Benito Mussolini

político italiano
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Mussolini, veja Mussolini (desambiguação).
Benito Mussolini
Il Duce, Benito Mussolini
40º primeiro-ministro da Itália
Período 31 de outubro de 1922
a 25 de julho de 1943
Antecessor Luigi Facta
Sucessor Pietro Badoglio
Primeiro Marechal do Império
Período 30 de março de 1938
a 25 de julho de 1943
Il Duce da República Social da Itália
Período 23 de setembro de 1943
a 25 de abril de 1945
Dados pessoais
Nome completo Benito Amilcare Andrea Mussolini
Nascimento 29 de julho de 1883
Predappio, Forli, Itália
Morte 28 de abril de 1945 (61 anos)
Mezzegra, Itália
Nacionalidade Italiana
Progenitores Mãe: Rosa Maltoni (18581905)
Pai: Alessandro Mussolini (18541910)
Casamento dos progenitores 25 de janeiro de 1882
Esposa Rachele Mussolini
Filhos 6 (Benito Albino Mussolini, Edda Mussolini, Vittorio Mussolini, Bruno Mussolini, Romano Mussolini e Anna Maria Mussolini)
Partido Partido Socialista Italiano (1901–1914)
Partido Revolucionário Fascista (1915–1921)
Partido Nacional Fascista (1921–1943)
Partido Republicano Fascista (1943–1945)
Religião Ateísmo[1][2]
Profissão Político, militar, jornalista
Assinatura Assinatura de Benito Mussolini
Serviço militar
Lealdade Reino de Itália
Serviço/ramo Exército italiano
Anos de serviço 19141918
19221945
Graduação Primeiro Marechal do Império
Condecorações OSMM, GCTE

Benito Amilcare Andrea Mussolini (Predappio, 29 de julho de 1883Mezzegra, 28 de abril de 1945) foi um político italiano que liderou o Partido Nacional Fascista e é creditado como sendo uma das figuras-chave na criação do fascismo. Tornou-se o primeiro-ministro da Itália em 1922 e começou a usar o título Il Duce desde 1925, onde abandonou qualquer estética democrática do seu governo e estabeleceu sua ditadura totalitária. Após 1936, seu título oficial era "Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo e Fundador do Império".[3] Mussolini também criou e sustentou a patente militar suprema de Primeiro Marechal do Império, junto com o rei Vítor Emanuel III da Itália, quem deu-lhe o título, tendo controle supremo sobre as forças armadas da Itália. Mussolini permaneceu no poder até ser substituído em 1943; por um curto período, até a sua morte, ele foi o líder da República Social Italiana.

Mussolini foi um dos fundadores do fascismo,[4] que incluía elementos de nacionalismo, corporativismo, sindicalismo nacional, expansionismo, progresso social e anticomunismo, se opondo as ideias de luta de classes e do materialismo histórico,[5] combinado com a censura de subversivos e maciça propaganda do Estado e culto à personalidade em volta do líder.[6] Nos anos seguintes à criação da ideologia fascista, Mussolini conquistou a admiração de uma grande variedade de figuras políticas.[7]

Entre suas realizações nacionais de 1924 a 1939 destacam-se os seus programas de obras públicas como a drenagem das áreas pantanosas da região do Agro Pontino[8] e o melhoramento das oportunidades de trabalho e transporte público. Mussolini também resolveu a Questão Romana ao concluir o Tratado de Latrão entre o Reino de Itália e a Santa Sé. Ele também é creditado por garantir o sucesso econômico nas colônias italianas e dependências comerciais.[9] Embora inicialmente tenha favorecido o lado da França contra a Alemanha no início da década de 1930, Mussolini tornou-se uma das figuras principais das potências do Eixo e, em 10 de junho de 1940, inseriu a Itália na Segunda Guerra Mundial ao lado dos alemães. Três anos depois, foi deposto pelo Grande Conselho do Fascismo, motivado pela invasão aliada. Logo depois de preso, Mussolini foi resgatado da prisão no Gran Sasso por forças especiais alemãs.

Após seu resgate, Mussolini chefiou a República Social Italiana nas partes da Itália que não haviam sido ocupadas por forças aliadas. Ao final de abril de 1945, com a derrota total aparente, tentou fugir para a Suíça, porém, foi rapidamente capturado e sumariamente executado próximo ao lago de Como por guerrilheiros italianos. Seu corpo foi então trazido para Milão onde foi pendurado de cabeça para baixo em uma estação petrolífera para exibição pública e a confirmação de sua morte.

Primeiros anosEditar

 
Local de nascimento de Mussolini, em Dovia de Predappio, Forlì em Emília-Romanha, Itália. Hoje em dia, a casa é utilizada como um museu.

Nascimento e famíliaEditar

Benito Mussolini nasceu em Dovia di Predappio, uma pequena cidade da província de Forlì na região da Emilia-Romagna que em tempos fascistas seria chamada de “município do Duce" e Forlì de "cidade do Duce", em 1883. Seus pais eram o ferreiro e ativista anarquista Alessandro Mussolini[10] e sua mãe era Rosa Mussolini (nascida Maltoni), que era professora e católica devota.[11] O nome "Benito Amilcare Andrea" foi decidido por seu pai, que estava ansioso para prestar homenagem à memória de Benito Juárez, líder revolucionário e ex-presidente do México, enquanto seus outros nomes, Amilcare e Andrea, eram dos socialistas italianos Amilcare Cipriani e Andrea Costa,[12] o último fundador do Partido Socialista Revolucionário da Romagna. Benito era o mais velho de seus dois irmãos, seguido por Arnaldo e depois, Edvige.

Educação e adolescênciaEditar

 
Mussolini por volta de 1900.

Quando criança, Mussolini teria passado um tempo ajudando seu pai na ferraria.[13] Foi lá que ele foi exposto às crenças políticas de seu pai. Alessandro era um socialista e republicano, mas também sustentava algumas visões nacionalistas, especialmente no que diz respeito aos italianos que viviam sob o governo do Império Austro-Húngaro.[13] O conflito entre seus pais sobre religião fez com que, diferente da maioria dos italianos, Mussolini não fosse batizado no nascimento, embora sua mãe fizesse isso mais tarde.[14] No entanto, em compromisso com sua mãe, ele foi enviado para a escola salesiana de Faenza, onde estudou entre 1892 e 1894, antes estudou em Dovia e depois em Predappio entre 1889 e 1891. Porém, Mussolini era rebelde e foi rapidamente expulso após uma série de incidentes relacionados ao seu comportamento, incluindo atirar pedras na congregação após uma missa, e por participar de uma luta em que feriu seu colega de classe sênior com uma faca.[13] Mussolini estava infeliz em Faenza pelos castigos corporais sofridos pelos frades salesianos pela má observância das regras, vivendo por isso com raiva e frustração.[15] Além disso, a condição da família era modesta: seu pai, apesar de ter o próprio negócio, vivia na periferia de sua comunidade local devido às suas opiniões políticas; sua mãe, que ensinava crianças na escola primária no Palazzo Varano, ganhava salários insuficientes para compensar a perda de renda do marido.[16] Mussolini viu seu tempo no internato religioso como um castigo, comparou a experiência ao inferno e "certa vez se recusou a ir à missa matinal e teve de ser arrastado até lá à força".[17]

Com a ajuda de sua mãe, ele continuou os estudos na Escola Real Secular de Homens Carducci em Forlimpopoli, onde obteve em setembro de 1898 a licença técnica inferior. A partir de outubro daquele ano, devido a um confronto com outro aluno, foi obrigado a frequentar como externo (apenas em 1901 foi readmitido como internato).[18] Em Forlimpopoli, também pela influência de seu pai (que foi um revolucionário socialista que idolatrava figuras de nacionalistas italianos com tendências humanistas do século XIX, como Carlo Pisacane, Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi[19] e anarquistas como Carlo Cafiero e Mikhail Bakunin),[20] Mussolini aproximou-se do socialismo militante e ficou conhecido pelos comícios noturnos e em 1900 ingressou no Partido Socialista Italiano.[21]

Em 8 de julho de 1901, obteve o diploma de professor de escola primária do mesmo instituto em Forlimpopoli.[11][12] Mais tarde candidatou-se a leccionar em vários municípios sem conseguir obter sucesso. Em Predappio propôs-se como “auxiliar substituto” do secretário municipal, tendo seu pedido sido indeferido.[22]

Ele começou a lecionar na escola primária em Pieve Saliceto, o primeiro município italiano a ser administrado por um socialista.[23] Em 1902, no aniversário da morte de Garibaldi, Benito Mussolini fez um discurso público em louvor ao republicano nacionalista.[20]

Primeira militânciaEditar

Emigração para a SuíçaEditar

 
Fotografias da prisão de Mussolini pela polícia suíça, no Cantão de Berna, 19 de junho de 1903.

Em 1902, Mussolini emigrou para a Suíça, com o objetivo de evitar o serviço militar.[10] Ele trabalhou brevemente em Genebra como um pedreiro, no entanto, foi incapaz de encontrar um emprego profissional permanente no país. Na Suíça, adquiriu um conhecimento prático de francês e alemão.

Durante este tempo, estudou as ideias do filósofo Friedrich Nietzsche, o sociólogo Vilfredo Pareto, e o sindicalista Georges Sorel. Sobre Sorel, Mussolini declarou: "O que eu sou, eu devo à Sorel".[24] Mussolini, mais tarde, viria a creditar o marxista Charles Péguy e o sindicalista Hubert Lagardelle como algumas de suas influências.[25] A ênfase de Sorel sobre a necessidade de derrubar a democracia liberal e o capitalismo pelo uso da violência, ação direta, greve geral, e o uso do neo-maquiavelismo apelando à emoção impressionou Mussolini profundamente.[10] Durante esse período, juntou-se a pedreiros e trabalhadores sindicais, dos quais mais tarde se tornou secretário da união dos trabalhadores italianos em Lausanne, e em 2 de agosto de 1902 publicou seu primeiro artigo no L'Avvenire del Lavoratore, o jornal de os socialistas suíços.[26]

Em 1903, foi preso pela polícia bernense pela sua defesa de uma greve geral violenta; passou duas semanas preso, foi deportado à Itália, liberto lá, e retornou à Suíça. Em 1904, após ter sido encarcerado novamente em Lausanne, por falsificação de documentos, retornou à Itália, tirando proveito de uma anistia por deserção a qual ele havia sido condenado in absentia.[27] Foi protegido por alguns socialistas e anarquistas do cantão do Ticino, incluindo Giacinto Menotti Serrati e Angélica Balabanoff, com quem iniciou uma relação amorosa. Na Suíça, Mussolini colaborou com revistas locais de inspiração socialista e enviou correspondência ao jornal milanês l'Avanguardia socialista. Além disso, publicaria um soneto ao revolucionário francês François Babeuf no qual escreveria: "Babeuf ainda sorri, o futuro em que sua Idéia se tornará realidade passou diante de seus olhos moribundos".[28] Mussolini desenvolveria uma atitude anticlerical e se declarou ateu.[29] Ele desafiaria Deus para provar sua existência e considerou Jesus como ignorante e louco, consideraria a religião uma forma de doença mental que merecia tratamento psiquiátrico e acusou o Cristianismo de promover resignação e covardia.[30] Mussolini publicaria seu primeiro livro, um tratado ateísta intitulado Homem e Divindade no qual proclamava: "Fiel, o Anticristo nasceu".[31]

Posteriormente, voluntariou-se ao serviço militar no Exército Italiano sendo designado em 30 de dezembro de 1904 para o 10º Regimento Bersaglieri de Verona. Ele pôde voltar para casa de licença para ajudar sua mãe moribunda (19 de janeiro de 1905). Ele então retomou o serviço militar, alcançando finalmente uma declaração de boa conduta para comportamento disciplinado.[32] Na Suíça, ele deixou o cargo de correspondente do jornal italiano l'Avanguardia socialista; esta posição foi atribuída ao jovem socialista Luigi Zappelli.[33]

As experiências de Mussolini nas prisões o tornariam claustrofóbico.[34]

Jornalista políticoEditar

Mussolini retornou a Dovia di Predappio em 4 de setembro de 1906. Pouco depois, foi lecionar em Tolmezzo, onde obteve uma posição substituta de 15 de novembro até o final do ano letivo. O período no município de Friulia foi difícil: com os alunos mostrou-se incapaz de manter a ordem e o anticlericalismo e a linguagem mal falada atraiu as aversões da população local.[35] Mussolini se considerava um intelectual e era considerado um homem culto. Ele leu ansiosamente; Seus favoritos na filosofia europeia incluíam o futurista italiano Filippo Tomasso Marinetti, o socialista francês Gustave Hervé, o anarquista italiano Errico Malatesta e os filósofos alemães Friedrich Engels e Karl Marx, os fundadores do marxismo,[36] também traduziu trechos de Nietzsche, Schopenhauer e Kant. Como um admirador de Nietzsche, segundo Denis Mack Smith, "ele encontrou justificativa para sua cruzada contra as virtudes cristãs da humildade, resignação, caridade e bondade" ao valorizar o conceito de super-homem.[37]

Em novembro de 1907, Mussolini obteve a habilitação para lecionar a língua francesa e em março de 1908 foi designado professor de francês no Colégio Cívico de Oneglia, na Ligúria, onde também lecionou italiano, história e geografia.[38] Em Oneglia conseguiu seu primeiro endereço em um jornal, o semanário socialista La Lima. Em seus artigos, o novo diretor atacou as instituições políticas e religiosas, acusando o governo de Giovanni Giolitti e a Igreja de defender os interesses do capitalismo contra o proletariado. Para evitar problemas ele assinou com o pseudônimo "Vero Eretico". O jornal despertou grande interesse e Mussolini entendeu que o jornalismo eversivo poderia ser uma ferramenta política.[39]

De volta a Predappio, ele assumiu a greve dos camponeses. Em 18 de julho de 1908, ele foi preso por ameaçar um líder de organizações patronais. Ele foi condenado a três meses de prisão, mas em 30 de julho foi libertado sob fiança.[40] Em setembro do mesmo ano, ele foi novamente preso por dez dias por realizar um comício não autorizado em Meldola.

Em novembro mudou-se para Forlì, onde viveu em um quarto alugado, junto com seu pai viúvo, que entretanto abriu o restaurante Il bersagliere com sua companheira Anna Lombardi. Nesse período, Mussolini publicou o artigo La filosofia della forza em Pagine libere (revista do sindicalismo revolucionário publicada em Lugano e dirigida por Angelo Oliviero Olivetti), no qual se referia ao pensamento de Nietzsche. Em 6 de fevereiro de 1909, Mussolini deixou a Itália mais uma vez, desta vez para assumir o cargo de secretário do partido trabalhista da cidade de Trento, que na época estava sob o controle do Império Austro-Húngaro, mas onde o idioma predominante era o italiano. Também trabalhou para o partido socialista local, e editou seu jornal L'Avvenire del Lavoratore (O Futuro do Trabalhador, em tradução livre). No dia 7 de março daquele ano, ele se tornou o protagonista de um breve confronto jornalístico com Alcide De Gasperi, diretor do jornal católico Il Trentino.

Em 10 de setembro de 1909, Mussolini foi preso em Rovereto sob a acusação, da qual foi posteriormente absolvido, de divulgar jornais apreendidos e incitar à violência contra o Império Habsburgo. No dia 26, entretanto, ele foi expulso da Áustria e retornou a Forlì.[41] Os eventos em Trentino, entretanto, deram a Mussolini considerável notoriedade na Itália, empurraram-no mais para a ação política e marcaram o início da transição de uma perspectiva socialista e internacionalista para posições marcadamente nacionalistas.

