Abrir menu principal

Estação Ferroviária de Elvas

estação ferroviária em Portugal
Elvas IPcomboio2.jpg
Estação de Elvas, em 2005.
Inauguração 4 de Julho de 1863
Linha(s) Linha do Leste (PK 264,896)
Coordenadas 38° 53′ 44,07″ N, 7° 08′ 32,57″ O
Concelho Elvas
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgR
Horários em tempo real


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon HST grey.svgSanta Eulália - A (Sentido Abrantes)
BSicon BHF grey.svgElvas
BSicon CONTf grey.svg
Badajoz


A Estação Ferroviária de Elvas é uma interface da Linha do Leste, que serve a localidade de Elvas, no Distrito de Portalegre, em Portugal. Foi inaugurada em 4 de Julho de 1863,[1] e ligada ainda nesse ano à fronteira com Espanha.[2]

DescriçãoEditar

LocalizaçãoEditar

Esta interface situa-se na zona de Fontainhas, junto à cidade de Elvas, tendo acesso pelo Largo da Estação.[3]

Vias de circulação e plataformasEditar

Segundo o Directório da Rede 2012, lançado pela Rede Ferroviária Nacional em 6 Janeiro de 2011, a estação de Elvas apresentava duas vias de circulação, com 388 e 325 m de comprimento, e duas plataformas, que tinham ambas 45 m de extensão, e 100 cm de altura.[4]

 
Chegada de Amadeu I à Estação de Elvas.

HistóriaEditar

Século XIXEditar

Na Década de 1840, o governo de Costa Cabral iniciou um ambicioso programa para o desenvolvimento do país, que incluía vários investimentos em obras públicas, especialmente transportes.[5] Neste sentido, em 1845 uma companhia britânica propôs a construção de várias vias férreas que ligassem Lisboa ao Porto, a Madrid e a Sevilha.[5] A linha para Sevilha deveria passar por Évora, Beja e Mértola, e ter um ramal para Estremoz e Elvas.[5] No entanto, estes planos não foram além dos trabalhos de campo, devido à instabilidade política causada pela revolução de 1846.[5] Com o regresso da estabilidade política, na Década de 1850, o governo de Fontes Pereira de Melo renovou o interesse pela instalação de caminhos de ferro em Portugal, tendo sido contratada a construção da Linha do Leste, ligando Lisboa a Espanha por Badajoz.[5]

Um dos técnicos contratados para estudar e planear esta via férrea foi o engenheiro francês Wattier, que propôs um traçado entre Santarém e Elvas, ponto de passagem que considerava como essencial devido à sua importância ao nível económico e militar.[6] Na zona de Elvas, a via férrea deveria acompanhar o Rio Seto até às proximidades da vila, devendo a estação ser implantada entre a Porta de Olivença e o Forte de Santa Luzia.[6] Embora fazer a linha chegar a Elvas pela vertente Norte fosse menos dispendioso, o percurso pelo Rio Seto iria permitir uma melhor localização para a estação ferroviária, e uma melhor cobertura por parte das estruturas de defesa da vila.[6] No entanto, não chegou a assinalar de forma definitiva a posição da estação de Elvas, uma vez que saiu do país antes de ter oportunidade de consultar os engenheiros do exército neste sentido.[6]

O lanço da Linha do Leste entre Crato e Elvas abriu à exploração no dia 4 de Julho de 1863, pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, enquanto que o tramo seguinte, entre Elvas e a fronteira com Espanha, entrou ao serviço em 24 de Setembro do mesmo ano.[1]

Em 1873, Amadeu I de Espanha parou na estação de Elvas durante a sua viagem de comboio até Lisboa, após ter abdicado do trono espanhol.[7] Embora fosse oficialmente apenas uma paragem de rotina para se apresentar na alfândega, foi recebido com toda a cerimónia na estação.[7]

Século XXEditar

 
Comboios de passageiros e mercadorias na Estação de Elvas, em 1993.

