Filme de espionagem

O filme de espionagem é um gênero de filme que trata do tema da espionagem ficcional, seja de forma realista (como as adaptações de John le Carré) ou como base para a fantasia (como muitos filmes de James Bond). Muitos romances no gênero de ficção de espionagem foram adaptados como filmes, incluindo obras de John Buchan, le Carré, Ian Fleming (Bond), Len Deighton e Tom Clancy. É um aspecto significativo do cinema britânico, com importantes diretores britânicos como Alfred Hitchcock e Carol Reed fazendo contribuições notáveis e muitos filmes ambientados no Serviço Secreto Britânico.

Pôster do filme Secret Agent ("Agente Secreto") de Alfred Hitchkock, 1936.

Exemplos de filmes de espionagem famosos são 007 contra Goldfinger, O Dia do Chacal, Missão Impossível e Caçada ao Outubro Vermelho.

Características

editar

Os filmes de espionagem são um gênero cinematográfico popular desde a década de 1960. Neles predomina a intriga, a pancadaria e o mistério, pelo que foram, até bem recentemente, considerados um subgênero dos filmes de ação. Filmes de espionagem mostram as atividades de espionagem de agentes do governo e o risco de serem descobertos por seus inimigos. Dos thrillers de espionagem nazista da década de 1940 aos filmes de James Bond da década de 1960 e aos sucessos de bilheteria de alta tecnologia de hoje, o filme de espionagem sempre foi popular entre o público em todo o mundo.

Oferecendo uma combinação de escapismo emocionante, emoções tecnológicas e locais exóticos, muitos filmes de espionagem combinam os gêneros de ação e ficção científica, apresentando heróis claramente delineados para o público torcer e vilões para odiar.[1] Eles também podem envolver elementos de thrillers políticos. No entanto, há muitos que são cômicos (principalmente filmes de comédia de ação, se eles se enquadram nesse gênero).

James Bond é o mais famoso dos espiões do cinema, mas também houve obras mais sérias e investigativas, como O espião que saiu do frio, de John le Carré, que também emergiu da Guerra Fria.[2] Com o fim desta guerra bipolar entre os Estados Unidos e a União Soviética, o mais novo vilão se tornou o terrorismo transnacional, especialmente o islâmico, e com mais frequência envolveria o Oriente Médio.[3] Essa nova mudança de paradigma afeta a visão que se tem do adversário, "Na Guerra Fria, o inimigo ainda era um sujeito bastante decente. Agora, o inimigo é considerado um islâmico baixo e traiçoeiro".[4]

História

editar
 
Sean Connery como James Bond e Tania Mallet como Tilly Masterson durante as filmagens do filme 007 contra Goldfinger no Passo da Furka, em Andermatt, na Suíça, em 1964.
 
Envelope "On Her Majesty's Service" com etiqueta econômica OHMS "Official Paid" de 1978.

O filme de espionagem surge com o cinema mudo, seguindo o teatro de espionagem como em The Prussian Spy (1909) de David W. Griffith, que trata de um espião prussiano durante a Guerra Franco-Prussiana. Na trama, Lady Florence esconde seu amante, um espião prussiano, das tropas francesas que o procuram. Um de seus outros pretendentes, um oficial francês, descobre o esconderijo e ameaça matar o espião.[5][6] Outros filmes de espionagem foram ambientados durante a Guerra Civil Americana com The Confederate Spy (1910), onde um escravo leal confederado entrega planos secretos capturados,[7] e The Confederate Ironclad (1912), onde Anna Q. Nilsson interpreta Elinor Adams, uma espiã da União.[8][9] Sob a direção de Sidney Olcott e também como roteirista, a atriz Gene Gauntier atuou na série Nan, the Confederate Spy, uma série precursora das heroínas de ação e espionagem; com os filmes The Girl Spy (1909), The Girl Spy Before Vicksburg (1910), The Bravest Girl in the South (1910) e The Further Adventures of the Girl Spy (1910).[10][11]

