Colapso da Idade do Bronze

colapso de várias civilizações ocorrido no final da Idade do Bronze

O colapso da Idade do Bronze foi uma período de transição na região do Mar Egeu, Sudoeste da Ásia e no Mediterrâneo Oriental desde a Idade do Bronze tardia até a Idade do Ferro caracterizado por uma idade das trevas que os historiadores acreditam ter sido violenta, repentina e culturalmente perturbadora. A economia do palácio da região do Egeu e da Anatolia, que caracterizou o final da Idade do Bronze, foi substituída, após um hiato, pelas culturas isoladas da vila da Idade das Trevas Grega.

Invasões e movimentos populacionais no Mediterrâneo oriental durante o final da Idade do Bronze
Idade do Bronze
Calcolítico

África e Antigo Oriente (c. 3600-1200 a.C.)

Civilização do Vale do Indo, Mesopotâmia, Canaã, Elão

Europa (c. 3750-600 a.C.)

Idade do bronze atlântica, civilização egeia(minoica, micênica, cicládica), escandinávia, de Hallstatt, maikop, campaniforme, dos Campos de Urnas

Eurásia and Sibéria (c. 2700-700 a.C.)

Cultura de Sintashta, de Andronovo

Sudeste Asiático (c. 3300-300 a.C.)

China (cultura Erlitou, Erligang, dinastias Xia, Xangue e Chou) (3000-700 a.C.)
Coreia (800-300 a.C.)
Japão (300 a.C.)

Idade Antiga, biga, escrita, colapso da Idade do Bronze

Idade do Ferro

Entre c. 1 200 e 1 150 a.C. a.C., o colapso cultural da Civilização Micênica, do Império Hitita na Anatolia e na Síria[1], do Império Paleobabilónico e do Império Novo do Egito na Síria e Canaã[2], a destruição de Ugarite e dos estados amorreus. A deterioração desses governos interromperam rotas comerciais e reduziram gravemente a alfabetização.[3]

Apenas alguns estados mais poderosos, como Assíria, o Império Novo do Egito, Fenícia e Elão sobreviveram ao colapso da Idade do Bronze. No entanto, ao final do XII a.C.Elão minguou após a derrota por Nabucodonosor I. Com a morte de Assurbelcala em 1 056 a.C., Assíria entrou em declínio relativo nos 100 anos seguintes o império encolhendo consideravelmente. No ano 1 020 a.C., Assíria parecia ter controle apenas das áreas mais próximas a capital que, melhor defendida, resistiu ao colapso. Na época de Unamón, a Fenícia já havia recuperado sua independência do Egito.

Na primeira fase deste período, quase todas as cidades entre Pilos e Gaza foram violentamente destruídas e muitas vezes deixadas desocupadas depois: exemplos incluem Hatusa, Micenas e Ugarite. De acordo com Robert Drews: "Em um período de 40 a 50 anos no final do século XIII e início do XII a.C., quase todas as cidades significativas do mundo do Mediterrâneo Oriental foram destruídas, sendo que muitas delas nunca mais foram reocupadas".[4]

O fim gradual da Idade das Trevas que se seguiu viu a eventual ascensão dos estados sírio-hititas estabelecidos na Cilícia e na Síria, reinos arameus de meados do século X a.C. no Levante, os filisteus se estabeleceram no sul de Canaã, onde os falantes de cananeu se uniram em uma série de governos definidos, como Israel, Moabe, Edom e Amom. Houve também a eventual ascensão do Império Neoassírio e, depois do período de orientalização do Egeu, a Grécia Arcaica (800–510 a.C.).

A partir de 935 a.C., a Assíria começou a se reorganizar e mais uma vez se expandir, levando ao Império Neo-Assírio (911–605 a.C.), que passou a controlar uma vasta área do Cáucaso ao Egito e do Chipre grego à Pérsia. frígios, cimérios e lídios chegaram à Anatolia e uma nova comunidade hurrita de Urartu formou-se no leste da Anatólia e na Transcaucásia, onde também surgiram os colquianos (Geórgia Ocidental). A Idade das Trevas grega durou aproximadamente até o início do século 8 a.C., com o surgimento da Período Arcaico e a colonização grega da bacia do Mediterrâneo durante o Período Orientalizante.

