Enemy of the State

Enemy of the State (bra: Inimigo do Estado; prt: Perigo Público) é um filme estadunidense de 1998, dos gêneros ação, espionagem e suspense, dirigido por Tony Scott, produzido por Jerry Bruckheimer e escrito por David Marconi. O filme é estrelado por Will Smith e Gene Hackman, com Jon Voight, Lisa Bonet, Gabriel Byrne, Dan Butler, Loren Dean, Jake Busey, Barry Pepper e Regina King em papéis coadjuvantes. O filme conta a história de um grupo de agentes da NSA conspirando para matar um congressista e a cobertura que se segue depois que uma fita do assassinato é descoberta.

Enemy of the State
Perigo Público[1] (PRT)
Inimigo do Estado[2] (BRA)
 Estados Unidos
1998 •  cor •  132 min 
Direção Tony Scott
Produção Jerry Bruckheimer
Produção executiva Andrew Z. Davis
Chad Oman
James W. Skotchdopole
Roteiro David Marconi
Elenco Will Smith
Gene Hackman
Jon Voight
Regina King
Loren Dean
Jack Black
Seth Green
Jake Busey
Scott Caan
Barry Pepper
Jamie Kennedy
Dan Butler
Gabriel Byrne
Gênero ação
espionagem
suspense
Música Harry Gregson-Williams[3]
Trevor Rabin
Cinematografia Dan Mindel
Figurino Marlene Stewart
Edição Chris Lebenzon
Companhia(s) produtora(s) Touchstone Pictures
Jerry Bruckheimer Films
Scott Free Productions
Distribuição Buena Vista Pictures
Lançamento Estados Unidos 20 de novembro de 1998
Brasil 9 de abril de 1999[4]
Idioma inglês
Orçamento US$ 90 milhões
Receita 250 649 836[5]>

O filme foi lançado em 20 de novembro de 1998 nos EUA e no exterior. Enemy of State recebeu críticas geralmente positivas de críticos de cinema e público, com muitos elogiando a escrita e a direção, bem como a química entre Smith e Hackman. Dados os eventos de 11 de setembro, o Patriot Act e as revelações de Edward Snowden sobre o programa de vigilância PRISM da NSA, o filme se tornou notável por estar à frente de seu tempo em questões de segurança nacional e privacidade.[6]

SinopseEditar

O ornitologista Daniel Zavitz flagra o assassinato de um congressista por agentes da National Security Agency. Quando a NSA descobrem, lançam uma perseguição a Zavitz, que no percurso encontra um colega de faculdade, o advogado Robert Clayton Dean. Zavitz esconde a fita do crime nas compras de Dean antes de morrer atropelado. Eventualmente a NSA descobre a identidade de Dean, congelando suas contas e espalhando grampos e escutas por suas pertences para rastreá-lo em busca da fita.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

A história se passa em Washington, D.C. e Baltimore, e a maior parte das filmagens foi feita em Baltimore. A filmagem no local começou em uma balsa em Fell's Point. Em meados de janeiro, a empresa mudou-se para Los Angeles para concluir a produção em abril de 1998.[7] Os escritores Aaron Sorkin, Henry Bean e Tony Gilroy realizaram uma reescrita não creditada do roteiro.[8]

Mel Gibson e Tom Cruise foram considerados para o papel que foi para Will Smith, que assumiu o papel em grande parte porque queria trabalhar com Gene Hackman, e já havia gostado de trabalhar com o produtor Jerry Bruckheimer em Bad Boys. George Clooney também foi considerado para um papel no filme. Sean Connery foi considerado para o papel que foi para Hackman. O filme é notável por ter escalado várias estrelas em papéis de apoio menores, que a diretora de elenco Victoria Thomas creditou ao interesse das pessoas em trabalhar com Gene Hackman.[9]

A equipe do filme incluiu um consultor de contra-medidas de vigilância técnica que também teve um papel menor como comerciante de lojas de espionagem. Hackman já havia atuado em um thriller semelhante sobre espionagem e vigilância, The Conversation (1974). A foto no arquivo da NSA de Edward Lyle é de Hackman em "The Conversation".[10]

RecepçãoEditar

Enemy of State recebeu 71% de críticas positivas no site de críticos de cinema Rotten Tomatoes, com 84 críticos pesquisados.[11] Metacritic exibiu uma classificação normalizada de 67 em 100 com base em 22 críticos.[12]