O gênero foi ainda mais popularizado com a paranóia da literatura de invasão e o início da Grande Guerra. Esses temores produziram os filmes The German Spy Peril, de 1914, na Grã-Bretanha, centrado em uma conspiração para explodir as Casas do Parlamento, e O.H.M.S., de 1913,[12][13] cujo acrônimo significa "Our Helpless Millions Saved" ("Nossos Milhões Indefesos Salvos"), do comum "On His Majesty's Service" ("A Serviço Secreto de Sua Majestade"). Na trama, um espião alemão chantageia a esposa de um comandante para roubar um tratado. O filme também apresenta uma personagem feminina forte que ajuda o herói.

A vida da famosa Mata Hari será trazida para a tela a partir de 1927 em várias produções que retratam sua vida, abordando seu conturbado papel na espionagem durante a Primeira Guerra Mundial.

Em 1928, Fritz Lang fez o filme Spione, que continha muitos tropos que se tornaram populares em dramas de espionagem posteriores, incluindo quartel-general secreto, um agente conhecido por um número e a bela agente estrangeira que passa a amar o herói. Os filmes do Dr. Mabuse de Lang do período também contêm elementos de thrillers de espionagem, embora o personagem central seja um gênio do crime interessado apenas em espionagem para fins lucrativos. Além disso, vários dos filmes americanos de Lang, como Os Carrascos Também Morrem, lidam com espiões durante a Segunda Guerra Mundial.

 
Cary Grant e Audrey Hepburn no filme de espionagem Charade (1963).

Alfred Hitchcock fez muito para popularizar o filme de espionagem na década de 1930 com seus thrillers influentes O Homem Que Sabia Demais (1934), Os 39 Degraus (1935), Sabotage (1937) e The Lady Vanishes (1938). Isso geralmente envolvia civis inocentes sendo apanhados em conspirações internacionais ou redes de sabotadores na frente doméstica, como em Saboteur (1942). Alguns, no entanto, lidavam com espiões profissionais como em Secret Agent (1936), de Hitchcock, baseado nas histórias de Ashenden, de W. Somerset Maugham, ou na série Mr. Moto, baseada nos livros de John P. Marquand. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, os filmes de espionagem quase sempre apresentam cenários envolvendo espiões alemães disfarçados para cenários americanos e britânicos e o inverso para cenários alemães. A missão destes espiões, qualquer que seja a sua nacionalidade, consiste quase sistematicamente em infiltrar-se num país inimigo com vista a sabotar, roubar documentos confidenciais ou assassinar uma personalidade. Deve-se notar que esses filmes continuarão a ser rodados após o fim da guerra.

Nos anos 1940 e início dos anos 1950, vários filmes foram feitos sobre as façanhas dos agentes aliados na Europa ocupada, que provavelmente poderiam ser considerados um subgênero. 13 Rue Madeleine e O.S.S. eram histórias fictícias sobre agentes americanos na França ocupada pelos alemães, e havia uma série de filmes baseados nas histórias de agentes S.O.E. britânicos da vida real, incluindo Odette e Carve Her Name With Pride. Um exemplo ficcional mais recente é Charlotte Gray (2021), baseado no romance de Sebastian Faulks. Também durante o período, houve muitos filmes de detetive - The Thin Man Goes Home (1945) e Charlie Chan in the Secret Service (1944), por exemplo - em que o mistério envolvia quem roubou as plantas secretas ou quem sequestrou o famoso cientista.

O pico de popularidade do filme de espionagem foi a década de 1960, quando os medos da Guerra Fria se misturaram com o desejo do público de ver filmes emocionantes e cheios de suspense. O filme de espionagem desenvolveu-se em duas direções neste momento. Por um lado, os romances de espionagem realistas de Len Deighton e John le Carré foram adaptados para thrillers relativamente sérios da Guerra Fria que lidavam com algumas das realidades do mundo da espionagem. Alguns desses filmes incluem O Espião Que Saiu do Frio (1965), The Deadly Affair (1966), Cortina Rasgada (1966) e a série Harry Palmer, baseada nos romances de Len Deighton.