Nesse mesmo ano, Mussolini conheceu Ida Dalser em Trento ou em Milão (não há informação correta sobre o local). Os dois começaram um relacionamento e, posteriormente ela empenhou suas jóias e vendeu seu salão de beleza para ajudar Mussolini, que era então um jornalista de esquerda, estabelecer seu próprio jornal. Há relatos que eles teriam se casado em 1914, fato jamais comprovado, e em 1915 nasceu seu filho, Benito Albino Mussolini. Ele reconheceu legalmente seu filho em 11 de janeiro de 1916. A insistência de Ida em ver seu casamento e seu filho reconhecidos por Mussolini fez com que eles fossem mandados para o hospício, onde viriam a morrer.[42]

Atividades no Partido SocialistaEditar

Em ForlìEditar

A partir de janeiro de 1910, tornou-se secretário da Federação Socialista de Forlì e dirigiu seu jornal oficial L'idea socialista, um semanário de quatro páginas (rebatizado de Lotta di classe (A Luta de Classes, em tradução livre) pelo próprio Mussolini). O jornal Lotta di Classe teria uma postura editorial anticristã.[43] Em 17 de janeiro, Mussolini começou a morar com Rachele Guidi, sua futura esposa, em um apartamento mobiliado na Via Merenda nº 1. Ele também começou a colaborar com a revista socialista Soffitta. Durante esses anos de Forlì, decidiu também ter aulas de violino com o maestro Archimede Montanelli.[44] Entre as obras preferidas de Mussolini estão: La Follia di Corelli, sonatas de Beethoven, composições de Veracini, Vivaldi, Bach, Granados, Fauré e Ranzato.[45]

Durante este período, escreveu vários ensaios sobre a literatura alemã, algumas histórias, e um romance: L'amante del Cardinale: Claudia Particella, romanzo storico (A Amante do Cardeal, tradução livre). Este romance foi co-escrito com Santi Corvaja, e publicado como um livro de série no jornal de Trento Il Popolo. Ele foi lançado de 20 de janeiro a 11 de maio de 1910.[46] O romance foi amargamente anticlerical, e anos depois, foi retirado de circulação, somente após Mussolini dar trégua ao Vaticano.[10]

Como representante da federação Forlì, Mussolini participou do XI Congresso Socialista de Milão (1910). Em 11 de abril de 1911, a seção socialista de Forlì liderada por Mussolini votou pela autonomia do Partido Socialista Italiano. Em maio do mesmo ano, a prestigiosa revista literária La Voce, editada por Giuseppe Prezzolini, publicou seu ensaio Il Trentino veduto da un Socialista (O Trentino visto por um Socialista, em tradução livre),[47] composto pelas notas escritas por Mussolini durante 1909.[48]

Em Forlì, Mussolini conheceu Pietro Nenni, então secretário da nova Câmara do Trabalho Republicana, nascida após a divisão entre republicanos e socialistas. No início os dois, apesar de vizinhos, eram adversários, depois tornaram-se amigos. Em setembro de 1911, junto com Pietro Nenni, participou de uma manifestação, liderada pelos socialistas, contra a Guerra Ítalo-Turca na Líbia. Ele amargamente denunciou a estratégia, que classificou como "guerra imperialista", da Itália de capturar a capital da Líbia, Tripoli, uma ação que lhe valeu um período de cinco meses na prisão.[49] Naquela época, propondo o internacionalismo proletário, Mussolini declarava: “A bandeira nacional é para nós um pano para plantar em um monturo”.[50]

Após sua libertação, em 1912, Mussolini, junto com Angelica Balabanoff,[50] ajudou a expulsar do partido socialista dois 'revisionistas' que apoiaram a guerra, Ivanoe Bonomi e Leonida Bissolati. A acusação era "uma ofensa gravíssima ao espírito da doutrina e à tradição socialista".[51] Lenin, escrevendo no jornal Pravda, registrou sua aprovação: "O partido do proletariado socialista italiano tomou o caminho certo ao remover os sindicalistas de direita e reformistas de suas fileiras".[52] Em seguida, Mussolini se juntou à liderança nacional do partido e mais tarde colaborou com Folla, o jornal de Paolo Valera, assinando-se sob o pseudônimo de "L'homme qui cherche".

Diretor do Avanti!Editar

 
Mussolini como diretor do Avanti!

Graças aos acontecimentos de 1912 e às suas qualidades como orador brilhante, foi promovido à editoria do jornal do Partido Socialista, Avanti!. Sob sua liderança, a circulação do jornal passou rapidamente de 20 000 para 100 000.[53] Ele recebeu o apelido de "Il Duce" em um banquete realizado em sua homenagem em Forlì em 1912, enquanto celebrava sua nova missão como editor-chefe do Avanti!, seus camaradas disseram: "Ele é nosso Duce há três anos".[54] O número de adeptos no Partido Socialista Italiano cresceu. Os adeptos começaram a se chamar de "Mussoliniani", incluindo Antonio Gramsci e Amadeo Bordiga.[55]

Nas eleições políticas de 1913 (o primeiro turno ocorreu em 26 de outubro) Mussolini concorreu, no colégio de Forlì, como candidato socialista à Câmara dos Deputados, mas foi derrotado por Giuseppe Gaudenzi, um republicano (tradicionalmente, os republicanos eram muito fortes em Forlì). No mês seguinte (novembro de 1913) fundou seu próprio jornal,[56] Utopia. Rivista Quindicinale del Socialismo Rivoluzionario Italiano,[57] que dirigiu até a eclosão da Primeira Guerra Mundial e sobre o qual pôde exprimir todas as suas opiniões, mesmo as contrárias à linha oficial do Partido Socialista Italiano. O objetivo da revista era elaborar "uma revisão do socialismo em um sentido revolucionário" necessária após o "fracasso do reformismo político" e a "crise dos sistemas filosóficos positivistas". Nela, Mussolini desenvolveria uma concepção de socialismo revolucionário baseada nas ideias de Marx, Nietzsche, Pareto e Sorel juntamente com o idealismo, o pragmatismo e o voluntarismo.[57] Dois dos colaboradores da Utopia seriam fundadores do Partido Comunista Italiano e outro ajudaria a fundar o Partido Comunista Alemão.[58]

Nesse mesmo ano, publicou Giovanni Hus, il veridico (Jan Hus, verdadeiro profeta, em tradução livre), uma biografia política e histórica sobre a vida e missão do reformista eclesiástico tcheco Jan Hus, e seus seguidores militantes, os hussitas.

No XIV congresso do Partido Socialista de Ancona em 26, 27 e 28 de abril de 1914, ele apresentou uma moção com Giovanni Zibordi, a qual foi aceita, na qual era estabelecido que a filiação à Maçonaria seria incompatível para um socialista.[59] No Congresso de Ancona, Mussolini também alcançou grande sucesso pessoal, com uma moção de aplausos pelo sucesso de circulação e vendas do jornal do Partido, que foi pago pessoalmente pelos parlamentares.[60] Em 9 de junho foi eleito vereador municipal de Milão.

Semana VermelhaEditar

Mussolini foi o protagonista da campanha política e da imprensa de apoio à onda revolucionária da Semana Vermelha, um levante popular espontâneo após o assassinato de três manifestantes contra as Companhias Disciplinares do Exército, ocorrido em Ancona em 7 de junho de 1914.[61] Mussolini incitou as massas populares no jornal socialista Avanti!:[62]

Proletários da Itália! Aceite nosso grito: W a greve geral. Nas cidades e no campo, a resposta à provocação virá de forma espontânea. Não antecipamos acontecimentos, nem nos sentimos autorizados a traçar seu curso, mas certamente, sejam eles quais forem, teremos o dever de apoiá-los. Esperamos que com sua ação os trabalhadores italianos possam dizer que realmente é hora de acabar com isso.

Depois que oradores reformistas de todos os partidos tentaram conter os tumultos, dizendo que não era uma revolução, mas apenas um protesto contra o massacre que ocorreu em Ancona. Mussolini interveio exaltando a revolta:[62]

A greve geral foi de 1870 até hoje o movimento mais grave que abalou a terceira Itália ... Não foi um ataque defensivo, mas ofensivo. A greve teve um caráter agressivo. Multidões que antes nem mesmo ousavam entrar em contato com as autoridades policiais, desta vez foram capazes de resistir e lutar com um ímpeto inesperado. Aqui e ali, a multidão chocante se reunia em torno das barricadas sustentadas pelos repetidores de uma frase de Engels, numa pressa que revelava preocupações oblíquas, senão medos, relegados ao rebaixamento do quadragésimo oitavo romance. Aqui e ali, sempre para denotar a tendência do movimento, as lojas dos armeiros foram atacadas; aqui e ali queimaram-se fogos e não se impuseram como nas primeiras revoltas no sul, aqui e ali igrejas foram invadidas ...

Com seus artigos, Mussolini forçou a Confederação Geral do Trabalho a declarar uma greve geral. Porém, a Confederação Geral do Trabalho declarou encerrada a greve após 48 horas, convidando os trabalhadores a retomarem suas atividades. Isso frustrou as intenções insurrecionais de Mussolini, que no Avanti! Em 12 de junho de 1914, acusou os dirigentes sindicais de traição, referindo-se também ao componente reformista do Partido Socialista Italiano, acusando: “A Confederação do Trabalho, ao terminar a greve, traiu o movimento revolucionário”.[63]

Mussolini e Filippo Corridoni foram presos durante uma manifestação e brutalmente espancados pela polícia. O fracasso da luta na Semana Vermelha cria nele e em Corridoni um certo pessimismo e uma reflexão sobre o papel do sindicato e do partido socialista.[62] Mussolini chamou a Semana Vermelha de sua "maior conquista e decepção" durante sua gestão no Partido Socialista Italiano, considerando a greve como um pináculo da luta de classes radical, mas também um fracasso abismal.[64] Embora Mussolini saudasse a Semana Vermelha como o início do fim do capitalismo na Itália, ficou claro para muitos dentro do movimento trabalhista e socialista que rebelião, greves gerais e "mitos" revolucionários não constituíam revolução.[64] Diante do fracasso, Mussolini argumentou que o setor industrial da Itália não estava maduro o suficiente e não tinha uma burguesia moderna totalmente desenvolvida, nem um movimento proletário moderno.[65]

Na Primeira Guerra MundialEditar

Expulsão do Partido Socialista ItalianoEditar

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, vários partidos socialistas apoiaram a guerra.[66] Mussolini apoiou firmemente a linha não intervencionista da Internacional Socialista, acreditando que o conflito não poderia beneficiar os interesses dos proletários italianos, mas apenas dos capitalistas.[67] No mesmo período, sem o conhecimento da opinião pública, o Ministério das Relações Exteriores estava iniciando uma operação de persuasão nos meios socialistas e católicos para obter uma atitude favorável a uma possível intervenção italiana na guerra.[68]

Num artigo de agosto de 1914, Mussolini escreveu: “Abaixo a guerra. Permanecemos neutros”. No entanto, ele foi influenciado por sentimentos nacionalistas anti-austríacos italianos, acreditando que a guerra oferecia aos italianos da Áustria-Hungria a oportunidade de se libertarem do domínio dos Habsburgo. Finalmente, ele decidiu declarar seu apoio à guerra apelando para a necessidade dos socialistas derrubarem as monarquias Hohenzollern e Habsburgo na Alemanha e Áustria-Hungria, que, segundo ele, constantemente suprimiram o socialismo.[69] Ele afirmou ainda que para a Itália, a guerra completaria o processo de Risorgimiento ao unir os italianos na Áustria-Hungria na Itália e ao permitir que o povo italiano fosse membro participante da nação italiana. Assim, ele afirmou que as vastas mudanças sociais que a guerra poderia trazer significam que ela deve ser apoiada como uma guerra revolucionária.[70]

Conforme o apoio de Mussolini à intervenção se solidificou, ele entrou em conflito com socialistas que se opunham à guerra. Ele atacou os oponentes da guerra e afirmou que os proletários que apoiavam o pacifismo estavam em desacordo com os proletários que se juntaram à crescente vanguarda intervencionista que estava preparando a Itália para uma guerra revolucionária. Começou a criticar o Partido Socialista Italiano e o próprio socialismo por não terem reconhecido os problemas nacionais que levaram à eclosão da guerra.[71]

No dia 5 de outubro, seria lançado o manifesto Fascio rivoluzionario d'azione internazionalista, em defesa da participação da Itália na Primeira Guerra Mundial e elaborado por revolucionários intervencionistas e sindicalistas.[72] Este manifesto teria sua aplicação política no Fascio d'azione rivoluzionaria que Mussolini fundou em 1915. Em 18 de outubro, Mussolini publicou no Avanti! um extenso artigo intitulado "Da neutralidade absoluta à neutralidade ativa e operante", no qual apelava aos socialistas sobre o perigo que a neutralidade representaria para o partido, ou seja, a condenação do isolamento político. Segundo Mussolini, as organizações socialistas deveriam ter apoiado a guerra entre as nações, com a conseqüente distribuição de armas ao povo, e depois transformado em uma revolução armada contra o poder burguês.[73] A nova linha não foi aceita pelo partido e em dois dias Mussolini pediu demissão do jornal. Graças à ajuda de Filippo Naldi, grupos industriais (como a empresa de armamento Ansaldo)[74] e socialistas franceses ligados à guerra;[75] Mussolini rapidamente conseguiu fundar seu próprio jornal: Il Popolo d'Italia, cujo primeiro número saiu em 15 de novembro. Em 24 de novembro ele diria:[76]

Meu destino está selado e parece que você quer praticar o ato com alguma solenidade ... se você acha que eu não sou digno de servir entre vocês ... por favor, me expulsem, mas eu tenho o direito de exigir uma acusação completa ... O socialismo é algo que tem suas raízes no sangue. O que me separa agora não é uma questão pequena, é uma grande questão que divide o socialismo como um todo ... O tempo dirá quem estava certo e quem estava errado nesta questão formidável que nunca foi apresentada ao socialismo, simplesmente porque nunca houve uma conflagração como a atual na história da humanidade, em que milhões e milhões de proletários se enfrentam... Não pense que, tirando meu cartão de mim, você vai proibir minha fé socialista, me impedir de continuar a trabalhar pela causa do socialismo e da revolução.

Em 29 de novembro, Mussolini foi expulso do Partido Socialista Italiano por "indignidade política e moral". Gritou para seus acusadores:[50]

Vocês acham que podem me expulsar, mas verão que voltarei. Sou e continuarei sendo um socialista e minhas convicções nunca mudarão. Elas se erguem sobre meus próprios ossos.

Durante esta época, tornou-se importante o suficiente para a polícia italiana preparar um relatório; os seguintes excertos são de um relatório policial preparado pelo inspetor geral de Segurança Pública em Milão, G. Gasti.