Logo depois de 1 000 a.C., os povos iranianos como os persas, medos, partos e sargatas apareceram pela primeira vez no antigo Irã. Esses grupos deslocaram povos de língua não indo-européia anteriores, como os kassitas, hurritas e gútios, no noroeste da região. No entanto, os elamitas e os maneus continuaram a dominar as regiões do sudoeste e do mar Cáspio, respectivamente.

Uma série de explicações para o colapso foram propostas, não havendo consenso. Vários fatores provavelmente desempenharam um papel, incluindo mudanças climáticas (como aquelas causadas por erupções vulcânicas), invasões por grupos como os Povos do Mar, os efeitos da disseminação da metalurgia baseada em ferro, desenvolvimentos em armas e táticas militares e uma variedade de falhas de sistemas políticos, sociais e econômicos.

Evidências regionaisEditar

Evidência de destruiçãoEditar

AnatoliaEditar

Antes do colapso da Idade do Bronze, a Anatólia (Ásia Menor) era dominada por povos de origens etnolinguísticas variadas, incluindo: assírios e amorreus de língua semítica, hurritas de língua hurro-urartiana, gasgas e hatitas e povos indo-europeus que chegaram depois , como os luvitas, hititas, mitanis e micênicos.

A partir do século XVI a.C.., os mitanis, uma minoria migratória que falava uma língua indo-ariana, formaram uma classe dominante sobre os hurritas. Da mesma forma, os hititas de língua indo-européia absorveram os hatitas,[5] um povo que falava uma língua que pode ter sido das línguas não-indo-européias da Ciscaucásia ou uma língua isolada.

Karaoğlan,[a] perto da atual Ancara, foi queimada e os corpos deixados insepultos.[7] Muitos outros locais que não foram destruídos foram abandonados.[8] A cidade luvita de Troia foi destruída pelo menos duas vezes, antes de ser abandonada até a época romana; é famosa como o local da Guerra de Troia.

Esses locais em Anatolia apresentam evidência do colapso:

ChipreEditar

A Alásia foi saqueado pelos povos do mar e deixou de existir em 1 085 a.C. Os assentamentos menores de Agios Dimitrios e Kokkinokremmos, bem como vários outros locais, foram abandonados, mas não mostram vestígios de destruição. Kokkinokremmos foi um povoado de curta duração, onde várias provisões escondidas por ferreiros foram encontradas. O fato de ninguém ter voltado para reclamar os tesouros sugere que eles foram mortos ou escravizados. A recuperação da região ocorreu apenas no início da Idade do Ferro com a colonização fenícia e grega.

Os seguintes locais no Chipre apresentam evidência do colapso:

SíriaEditar

O último rei de Ugarite da Idade do Bronze, Amurapi, foi contemporâneo do último rei hitita conhecido, Supiluliuma II. Uma carta do rei Amurapi foi preservada em uma das tábuas de argila cozida durante a destruição da cidade. Amurapi enfatiza a gravidade da crise enfrentada por muitos estados levantinos devido aos ataques, em resposta a um pedido de ajuda do rei de Alásia na carta RS 18.147:

Meu pai, eis que os navios do inimigo vieram (aqui); minhas cidades foram queimadas e eles fizeram coisas vis em meu país. Meu pai não sabe que todas as minhas tropas e carruagens(?) estão na Terra de Hati, e todos os meus navios estão na Terra de Luca? ... Assim, o país está abandonado a si mesmo. Que meu pai saiba: os sete navios do inimigo que aqui chegaram nos infligiram muitos danos.[9]

Essuara, o governador sênior de Alásia, respondeu na carta RS 20.18:

Quanto a esses inimigos: (foram) as pessoas de seu país (e) seus próprios navios (que) fizeram isso! E (foram) as pessoas do seu país (que) cometeram essa(s) transgressões... Estou escrevendo para informá-lo e protegê-lo. Fique ciente![10]

