Abrir menu principal
Ion Antonescu (esquerda) e Horia Sima, líderes do Estado Nacional Legionário.

O Estado Nacional Legionário (em romeno: Statul Naţional-Legionar Român) foi o governo romeno de 6 de setembro de 1940 a 23 de janeiro de 1941. Foi um regime ditatorial de partido único dominado pela Guarda de Ferro, abertamente fascista em conjunto com o chefe de governo e Conducător Ion Antonescu, o líder do Exército Romeno, que havia sido nomeado primeiro-ministro apenas dois dias antes da abdicação do Rei Carol II em 6 de Setembro. Em 14 de fevereiro de 1941, foi formalmente abolido e substituído por uma ditadura militar chefiada pelo general Ion Antonescu.

Abdicação do ReiEditar

 
Perdas territoriais no verão de 1940 que precipitaram a abdicação de Carol II e a tomada de poder por Antonescu.

O Estado Nacional Legionário tomou o poder após a abdicação do Rei Carol II. Carol foi forçado a renunciar em grande parte como resultado de uma série de derrotas territoriais humilhantes. A primeira foi em 28 de junho de 1940 quando a Romênia foi obrigada a retirar suas forças militares e a administração da Bessarábia e Bucovina do Norte para evitar uma guerra aberta com a União Soviética, que emitiu dois ultimatos nos dias 26 e 27. A Romênia perdeu mais de 50.000 km². Pela Segunda Arbitragem de Viena, de 30 de agosto de 1940, a Romênia cedeu 43.492 km ² no norte da Transilvânia à Hungria. Além disso, o Tratado de Craiova, que surgiu no momento da renúncia de Carol, foi assinado em 7 de setembro de 1940 e cedeu a parte sul da Dobrudja (ou Cadrilater) para a Bulgária.

Política externa: aliança com o EixoEditar

Dada a fraqueza extrema dos tradicionais aliados da Romênia, a Grã-Bretanha, na época lutando sozinha contra a Alemanha nazista, e especialmente a França, que havia sido derrotada e parcialmente ocupada e seu pouco apoio para os países da Europa Oriental durante a década de 1930, a postura tradicionalmente favorável de Antonescu aos franco-britânicos não poderia ser sustentada.[1] A rivalidade com a União Soviética e Hungria fazia que apenas uma política pró-alemã parecesse permitir a defesa do país. [2] Além disso, a Guarda Ferro sempre tinha declarado simpatia pelas potências fascistas.[1]

 
Antonescu junto a Hitler em 1941.

Em 23 de novembro de 1940, Antonescu assinou o Pacto Tripartite aderindo o país ao Eixo.[3]

AboliçãoEditar

O primeiro governo romeno a ser abertamente alinhado com a Alemanha nazista e ao Eixo, o Estado Nacional Legionário foi marcado por relações difíceis entre o líder da Guarda Horia Sima e o primeiro-ministro Antonescu. O regime durou 131 dias e terminou com a violência generalizada da fracassada Rebelião da Legião (21 de janeiro - 23 de janeiro de 1941), em que a Guarda de Ferro tentou tomar o poder unilateralmente e foram, ao contrário, derrotados.

Assim, o Estado Nacional Legionário foi formalmente dissolvido em 14 de fevereiro de 1941, que foi seguido por uma grande repressão contra os membros da Guarda, nove mil deles foram presos e mais de seis mil condenados à prisão.[4] As ações de Antonescu foram apoiadas por um plebiscito manipulado com 99,9% dos eleitores no início de março.[4]

Antonescu estabeleceu uma ditadura militar que durou até sua derrubada pelo golpe militar do rei Miguel, em 23 de agosto de 1944.

Ver TambémEditar

NotasEditar

  1. a b Haynes (1999), p. 704
  2. Haynes (1999), p. 716
  3. Haynes (1999), p. 702
  4. a b Deletant (2006), p. 71

ReferênciasEditar