O inspetor geral escreveu:

A respeito de Mussolini Professor Benito Mussolini,...38, socialista revolucionário, tem um registro policial; professor de escola primária qualificado a ensinar em escolas secundárias; ex-primeiro-secretário das Câmaras em Cesena, Forli, e Ravenna; após 1912, editor do jornal Avanti! pelo qual deu uma orientação violenta, sugestiva e intransigente. Em outubro de 1914, encontrando-se em oposição à direção do partido Socialista Italiano, porque advogou um tipo de neutralidade ativa por parte da Itália na Guerra das Nações contra a tendência absoluta de neutralidade do partido, retirou-se no vigésimo mês na diretoria do Avanti! Então, dia quinze de novembro [1914], iniciou a publicação do jornal Il Popolo d'Italia, onde apoiou - em contraste com o Avanti! e em meio a amargas polêmicas contra o jornal e seus partidários-chefes - a tese da intervenção italiana na guerra contra o militarismo dos Impérios Centrais. Por esta razão, foi acusado de indignidade moral e política e o partido então decidiu expulsá-lo. Posteriormente, ele... encarregou-se de uma campanha muito ativa em favor da intervenção italiana, participando de demonstrações em praças e escrevendo artigos bastante violentos em Popolo d'Italia....[53]

Em seu resumo, o inspetor também observa:

Ela era o editor ideal para o Avanti! para os socialistas. Neste trabalho, foi muito apreciado e amado. Alguns de seus antigos companheiros e admiradores ainda confessam que não havia ninguém que compreendesse melhor a forma de interpretar o espírito do proletariado e não havia ninguém que não tivesse observado sua apostasia com tristeza. Isto não ocorreu por razões de interesse pessoal ou dinheiro. Ele foi um defensor sincero e apaixonado, o primeiro de neutralidade circunspeta e armada, e depois, da guerra; e ele não acreditava que era comprometido com sua honestidade pessoal e política fazendo uso de todos os meios - não importando de onde vieram ou onde poderia obtê-los - para pagar pelo seu jornal, seu programa e seu curso de ação. Este foi seu curso inicial. É difícil dizer até que ponto suas convicções socialistas (que ele nunca abjurou aberta ou privadamente) poderiam ser sacrificadas no curso dos negócios financeiros indispensáveis, que foram necessários para a continuação da luta que foi comprometido... Porém, supondo que estas modificações não tenham lugar... ele sempre quis dar a aparência de ainda ser um socialista, e se enganou ao pensar que este era o caso.[77]

Começo do fascismoEditar

Em 5 de dezembro de 1914, Mussolini denunciou o socialismo ortodoxo, corpo de pensamento marxista que surgiu após a morte de Karl Marx e que se tornou a filosofia oficial da maioria do movimento socialista representado na Segunda Internacional até a Primeira Guerra Mundial, por não reconhecer que a guerra tornara a identidade nacional e a lealdade mais importantes do que a distinção de classe.[71] Ele demonstrou plenamente sua transformação em um discurso em que reconheceu a nação como uma entidade, noção que havia rejeitado antes da guerra, dizendo:[78][79]

Falo de socialista para socialista: como socialista, porque ninguém neste período histórico dinâmico e agitado pode reivindicar a posse da verdade absoluta ... Existem diferentes mentalidades e de fato existem reformistas pela guerra e reformistas contra a guerra, existem revolucionários pela guerra e revolucionários contra a guerra, sindicalistas pela guerra e sindicalistas contra a guerra. Nenhum partido conseguiu escapar a esta divisão que repete as suas origens na mentalidade diferente com que os homens enfrentam os problemas de uma determinada época histórica. E as mentalidades são estas, são duas: a mentalidade dogmática, fixa, eterna, imóvel. Uma verdade foi dita em 1848 e deve permanecer a verdade por todos os séculos. Esses homens que se agarram a esta rocha da verdade e a ela permanecem apegados até o dia do naufrágio, às vezes sabem se salvar pelos caminhos ambíguos da retirada ... e há outros homens que não conseguem esconder a realidade porque a realidade existe. ... Agora nós, depois de termos superado a crise que vinha de querer permanecer fiéis ao que nos parecia verdades absolutas, em certo momento vimos que a realidade subjugava essas verdades ... A nação não desapareceu. Costumávamos acreditar que o conceito era totalmente desprovido de substância. Em vez disso, vemos a nação emergir como uma realidade palpitante diante de nós! ... A classe não pode destruir a nação. A classe se revela como um conjunto de interesses, mas a nação é uma história de sentimentos, tradições, língua, cultura e linhagem. A classe pode se tornar parte integrante da nação, mas uma não pode ofuscar a outra. E então, se isso for verdade, muitas outras verdades serão apresentadas mais tarde, quando esses eventos tiverem terminado seu curso. Devemos examinar a questão de um ponto de vista socialista e nacional.

Mussolini continuou a promover a necessidade de uma elite de vanguarda revolucionária para liderar a sociedade. Ele já não defendia uma vanguarda proletária, mas uma vanguarda liderada por pessoas dinâmicas e revolucionárias de qualquer classe social.[80] Embora denunciasse o socialismo ortodoxo e o conflito de classes, ele sustentava na época que era um socialista nacionalista e um defensor do legado dos socialistas nacionalistas na história da Itália. Sobre o Partido Socialista Italiano, ele afirmou que seu fracasso como membro do partido em revitalizá-lo e transformá-lo para reconhecer a realidade contemporânea revelou a desesperança do socialismo ortodoxo como obsoleto e um fracasso.[81] Outros socialistas italianos pró-intervencionistas, como Filippo Corridoni e Sergio Panunzio, também denunciaram o marxismo clássico em favor da intervenção.[82]

Em 1915, Mussolini fundou o movimento Fascio d'azione rivoluzionaria e o Partido Revolucionário Fascista.[5][83][84] Seus membros começaram a se referir a si mesmos como "fascistas",[85] denunciando o marxismo, mas apoiando o socialismo, usando a frase do socialista francês Louis Auguste Blanqui: "Quem tem ferro tem pão".[85] O primeiro congresso foi realizado em 24 e 25 de janeiro de 1915, onde Michele Bianchi e Cesare Rossi foram eleitos para o comitê central. O antagonismo entre os intervencionistas, incluindo os fascistas, contra os socialistas ortodoxos anti-intervencionistas resultou em violência. A oposição e os ataques de socialistas anti-intervencionistas contra fascistas e outros intervencionistas foram tão violentos que até socialistas democráticos que se opuseram à guerra, como Anna Kuliscioff, disseram que o Partido Socialista Italiano tinha ido longe demais em uma campanha para silenciar a liberdade de expressão dos partidários da guerra. Essas primeiras hostilidades entre os fascistas e os socialistas ortodoxos moldaram a concepção de Mussolini sobre a natureza do fascismo em seu apoio à violência política.[86]

Em março de 1915, após uma longa série de duros artigos mútuos que chegaram a ser um insulto pessoal, apesar do fato de que o Estatuto do Partido Socialista Italiano o proibia, Claudio Treves desafiou Mussolini para um duelo. O desafio foi aceito e o duelo aconteceu em Bicoca di Niguarda (norte de Milão) na tarde de 29 de março de 1915. Foi uma luta de sabre que durou 25 minutos.

Em 25 de dezembro de 1915, em Treviglio, casou-se com sua compatriota Rachele Guidi, dando-lhe uma filha, Edda, em Forli, 1910. Com Rachele, Mussolini teve duas filhas, Edda (1910-1995) e Anna Maria (1929-1968); e três filhos: Vittorio (1916-1997), Bruno (1918-1941) e Romano (1927-2006). Em 1924, Mussolini viu três de seus filhos receberem a comunhão e, em 1925, fez com que um padre realizasse uma cerimônia religiosa de casamento para ele e sua esposa Rachele, com quem ele havia se casado em uma cerimônia civil 10 anos antes.[87] Com a sua posterior ascensão política a informação sobre seu primeiro casamento foi suprimida, e tanto sua primeira esposa, Ida Dalser, como seu filho foram posteriormente perseguidos.[88] Mussolini teria uma série de amantes, entre elas: Margherita Sarfatti (1880-1961) e sua companheira final, Clara Petacci (1912-1945). Além disso, Mussolini teve inúmeros casos breves com partidárias femininas como relatado por seu biógrafo Nicholas Farrell.[89]

Serviço na Primeira Guerra MundialEditar

 
Mussolini em seus trajes militares, quando, em 1917, serviu em nome da Itália, na Primeira Guerra Mundial.

Na declaração de guerra à Áustria-Hungria (23 de maio de 1915), Mussolini solicitou o alistamento voluntário, e este, como na maioria dos casos, foi rejeitado por conscrição.[90] Ele foi convocado como recruta em 31 de agosto de 1915 e designado como soldado raso do 12º Regimento Bersaglieri; em 13 de setembro partiu para a frente com o 11º Regimento Bersaglieri. Ele manteve um diário de guerra, publicado no Il Popolo d'Italia (final de dezembro de 1915 - 13 de fevereiro de 1917), no qual recontava a vida nas trincheiras e se prefigurava como o herói carismático de uma comunidade nacional e socialmente hierárquica e obediente.

Em 1º de março de 1916, foi promovido a cabo por mérito de guerra. O inspetor Gasti continua:

Foi promovido ao posto de cabo "por mérito em guerra". A promoção foi recomendada por causa de sua conduta exemplar e qualidade de combate, sua calma mental e falta de preocupação com o desconforto, seu zelo e regularidade na realização das suas atribuições, onde foi sempre primeiro em todas as tarefas que envolviam trabalho e coragem.[53]

A experiência militar de Mussolini é narrada em sua obra Diario di Guerra.[53] No total, narrou cerca de nove meses na ativa. Durante este período, ele contraiu febre paratifoide.[91]

Mussolini tornou-se aliado do político irredentista e jornalista Cesare Battisti, e assim como ele, entrou no exército e serviu na guerra. "Ele foi enviado à zona de operações onde foi seriamente ferido pela explosão de uma granada".[53] Suas façanhas militares terminaram em 1917, quando foi ferido acidentalmente pela explosão de um morteiro em seu alojamento. Ele foi levado ao hospital com pelo menos 40 pedaços de metal no corpo.[91] Ele retomou seu posto como editor-chefe de seu jornal em junho de 1917,[92] Il Popolo d'Italia. Escreveu artigos positivos sobre as Legiões Checoslovacas na Itália. Recebeu alta em agosto de 1917. Em 1º de agosto de 1918, ele mudou o subtítulo de seu jornal de "Diário Socialista" para "Diário de Lutadores e Produtores".[93] Após sua primeira convalescença em um hospital militar e as duas licenças subsequentes, ele recebeu alta por tempo indeterminado em 1919.

Segundo o historiador Peter Martland, de Cambridge, nessa época, o jornal de Mussolini era pago pela inteligência britânica para fazer propaganda favorável à guerra, de modo que a Itália permanecesse engajada no conflito. Há evidências de pagamentos semanais no valor de 100 libras feitos pelo MI5 a Mussolini, em 1917.[94]

Embora Mussolini inicialmente elogiasse a Revolução de Outubro[95] e se referisse publicamente a si mesmo em 1919 como "Lenin da Itália",[74] ele logo condenou Lenin como um "traidor", especialmente por minar a luta do exército russo contra as Potências Centrais (Império Alemão, Império Austro-Húngaro, Bulgária e Império Otomano) e pela assinatura do Tratado de Brest-Litovsk,[96] ele acreditava ainda que Lenin havia se tornado um exemplo da degeneração do socialismo devido ao uso do terror e da ditadura do partido.[97] Da experiência da Revolução Russa e do ponto de inflexão com a implementação da Nova Política Econômica de Lenin, Mussolini levou em consideração o ocorrido. O capitalismo foi um estágio que não pode ser ignorado.[98] Com o passar do tempo, sua posição em relação a Lenin mudaria.[97] Além disso, Mussolini diria que a revolução russa foi uma "vingança judaica" contra o cristianismo, comentando:

Raça não trai raça ... O bolchevismo está sendo defendido pela plutocracia internacional. Essa é a verdade.

Algumas semanas depois, ele afirmaria:[99]

O bolchevismo não é, como as pessoas acreditam, um fenômeno judeu. A verdade é que o bolchevismo está levando à ruína total dos judeus da Europa Oriental.

Caminho para o poderEditar

 
Retrato de Benito Mussolini Fotografado por George Grantham Bain, Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos

Biênio VermelhoEditar

Em 16 de fevereiro de 1919, após uma imponente procissão socialista em Milão desfilou pelo centro da cidade, as forças intervencionistas reagiram apelando à unidade de todos os grupos nacionalistas. Mussolini no Il Popolo d'Italia publicou um duro artigo intitulado: "Contra a besta que retorna ...".[100] As manifestações socialistas começaram a se multiplicar e as declarações de guerra contra o "estado burguês" misturadas com a exaltação da Revolução de Outubro alarmaram os órgãos do estado.[101]

Em 23 de março de 1919, Mussolini fundou o Fasci Italiani di Combattimento, como o sucessor do Fascio d'azione rivoluzionaria, na Piazza San Sepolcro. Segundo o próprio Mussolini, apenas cerca de cinquenta adeptos estavam presentes.[102] A primeira intervenção seria a de Mussolini, que delinearia os três pontos fundamentais do movimento, que foram resumidos no dia seguinte pelo Il Popolo d'Italia, no que seria conhecido como Programa de San Sepolcro:[103]

I. O encontro de 23 de março dirige a sua primeira saudação e o seu pensamento atento e reverente aos filhos da Itália que se apaixonaram pela grandeza da pátria e pela liberdade do mundo, pelos aleijados e deficientes, a todos os combatentes , aos primeiros reclusos que cumpriram com o seu dever, e se declara disposta a apoiar vigorosamente as demandas materiais e morais que serão defendidas pelas associações combatentes.

II. A reunião de 23 de março declarou opor-se ao imperialismo de outros povos em detrimento da Itália e ao eventual imperialismo italiano em detrimento de outros povos; aceita o postulado supremo da Liga das Nações e pressupõe a integração de cada uma delas, integração que, para a Itália, deve ser realizada nos Alpes e no Adriático com a reivindicação e anexação de Fiume e Dalmácia ... O imperialismo é a base da vida de todos os povos que tendem a se expandir econômica e espiritualmente ... Queremos nosso lugar no mundo porque temos o direito.

III. A reunião de 23 de março compromete os fascistas a sabotar por todos os meios as candidaturas dos neutralistas de todos os partidos ... Não é necessário vislumbrar um programa excessivamente analítico, mas podemos afirmar que o bolchevismo não nos assustaria se nos mostrasse que garante a grandeza de um povo e que seu regime é melhor que os outros. Agora é irrefutável que o bolchevismo arruinou a vida econômica da Rússia ... Declaramos guerra ao socialismo, não porque seja socialista, mas porque foi contra a nação. Todos podem discutir o que é o socialismo, seu programa e sua tática, mas o Partido Socialista Oficial italiano tem sido claramente reaccionário, absolutamente conservador, e se a sua tese tivesse triunfado não haveria qualquer possibilidade de vida no mundo de hoje para nós ... Não é o Partido Socialista que pode liderar uma ação de renovação e reconstrução ... Queremos ser uma minoria dinâmica, queremos separar o Partido Socialista Oficial do proletariado, mas se a burguesia acredita que pode encontrar em nós um para-raios, está errado ... Portanto, devemos aceitar os postulados das classes trabalhadoras ... também porque queremos habituar as classes trabalhadoras à capacidade de gestão das empresas ... Com relação à democracia econômica, estamos no campo do sindicalismo nacional e contra a interferência do Estado, quando ele quer assassinar o processo de criação de riqueza ... Eu gostaria que os socialistas de hoje experimentassem o poder ... mas não podemos permitir essa experiência porque os socialistas gostariam de trazer para a Itália uma falsificação do fenômeno russo ao qual as mentes pensantes do socialismo se opõem ..., porque o fenômeno bolchevique não suprime as classes, mas é uma ditadura, exercida com ferocidade.

Entre março e junho, os futuristas de Filippo Tommaso Marinetti (que dirigia um programa político anticlerical, socialista e nacionalista) tornaram-se o principal componente do Fascio milanês e fizeram sentir sua influência ideológica, embora Mussolini dissesse:[104]

Somos, antes de tudo, libertários, ou seja, pessoas que amam a liberdade de todos, até dos adversários... Faremos todo o possível para evitar a censura e preservar a liberdade de pensamento da expressão, que constitui uma das maiores conquistas e expressões da civilização humana.

O conflito entre socialistas e intervencionistas eclodiu violentamente em Milão em 15 de abril de 1919 após um dia de combates que culminou no assalto à sede da Avanti! entre manifestantes do Partido Socialista Italiano e contra-manifestantes futuristas, arditi e os primeiros elementos fascistas.[105] Mussolini ficou de lado, acreditando que seus homens ainda não estavam prontos para travar uma "batalha de rua", embora defendesse o fato consumado.[106] Ele então começou a recrutar um exército de arditi pronto para realizar ataques frontais e transportou uma grande quantidade de material de guerra para o quartel-general do Il Popolo d'Italia, para evitar um possível "contra-ataque vermelho".[107]

Em junho, Mussolini aliou-se ao governo de Francesco Saverio Nitti; para os fascistas, o novo presidente do conselho era o representante daquela velha classe política que eles tentavam suplantar.[108] Da fraqueza do executivo Mussolini quis tirar a força para fazer uma revolução[109] e, durante o verão, seu nome foi associado a tramas destinadas a dar um golpe.