O governante de Carquemis enviou tropas para ajudar Ugarite, mas Ugarite foi saqueada. Uma carta enviada após a destruição dizia:

Quando seu mensageiro chegou, o exército já havia sido humilhado e a cidade saqueada. A nossa comida na eira foi queimada e as vinhas também destruídas. Nossa cidade está saqueada. Que saiba disso! Que saiba disso![10]

Os seguintes locais na Síria apresentam evidência do colapso:

Levante meridionalEditar

Durante o reinado de Ramessés III (r. 1186–1155 a.C.) a cidade destruída de Laquis foi brevemente reocupada por invasores e uma guarnição egípcia. Todos os centros ao longo de uma rota costeira de Gaza ao norte foram destruídos, e as evidências mostram que Gaza, Asdode, Ascalão, Acre e Jafa foram queimadas e não foram reocupadas por até trinta anos. No interior Hazor, Betel, Bete-Semes, Eglom, Debir e outros locais foram destruídos. Refugiados que escaparam do colapso dos centros costeiros podem ter se fundido com povos da Anatólia e nômades para iniciar a construção de aldeias em terraços nas encostas das terras altas que foram associadas ao desenvolvimento posterior dos hebreus.[11]

Durante o reinado de Ramsés III, os filisteus foram autorizados a reassentar a faixa costeira de Gaza a Jafa, Os Danais (possivelmente a tribo de Dã da Bíblia, ou mais provavelmente o povo de Adana, também conhecido como Danuna, parte do Império Hitita) estabeleceram-se de Jafa no Acre, e Tjeker no Acre. Os locais rapidamente conquistaram independência, como mostra o História de Unamon.

Os seguintes locais no Levante meridional apresentam evidência do colapso:

GréciaEditar

 
Vista do mégaro do palácio de Tirinto, um dos muitos palácios gregos destruídos durante o colapso da Idade do Bronze.

Nenhum dos palácios micênicos da Idade do Bronze Final sobreviveu (com a possível exceção das fortificações ciclópicas na Acrópole de Atenas), com a destruição tendo sido mais intensa em palácios e locais fortificados. Tebas foi um dos primeiros exemplos disso, tendo seu palácio saqueado repetidamente entre 1300 e 1200 a.C. e sendo, finalmente, completamente destruído pelo fogo. A extensão dessa destruição é destacada por Robert Drews, que argumenta que a destruição foi tal que Tebas não retomou uma posição significativa na Grécia até pelo menos o final do século XII.[4]

Áreas sobreviventesEditar

MesopotâmiaEditar

O Médio Império Assírio sobreviveu intacto durante grande parte desse período. Dominou muitas e, muitas vezes, governou diretamente a Babilônia, controlando o sudeste e o sudoeste da Anatolia, o noroeste do Irã e grande parte do norte e centro da Síria e Canaã, até o Mediterrâneo e Chipre.[12]

EgitoEditar

Ao derrotar os líbios, os povos do mar e os núbios, o território ao redor do Egito permaneceu seguro durante o colapso da Idade do Bronze. Com a vitória sobre os sírios documentada, Ramses declarou: "Minha espada é formidável e poderosa como a de Montu. Nenhuma terra pode resistir aos meus exércitos. Sou um rei que alegra-se com a matança. Meu reinado é acalmado em paz." Com esta afirmação, Ramessés implicou que seu reinado estava seguro frente às ameaças do colapso da Idade do Bronze.[13]

ImpactoEditar

Robert Drews descreve o colapso como "o pior desastre da história antiga, ainda mais calamitoso do que o colapso do Império Romano Ocidental".[14] As memórias culturais do desastre falam de uma "era dourada perdida": por exemplo, Hesíodo falou de Idades de Ouro, Prata e Bronze, separadas da cruel Idade do Ferro moderna pela Idade dos Heróis. Rodney Castleden sugere que as memórias do colapso da Idade do Bronze influenciaram a história da Atlântida de Platão em Timeu e o Crítias.[15]

Possíveis causasEditar

Várias teorias foram apresentadas como possíveis contribuintes para o colapso, muitas delas mutualmente compatíveis.