Edvins Beitiks, do The San Francisco Examiner, elogiou muitos aspectos do desenvolvimento do filme, mas criticou o conceito geral que levou o filme desde o início - a eficiência da inteligência do governo - como irrealista.[13]

Kim Newman considerou Enemy of State uma "continuação de The Conversation", o thriller psicológico de 1974 que estrelou Hackman como um especialista em vigilância isolado e paranóico.[14][10]

BilheteriaEditar

O filme estreou no segundo lugar, atrás do filme The Rugrats Movie, arrecadando US$20,038,573 no primeiro fim de semana em 2,393 cinemas e com uma média de US$8,374 por local.[15][16]

Vida realEditar

Um episódio do Nova da PBS, intitulado "Spy Factory", relata que o retrato do filme sobre as capacidades da NSA é ficção: embora a agência possa interceptar transmissões, é difícil conectar os pontos.[17] No entanto, em 2001, o então diretor da NSA, Michael Hayden, nomeado para o cargo durante o lançamento do filme, disse a Kyra Phillips da CNN que "eu decidi que não poderíamos sobreviver com o impressão popular de que essa agência foi formada pelo último filme de Will Smith".[18] James Risen escreveu em seu livro de 2006 State of War: The Secret History of the CIA and the Bush Administration que Hayden "ficou horrorizado" com a representação da NSA no filme e procurou combatê-lo com uma campanha de relações públicas em nome da agência.[19]

Em junho de 2013, os programas PRISM e Boundless Informant da NSA para vigilância doméstica e internacional foram descobertos pelo The Guardian e pelo The Washington Post como resultado de informações fornecidas pelo denunciante Edward Snowden. Essas informações revelaram recursos como coleta de navegação na Internet, dados de e-mail e telefone não apenas de muitos americanos, mas também de cidadãos de outras nações. John Patterson, do The Guardian, argumentou que as representações de Hollywood da vigilância da NSA, incluindo Enemy of State e Echelon Conspiracy, "abrandou" o público americano à "noção de que nossos hábitos de consumo, nossa localização, todos os nossos movimentos e conversas são visíveis para outras pessoas cujos motivos não podemos conhecer".[20]

  A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. Perigo Público no SapoMag (Portugal)
  2. Inimigo do Estado no CinePlayers (Brasil)
  3. «Enemy Of The State Music Review». Music from the Movies. 1998. Consultado em 29 de janeiro de 2015 
  4. «"Inimigo do Estado" é thriller frio e pré-fabricado». Folha de São Paulo. 9 de abril de 1999. Consultado em 14 de fevereiro de 2018 
  5. «Enemy of the State (1998)». Box Office Mojo. Consultado em 7 de outubro de 2013 
  6. «Looking back at Tony Scott's Enemy Of The State». Den Of Geek 
  7. Greg Huxtable (20 de maio de 2013). «ENEMY OF THE STATE - Production Notes». Cinema Review 
  8. «Enemy of the State (1998)». 28 de novembro de 2014 
  9. Willis, John. Screen World Volume 50 1999 ed. [S.l.: s.n.] p. 162. ISBN 1-55783-410-5 
  10. a b «Looking back at Tony Scott's Enemy Of The State». Den of Geek. Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  11. «Enemy of the State Movie Reviews, Pictures». Rotten Tomatoes. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  12. «Enemy of the State Reviews, Ratings, Credits». Metacritic. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  13. Beitiks, Edvins (20 de novembro de 1998). «High-octane "Enemy'». San Francisco Examiner. Consultado em 25 de outubro de 2008 
  14. Newman in Pramaggiore & Wallis, pg 283. From Film: a critical introduction
  15. Natale, Richard (23 de novembro de 1998). «Rugrats' Outruns 'Enemy'». Los Angeles Times. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  16. Welkos, Robert W. (24 de novembro de 1998). «Weekend Box Office : 'Rugrats' Has Kid Power». Los Angeles Times. Consultado em 10 de novembro de 2010 
  17. Bamford, James; C. Scott Willis (3 de fevereiro de 2009). «Spy Factory». NOVA. Boston: WGBH Educational Foundation. Consultado em 6 de setembro de 2012 
  18. «Inside the NSA: The Secret World of Electronic Spying». CNN. 25 de março de 2001 
  19. Zeke J Miller (7 de junho de 2013). «Former NSA Chief Was Worried About "Enemy Of The State" Reputation». Time 
  20. John Patterson (16 de junho de 2013). «How Hollywood softened us up for NSA surveillance». The Guardian