Em 6 de junho de 1919, foi publicado oficialmente o Manifesto dei Fasci italiani di combattimento, comumente conhecido como Manifesto Fascista, onde foram apresentadas propostas de reforma política e social em sentido progressista,[110] abordando temas nacionalistas, sindicalistas e de direitos das mulheres.[111][112]

Em 11 de setembro, Gabriele d'Annunzio informou Mussolini sobre sua ida a Fiume para realizar o que viria a ser conhecido como a Impresa di Fiume,[113] evento que pretendia proclamar a anexação da cidade de Fiume à Itália.[114] No dia seguinte, Mussolini promoveu fora da sede do Il Popolo d'Italia uma assinatura em favor da Impresa di Fiume. O governo italiano rejeitaria as ações realizadas por d’Annunzio e enviaria o general Pietro Badoglio para reprimir os rebeldes. A cidade seria bloqueada e d’Annunzio acusaria o governo de Nitti de “deixar crianças e mulheres famintas”, enquanto convidava todos os seus aliados a arrecadar fundos. Em 16 de setembro, d’Annunzio enviaria uma carta a Mussolini acusando-o de covardia por não lhe dar apoio financeiro. A carta seria publicada no Il Popolo d'Italia em 20 de setembro censurando as partes polêmicas.[115] Mussolini rapidamente lançou uma campanha para financiar d’Annunzio levantando quase três milhões de liras. Em 7 de outubro, Mussolini se reuniria com d’Annunzio.

Em 9 de outubro, o Primeiro Congresso Fascista foi realizado em Florença, onde foi decidido concorrer às próximas eleições políticas sem aderir a nenhuma aliança. Os fascistas, liderados por Mussolini, propuseram um programa "decididamente esquerdista" e anticlerical, exigindo impostos mais altos sobre as heranças e ganhos de capital, a derrubada da monarquia,[116] a anexação da Dalmácia, confisco de propriedade eclesiástica e participação na gestão industrial.[117] Ele também propôs uma aliança eleitoral com os socialistas e outros partidos de esquerda, mas foi ignorado por preocupações de que isso seria um obstáculo para os eleitores. Durante as eleições, Mussolini fez campanha com o objetivo de "superar os socialistas no socialismo".[118] Mussolini e seu partido fracassaram miseravelmente contra os socialistas que obtiveram quarenta vezes mais votos, escolha tão triste que mesmo em Predappio, cidade natal de Mussolini, ninguém votou nele.[116] Com o fracasso sofrido, ele descobriu que esta estratégia tinha pouco apelo e não tinha futuro.[117] Em uma simulação de procissão fúnebre após as eleições, membros do Partido Socialista Italiano carregaram um caixão com o nome de Mussolini e o desfilaram na frente de seu apartamento para simbolizar o fim de sua carreira política.[119] Em 18 de novembro, Mussolini foi detido por várias horas por posse de armas e explosivos; Ele foi libertado graças à intervenção do senador liberal Luigi Albertini.[120]

Nos dias 24 e 25 de maio de 1920, Mussolini participou do Segundo Congresso Fascista, realizado na Ópera de Milão, que passou a ser financiado por industriais.[121] Em 7 de setembro em Cremona, Mussolini diria:[122]

Sou reacionário e revolucionário, dependendo das circunstâncias. Melhor dizer, se posso usar esse termo químico, que sou um reagente. Se o carro cair, acho que tudo bem para mim se tentar pará-lo; se as pessoas correm para o abismo, não sou reacionário se as impedir, mesmo com violência. Mas certamente sou um revolucionário quando vou contra toda a rigidez conservadora dominante e contra toda a tirania libertária ... Não nos opomos ao socialismo em si, mas à sua máscara bolchevique atual.

Em 12 de agosto de 1920, seria proclamada em Fiume a Regência Italiana de Carnaro e em 8 de setembro seria promulgada a Carta de Carnaro, instituindo um Estado corporativo,[123] esta carta serviria posteriormente de inspiração para a Carta do Trabalho. Poucas semanas depois, em 12 de novembro de 1920, Itália e Jugoslávia assinaram o Tratado de Rapallo. Mussolini veria o tratado como algo positivo e se manifestaria contra os acontecimentos do Natal Sangrento, quando Giovanni Giolitti, que substituiu Nitti, pôs fim à Impresa di Fiume com tiros de canhão.[124]

No início da década de 1920, Mussolini declarou que o fascismo nunca levantaria uma "questão judaica" e em um artigo que escreveu ele afirmou: "A Itália não sabe sobre anti-semitismo e acreditamos que nunca saberá", e detalhou, "esperemos que os judeus italianos permanecem sensatos o suficiente para não dar origem ao anti-semitismo no único país onde ele nunca existiu".[99] Em várias ocasiões, Mussolini falou positivamente sobre os judeus e o movimento sionista,[125] embora após a tomada do poder na Itália pelo Partido Nacional Fascista, houvesse um pouco de desconfiança.[126]

Terceiro Congresso Fascista de 1921Editar

Em janeiro de 1921, a minoria comunista deixou o Partido Socialista Italiano para fundar o Partido Comunista da Itália; isso alarmou Mussolini porque os socialistas, passando para posições mais moderadas, poderiam ter sido solicitados por Giolitti para a colaboração do governo, excluindo assim os fascistas das principais arenas políticas. Em 2 de abril, após ter marchado com uma camisa negra para os funerais das vítimas do ataque terrorista anarquista no Teatro Diana, Mussolini aceitou o pedido de Gliolitti para ingressar no "Bloco Nacional"[127] junto com o Partido Social-democrata Italiano, a Associação Nacionalista Italiana e o Partido Liberal Italiano.

Nas eleições gerais da Itália em 15 de maio de 1921, os fascistas conquistaram 35 cadeiras no parlamento italiano, incluindo Mussolini. Durante seu discurso de posse como deputado fascista recém-eleito em 21 de junho de 1921, Mussolini exclamou:[128][129]

Não me importo, senhoras e senhores, começar meu discurso na cadeira da extrema direita ... Passo agora para examinar a posição do fascismo em relação aos diferentes partidos. Começo com o Partido Comunista ... Quando a soma total da riqueza mundial é muito pequena, a primeira ideia que vem aos homens é colocar tudo junto para que todos tenham um pouco. Mas esta é apenas a primeira fase do comunismo, a fase do consumo. Depois vem a fase de produção, que é muito mais difícil ... aquele formidável artista (não o legislador) que responde pelo nome de Vladimir Ulianov Lenin, quando teve que dar forma ao material humano, percebeu que era muito mais difícil do que bronze ou mármore. Eu conheço os comunistas. Eu os conheço porque muitos deles são meus filhos, quer dizer, claro, espiritualmente ... Enquanto os comunistas falarem da ditadura do proletariado, uma federação de repúblicas mais ou menos federativas, os sovietes e tais absurdos ... só pode haver uma luta entre eles e nós ... Não estou aqui para superestimar a importância do movimento sindical ... Ouça, afinal, o que vou dizer ... Não nos oporemos e, em vez disso, votaremos a favor de todas as medidas e disposições destinadas a melhorar a nossa legislação social. Nem mesmo nos oporemos a experimentos de cooperativismo. Mas digo-lhes imediatamente que nos oporemos com todas as nossas forças às tentativas de socialização, nacionalização, coletivização! Estamos fartos de socialismo de estado! ... Não só isso, mas afirmamos, e com base na literatura socialista recente que não se deve repudiar, que a verdadeira história do capitalismo começa agora, porque o capitalismo não é apenas um sistema de opressão ... Tão verdadeiro é isso que Lenin, depois de instituir os conselhos de fábrica, ele os aboliu ...; É bem verdade que, depois de nacionalizar o comércio, ele reintroduziu o regime de liberdade; e ... depois de ter reprimido ... a burguesia, hoje ele a reúne, porque sem o capitalismo e seu sistema técnico de produção, a Rússia jamais poderia se levantar.

Após seus sucessos eleitorais, Mussolini tentou reverter a violência do Squadrismo, equipes paramilitares de ação armada que visavam intimidar e reprimir violentamente os adversários políticos, dizendo a seus seguidores que os fascistas deveriam ser expurgados e que muita gente havia aderido a seu partido para aproveitar sua "onda de sucesso".[130] Em um discurso na Câmara, Mussolini defendeu três grandes forças de colaboração para facilitar um destino melhor para a Itália: o socialismo de autoaperfeiçoamento, o Popolari e o fascismo.[131] As tentativas de parar a violência incluíram o Pacto de Pacificação com o Partido Socialista Italiano e outros líderes sindicais socialistas.[132] Essa estratégia foi abandonada depois que delegados do Terceiro Congresso Fascista se opuseram a tal arranjo, sendo mais favorável à promoção do nacionalismo.

Devido aos resultados desastrosos das eleições de novembro de 1919, Mussolini contemplou uma mudança de nome para seu partido. Em 1921, Mussolini defendeu um plano para mudar o nome do Partido Revolucionário Fascista e do Fasci Italiani di Combattimento para "Partido Trabalhista Fascista" ou "Partido Trabalhista Nacional" no Terceiro Congresso Fascista em Roma (7 a 10 de novembro de 1921), em um esforço para manter seu apoio ao sindicalismo.[133] Mussolini imaginou um partido político mais bem-sucedido se fosse baseado em uma coalizão fascista de sindicatos trabalhistas.[134] Esta aliança com os socialistas e os trabalhadores foi descrita como uma espécie de "governo de coalizão nacionalista-esquerdista", mas se opôs tanto aos membros fascistas mais conservadores quanto ao Partido Liberal Italiano de Giovanni Giolitti, que já havia decidido incluir o fascistas em seu "Bloco Nacional".[135] Nesse sentido, Mussolini diria:[136]

Em economia, somos abertamente anti-socialistas. Não me arrependo de ter sido socialista. Cortei todos os laços com o passado ... Não se trata de entrar no socialismo, mas de sair dele. Em matéria económica somos liberais, porque acreditamos que a economia nacional não pode ser confiada a órgãos colectivos e burocráticos. Após a experiência russa, vimos o suficiente. Porém, devolveria as ferrovias e telégrafos às empresas privadas, porque o sistema atual é monstruoso e vulnerável em todos os seus aspectos ... As doutrinas socialistas ruíram: caíram os mitos internacionais, a luta de classes é uma fábula porque a humanidade não pode ser dividida. O proletariado e a burguesia não existem historicamente; São duas faces da mesma moeda. Não acreditamos nessas histórias. O proletariado, mesmo onde esteve no poder, está aprisionado pelo capitalismo. Somos anti-socialistas, mas não necessariamente anti-proletários.

Mussolini, sob pressão da maioria dos líderes squadristi presentes no Terceiro Congresso Fascista, que estavam determinados a inibir o poder dos socialistas revolucionários e dos sindicatos, para manter sua posição de líder indiscutível do partido, concordou em fazer vários acordos conciliatórios, incluindo o mudança do nome do partido para Partido Nacional Fascista.[137]

Marcha sobre RomaEditar

 
Mussolini durante a "Marcha sobre Roma"

Em 1º de janeiro de 1922, Mussolini fundou a revista Gerarchia, com a qual colaborava a intelectual (e amante de Mussolini) Margherita Sarfatti, mas já no mês de agosto anterior se apressou em criar uma escola de cultura fascista que tinha a tarefa de expor a doutrina.[138]

O jornalista britânico George Slocombe, que entrevistou Mussolini na conferência de Cannes de 1922, relatou que “Lenin foi o único contemporâneo por quem ele expressou respeito”.[50]

Em fevereiro de 1922, Luigi Facta tornou-se primeiro-ministro. Sua nomeação entrou no jogo dos fascistas, pois demonstrou ainda mais a incapacidade do sistema parlamentar democrático de produzir um governo estável e manter a ordem. Sob seu governo, as incursões dos esquadrões fascistas se multiplicaram, especialmente nas províncias de Ferrara e Ravenna. Foi o crescendo da "revolução fascista", com a qual Mussolini tentou um ambicioso golpe para tomar o poder, explorando os consensos adquiridos nos círculos sociais mais influentes do reino. Em 24 de outubro, ele revisou os 40 000 camisas negras reunidas lá em Nápoles, afirmando o direito do fascismo de governar a Itália.

Muitos estavam convencidos de que o diálogo com Mussolini agora se tornara inevitável: Giovanni Amendola e Vittorio Emanuele Orlando teorizaram uma coalizão governamental que incluía também os fascistas[139] e Nitti, que aguardavam a presidência do Conselho, agora considerada uma aliança com Mussolini da melhor forma para minar seu adversário Giolitti.[140] Em um discurso, Mussolini proclamaria:[141]

No entanto, uma coisa é muito clara. Toda a superestrutura socialista-democrática deve ser destruída. Devemos ter um Estado que simplesmente diga: “O Estado não representa um partido, o Estado representa a coletividade nacional, inclui a todos, supera a todos, protege a todos e luta contra quem tenta minar sua soberania inviolável”. Este é o Estado que deve emergir da Itália de Vittorio Veneto. Um estado que não reconhece que o poder mais forte está correto; um estado diferente do estado liberal, que, depois de cinquenta anos, não conseguiu estabelecer uma gráfica para emitir seu próprio jornal quando houve uma greve geral dos impressores; um Estado que não está à mercê da onipotência dos socialistas; um Estado que não acredita que os problemas só possam ser resolvidos do ponto de vista político, porque não bastam as metralhadoras se não houver espírito para fazê-las cantar. Todo o arsenal do Estado desmorona como a velha paisagem de um teatro operístico quando não se inspira no sentido mais íntimo de cumprir um dever, não, uma missão. É por isso que queremos despojar o Estado de todos os seus atributos econômicos. Temos de acabar com o Estado ferroviário, o Estado postal, o Estado segurador. Devemos acabar com o Estado que desperdiça o dinheiro de todos os contribuintes italianos e piora as finanças esgotadas do estado italiano.

Entre 1 e 2 de outubro, os fascistas organizariam a Marcha sobre Bolzano. Entre 27 e 31 de outubro de 1922 organizou, juntamente com Michele Bianchi, Cesare Maria De Vecchi, Emilio De Bono e Italo Balbo, a famosa marcha sobre Roma[142], um golpe de propaganda. Mussolini não participou diretamente da marcha, temendo uma intervenção repressiva do Exército que teria determinado seu fracasso.[143] Ficou em Milão (onde um telefonema do prefeito o teria informado do resultado positivo) aguardando os acontecimentos e só foi a Roma mais tarde, quando soube do sucesso da ação. Mussolini usou suas milícias chamadas de camicie nere ("camisas negras") para instigar o terror e combater abertamente os socialistas, conseguiu que os poderes investidos o nomeassem para formar governo. Foi nomeado primeiro-ministro pelo rei Vítor Manuel III, alcançando a maioria parlamentar e, consequentemente, poderes absolutos no governo do país. Mussolini gozava de amplo apoio no exército e entre as elites industriais e agrárias, enquanto o rei e o establishment conservador temiam uma possível guerra civil e, em última instância, pensaram que poderiam usar Mussolini para restaurar a lei e a ordem em o país.[144] Mussolini, após chegar ao poder, formaria nesta fase, um governo de coalizão com liberais e conservadores. Muitos líderes empresariais e financeiros acreditavam que Mussolini poderia ser manipulado porque seus discursos enfatizavam o mercado livre e a economia laissez-faire.[145] No entanto, isso contrastava com a visão corporativista de Mussolini.