AmbientalEditar

VulcõesEditar

Alguns egiptólogos dataram a erupção vulcânica de Hekla 3 na Islândia em 1159 a.C. e a culparam pela fome sob Ramessés III durante o colapso mais amplo da Idade do Bronze. Outras datas estimadas para a erupção do Hekla 3 variam de 1021 a.C. (± 130)[16] a 1135 a.C. (± 130)[16] e 929 a.C. (± 34)[17][18]. Outros estudiosos evitam essa disputa, preferindo o neutro e vago "3000 A.P.".[19]

SecaEditar

Durante o que pode ter sido a era mais seca da Idade do Bronze, a cobertura de árvores ao redor da floresta mediterrânea diminuiu. Fontes primárias relatam que a era foi marcada pela migração em grande escala de povos no final da Idade do Bronze Final. Os cientistas afirmam que a contração da floresta mediterrânea se deveu à seca e não ao aumento da domesticação e desmatamento para fins agrícolas.

Na região do Mar Morto (Israel e Jordânia), o nível da água subterrânea caiu mais de 50 metros. De acordo com a geografia da região, para o nível das águas cair tão drasticamente, a quantidade de chuva que as montanhas ao redor receberam teria sido mínimo.[20]

Usando o Índice de Seca de Palmer para 35 estações meteorológicas gregas, turcas e do Oriente Médio, foi mostrado que uma seca do tipo que persistiu desde janeiro de 1972 teria afetado todos os locais associados ao colapso da Idade do Bronze Final.[21] A seca poderia precipitar problemas socioeconômicos e levar a guerras.

Mais recentemente, foi afirmado que o desvio das tempestades de inverno do Atlântico para o norte dos Pireneus e dos Alpes, trazendo condições mais úmidas para a Europa Central, mas secas para o Mediterrâneo Oriental, estava associado ao colapso da Idade do Bronze.[22]

CulturalEditar

MetalurgiaEditar

O colapso da Idade do Bronze pode ser visto no contexto de uma história tecnológica que viu a disseminação lenta e comparativamente contínua da tecnologia de metaluriga na região, começando com o trabalho precoce do ferro na atual Bulgária e Romênia nos séculos XIII e XII a.C.[23]

Leonard R. Palmer sugeriu que o ferro, superior ao bronze para a fabricação de armas, era um suprimento mais abundante e, assim, permitiu que exércitos maiores de usuários de ferro subjugassem os exércitos menores equipados com bronze, que consistiam principalmente na carruagem de guerra.[24]

Mudanças na guerraEditar

Robert Drews defende o surgimento da infantaria em massa, usando armas e armaduras recém-desenvolvidas, como pontas de lança, espadas longas e dardos fundidos ao invés de forjados.[4] O aparecimento de fundições de bronze sugere "que a produção em massa de artefatos de bronze tornou-se repentinamente importante no Egeu". Por exemplo, Homero usa "lanças" como um sinônimo para "guerreiros".

Esse novo armamento, nas mãos de um grande número de "escaramuçadores corredores", que poderiam atacar e abater um exército de carruagens, desestabilizaria os estados que se baseavam no uso de carruagens pela classe dominante. Isso precipitaria um colapso social abrupto à medida que invasores começassem a conquistar, saquear e queimar cidades.[4]

Colapso sistêmico generalizadoEditar

Um colapso geral dos sistemas foi apresentado como uma explicação para as reversões na cultura que ocorreram na cultura dos Campos de Urnas dos séculos XII e XIII a.C. e a ascensão da cultura celta de Hallstatt nos séculos IX e X a.C.. A teoria colapso sistêmico generalizado, por Joseph Tainter,[25] levanta a hipótese de como os declínios sociais em resposta ao aumento da complexidade podem levar a um colapso, resultando em formas mais simples de sociedade.