Projecto abandonado para EstremozEditar

 Ver artigo principal: Ramal de Vila Viçosa

Em 16 de Janeiro de 1899, a Gazeta noticiou que tinha sido aberto um inquérito administrativo para a apreciação do público sobre os projectos ferroviários dos Planos das Redes Complementares ao Norte do Mondego e Sul do Tejo, incluindo uma linha de Elvas até Estremoz, passando por Borba.[8]

Um decreto de 27 de Novembro de 1902 estabeleceu os projectos ferroviários na região a Sul do Rio Tejo, tendo classificado o projecto para a linha entre Estremoz e Elvas.[9] Esta linha foi construída até Vila Viçosa em 1905.[10][11] Uma comissão de 1927, reunida para actualizar o plano, concordou com a continuação até Elvas, mas, devido à oposição das autoridades militares, a linha não chegou a ser prolongada, ficando em Vila Viçosa.[9]

Década de 1910Editar

Em 1913, existiam serviços de diligências ligando a estação á vila de Elvas e a Campo Maior.[12]

Década de 1930Editar

No ano de 1933, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses levou a cabo várias obras de reparação e melhoramento, no edifício de passageiros[13], e, no ano seguinte, realizou reparações parciais nesta estação.[14]

Década de 1960Editar

Em 16 de Agosto de 1968, a Gazeta dos Caminhos de Ferro reportou que a Companhia iria em breve iniciar um programa de renovação das suas vias, incluindo a remodelação parcial do troço entre Torre das Vargens e Elvas.[15]

Século XXIEditar

Em 29 de Agosto de 2017, foram retomados os comboios do Entroncamento a Badajoz, que também serviam a estação de Elvas.[16]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  2. REIS et al, 2006:12
  3. «Elvas - Linha do Leste». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 1 de Abril de 2017 
  4. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  5. a b c d e «80 Anos de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1173). 1 de Novembro de 1936. p. 507-509. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  6. a b c d «Documentos para a História» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 30 (699). 1 de Fevereiro de 1917. p. 38. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  7. a b FLOREZ, Rafael (1 de Dezembro de 1968). «Toda una Historica Despedida Ferroviaria». Via Libre (em espanhol). 5 (60). Madrid: RENFE. p. 9 
  8. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 61 (1466). 16 de Janeiro de 1949. p. 112. Consultado em 2 de Abril de 2017 
  9. a b SOUSA, José Fernando de (1 de Março de 1935). «"O Problema da Defesa Nacional" pelo Coronel Raúl Esteves» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1133). p. 101-103. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  10. MARTINS et al, 1996:12
  11. CAPELO et al, 1994:252
  12. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 27 de Fevereiro de 2018 
  13. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  14. «O que se fez nos Caminhos de Ferro Portugueses, durante o ano de 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1130). 16 de Janeiro de 1935. p. 50-51. Consultado em 19 de Novembro de 2013 
  15. «Vão melhorar os serviços da C. P.» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 81 (1928). 16 de Agosto de 1968. p. 96. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  16. «ENTRONCAMENTO – Já há comboio directo até Badajoz. CP promove duas viagens diárias (ida e volta)». Rádio Hertz. 30 de Agosto de 2017. Consultado em 25 de Outubro de 2018 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Elvas

BibliografiaEditar

  • CAPELO, Rui Grilo; RODRIGUES, António Simões; et al. (1994). História de Portugal em Datas. Lisboa: Círculo de Leitores, Lda. 480 páginas. ISBN 972-42-1004-9 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel de; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Leitura recomendadaEditar

  • ANTUNES, J. A. Aranha; et al. (2010). 1910-2010: O caminho de ferro em Portugal. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e REFER - Rede Ferroviária Nacional. 233 páginas. ISBN 978-989-97035-0-6 
  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e (2006). Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Col: Para a História do Caminho de Ferro em Portugal. 5. Lisboa: CP-Comboios de Portugal. 270 páginas. ISBN 989-95182-0-4 
  • QUEIRÓS, Amílcar (1976). Os Primeiros Caminhos de Ferro de Portugal: As Linhas Férreas do Leste e do Norte. Coimbra: Coimbra Editora. 45 páginas 
  • SALGUEIRO, Ângela (2008). A Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses: 1859-1891. Lisboa: Univ. Nova de Lisboa. 145 páginas 

Ligações externasEditar