Mussolini, Primeiro MinistroEditar

Fatos importantesEditar

 
Benito Mussolini em seus primeiros anos no poder

Em 16 de novembro, Mussolini compareceu à Câmara e fez seu primeiro discurso como Primeiro-Ministro, no qual declarou:[146]

Cavalheiros! O que faço hoje, nesta sala, é um ato de deferência formal para com você e pelo qual não peço nenhum certificado de agradecimento especial. Por muitos anos, na verdade, por muitos anos, crises governamentais foram levantadas e resolvidas pela Câmara por meio de manobras e emboscadas mais ou menos tortuosas, tanto que uma crise era regularmente descrita como um assalto e o ministério era representado com uma diligência postal instável. Agora aconteceu pela segunda vez no curto espaço de uma década que o povo italiano, em seu auge, deixou de lado um ministério e se deu a um governo externo, acima e contra qualquer nomeação parlamentar. A década de que falo é entre maio de 1915 e outubro de 1922. Deixo isso para os fanáticos melancólicos do superconstitucionalismo discutir isso com mais ou menos tristeza. Afirmo que a revolução tem seus direitos. Acrescentaria, para que todos saibam, que estou aqui para defender e fortalecer ao máximo a revolução das “camisas negras”, inserindo-a intimamente como força de desenvolvimento, progresso e equilíbrio na história da nação. Recusei-me a vencer e fui capaz de vencer. Eu estabeleci limites. Disse a mim mesmo que a melhor sabedoria é aquela que não te abandona depois da vitória. Com trezentos mil jovens totalmente armados, determinados a fazer tudo e quase misticamente prontos para o meu comando, eu poderia punir todos aqueles que difamaram e tentaram manchar o fascismo.
 
Mussolini na capa da revista Time, 6 de agosto de 1923

Em 25 de novembro, Mussolini obteve da Câmara plenos poderes nas áreas fiscal e administrativa[147] até 31 de dezembro de 1923, para "restaurar a ordem". Em 15 de dezembro de 1922, o Grande Conselho do Fascismo foi estabelecido. Em 14 de janeiro de 1923, as camisas negras foi institucionalizada com a criação da Milizia Volontaria per la Sicurezza Nazionale.

Em 9 de junho, após ter conseguido, com ameaças, a renúncia de um de seus principais antagonistas parlamentares, o sacerdote católico Luigi Sturzo, e a divisão do Partido Popular Italiano com seu discurso de 15 de julho, apresentou à Câmara a lei Acerbo, em matéria eleitoral, por este aprovado em 21 de julho e 13 de novembro pelo Senado,[148] posteriormente passou a ser lei de 18 de novembro de 1923[149] transformando a Itália em um único eleitorado nacional. Também em julho, graças ao apoio britânico, o domínio italiano do Dodecaneso, ocupado desde 1912, foi reconhecido na conferência de Lausanne.

Em 27 de agosto, ocorreu o massacre de Giannina: foi massacrada a expedição militar de Tellini, com a missão de delimitar a fronteira entre a Grécia e a Albânia. Mussolini enviou um ultimato à Grécia para exigir reparações, desculpas e homenagens aos mortos e, após a recusa parcial do governo grego, ordenou que a marinha italiana ocupasse Corfu.[150] Com esta ação, o novo primeiro-ministro quis mostrar que queria seguir uma política externa forte e obteve, graças à Liga das Nações, as reparações necessárias (após a saída da ilha ocupada).

Em 19 de dezembro, ele presidiu a assinatura do acordo entre a Confederação Geral da Indústria Italiana (Confindustria) e a Confederação das Corporações Fascistas, o chamado Pacto do Palazzo Chigi,[151] (mais tarde, em 1925, o Pacto do Palazzo Vidoni seria feito) pelo qual se buscou "harmonia entre os diferentes elementos de produção", afirmando:[152]

O princípio de que a organização sindical não deve basear-se no critério do conflito irredutível de interesses entre industriais e trabalhadores, mas inspirar-se na necessidade de estabelecer relações cada vez mais cordiais entre empregadores e trabalhadores individuais, e entre as suas organizações sindicais, visando assegurar que cada um dos elementos produtivos as melhores condições para o desenvolvimento das respectivas funções, e uma remuneração mais equitativa do seu trabalho, o que reflecte, mesmo na estipulação do contrato de trabalho, o espírito do sindicalismo nacional.

Em 30 de dezembro de 1923, foi instituída a criação dos Órgãos Municipais de Assistência com a missão de “coordenar todas as atividades, públicas e privadas, destinadas a ajudar os pobres, provendo, se necessário, seu atendimento, ou promovendo, quando possível, educação, instrução e introdução às profissões, artes e ofícios”.[153]

Em 22 de janeiro de 1924, o Tratado de Roma foi assinado entre a Itália e a Iugoslávia, com o qual Fiume seria anexada à Itália em 22 de fevereiro. A partir da marcha sobre Roma, o governo italiano estabeleceu relações diplomáticas com a União Soviética, que melhoraram em fevereiro de 1923, alcançando o reconhecimento da União Soviética[154] e a estipulação de um tratado de comércio e navegação em 7 de fevereiro de 1924.[155] Um acordo com o Reino Unido permitiu que a Itália adquirisse Oltregiuba, uma região do Quênia anexada à Somália italiana. Em 24 de março, ocorreu a primeira tentativa de retransmitir um discurso político.

Por superstições, Mussolini ordenou a remoção do Palazzo Chigi de uma múmia que ele havia recebido como um presente devido à Maldição dos Faraós.[156]

Eleições de 1924Editar

As consultas decorreram num clima geral de violência e intimidação,[157] apesar de Mussolini ter enviado repetidos apelos de ordem aos fascistas e telegramas aos prefeitos para impedir que alguém fosse intimidado, provocado ou agredido.[158] Paralelamente, Mussolini havia contactado telegraficamente os prefeitos para que fizessem todo o possível para garantir a vitória da "Lista Nacional", lista eleitoral de Mussolini, por convencimento dos indecisos, trabalho de propaganda e principalmente por manifestações e celebrações públicas patrióticas e religiosas, nas quais os fascistas podiam se apresentar como os únicos titulares de legitimidade para representar a nação.

As eleições terminaram com uma vitória contundente para a Lista Nacional, obtendo 64,9% a nível nacional. A derrota da oposição levou a imprensa contra o fascismo a um forte ataque à violência e ilegalidades cometidas pelos fascistas.[159] Poucos jornais reconheceram a vitória eleitoral.

No dia 30 de maio, os abusos, as violências e as fraudes perpetradas pelos fascistas durante a campanha eleitoral e durante a votação foram denunciados pelo deputado socialista Giacomo Matteotti a quem pediu a anulação das eleições. A intervenção desencadeou uma sessão acalorada na qual Matteotti foi interrompido várias vezes. Em 10 de junho de 1924, Matteotti foi sequestrado por esquadrões fascistas e assassinado. Essa ação causou uma crise momentânea. Mussolini não foi acusado no julgamento, que resultou na sentença de seis anos para três militantes fascistas (Amerigo Dumini, Albino Volpi e Amleto Poveromo) que, segundo a sentença, agiram por iniciativa própria. A responsabilidade de Mussolini como instigador do assassinato de Matteotti foi questionada por Renzo de Felice, que o considerava o mais prejudicado na política e pessoalmente por aquele crime na época.[160] O estresse dos acontecimentos levou Mussolini aos primeiros sintomas de uma úlcera duodenal que o acompanhou pelo resto da vida.[161]

No dia 26 de junho aconteceria a Secessão do Aventino, ato de protesto realizado por opositores do governo contra Mussolini. O outono de 1924 foi repleto de tensões para Mussolini: alguns fascistas se distanciaram dele, e muitos pediram sua renúncia, para que o "fascismo" pudesse "se recuperar das responsabilidades dos poderes supremos".[162] À medida que a situação se tornava cada vez mais tensa, surgiram rumores de que Mussolini estava considerando um golpe para resolver o problema - uma tese que De Felice negou.[163] Em 31 de dezembro, Mussolini se reuniu com o Conselho de Ministros. Espalharam-se rumores de que Mussolini renunciaria e seria substituído. No entanto, em 3 de janeiro de 1925, ele faria um discurso onde falaria sobre a morte de Matteotti e estabeleceria uma nova direção para seu governo.[164]

Medidas econômicasEditar

Nas mãos de Alberto De Stefani, um economista liberal que aderiu ao Partido Nacional Fascista e foi o responsável pela economia italiana de 1922 a 1925, uma profunda reforma foi realizada no sistema tributário italiano, embora essas reformas tivessem sido estabelecido por seu antecessor Filippo Meda.[165] De Stefani aproveitou os poderes concedidos pelo regime para promulgar essas reformas que haviam sido bloqueadas pelo parlamento.[166] Sob De Stefani, foi aplicada uma política de privatização de empresas de grande porte.[167]

Tendo herdado uma situação económica difícil, foi implementada uma política de liberalização da economia e redução de despesas,[168] além de modificar algumas leis para fortalecer os mecanismos produtivos e aliviar o trabalho das administrações públicas, correio e caminhos-de-ferro. Entre 1922 e 1926 houve um período de rápida expansão econômica, especialmente no setor industrial. A produção manufatureira cresceu 10% ao ano, contribuindo para uma forte expansão das exportações. Naqueles anos, o gasto público passou de 35% para 13% do PIB. Os desempregados passaram de 600 000 em 1921 para 100 000 em 1926. Em 1925, o papel-moeda começou a ser destruído para conter a inflação. No total, 320 milhões de liras foram incineradas. No mesmo ano, lançaria uma medida que visava acabar com a especulação no mercado de ações. Durante esse período a prosperidade aumentou, mas isso foi acompanhado de inflação.[169]

Embora os resultados da política tenham sido positivos, sua posição no governo se deteriorou devido à oposição de vários grupos, como os fascistas mais radicais que o viam como pró-industrial e excessivamente liberal, os latifundiários do sul e os grupos familiares do norte. De Stefani foi substituído por Giuseppe Volpi.[170] De Stefani mais tarde tornou-se crítico do regime e em 1943 votou a favor do mandado de prisão de Mussolini, refugiando-se posteriormente em um convento.[171]

Itália FascistaEditar

 Ver artigos principais: Grande Itália e Itália fascista

Consolidação da ditadura fascistaEditar

Em 21 de junho, foi realizado o quarto e último congresso do Partido Nacional Fascista, onde Mussolini convida os camisas negras a abandonar definitivamente a violência.[172] No entanto, os trágicos acontecimentos de Giovanni Amendola e Piero Gobetti no início de 1926 provaram que eles ainda estavam ativos.

Uma lei aprovada em 24 de dezembro de 1925 mudou o título formal de Mussolini de “Presidente do Conselho de Ministros” para “Chefe do Governo”, esta lei transformou o governo de Mussolini em uma ditadura legal de fato, embora o processo tenha começado no dia 3 de janeiro do mesmo ano.[173]

Em 7 de abril de 1926, Mussolini sobreviveu a uma primeira tentativa de assassinato de Violet Gibson.[174] Em 31 de janeiro de 1926, Anteo Zamboni, de 15 anos, tentou atirar em Mussolini em Bolonha. Zamboni foi linchado.[175] Todos os outros partidos foram proibidos após a tentativa de assassinato de Zamboni, embora a Itália fosse um estado de partido único desde 1925. Nesse mesmo ano, uma lei eleitoral aboliu as eleições parlamentares.

Medidas aplicadas entre 1925 - 1929Editar

 
Benito Mussolini na campanha para promover o cultivo do trigo conhecida como "Batalha pelo trigo"

Entre 1925 e 1927, Mussolini desmantelou progressivamente todas as restrições constitucionais e convencionais ao seu poder e construiu um estado policial onde a liberdade de expressão e associação foi desmantelada. Ao mesmo tempo, implementou um extenso programa de culto à personalidade, colocando Mussolini como a figura central da nação. As leis que seriam conferidas neste período seriam conhecidas como Leis Fascistíssimas.

Como responsável pela economia da Itália, de 1925 a 1928, Giuseppe Volpi negociou com sucesso o pagamento da dívida da Itália na Primeira Guerra Mundial com os Estados Unidos[176] e o Reino Unido,[177] fixando também o valor da lira ao valor do ouro e implementou políticas de livre comércio.[178] Porém, ao ganhar mais poder, Mussolini orientou sua política econômica em favor da intervenção governamental, substituindo o livre comércio pelo protecionismo.[169] Em 1925, começariam as Batalhas econômicas italianas que deveriam aumentar o potencial da Itália e transformá-la em uma potência.[179] As batalhas seriam a Batalha pelo trigo (iniciada em 1925), a Batalha pela Lira (iniciada em 1926), a Batalha pelos nascimentos (iniciada em 1927) e a Batalha pela Terra (iniciada em 1928). Mussolini expressaria seu elogio as ideias de Oswald Spengler[180] e às teorias de Keynes:[181]

O fascismo concorda inteiramente com Maynard Keynes, apesar da posição proeminente deste último como liberal. Na verdade, o excelente livrinho do Sr. Keynes, "The End of Laissez-Faire" (1926), pode, até onde vai, servir como uma introdução útil à economia fascista. Não há praticamente nada a objetar e há muito o que aplaudir.

Em 20 de janeiro de 1926, entrou em vigor a lei de imprensa, que previa que os jornais só pudessem ser dirigidos, escritos e impressos se tivessem conselheiro reconhecido pelo Procurador-Geral do Tribunal de Justiça. Em 3 de abril de 1926, a greve foi proibida e ficou estabelecido que apenas sindicatos "legalmente reconhecidos" poderiam assinar acordos coletivos. Para os atentados perpetrados ou organizados em detrimento das figuras mais importantes do Estado, foi instituído o confinamento policial e a pena de morte e instituído o Tribunal Especial de Defesa do Estado.[182] No dia 30 de dezembro, os fasces foram declarados símbolos do estado.

Em 21 de abril de 1927, Benito Mussolini promulgou a Carta do Trabalho. Nela se estabelece o reconhecimento das corporações, se estabelece o contrato coletivo de trabalho e se considera a iniciativa privada a mais eficiente e útil para os interesses da nação:[152][183]

O Estado corporativo considera a iniciativa privada no campo da produção como a ferramenta mais eficaz e útil no interesse da nação. Sendo a organização privada da produção uma função do interesse nacional, o organizador do empreendimento é responsável pelo endereço da produção face do Estado. A reciprocidade de direitos e deveres entre eles decorre da colaboração das forças produtivas. O prestador de serviços, técnico, empregado ou operários é um colaborador ativo do empreendimento econômico, no sentido do qual cabe ao empregador a responsabilidade pelos mesmos.

Estabelecendo que:

A intervenção do Estado na produção econômica ocorre somente quando a iniciativa privada falha ou é insuficiente ou quando os interesses políticos do Estado estão em jogo. Essa intervenção pode assumir a forma de controle direto, incentivo e gerenciamento.

Enfatizando então:

O estado fascista propõe:

1) A melhoria do seguro contra infortúnios;

2) A melhoria e extensão do seguro maternidade;

3) Seguro contra doenças profissionais e tuberculose, como passagem para o seguro geral contra todas as doenças;

4) A melhoria do seguro contra o desemprego involuntário.

5) A adoção de formas especiais de seguro para jovens trabalhadores.

Em 1928, Mussolini diria:[184]

Como o século passado viu a economia capitalista, o século atual verá a economia corporativa ... Capital e trabalho devem estar em pé de igualdade e a igualdade de direitos e deveres deve ser dada a ambos.

Para lidar com a máfia, Mussolini nomeou Cesare Mori para o Senado e lhe deu o controle da cidade de Palermo com o objetivo de erradicar a máfia a qualquer custo. Mussolini, em telegrama, escreveu a Mori:[185]

Sua Excelência tem carta branca; A autoridade do Estado deve absolutamente, repito absolutamente, ser restabelecida na Sicília. Se as leis ainda em vigor o impedirem, não será um problema, pois iremos redigir novas leis.