No contexto específico do Oriente Médio, uma variedade de fatores, incluindo crescimento populacional, degradação do solo, seca, armas de bronze fundido e tecnologias de produção de ferro, poderiam ter se combinado para empurrar o preço relativo do armamento (em comparação com a terra arável) a um nível insustentável para as aristocracias guerreiras tradicionais. Em sociedades complexas cada vez mais frágeis e menos resistentes, a combinação de fatores pode ter contribuído para o colapso.

A crescente complexidade e especialização da organização política, econômica e social da Idade do Bronze,[26] tornou a organização de civilização muito complexa para ser restabelecida em partes quando interrompida. Isso poderia explicar por que o colapso foi tão generalizado e capaz de tornar as civilizações da Idade do Bronze incapazes de se recuperar. As falhas críticas do fim da Idade do Bronze são sua centralização, especialização, complexidade e estrutura política pesada. Essas falhas foram então expostas por eventos sociopolíticos (revolta de camponeses e deserção de mercenários), fragilidade de todos os reinos (micênico, hitita, ugarítico e egípcio), crises demográficas (superpopulação) e guerras entre estados. Outros fatores que poderiam ter colocado pressão crescente sobre os reinos frágeis incluem a pirataria dos povos do mar interrompendo o comércio marítimo, bem como a seca, quebra de safra, fome ou a migração ou invasão dórica.[27]