 
Jean Dujardin, que interpretou o espião francês Hubert Bonisseur de la Bath, codinome OSS 117.

Em outra direção, os romances de James Bond de Ian Fleming foram adaptados em uma série cada vez mais fantástica de filmes de aventura irônicos dos produtores Harry Saltzman e Albert R. Broccoli, com Sean Connery como a estrela. Eles apresentavam supervilões secretos e extravagantes, um arquétipo que mais tarde se tornaria um elemento básico da explosão de filmes de espionagem em meados da década de 1960. O sucesso fenomenal da série Bond levou a uma enxurrada de imitadores, como o gênero Eurospy e vários dos EUA. Exemplos notáveis incluem os dois filmes de Derek Flint estrelados por James Coburn, The Quiller Memorandum (1966) com George Segal e a série Matt Helm com Dean Martin. A televisão também entrou em ação com séries como The Man from U.N.C.L.E. e I Spy nos EUA, e Danger Man e Os Vingadores na Grã-Bretanha. Os espiões permaneceram populares na TV até os dias atuais com séries como Callan, Alias e Spooks.

Os filmes de espionagem também tiveram uma espécie de renascimento no final dos anos 1990, embora geralmente fossem filmes de ação com elementos de espionagem ou comédias como Austin Powers. Alguns críticos identificam uma tendência de afastamento da fantasia em favor do realismo, como observado em Syriana (2005), a série de filmes Bourne e os filmes de James Bond estrelados por Daniel Craig desde Casino Royale (2006). Na França, o personagem OSS 117 foi adaptado na trilogia de comédia de mesmo nome que se iniciou no Egito, foi para o Brasil e depois à África francófona. De 21 de outubro de 2022 a 21 de maio de 2023, a Cinémathèque française realizou a exposição “Top Secret” dedicada à mitologia do cinema e das séries de espionagem.[14][15]

Filmes

editar

Lista desse gênero (nomes em português, do Brasil):

Referências

editar
  1. Brown, Dan (28 de julho de 2021). «How to Write a Spy Thriller: 6 Tips». MasterClass (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2023 
  2. «The Spy Who Came In from the Cold | Cold War Thriller by Ritt [1965] | Britannica». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2023 
  3. «Spy Film». Rovi (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2023. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  4. «Spy movies - The guys who came in from the cold». The Independent (em inglês). 1º de outubro de 2009. Consultado em 23 de junho de 2023 
  5. «The Prussian Spy (1909)». The Movie DB (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  6. «The Prussian Spy (1909)». BFI (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  7. «The Confederate Spy (1910)». AFI Catalog (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  8. «The Confederate Ironclad». Mubi (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  9. «The Confederate Ironclad (1912)». National Film Preservation Foundation (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  10. Bisplinghoff, Gretchen. «Gene Gauntier». Women Film Pioneers Project (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  11. Tracy, Tony (2016). «Outside the System: Gene Gauntier and the Consolidation of Early American Cinema». JSTOR. Film History (em inglês). 28 (1): 71–106. ISSN 0892-2160. doi:10.2979/filmhistory.28.1.03. Consultado em 27 de junho de 2023 
  12. «BFI Screenonline: O.H.M.S. (1913)». Screenonline (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  13. «O.H.M.S. (1913)». BFI (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2023 
  14. «« Top Secret », une exposition dédiée aux espions dans le cinéma | CNC». CNC (em francês). 20 de outubro de 2022. Consultado em 27 de junho de 2023 
  15. «Top secret : cinéma et espionnage». La Cinémathèque française. Consultado em 27 de junho de 2023