Por meio de tortura e intimidação, conseguiu reduzir a criminalidade e forçou vários mafiosos a fugir (especialmente para os Estados Unidos). Com o tempo, a pressão do Estado e a corrupção garantiu uma tênue paz entre o regime fascista e a máfia siciliana.[6] Durante o regime de Mussolini, a Máfia acabaria perdendo muito poder e influência no sul da Itália, com os índices de assassinato e crimes em geral caindo consideravelmente, especialmente na Sicília.[186] No sul, muitos dos movimentos anti-fascistas tinham ligações com a máfia.[187]

Em 1927, Mussolini foi rebatizado por um padre católico romano. Em 5 de junho de 1927, falando no Senado, Mussolini afirmou a linha do revisionismo na política externa, declarando que os tratados estipulados após a Primeira Guerra Mundial ainda eram válidos, mas não deviam ser considerados eternos e imutáveis. Em 1928, o Grande Conselho do Fascismo foi institucionalizado como o órgão constitucional supremo do Estado. Em 1929, as eleições gerais seriam realizadas na Itália na forma de um referendo. Na época, o país era um estado de partido único com o Partido Nacional Fascista como o único partido legalmente autorizado.

Ações após 1929Editar

 
Benito Mussolini, a cavalo, falando com soldados do exército italiano.

Em 1929, necessitando de apoio dos católicos, pôs fim à Questão Romana (conflito entre os papas e o Estado italiano) assinando o Tratado de Latrão com o cardeal Pietro Gasparri. Por esse tratado, firmou-se um acordo pelo qual a soberania do Estado do Vaticano foi reconhecida, o Sumo Pontífice recebia indemnização monetária pelas perdas territoriais, o ensino religioso era obrigatório nas escolas italianas, o catolicismo virava a religião oficial da Itália e se proibia a admissão em cargos públicos dos sacerdotes que abandonassem a batina. O Papa Pio XI elogiou Mussolini, e o jornal católico oficial declarou que "a Itália tem devolvido Deus e Deus à Itália".[188] Após essa conciliação, Mussolini afirmou que a Igreja estava subordinada ao Estado, e "se referiu ao catolicismo como, na origem, uma seita menor que se espalhou para além da Palestina apenas porque se inseriu na organização do Império Romano".[189] Após a concordata, Mussolini "confiscou mais tópicos de jornais católicos nos próximos três meses do que nos sete anos anteriores".[189] Mussolini teria chegado perto de ser excomungado da Igreja Católica na época.[189]

A 19 de abril daquele ano foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito de Portugal.[190] Internamente, Mussolini buscou retirar a Itália da recessão econômica e modernizar a nação. Era um período turbulento na Europa pós-primeira grande guerra, com o medo do comunismo por parte das elites políticas e os desejos das classes trabalhadoras, resultando em um caos social.[191] Nesse mesmo ano, Mussolini ordenou ao seu Estado-Maior do Exército que começasse a planejar a agressão contra a França e a Iugoslávia.[192]

Mussolini reconciliou-se publicamente com o Papa Pio XI em 1932, mas "teve o cuidado de excluir dos jornais qualquer fotografia sua ajoelhada ou demonstrando deferência ao Papa".[189] Ele queria persuadir os católicos de que "o fascismo era católico e ele próprio um crente que passava parte de cada dia em oração ...".[189] O Papa Pio XI saudou Mussolini como "o Homem da Providência".[193] Apesar dos esforços de Mussolini em parecer piedoso, por ordem de seu partido, os pronomes que se referiam a ele "tinham que ser escritos em maiúscula como aqueles que se referem a Deus".[189] Por outro lado, em uma conversa com Emil Ludwig, Mussolini descreveu o anti-semitismo como um "vício alemão" e declarou que "não havia 'nenhuma questão judaica' na Itália e não poderia ser em um país com uma política saudável".[194]

 
Mussolini na Líbia

Em 1932 terminaria a chamada Pacificação da Líbia, um longo e sangrento conflito que começou em 1923 durante a colonização italiana da Líbia, quando o principal líder dos senussis Omar al-Mukhtar foi capturado e executado.[195] Naquela guerra, houve crimes de guerra cometidos pelos italianos que incluíram o uso de armas químicas, a execução de combatentes que se renderam e o massacre de civis[196] enquanto os senussis eram acusados ​​de torturar e mutilar italianos capturados e recusar-se a fazer prisioneiros.[197] Mais tarde, em 1937, os muçulmanos da Líbia presentearam Mussolini com a "Espada do Islã", enquanto a propaganda fascista o declarava o "Protetor do Islã".[198]

Eles me ofereceram ... esta espada, símbolo de força e justiça ... A Itália fascista visa garantir paz, justiça e bem-estar, respeito pelas leis do Profeta às populações muçulmanas da Líbia e da Etiópia, além de mostrar sua simpatia pelo Islã e pelos muçulmanos em todo o mundo.[199]

Nesse mesmo ano, 1932, Mussolini publicou, com a ajuda de Giovanni Gentile, seu ensaio "A Doutrina do Fascismo" na Enciclopédia Italiana. No ano seguinte, Mussolini daria à escritora Jane Soames permissão para traduzir seu ensaio para o inglês.[5] No final de 1932 e início de 1933, Mussolini planejou lançar um ataque surpresa contra a França e a Iugoslávia que deveria começar em agosto de 1933.[192] A guerra planejada de Mussolini para 1933 só foi interrompida quando ele soube que o Deuxième Bureau francês havia quebrou os códigos militares italianos e que os franceses, tendo sido avisados ​​de todos os planos italianos, estavam bem preparados para o ataque italiano.[192] Em 1934, Mussolini apoiou o estabelecimento da Academia Naval Betar em Civitavecchia para treinar cadetes sionistas sob a liderança de Zeev Jabotinsky, argumentando que um estado judeu seria do interesse da Itália.[200] Até 1938, Mussolini negou qualquer anti-semitismo dentro do fascismo.[125]

Depois que Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha, em 1933, ameaçando os interesses italianos na Áustria e na bacia do Danúbio, Mussolini propôs o Pacto de Quatro Potências com a Grã-Bretanha, França e Alemanha como um meio de garantir a segurança internacional,[201] embora tenha dado apoio financeiro ao Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (mais conhecido como Partido Nazista) e formação aos homens da SA.[202] Em agosto de 1933, Mussolini emitiu uma garantia da independência austríaca e trocaria "cartas secretas" com Engelbert Dollfuss, político austríaco que serviu como Chanceler da Áustria, sobre maneiras de garantir a independência da Áustria em face das reivindicações de Adolf Hitler de unificação com a Alemanha. Mussolini se encontraria com Hitler em Veneza em junho de 1934, onde falariam sobre a Áustria. Mussolini diria:[203]

Hitler é simplesmente um tolo confuso. Sua cabeça está cheia de rótulos filosóficos e políticos totalmente incoerentes. Brincou de bobo, com suas ridículas disputas eleitorais, para apoderar-se legalmente das rédeas do poder. Ou ele é revolucionário ou não é. Somos dinâmicos e o Signor Hitler é apenas um tagarela.
 
Mussolini em um encontro com Engelbert Dollfuss

Embora a propaganda apresentasse ambos como aliados, Mussolini desprezava Hitler, apesar da admiração de Hitler por ele, e seu partido até descreveu o livro de Hitler, Mein Kampf, como "enfadonho" e pensava que as ideias de Hitler eram "rudes" e "simplistas".[202] Mussolini estava interessado em que a Áustria formasse uma zona-tampão contra a Alemanha nazista. Dollfuss destacou as semelhanças entre os regimes de Hitler na Alemanha e de Stalin na União Soviética, pensando que o austrofascismo e o fascismo italiano poderiam neutralizar o nazismo e o comunismo na Europa. Em 25 de julho de 1934, Dollfuss foi assassinado por partidários nazistas austríacos. Mussolini não hesitou em atribuir o ataque a Adolf Hitler, dando a notícia pessoalmente à viúva de Dollfuss,[203] que havia sido convidada para sua villa em Riccione com os filhos. Ele também colocou à disposição de Erns Rüdiger Starhemberg, um nacionalista e político austríaco, um avião que lhe permitiu retornar a Viena.[204] Mussolini mobilizou parte do exército italiano na fronteira austríaca e ameaçou Hitler com a guerra no caso de uma invasão alemã da Áustria. Então ele anunciou:

A independência da Áustria, pela qual caiu, é um princípio que foi e será defendido pela Itália com ainda mais vigor.

Mais tarde, ele substituiu na praça principal de Bolzano a estátua de Walther von der Vogelweide, um trovador germânico, pela de Druso, um general romano que conquistou parte da Alemanha. Dollfuss era o principal aliado de Mussolini.[205] A tentativa dos nazistas austríacos de tomar o poder falhou. Anos depois, tendo a Itália como aliada, Hitler anexaria a Áustria.[206] Mussolini promoveria, em 1935, junto com o Primeiro-Ministro britânico Ramsay MacDonald, a Conferência de Stresa com o objetivo de reafirmar o Tratado de Locarno e resistir a qualquer tentativa futura da Alemanha de alterar o Tratado de Versalhes. Este tratado seria quebrado após a invasão da Abissínia pela Itália.[207]

Após o assassinato de Dollfuss, Mussolini rejeitou muito do racialismo e anti-semitismo defendido por Hitler e, em vez disso, enfatizou a "italianização" das partes do Império Italiano que ele desejava construir.[208] Ele afirmou que as idéias de eugenia e o conceito racialmente carregado de uma nação ariana não eram possíveis.[208] Mussolini rejeitou a ideia de uma raça superior como "absurda, estúpida e idiota".[209] Ao discutir o decreto nazista de que o povo alemão deveria portar um passaporte com afiliação racial ariana ou judaica marcada nele, em 1934, Mussolini se perguntou como eles designariam a adesão à "raça germânica":[210]

Mas que raça? Existe uma raça alemã? Ela já existiu? Ela existe? Realidade, mito ou engano dos teóricos? Bem, respondemos, não existe uma raça germânica...Nós repetimos. Não existe. Nós não dizemos. Cientistas dizem isso. Hitler diz isso.

Em um discurso proferido em Bari em 1934, Mussolini diria:[211][212]

Trinta séculos de história nos permitem olhar com devoção suprema para certas doutrinas que são pregadas além dos Alpes pelos descendentes dos analfabetos quando Roma teve César, Virgílio e Augusto.

Em 1936, Mussolini ordenaria a retirada do pedestal da estátua do imperador romano Nero.[213]

Na área econômica iniciou um programa de construção de obras públicas, investimentos em educação de base, propaganda fascista nas escolas, e introdução de novas técnicas de agricultura. Ao contrário do que se viu na Alemanha Nazista na década de trinta, onde houve um óbvio crescimento econômico e avanços, o governo italiano fascista de Mussolini teve que apelar para a propaganda por parte dos meios de comunicação (agora controlados pelo Estado) para dar uma ideia de modernidade e progresso, que para a população não era tão aparente assim. Em 1932, Antonio Mosconi, que estava no comando da economia desde 1928 depois de suceder Giuseppe Volpi,[214] deixou o cargo por desentendimento com Mussolini e foi substituído por Guido Jung. Nesse mesmo ano aconteceria o II Congresso de Estudos Sindicais e Corporativos de Ferrara, onde Ugo Spirito apresentaria a ideia da "corporação proprietária" que seria apoiada por Mussolini.[215] Devido à crise de 29, o Istituto per la Ricostruzione Industriale (IRI) foi criado em 1933, com ajuda de Guido Jung e Alberto Beneduce, com o objetivo de salvar os principais bancos italianos da falência. Naquele ano, Mussolini diria:[216]

Agora podemos afirmar que o modo de produção capitalista foi superado, e com ele a teoria do liberalismo econômico a que ele deve sua ilustração e apologia ... Chegamos a um momento extremamente grave da situação; a Liga das Nações perdeu tudo o que poderia ser de importância política e significado histórico ... A resolução que apresentei ontem à noite descreveu o sistema corporativo como pretendemos e desejamos criar; e também definiu suas finalidades e objetivos ... Com a criação da Milícia, defesa armada do Partido e da Revolução, e do Grande Conselho, órgão supremo da Revolução, entramos definitivamente no caminho da Revolução, depois de desferir um golpe mortal em tudo que defendia a teoria e a prática do liberalismo. Hoje também estamos enterrando o liberalismo econômico ... O corporativismo substitui o socialismo e substitui o liberalismo; estabelece uma nova síntese.

O IRI se tornaria o proprietário e operador de fato de um grande número de bancos e empresas, controlando, em janeiro de 1934, 48,5% do capital social da Itália. Em maio de 1934, enquanto o processo de aquisição de ativos bancários estava sendo desenvolvido pelo IRI, Mussolini anunciou que:[217][218][219]

Quem ainda fala em economia liberal me faz rir, rir ou chorar, ambos ao mesmo tempo. Mas três quartos da economia industrial e agrícola italiana estão nas mãos do Estado. E se eu me atrever a introduzir o capitalismo de estado ou o socialismo de estado na Itália, que é o reverso da medalha, terei as condições subjetivas e objetivas necessárias para fazê-lo.

Em 1935 instituiu controle de preços para tentar combater a inflação. Seu projeto visava transformar o país auto-suficiente, através de medidas como protecionismo comercial.[220] Guido Jung reduziria a capacidade de gastos militares de 32% para 25% e, em vez disso, aumentaria os fundos destinados à construção de grandes obras públicas. Vendo o New Deal do presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, Mussolini consideraria aquele programa uma cópia das políticas econômicas fascistas.[221]

Aliança com HitlerEditar

 
Da esquerda para direita: Chamberlain, Daladier, Hitler, Mussolini e Ciano após a assinatura do Acordo de Munique

No âmbito externo, tentou cultivar boas relações com os vizinhos europeus, mas as desavenças eram crescentes com o Reino Unido e com a França, especialmente quando o assunto era as possessões coloniais na África, porque Mussolini queria emular o Império Romano e criar um império aumentando suas posses coloniais. Assim, buscou se aproximar mais e mais da Alemanha de Adolf Hitler.[6]

 
Cabeça de Mussolini esculpida na Etiópia

Em 1935, invadiu a Abissínia - atual Etiópia (Segunda Guerra Ítalo-Etíope), perdendo assim o apoio da França e da Inglaterra, até então seus aliados políticos. Esta campanha militar fez mais de meio milhão de mortos entre os africanos, face a cerca de 5 000 baixas do lado italiano. Foram usadas armas químicas contra a população local, um facto que não foi noticiado na imprensa italiana, controlada por Mussolini. A Itália foi duramente criticada na Liga das Nações, mas Hitler, que havia removido a Alemanha da Liga em 1933, apoiou a ação de Mussolini.[202] Só então foi feito em aliança com Adolf Hitler,[202] com quem firmaria vários tratados (Hitler chegou a enviar 10 mil rifles Mauser para a Abíssinia e 10 milhões de cartuchos).[222] O imperador Haile Selassie foi forçado a fugir do país e a Itália entrou na capital, Adis Abeba, para proclamar um império em maio de 1936, tornando a Etiópia parte da África Oriental italiana.[223] Após as sanções impostas à Itália, que entrou em vigor em 18 de novembro de 1935, por sua política imperialista, o processo de obtenção da autarquia foi acelerado. Mussolini diria em 1936:[224]

18 de novembro de 1935 é agora uma data que marca o início de uma nova etapa na história italiana... A nova etapa da história italiana será dominada por este postulado: alcançar o mais rápido possível a máxima autonomia na vida econômica da nação... Portanto, a questão das matérias-primas deve ser levantada, de uma vez por todas, não nos termos em que o liberalismo se rendeu e se resignou a uma inferioridade eterna da Itália... Em vez disso, é preciso dizer: a Itália não possui certas matérias-primas, e esta é uma razão fundamental para suas necessidades coloniais... Chego agora a um ponto muito importante em meu discurso: o que chamarei de "plano mestre" da economia italiana no próximo período fascista. Este plano é dominado por uma premissa: a inevitabilidade da nação ser chamada à guerra...

