Abrir menu principal

Emar

antiga cidade da Idade do Bronze no Médio Eufrates, Síria
Emar
Tell Meskene • تل مسكنة
Vista desde a torre do antigo forte bizantino de Barbalisso, a cidade vizinha sucessora de Emar
Carte Syrie Ville Emar FR.png
Mapa da Síria com alguns locais históricos onde Emar aparece em destaque
Localização atual
Coordenadas 35° 59' 13" N 38° 6' 42" E
País  Síria
Região Médio Eufrates
Província Alepo
Cidade mais próxima Mascana
Altitude 300 m
Dados históricos
Fundação meados do 3º milénio a.C.
Abandono 1 187 a.C.
Período Idade do Bronze
Cultura Amorita
Satélite de Ebla, Iamade, Carquemis
Notas
Escavações
Estado de conservação ruínas
Administração governo sírio
Acesso público Sim

Emar (em árabe: إيمار; transl.: ʾīmār), atualmente conhecido localmente como Tell Meskene (تل مسكنة ; Tall Maskana) é um sítio arqueológico situado no grande meandro do Médio Eufrates, no nordeste da Síria, atualmente na margem do Lago Assad, o lago artificial criado pela barragem de Tabqa, perto da cidade de Mascana, na província de Alepo, 90 km a leste de Alepo. Nos períodos romanos e bizantino existiu uma cidade à antiga Emar chamada Barbalisso, a que os árabes chamaram Balis.

Emar foi uma antiga cidade amorita, onde foram encontradas numerosas tábuas escritas em cuneiforme, que fazem dela um dos sítios arqueológicos mais importantes da Síria, a par de Ugarite, Mari e Ebla. Nesses textos, datados do período entre o século XIV a.C. e a queda de Emar em 1 187 a.C.,[1] e nas escavações arqueológicas levadas a cabo em várias campanhas deste a década de 1970, Emar surge como um importante centro de comércio da Idade do Bronze, ocupando uma posição estratégica nos limites entre as principais potências da Alta Mesopotâmia, Anatólia e Síria.[carece de fontes?]

Ao contrário do que acontece noutras cidades, as tábuas conservadas em Emal, a maior parte delas escritas em língua acádia do século XIII a.C. não são da realeza ou oficiais, mas sim registos de transações privadas, de assuntos judiciais, negócios de imobiliário, casamentos, testamentos e adoções formais. Na chamada casa do sacerdote havia uma biblioteca com textos literários e lexicais, na tradição mesopotâmica, além de textos rituais para os cultos religiosos locais.[carece de fontes?]

HistóriaEditar

Emar estava situada estrategicamente, num local onde as mercadorias que eram transportadas no Eufrates eram descarregadas para prosseguirem por via terrestre. Em meados do 3º milénio III a.C., Emar caiu sob a influência dos governantes de Ebla, sendo mencionada nos arquivos desta última cidade. Segundo os textos de Mari do século XVIII a.C. (Idade do Bronze Média), Emar estava sob a influência do estado amorita vizinho de Iamade. Não há tradição local de monarquia em Emar. Há documentação escrita da própria Emar para o período do século XIII e início do XII a.C. (Idade do Bronze Tardia), a maior parte em língua acádia. Há também referências à cidade em textos contemporâneos de Hatusa, Ugarite e em arquivos assírios. Nesse tempo, Emar estava sob a esfera de influência hitita, subordinada ao rei de Carquemis, um vassalo dos hititas. Era a principal cidade de uma província fronteiriça hitita conhecida como "Terra de Astata", que incluía Tell Fray. A correlação entre os reis de Emar com a lista de reis de Carquemis, a qual é conhecida, permite alguma datação absoluta.[2]

A documentação escrita e arqueológica termina no final do século XII a.C., devido ao colapso da Idade do Bronze. A data exata da destruição foi colocada em 1 187 a.C., o 2º ano do reinado de Meli-Shipak II da Babilónia.[3] O local manteve-se deserto nas instáveis fronteiras orientais do Império Romano, tendo sido substituída por Barbalisso, a localidade vizinha sua sucessora, que continuou a existir durante o período bizantino. Em 253 foi na área que se travou a batalha de Barbalisso, entre tropas romanas e tropas sassânidas comandadas pelo imperador Sapor I, que se cifrou numa derrota decisiva dos romanos.[carece de fontes?]