Ver tambémEditar

Notas

  1. O nome Karaoğlan é turco; o nome original hitita é desconhecido.[6]

Referências

  1. For Syria, see M. Liverani, "The collapse of the Near Eastern regional system at the end of the Bronze Age: the case of Syria" in Centre and Periphery in the Ancient World, M. Rowlands, M.T. Larsen, K. Kristiansen, eds. (Cambridge University Press) 1987.
  2. S. Richard, "Archaeological sources for the history of Palestine: The Early Bronze Age: The rise and collapse of urbanism", The Biblical Archaeologist (1987)
  3. Russ Crawford (2006). «Chronology». In: Stanton, Andrea; Ramsay, Edward; Seybolt, Peter J; Elliott, Carolyn. Cultural Sociology of the Middle East, Asia, and Africa: An Encyclopedia. [S.l.]: Sage. p. xxix. ISBN 978-1412981767 
  4. a b c d Drews, Robert (1993). The end of the Bronze Age: changes in warfare and the catastrophe ca. 1200 B.C. (em English). Princeton, N.J.: Princeton University Press. OCLC 27186178 
  5. Gurnet, Otto, (1982), The Hittites (Penguin) pp. 119–130.
  6. Robbins, Manuel. (2001). Collapse of the Bronze Age : the story of Greece, Troy, Israel, Egypt, and the peoples of the sea (em inglês). San Jose [Calif.]: Authors Choice Press. OCLC 48669004 
  7. Drews, Robert (1993). The End of the Bronze Age: Changes in Warfare and the Catastrophe Ca. 1200 B.C. (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. p. 8 
  8. Robbins, Manuel. (2001). Collapse of the Bronze Age : the story of Greece, Troy, Israel, Egypt, and the peoples of the sea. San Jose [Calif.]: Authors Choice Press. OCLC 48669004 
  9. Schaeffer, Claude F.-A; Nougayrol, Jean; Mission archéologique de Ras Shamra (1968). Ugaritica V, nouveaux textes accadiens, hourrites et ugaritiques des archives et bibliothèques privées d'Ugarit: commentaires des textes historiques, première partie (em francês) 24ª ed. Paris: Geuthner. pp. 87–90. OCLC 80121231 
  10. a b Cline, Eric H. (23 de março de 2014). 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. [S.l.]: Princeton University Press. p. 151 
  11. Bienkowski, Piotr (setembro de 1999). «Jonathan N. Tubb. Canaanites (Peoples of the Past). 160 pages, 18 colour, 106 black-and-white illustrations. 1998. London: British Museum Press; 0-7141-2089-8 hardback £20». Antiquity (em inglês) (281): 708–709. ISSN 0003-598X. doi:10.1017/s0003598x00065340. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  12. «Georges Roux 1914–1999». Iraq (em inglês). 1999. ISSN 0021-0889. doi:10.1017/s002108890000396x. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  13. «SAOC 12. Historical Records of Ramses III: The Texts in Medinet Habu Volumes 1 and 2 | The Oriental Institute of the University of Chicago». oi.uchicago.edu (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  14. Drews, Robert. (1993). The end of the Bronze Age : changes in warfare and the catastrophe ca. 1200 B.C. (em inglês). Princeton, N.J.: Princeton University Press. OCLC 27186178 
  15. Castleden, Rodney (17 de dezembro de 1992). Minoans (em inglês) 1 ed. Londres: Routledge 
  16. a b Baker, Andy; Smart, Peter L.; Barnes, W. L.; Edwards, R. Lawrence; Farrant, Andy (27 de julho de 2016). «The Hekla 3 volcanic eruption recorded in a Scottish speleothem?:». The Holocene (em inglês): 336-342. doi:10.1177/095968369500500309. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  17. Dugmore, A. J.; Cook, G. T.; Shore, J. S.; Newton, A. J.; Edwards, K. J.; Larsen, GuÐrún (1995). «Radiocarbon Dating Tephra Layers in Britain and Iceland». Radiocarbon (em inglês) (2): 379–388. ISSN 0033-8222. doi:10.1017/S003382220003085X. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  18. Kirkbride, Martin P.; Dugmore, Andrew J. (1 de janeiro de 2005). «Late Holocene solifluction history reconstructed using tephrochronology». Geological Society, London, Special Publications (em inglês) (1): 145–155. ISSN 0305-8719. doi:10.1144/GSL.SP.2005.242.01.13. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  19. WastegÅrd, Stefan (26 de julho de 2003). «TOWARDS A HOLOCENE TEPHROCHRONOLOGY FOR SWEDEN». web.archive.org. XVI INQUA Congress. Cópia arquivada em 7 de abril de 2009 
  20. A. Bernard Knapp; Sturt W. Manning (2016). «Crisis in Context: The End of the Late Bronze Age in the Eastern Mediterranean». American Journal of Archaeology (1). 99 páginas. ISSN 0002-9114. doi:10.3764/aja.120.1.0099. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  21. Weiss, Barry (junho de 1982). «The decline of Late Bronze Age civilization as a possible response to climatic change». Climatic Change (2): 173–198. ISSN 0165-0009. doi:10.1007/bf02423389. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  22. Middleton, Guy D. (11 de janeiro de 2012). «Nothing Lasts Forever: Environmental Discourses on the Collapse of Past Societies». Journal of Archaeological Research (em inglês) (3): 257–307. ISSN 1059-0161. doi:10.1007/s10814-011-9054-1. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  23. Snodgrass, Anthony (31 de maio de 2006). «The Coming of the Iron Age in Greece: Europe's Earliest Bronze / Iron Transition». Edinburgh University Press. ISBN 978-0-7486-2333-4. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  24. Vermeule, Emily; Palmer, Leonard R. (1966). «Mycenaeans and Minoans: Aegean Prehistory in the Light of the Linear B Tablets». The Classical World (6). 192 páginas. ISSN 0009-8418. doi:10.2307/4345895. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  25. Rousselle, Robert; Tainter, Joseph A. (1990). «The Collapse of Complex Societies». The Classical World (6). 542 páginas. ISSN 0009-8418. doi:10.2307/4350705. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  26. «Carol G. Thomas and Craig Conant. <italic>Citadel to City-State: The Transformation of Greece, 1200–700 B.C.E.</italic> Bloomington: Indiana University Press. 1999. Pp. xxxii, 199. $29.95». The American Historical Review. Dezembro de 2002. ISSN 1937-5239. doi:10.1086/ahr/107.5.1616. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  27. Cline, Eric H. (23 de março de 2014). 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed. [S.l.]: Princeton University Press 

BibliografiaEditar