Posteriormente, ele afirmaria já focando no aspecto econômico:[224]

Como eu disse em Milão em outubro de 1934, o regime fascista não pretende nacionalizar ou, pior ainda, tornar funcional toda a economia da nação; só precisa ser controlado e disciplinado por meio de corporações... as corporações são órgãos do estado, mas não apenas órgãos burocráticos do estado... Quanto à grande indústria que trabalha direta ou indiretamente para a defesa da nação e formou seu capital com subscrição de ações, e a outra indústria que se desenvolveu para se tornar capitalista ou supercapitalista, que levanta problemas que não são mais de natureza econômica mas social, ela se constituirá em grandes unidades correspondentes às chamadas indústrias-chave e adquirirá um caráter especial na órbita do Estado... Essas indústrias - por causa de seu caráter e volume e por causa de sua importância decisiva para fins de guerra - vão além dos limites da economia privada para entrar no campo da economia estatal e para-estatal. A produção que fornecem tem um único comprador: o Estado... O fascismo nunca pensou em reduzir tudo ao mais alto denominador comum do estado; isto é, ao transformar toda a economia da nação em um “monopólio estatal”: as corporações regulam e o Estado não o resume senão no setor que lhe interessa... Nesta economia com aspectos necessariamente variados... os trabalhadores tornam-se - com igualdade de direitos e deveres - empregados da empresa, bem como provedores de capital ou gerentes técnicos...

Em setembro de 1937, Mussolini fez uma visita oficial à Alemanha, onde encontrou um longo desfile de tropas, artilharia e equipamento militar. Essas demonstrações de força foram obviamente convocadas para impressionar o líder italiano, e funcionou.[202] Embora Mussolini inicialmente expressasse sua desaprovação da política racista expressa pelos nazistas,[202] a partir de 1938, ao mesmo tempo que a aliança com a Alemanha, o regime fascista introduziu o Manifesto da Raça e promulgou uma série de decretos, todos eles conhecidos como leis raciais fascistas, que introduziram disposições segregacionistas contra os judeus italianos e os súditos de cor do Império.[225] Estas foram lidas pela primeira vez em 18 de setembro de 1938 em Trieste por Mussolini da sacada da Câmara Municipal por ocasião de sua visita à cidade. Mesmo após a introdução das leis raciais fascistas, Mussolini continuou a fazer declarações contraditórias sobre raça.[125] Muitos altos funcionários do governo disseram aos representantes judeus que o anti-semitismo na Itália fascista acabaria em breve.[125] Hitler ficou desapontado com a falta de anti-semitismo de Mussolini.[226] O anti-semitismo era impopular entre os partidários fascistas; uma vez, quando um estudioso fascista protestou a Mussolini sobre o tratamento dos judeus, Mussolini disse:[227]

Concordo totalmente com você. Não acredito em nada na estúpida teoria anti-semita. Estou perseguindo minha política inteiramente por razões políticas.

Em 1938, Mussolini começou a reavaliar seu anticlericalismo. Ele às vezes se referia a si mesmo como um "descrente absoluto", e uma vez disse a seu gabinete que "o Islã talvez fosse uma religião mais eficaz do que o Cristianismo" e que "o Papado era um tumor maligno no corpo da Itália e precisava ser 'extirpado de uma vez por todas', porque não havia lugar em Roma para o Papa assim como para ele".[228] Após a anexação da Áustria à Alemanha, Mussolini pediu ao Papa Pio XI que excomungasse Hitler.[229] Por outro lado, Mussolini consideraria Josef Stalin um "criptofascista".[221]

Entre 1936 e 1939, Mussolini enviou vários destacamentos para se juntar aos falangistas de Francisco Franco durante a Guerra Civil Espanhola. Mussolini estaria presente no Acordo de Munique, onde seria decidida a transferência dos territórios da Checoslováquia para a Alemanha. Hitler diria:[230]

Meu bom amigo Benito Mussolini me pediu para atrasar as ordens de marcha do exército alemão por vinte e quatro horas e eu aceitei. Claro, isso não foi uma concessão, já que a data da invasão foi marcada para 1º de outubro de 1938.

Um acordo foi alcançado em 29 de setembro e, por volta de 1h30 de 30 de setembro de 1938,[231] Adolf Hitler, Neville Chamberlain, Benito Mussolini e Édouard Daladier assinaram o Acordo de Munique. Além de seu italiano nativo, Mussolini falava inglês, francês com sotaque, mas fluente, e alemão questionável (seu orgulho significava que ele não usava um intérprete alemão). Isso foi notável na Conferência de Munique, já que nenhum outro líder nacional falava outra coisa senão sua língua materna; Mussolini foi descrito como efetivamente o "intérprete principal" da Conferência.[232]

Ações pré-guerraEditar

 
Mussolini passando em revista a suas tropas durante a Guerra Ítalo-Etíope.

No final dos anos 1930, a obsessão de Mussolini com a demografia o levou a concluir que a Grã-Bretanha e a França haviam acabado como potências, e que a Alemanha e a Itália estavam destinadas a governar a Europa, pelo menos por causa de sua força demográfica.[233] Mussolini afirmou sua crença de que o declínio nas taxas de natalidade na França foi "absolutamente horrível" e que o Império Britânico estava condenado porque um quarto da população britânica tinha mais de 50 anos.[233] Como tal, Mussolini acreditava que uma aliança com a Alemanha era preferível um alinhamento com a Grã-Bretanha e a França, já que era melhor aliar-se aos fortes do que aos fracos.[233] Mussolini via as relações internacionais como uma luta social darwiniana entre nações "viris" com altas taxas de natalidade que estavam destinadas a destruir nações "decadentes" com baixas taxas de natalidade. Mussolini acreditava que a França era uma nação "fraca e velha" e ele não tinha interesse em uma aliança com a França.[234]

Tal era a crença de Mussolini de que o destino da Itália era governar o Mediterrâneo por causa da alta taxa de natalidade da Itália que ele negligenciou muito do planejamento e dos preparativos sérios necessários para uma guerra com as potências ocidentais.[235] Os únicos argumentos que impediram Mussolini de se alinhar completamente com Berlim foram sua consciência da fraqueza econômica e militar da Itália, o que significa que ele precisava de mais tempo para se rearmar, e seu desejo de usar os Acordos de Páscoa de abril de 1938 como uma forma de dividir a Grã-Bretanha da França.[233]

Em 30 de novembro de 1938, Mussolini convidou o embaixador francês André François-Poncet para assistir à inauguração da Câmara dos Deputados italiana, durante a qual os deputados reunidos, a seu sinal, começaram a se manifestar ruidosamente contra a França, gritando que A Itália deve anexar "Tunísia, Nice, Córsega, Sabóia!", Que foi seguida pelos deputados que marcharam nas ruas carregando cartazes.[236] O primeiro-ministro francês Édouard Daladier foi rápido em rejeitar as demandas italianas de concessões territoriais e, durante grande parte do inverno de 1938 - 1939, França e Itália estiveram à beira da guerra.[237]

Em janeiro de 1939, o primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain visitou Roma, durante a qual a visita de Mussolini soube que embora a Grã-Bretanha desejasse melhores relações com a Itália, e estivesse disposta a fazer concessões, não cortaria todos os laços com a França. para o bem de uma relação anglo-italiana melhorada.[238] Com isso, Mussolini ficou mais interessado na oferta alemã de uma aliança militar, que havia sido feita pela primeira vez em maio de 1938.[238] Em fevereiro de 1939, Mussolini fez um discurso para o Grande Conselho Fascista, durante que proclamava sua crença de que o poder de um Estado é "proporcional à sua posição marítima" e que a Itália era "prisioneira no Mediterrâneo e quanto mais populosa e poderosa a Itália se torna, mais sofrerá sua prisão. As grades desta prisão são Córsega, Tunísia, Malta, Chipre: as sentinelas nesta prisão são Gibraltar e Suez".[239]

Em 21 de março de 1939, durante uma reunião do Grande Conselho Fascista, Italo Balbo acusou Mussolini de "lamber as botas de Hitler", criticou a política externa pró-alemã do Duce por levar a Itália ao desastre e observou que a "abertura A Grã-Bretanha" ainda existia e não era inevitável que a Itália tivesse que se aliar à Alemanha.[240] Em abril de 1939, Mussolini ordenou a invasão italiana da Albânia. A Itália derrotou a Albânia em apenas cinco dias, forçando o Rei Zog a fugir e estabelecendo um período de Albânia sob a Itália.

O acordo do Eixo de 1936 com a Alemanha foi reforçado com a assinatura do Pacto de Aço em 22 de maio de 1939, que uniu a Itália fascista e a Alemanha nazista em uma aliança militar total.[241] Essa aliança, à qual o Japão se juntaria, levaria o mundo à Segunda Guerra Mundial. Hitler sugeriu a Mussolini que ele invadisse a Iugoslávia.[242] A oferta era tentadora, embora naquela época uma guerra fosse um desastre para a Itália devido à sua parca situação de armas. Quando a Segunda Guerra Mundial começou, a Itália não estava envolvida no conflito.[242] Mussolini pensaria em fazer uma campanha na imprensa "para explicar aos italianos que o bolchevismo (estava) morto e (tinha) dado lugar a uma espécie de fascismo eslavo", mas foi dissuadido por Galeazzo Ciano.[242] No entanto, quando os nazistas prenderam 183 professores da Universidade Jaguelônica em Cracóvia, Polônia, em 6 de novembro de 1939, Mussolini interveio pessoalmente, conseguindo a libertação de 101 poloneses.[243] Em 4 de dezembro de 1939, Galeazzo Ciano escreveu que:[244]

O Duce acaba de saber de um relatório sobre as atrocidades cometidas pelos nazistas na Polônia. Ele recomendou que eu encaminhasse as informações contidas naquele relatório aos jornais aliados. O mundo precisa saber desses fatos.

Na Segunda Guerra MundialEditar

 
Benito Mussolini e Adolf Hitler.

Guerra declaradaEditar

Convencido de que a guerra logo terminaria, com uma vitória alemã provavelmente à vista, Mussolini decidiu entrar na guerra do lado do Eixo. Consequentemente, a Itália declarou guerra à Grã-Bretanha e à França em 10 de junho de 1940. Mussolini via a guerra contra a Grã-Bretanha e a França como uma luta de vida ou morte entre ideologias opostas - o fascismo e as "democracias plutocráticas e reacionárias do Ocidente“ - descrevendo a guerra como "a luta dos férteis e dos jovens contra os estéreis que se movem para o pôr-do-sol; é a luta entre dois séculos e duas ideias”, e como um "desenvolvimento lógico da nossa Revolução”.[245] Em 12 de fevereiro de 1941, Francisco Franco reuniu-se com Mussolini, por instrução de Hitler, para decidir a entrada da Espanha na guerra na reunião conhecida como a Entrevista de Bordighera.[246] Em 23 de fevereiro, Mussolini declarou que eles estavam "em guerra desde 1922" sendo sua "revolução" defendida do "mundo maçônico, democrático e capitalista" e lutando contra "o liberalismo mundial, a democracia e a plutocracia", acrescentando que:[247]

Quando a guerra terminar, na revolução social mundial que seguirá uma distribuição mais justa das riquezas da terra, será necessário levar em conta os sacrifícios e a disciplina mantidos pelos trabalhadores italianos. A revolução fascista dará mais um passo decisivo para encurtar as distâncias sociais.

Mussolini disse ao Conselho de Ministros em 5 de julho que sua única preocupação era que a Alemanha pudesse derrotar a União Soviética antes que os italianos chegassem.[248]

Depois do ataque japonês a Pearl Harbor, ele declarou guerra aos Estados Unidos em 11 de dezembro de 1941. Uma evidência sobre a resposta de Mussolini ao ataque a Pearl Harbor vem do diário de seu ministro das Relações Exteriores, Galeazzo Ciano:[249]

Uma ligação noturna de Ribbentrop. Ele está muito feliz com o ataque japonês aos Estados Unidos. Ele está tão feliz com isso que estou feliz com ele, embora não tenha certeza dos benefícios finais do que aconteceu. Uma coisa agora é certa, que os Estados Unidos entrarão no conflito e que o conflito será tão longo que ele será capaz de realizar todas as suas forças potenciais. Esta manhã eu disse ao Rei que ficou satisfeito com o evento. Ele acabou admitindo que, no longo prazo, pode estar certo. Mussolini também estava feliz. Há muito que favorece um esclarecimento definitivo das relações EUA-Eixo.

Mussolini iria lutar contra os Aliados e, após várias e quase consecutivas derrotas, apesar do apoio militar alemão e sobretudo depois do desembarque aliado na Sicília, caiu em desgraça, embora nessa fase ele estivesse considerando realizar a socialização da economia.[250] Mussolini se encontraria com o embaixador japonês, Shinrokurō Hidaka, que havia esperado três semanas por uma audiência de cortesia. Hidaka ouviu Mussolini solicitar que o primeiro-ministro japonês, general Hideki Tōjō, contatasse Hitler e o convencesse a chegar a um acordo com Stalin,[251] caso contrário, a Itália seria vista saindo da aliança. Mussolini seria derrubado e preso em 25 de julho de 1943, sendo substituído por Pietro Badoglio.[252] Naquela época, o descontentamento com Mussolini era tão intenso que, quando a notícia de sua queda foi anunciada no rádio, não houve resistência de qualquer espécie. As pessoas se alegraram porque acreditavam que o fim de Mussolini também significava o fim da guerra.[253]

 
Mussolini resgatado por tropas alemãs de sua prisão em Campo Imperatore no Gran Sasso em 12 de setembro de 1943.

Foi libertado pelos pára-quedistas SS alemães do hotel/prisão no Gran Sasso em 12 de setembro de 1943 em ação de resgate chamada de Operação Carvalho liderada por Otto Skorzeny, conhecida como Operação Eiche (Carvalho).[254]

Depois da queda do poder em 1943, Mussolini começou a falar "mais sobre Deus e as obrigações da consciência", embora "ainda tivesse pouco uso dos sacerdotes e dos sacramentos da Igreja".[255] Ele também começou a traçar paralelos entre ele e Jesus Cristo.[255] A viúva de Mussolini, Rachele, afirmou que seu marido permaneceu "basicamente irreligioso até os últimos anos de sua vida".[256]

O resgate salvou Mussolini de ser entregue aos Aliados de acordo com o armistício.[257]

República Social ItalianaEditar

Três dias após seu resgate, Mussolini foi levado à Alemanha para um encontro com Hitler em Rastenburg, em seu quartel-general na Prússia Oriental. Apesar das profissões públicas de apoio, Hitler estava claramente chocado com a aparência desleixada e abatida de Mussolini, bem como sua relutância em ir atrás dos homens em Roma que o derrubaram. Mussolini concordou em estabelecer um novo regime, a República Social Italiana.[257] Mussolini procurou Nicola Bombacci, um dos fundadores do Partido Comunista Italiano, para ajudá-lo a espalhar a ideia de que o fascismo era um movimento progressista.[258] Mussolini considerou a ideia de chamar sua nova república de "República Socialista Italiana".[259] Em 13 de setembro de 1943, o Partido Republicano Fascista seria estabelecido como o sucessor do Partido Nacional Fascista. Estimulado por Mussolini, o Partido Republicano Fascista assume posições populistas e lança ataques ao capitalismo.

Em 18 de setembro, Mussolini anunciou a formação do República Social Italiana:[260]

O Estado que queremos estabelecer será nacional e social no sentido mais amplo da palavra: isto é, será fascista no sentido de nossas origens. Enquanto esperamos que o movimento se desenvolva até que se torne irresistível, nossos postulados são os seguintes:

1. Pegar em armas com a Alemanha, Japão e outros aliados: só o sangue pode apagar uma página tão vergonhosa da história do país;

2. Preparar, sem demora, a reorganização de nossas Forças Armadas em torno das formações de Milícias; somente aqueles que são animados pela fé e lutam por uma idéia não medem a magnitude do sacrifício;

3. Eliminar os traidores e em particular aqueles que, até às 21h30 do dia 25 de julho, foram militantes, por vezes durante vários anos, nas fileiras do partido e passaram para as fileiras do inimigo;

4. Aniquilar as plutocracias parasitas e finalmente fazer funcionar a questão da economia e da base inabalável do Estado.

