto bíblico, ela nunca teria datado os restos do século X a.C com tanta confiança.[23] No entanto, os acadêmicos agora concordam com a datação dessa estrutura feita por Mazar.[24][25][26]

Mazar foi advertida pelo epígrafo Ryan Byrne após a confusão de 2008 sobre a inscrição no selo Shelomit, que "na corrida louca para relatar artefatos bíblicos ao público ou conectar descobertas com as pessoas ou eventos mais obscuros relatados na Bíblia, às vezes há uma tendência a comprometer a cautela analítica que objetos de tal valor tanto merecem."[27]

Obras publicadasEditar

  • Mazar, Eilat (2006). «Did I Find King David's Palace?». Biblical Archaeology Review. 32 (1) (January/February): 16–27, 70  ISSN 0098-9444. (em inglês)
  • Mazar, Eilat (2004). The Phoenician Family Tomb N.1 at the Northern Cemetery of Achziv (10th-6th centuries BCE). Sam Turner Expedition. Final Report of the Excavations (Cuadernos de Arquelogia Mediterranea 10), Barcelona. (em inglês)
  • Mazar, Eilat (2003). The Phoenicians in Achziv, The Southern Cemetery. Jerome L. Joss Expedition. Final Report of Excavations 1988-1990 (Cuadernos de Arquelogia Mediterranea 7), Barcelona. (em inglês)
  • Mazar, Eilat (2003). The Temple Mount Excavations in Jerusalem 1968–1978 Directed by Benjamin Mazar Final Reports Vol. II: The Byzantine and Early Islamic Periods. Col: Qedem. 43. Jerusalem: Institute of Archaeology, Hebrew University of Jerusalem . (em inglês). (em inglês)
  • Mazar, Eilat (2002). The Complete Guide to the Temple Mount Excavations. Jerusalem: Shoham Academic Research and Publication. ISBN 965-90299-1-8 . (em inglês)
  • Mazar, Eilat (1999). The Monastery of the Virgins - Byzantine Period - Temple Mount Excavations in Jerusalem. [S.l.]: Institute of Archaeology, Hebrew University of Jerusalem . (em inglês)
  • Mazar, Eilat. with Mazar, B. (1989). Excavations in the South of the Temple Mount. The Ophel of Biblical Jerusalem, Jerusalem. (em inglês)