ArqueologiaEditar

As escavações de resgate devido à elevação das águas da barragem de Tabqa foram realizadas por duas equipas francesas entre 1972 e 1976, lideradas por Jean-Claude Margueron.[a] As escavações revelaram uma área de templos que incluía os santuários do deus do tempo Baal e possivelmente da sua consorte Astarte, datados da Idade do Bronze Final (século XIII a.C. e início do século XII a.C.).[carece de fontes?]

Após a conclusão das escavações francesas, o sítio foi deixado sem guarda e foi sistematicamente pilhado, tendo aparecido muitas tábuas com escrita cuneiforme no mercado "cinzento" de antiguidades, completamente fora de contexto. EM 1992, a Direção Geral de Antiguidades de Museus da Síria tomou a seu cargo o sítio e uma série de novas campanhas arqueológicas revelaram estratos mais antigos, da Idade do Bronze Primitiva e Média (segunda metade do 3º milénio e primeira metade do 2º milénio a.C.) Depois de 1996, juntou-se à equipa síria uma equipa alemã da Universidade Eberhard Karls de Tubinga.[4][5]

Até ao início da década de 2000 tinham sido recuperadas cerca de 1 100 tábuas escritas em acádio, 800 das escavações e 200 do mercado de antiguidades. Foram também encontradas 100 tábuas em hurrita e uma em hitita. Todas as tábuas exceto uma são da Idade do Bronze Tardia.[carece de fontes?]

Notas e referênciasEditar

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Emar», especificamente desta versão.
[a] ^ Margueron publicou as suas descobertas entre 1975 e 1990, começando com "Les fouilles françaises de Meskéné-Emar", em Comptes-rendus de l'Académie des Inscriptions et Belle-Lettres, 1975:201-213. Os textos em cuneiforme foram publicados por Daniel Arnaud em 1985-87.
  1. Jean-Claude Margueron and Veronica Boutte, "Emar, Capital of Aštata in the Fourteenth Century BCE" The Biblical Archaeologist 58.3 (September 1995:126-138); só foi encontrada uma única tábua em babilónico antigo acádio.
  2. Adamthwaite 2001.
  3. Daniel Arnaud, Les textes d'Emar et la chronologie de la fin du Bronze Recent, Syria, vol. 52, pp. 88-89, 1975
  4. U. Finkbeiner, Emar & Balis 1996-1998. Preliminary Report of the Joint Syrian-German Excavations with the Collaboration of Princeton University, Berytus, vol. 44, pp.5-34, 2000
  5. U. Finkbeiner and F. Sakal, Emar after the closure of the Tabqa Dam. The Syrian-German Excavations 1996 - 2002. Volume I: Late Roman and Medieval Cemeteries and Environmental Studies, Brepols, 2010, ISBN 2-503-53320-5

BibliografiaEditar

  • Adamthwaite, Murray R. (2001), Late Hittite Emar: The Chronology, Synchronisms, and Socio-Political Aspects of a Late Bronze Age Fortress Town, ISBN 90-429-0909-9, Peeters 
  • Arnaud, Daniel, Emar: Récherches au pays d'Aştata VI: Textes sumériens et akkadiens, Erc/Adpf, 1987, ISBN 2-86538-178-1
  • D. Beyer, Meskene-Emar. Dix ans de travaux 1972-1982, Editions Recherche sur les Civilisations, 1982, ISBN 2-86538-044-0
  • Chavalas, Mark William,Emar: the history, religion, and culture of a Syrian town in the late Bronze Age, CDL Press, 1996, ISBN 1-883053-18-8
  • D'Alfonso, Lorenzo, Yoram Cohen Dietrich Sürenhagen, The City of Emar Among the Late Bronze Age Empires, Eisenbrauns, 2008, ISBN 3-86835-006-3
  • Dalley, Stephanie and Beatrice Teissier, Tablets from the Vicinity of Emar and Elsewhere, Iraq, vol. 54, pp. 83–111, 1992
  • Yoram Cohen, The Scribes and Scholars of the City of Emar in the Late Bronze Age, Eisenbrauns, 2009, ISBN 1-57506-931-8
  • Eugen J. Pentiuc, West Semitic Vocabulary in the Akkadian Texts from Emar (Harvard Semitic Studies), Eisenbrauns, 2001, ISBN 1-57506-910-5

Ligações externasEditar