Referências

  1. Headapohl, Jackie (10 de setembro de 2018). «Eilat Mazar Is Born». The Jewish News (em inglês). Detroit. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 25 de setembro de 2020 
  2. a b c d Hasson, Nir (26 de maio de 2021). «Dr. Eilat Mazar, Doyenne of Ancient Jerusalem Archaeology, Dies». Haaretz (em inglês). Tel Aviv. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 26 de maio de 2021 
  3. a b Borschel-Dan, Amanda (26 de maio de 2021). «Fearless pioneering biblical archaeologist Eilat Mazar dies at 64». The Times of Israel (em inglês). Jerusalem. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 26 de maio de 2021 
  4. a b Rossner, Rena (26 de janeiro de 2006). «The once and future city». The Jerusalem Post (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 4 de outubro de 2013. Mazar, a senior fellow at the Shalem Center, a Jerusalem-based conservative think tank, is a graduate of the Hebrew University, and granddaughter of the famous archeologist Binyamin Mazar. 
  5. a b Lefkovits, Etgar (25 de setembro de 2008). «Archeology: Dr. Eilat Mazar – The Bible as blueprint». The Jerusalem Post (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 27 de maio de 2021 
  6. Bitton-Jackson, Livia (3 de julho de 2015). «Dr. Eilat Mazar: Biblical Archaeologist». The Jewish Press (em inglês). Brooklyn. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 26 de outubro de 2015 
  7. «Unique biblical discovery at City of David excavation site» (em inglês). Israel Ministry of Foreign affairs. 18 de agosto de 2008. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 3 de novembro 2018  The identifications of the four biblical figures in these two bullae, namely, Jehucal, Shelemiah, Gedaliah, and Pashhur, are affirmed to be strong identifications in Lawrence Mykytiuk, "Archaeology Confirms 50 Real People in the Bible," Biblical Archaeology Review, vol. 40, issue 2 (março/abril 2014), p. 47 (persons 31–34) and p. 49, with endnotes on all 50 persons, including persons 31-34, freely available online at http://www.biblicalarchaeology.org/daily/people-cultures-in-the-bible/people-in-the-bible/50-people-in-the-bible-confirmed-archaeologically/comment-page-1/#comments Arquivado 14 março 2014 no Wayback Machine. Earlier, these four identifications had been found to be very reasonable in Lawrence J. Mykytiuk, "Corrections and Updates to 'Identifying Biblical Persons in Northwest Semitic Inscriptions of 1200–539 B.C.E.,'" Maarav 16/1 (2009), pp. 85–100, which is freely available online at https://docs.lib.purdue.edu/lib_research/129/ Arquivado 22 abril 2016 no Wayback Machine.
  8. a b Erlanger, Steven (5 de agosto de 2005). "King David's Palace Is Found, Archaeologist Says (em inglês). Arquivado 2013-01-12 no Wayback Machine", The New York Times, Consultado em 26 de abril de 2022.
  9. Nagtegall, Brent (1 de agosto de 2020). «Is It Really King David's Palace?». Watch Jerusalem (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022 [ligação inativa] 
  10. Lefkovits, Etgar (28 de novembro de 2007). "Nehemiah's wall uncovered (em inglês). Arquivado 2010-11-23 no Wayback Machine", The Jerusalem Post. Consultado em 26 de abril de 2022.
  11. "Jerusalem city wall dates back to King Solomon" (em inglês). Jerusalem Post, 23 de fevereiro de 2009. Arquivado 2011-05-11 no Wayback Machine
  12. «"Message decoded: 3,000-year-old text sheds light on biblical history", foxnews.com» (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 12 de setembro de 2013 
  13. «Inscription from time of David & Solomon found near Temple Mount». Heritage Daily - Archaeology News (em inglês). 10 de julho de 2013. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 27 de setembro de 2020 
  14. «Archived copy» (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 27 de abril de 2014 
  15. «Ancient Golden Treasure Found at Foot of Temple Mount» (em inglês). Hebrew University of Jerusalem. 9 de setembro de 2013. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 26 de setembro de 2013 
  16. Eisenbud, Daniel (2 de dezembro de 2015). «FIRST EVER SEAL IMPRESSION OF AN ISRAELITE OR JUDEAN KING EXPOSED NEAR TEMPLE MOUNT». The Jerusalem Post (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2015 
  17. Fridman, Julia (4 de janeiro de 2016). «Hezekiah Seal Proves Ancient Jerusalem Was a Major Judahite Capital». Haaretz (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2018 
  18. Smith, Dov (2 de dezembro de 2015). «First seal impression of an Israelite or Judean king ever exposed in situ in a scientific archaeological excavation» (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2018 
  19. Ngo, Robin (12 de março de 2022). King Hezekiah in the Bible: Royal Seal of Hezekiah Comes to Light (em inglês). Arquivado 7 agosto 2018 no Wayback Machine. Consultado em 26 de abril de 2022.
  20. Mazar, Eliat (21 de fevereiro de 2018). «Is This the Prophet Isaiah's Signature?». Biblical Archaeology Review (em inglês). 44 (2): 64–69. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de abril de 2019. This seal impression of Isaiah, therefore, is unique, and questions still remain about what it actually says. However, the close relationship between Isaiah and King Hezekiah, as described in the Bible, and the fact the bulla was found next to one bearing the name of Hezekiah seem to leave open the possibility that, despite the difficulties presented by the bulla’s damaged area, this may have been a seal impression of Isaiah the prophet, adviser to King Hezekiah. 
  21. «fevereiro de 2018». Rollstone Epigraphy (em inglês). 26 de fevereiro de 2018. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2018 
  22. «Eilat Mazar: Uncovering King David's Palace» (em inglês). 2006. Consultado em 26 de abril de 2022. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2007 , Moment Magazine.
  23. Israel Finkelstein, Ze'ev Herzog, Lily Singer-Avitz and David Ussishkin (2007), Has King David's Palace in Jerusalem Been Found? Arquivado 2009-03-05 no Wayback Machine, Tel Aviv: Journal of the Institute of Archaeology of Tel Aviv University, 34(2), 142–164
  24. Mazar, Amihai. Archaeology and the biblical narrative: the case of the United Monarchy. 2010. Full text Arquivado 2020-11-28 no Wayback Machine.
  25. Faust, Avraham. "The large stone structure in the City of David: a reexamination." Zeitschrift des Deutschen Palästina-Vereins (2010): 116-130.
  26. Richard Elliott Friedman, The Exodus, HarperOne, 2017, pg. 98
  27. Byrne, Ryan. Hebrew Seals and the Rush to Biblical Judgment (em inglês). Arquivado 7 outubro 2008 no Wayback Machine, Biblical Archaeology Review website, 6 de fevereiro de 2008. Consultado em 26 de abril de 2022.

Ligações externasEditar