A República Social Italiana (RSI) foi proclamada em 23 de setembro, com Mussolini como chefe de estado e primeiro-ministro.[261][262] O RSI reivindicou Roma como sua capital, mas a capital de fato tornou-se a pequena cidade de Salò no Lago Garda, a meio caminho entre Milão e Veneza, onde Mussolini residia.[263] No dia 27 de outubro, Mussolini anunciou "a preparação da Grande Assembleia Constituinte, que lançará as bases sólidas da República Social Italiana". Mussolini, junto com Nicola Bombacci e outros apoiadores, com base nas idéias de Ugo Spirito,[264] Ivanovyč Nestor Machno, no socialismo fabiano e no distribucionismo geseliano, prepararia o Manifesto de Verona que foi aprovado em 14 de novembro de 1943. O preâmbulo indica a "continuação da guerra junto com a Alemanha e o Japão até a vitória final".[265] O Manifesto de Verona estabeleceu:[266]

Qualificação dos pertencentes à "raça hebraica" em general como estrangeiros e, durante a guerra, inimigos.

Além de:

Identificação dos confins da República Social Italiana com aqueles alpinos e marítimos naturais, pelo jus sanguinis, pela história e ameaçados pelos governos refugiados em Londres; necessidade de agir pelo reconhecimento por parte da Europa que a Itália tinha necessidade de seu espaço vital; fundação de uma Comunidade Europeia baseada sobre os princípios: eliminação da influência britânica nos Estados europeus; abolição do "sistema capitalista interno" e luta contra as plutocracias (Reino Unido, EUA); valorização, em benefício dos europeus e dos povos autoctonos, e dos recursos naturais da Africa, com "respeito absoluto" de seus aborígenes, sobretudo aqueles muçulmanos.

E a:

Equiparação do interesse do indivíduo à coletividade na economia, e portanto ao Estado. Os serviços públicos e a indústria bélica deveriam ser gerenciadas pela RSI.

Estabelecendo a "socialização da economia":

Colaboração mútua no interior de todas empresas entre técnicos e operários para uma equânime repartição das vantagens adquiridas com a produção, fixação equânime dos salários; participação das vantagens adquiridas mesmo por parte dos operários.

Mussolini concebeu a República Social Italiana como uma "Itália sem Mussolini" que "a restauração monárquica e capitalista" não poderia reverter devido ao processo de socialização da economia que pretendia legar "uma economia socializada à Itália do pós-guerra".[267] O processo de socialização seria visto com preocupação pelos industriais,[268] tanto italianos quanto alemães, e considerado uma farsa por parte dos trabalhadores.[269] A implementação total do processo de socialização estava prevista para 25 de abril de 1945, porém, após derrotar o fascismo, os membros do Comitê de Libertação Nacional cancelariam o projeto.[270]

A República Social Italiana se tornaria um protetorado da Alemanha nazista. A caça aos judeus começaria em território italiano, sendo recompensada com dinheiro.[271] Em dezembro de 1943, Mussolini fez uma confissão ao jornalista e político Bruno Spampanato, indicando que lamentava o "Manifesto da Raça":[272]

O Manifesto Racial poderia ter sido evitado. Foi a abstrusão científica de alguns professores e jornalistas, um ensaio alemão meticuloso traduzido para o italiano ruim. Está longe do que eu disse, escrevi e assinei sobre o assunto. Sugiro que consulte as edições antigas do Il Popolo d'Italia. Por esse motivo, estou longe de aceitar o mito de Rosenberg
 
Mussolini inspecionando fortificações, 1944

Mussolini se opôs a qualquer redução territorial do estado italiano e disse a seus associados:[273]

Não estou aqui para abrir mão de nem mesmo um metro quadrado de território estadual. Voltaremos à guerra por isso. E vamos nos rebelar contra qualquer um por isso. Onde a bandeira italiana estava hasteada, a bandeira italiana retornará. E onde não foi baixado, agora que estou aqui, ninguém vai baixá-lo. Eu disse essas coisas ao Führer.

Por cerca de um ano e meio, Mussolini viveu em Gargnano, no Lago Garda, na Lombardia. Embora ele insistisse publicamente que estava no controle total, ele sabia que era simplesmente um governante fantoche sob a proteção dos alemães.[262] Na verdade, ele vivia sob o que equivalia a uma prisão domiciliar pela SS, que restringia suas comunicações e viagens. Ele disse a um de seus colegas que ser mandado para um campo de concentração era preferível a ser um fantoche.[274]

Depois de ceder à pressão de Hitler, Mussolini ajudou a orquestrar uma série de execuções de alguns dos líderes fascistas que o traíram na última reunião do Grande Conselho Fascista. Um dos executados foi seu genro, Galeazzo Ciano. Como Chefe de Estado e Ministro das Relações Exteriores da República Social Italiana, Mussolini usou muito de seu tempo para escrever suas memórias. Junto com seus escritos autobiográficos de 1928, esses escritos seriam combinados e publicados pela Da Capo Press como My Rise and Fall. Mussolini se encontraria com Adolf Hitler após o atentado que este sofreu em 20 de julho de 1944.[275]

Em uma entrevista de janeiro de 1945 por Madeleine Mollier, alguns meses antes de ser capturado e executado por antifascistas italianos, ele afirmou enfaticamente: "Sete anos atrás, eu era uma pessoa interessante. Agora, sou pouco mais que um cadáver". Ele continuou:[276]

Sim senhora, terminei. Minha estrela caiu. Eu não tenho mais luta. Trabalho e tento, mas sei que tudo não passa de uma farsa ... Espero o fim da tragédia e, estranhamente desligada de tudo, não me sinto mais ator. Sinto que sou o último dos espectadores.

MorteEditar

 Ver artigo principal: Morte de Benito Mussolini
 
Da esquerda para a direita, os corpos de Bombacci, Mussolini, Petacci, Pavolini e Starace na Piazza Loreto, 1945.

No dia 20 de abril, Mussolini daria sua última entrevista a Gian Gaetano Cabella, onde falaria sobre um projeto de "socialização mundial", e no dia 22 de abril corrigiria alguns aspectos dessa entrevista.[277] Mussolini foi preso pelos guerrilheiros da Resistência italiana, que o mataram a 28 de abril de 1945, juntamente com a sua companheira, Clara Petacci – que embora pudesse fugir, preferiu permanecer ao lado do Duce até o fim. As últimas palavras de Mussolini – em óbvia deferência à sua personalidade egocêntrica – foram:

Atirem aqui, (disse ele apontando para o peito) Não destruam meu perfil.

O seu corpo e o de Clara Petacci ficaram expostos à execração pública durante vários dias, pendurados pelos pés, na Piazza Loreto em Milão. Encontra-se sepultado no Túmulo da Família Mussolini em Predappio, na Emília-Romanha, localidade onde nasceu;[278] o seu mausoléu é visitado pelos turistas, e é local de peregrinação dos neo-fascistas italianos. Em abril de 2009, o município baniu a venda de recordações fascistas.[279]

Em seu testamento, Mussolini diria:[280]

Ninguém que seja um verdadeiro italiano, seja qual for sua fé política, se desesperará no futuro. Os recursos do nosso povo são imensos... Depois da derrota, eles me cobrirão furiosamente com saliva, mas depois serei purificado com veneração. Então sorrirei, porque meu povo estará em paz consigo mesmo... Os trabalhadores são infinitamente superiores a todos os falsos profetas que afirmam representá-los... Por isso fui e sou socialista! A alegação de inconsistência é infundada. Minha conduta sempre foi correta no sentido de olhar a substância das coisas e não a forma... Como a evolução da sociedade refutou muitas das profecias de Marx, o verdadeiro socialismo retrocedeu do possível para o provável... O único socialismo que pode ser implementado socialista é o corporativismo, ponto de confluência, equilíbrio e justiça de interesses em relação ao interesse coletivo... Vinte anos de fascismo, ninguém será capaz de apagá-los da história da Itália. Não tenho ilusões sobre meu destino. Eles não vão me julgar, porque sabem que se fosse acusado eu me tornaria um acusador público. Eles provavelmente vão me matar e depois dizer que cometi suicídio por remorso. Aqueles que temem a morte nunca viveram, e eu vivi muito. A vida é apenas uma seção de conjunção entre duas eternidades: o passado e o futuro. Enquanto minha estrela brilhasse, eu era o suficiente para todos; Agora que acabou, nem tudo seria o suficiente para mim. Irei para onde o destino me quiser, porque fiz o que o destino mandou...

Mussolini receberia um funeral católico em 1957.[281] As últimas horas de vida de Mussolini foram vasculhadas por um tribunal do júri de Pádua, em maio de 1957. Mas o processo não esclareceu as circunstâncias da morte. Até hoje não se sabe, de fato, quem disparou os tiros mortais. O pesquisador Renzo de Felice suspeita que o serviço secreto britânico tenha tramado a captura junto com os partigiani.

Michele Moretti, último sobrevivente do grupo de antifascistas que matou o ditador, morreu em 1995, aos 86 anos em Como (norte da Itália). Moretti, que na época da guerrilha usava o codinome "Pietro", levou para o túmulo o segredo sobre quem realmente disparou contra Mussolini e sua amante. Alguns historiadores italianos afirmam que o próprio Moretti matou os dois. Para outros, o autor dos disparos, feitos com a metralhadora de "Pietro", foi outro partigiano, chamado Walter Audisio. É certo, porém, que a ação foi obra da Resistência italiana.

LegadoEditar

Sobreviveram a Mussolini: sua esposa, Rachele Mussolini, dois filhos, Vittorio e Romano Mussolini, e as filhas Edda, a viúva do Conde Ciano, e Anna Maria. Um terceiro filho, Bruno, faleceu em um acidente aéreo enquanto voava em um bombardeiro P108 em uma missão de teste, em 7 de agosto de 1941.[282] Seu filho mais velho, Benito Albino Mussolini, de seu casamento com Ida Dalser, recebeu ordens para que parasse de declarar que Mussolini era seu pai e em 1935 foi internado à força em um asilo, em Milão, onde foi assassinado em 26 de agosto de 1942, após repetidos coma induzidos por injeções.[88] A irmã da atriz Sophia Loren, Anna Maria Scicolone, foi casada com Romano Mussolini, filho de Mussolini. A neta de Mussolini, Alessandra Mussolini, era membro do Parlamento Europeu pelo partido de extrema-direita Alternativa Sociale, e atualmente atua na Câmara dos Deputados como membro do O Povo da Liberdade.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Rachele Mussolini (1974) p. 131
  2. Greenspan, Jesse (18 de outubro de 2018). «9 Things You May Not Know About Mussolini - HISTORY». web.archive.org. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  3. Image Description: Propaganda poster of Benito Mussolini, with caption "His Excellency Benito Mussolini, Head of Government, Leader of Fascism, and Founder of the Empire...".
  4. «BBC - History - Historic Figures: Benito Mussolini (1883-1945)». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2020 
  5. a b c «"The Political and Social Doctrine of Fascism", first authorized translation into English by Jane Soames» (PDF) 
  6. a b c Brenda Haugen (2007). Benito Mussolini: Fascist Italian Dictator. [S.l.]: Compass Point Books. ISBN 978-0-7565-1988-9 
  7. Hakim, Joy (1995). A History of Us: War, Peace and all that Jazz. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-509514-6 
  8. Cf. La storia della bonifica pontina
  9. Warwick Palmer, Alan (1996). Who's Who in World Politics: From 1860 to the Present Day. [S.l.]: Routledge. ISBN 0415131618 
  10. a b c d Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 3
  11. a b «Benito Mussolini». Grolier.com. 8 de janeiro de 2008 
  12. a b Living History 2; Chapter 2: Italy under Fascism - ISBN 1-84536-028-1
  13. a b c «Benito Mussolini». HistoryLearningSite.co.uk. 8 de janeiro de 2008 
  14. Smith, D. M. (1982) Mussolini. p. 1
  15. De Giorgi, V. (2004). Mussolini. Glorie e disonori del primo Novecento italiano. p. 22
  16. De Giorgi, V. (2004). Mussolini. Glorie e disonori del primo Novecento italiano. p. 21
  17. Smith, D. M. (1982) Mussolini. p. 2 – 3
  18. De Giorgi, V. (2004). Mussolini. Glorie e disonori del primo Novecento italiano. p. 24
  19. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 29
  20. a b Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 31
  21. De Giorgi, V. (2004). Mussolini. Glorie e disonori del primo Novecento italiano. p. 25
  22. lfassio Grimaldi, La cattedra che Mussolini non ebbe, in «Storia Illustrata» n. 271 giugno 1980, p. 6.
  23. Fasanotti, Pier Mario (27 de fevereiro de 2017). Tra il Po, il monte e la marina: I romagnoli da Artusi a Fellini (em italiano). [S.l.]: Neri Pozza Editore. p. 139 
  24. Muller, Jan-Werner (2011). Contesting Democracy: Political Ideas in Twentieth-Century Europe (em inglês). [S.l.]: Yale University Press 
  25. Delzell, Charles F. (1971). Mediterranean Fascism, 1919-1945 (em inglês). [S.l.]: Harper & Row. p. 96 
  26. Mussolini, B. Opera Omnia, vol. 1. p. 9-10.
  27. Haugen, Brenda (2007). Benito Mussolini. [S.l.]: Compass Point Books. ISBN 9780756518929 
  28. Mussolini, B. Oppera Onmia, vol. 1. p. 57
  29. Greenspan, Jesse (18 de outubro de 2018). «9 Things You May Not Know About Mussolini - HISTORY». web.archive.org. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  30. Smith, D. M. (1982) Mussolini, p. 8
  31. Balabanoff, Angelica. My Life. p. 50
  32. «"Mussolini: il duce"». ThinkQuest.org. 24 de outubro de 2009 
  33. «Monografie Verbanesi, Volumi & Opuscoli». web.archive.org. 12 de maio de 2016. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  34. Gunther, John (1919). Inside Europe. [S.l.: s.n.] p. 237 
  35. Mussolini, B. La mia vita, p. 136.
  36. Smith, D. M. (1982) Mussolini, p. 12
  37. D.M. Smith 1982, p. 12
  38. «Nel 1908, Benito Mussolini in Riviera. Il racconto del lettore Pierluigi Casalino». Sanremonews.it (em italiano). 27 de março de 2015. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  39. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 49
  40. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 57.
  41. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 74 - 75.
  42. «Tragic story of Mussolini's wife made into film». The Guardian. 17 de março de 2007 
  43. Smith, D. M. (1982) Mussolini, p. 15
  44. Mambelli, A. (1938) Archimede Montanelli nella vita e nell'arte. Un maestro del Duce, Forlì: Valbonesi
  45. «El violín de Mussolini». El violín de Mussolini (em inglês). 29 de julho de 2002. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  46. Taken from WorldCat's entry for this book's title.
  47. Mussolini, Benito. «Il Trentino veduto da un socialista» 
  48. Sarfatti, M. The Life of Benito Mussolini. p. 156
  49. Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, bottom of page 3
  50. a b c d Muravchik, Joshua (2 de abril de 2019). Heaven on Earth: The Rise, Fall, and Afterlife of Socialism (em inglês). [S.l.]: Encounter Books 
  51. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 126-7.
  52. V.I. Lenin, Collected Works, vol. 18, April 1912 - March 1913 (Moscow: Progress Publishers), p. 172
  53. a b c d e Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 4
  54. Gallo, Max (10 de outubro de 2019). Mussolini's Italy: Twenty Years of the Fascist Era (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  55. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 135
  56. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press.
  57. a b «L'Utopia di Mussolini - Il Sole 24 ORE». web.archive.org. 26 de novembro de 2020. Consultado em 26 de novembro de 2020 
  58. David Ramsey Steele, “The Mystery of Fascism,” Liberty, Vol. 15, no. 11, Nov. 2001.
  59. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 190
  60. «Ancona 1914: sconfitto il riformismo italiano | Avanti!». web.archive.org. 19 de setembro de 2016. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  61. Ernst Nolte,Three Faces of Fascism: Action Française, Italian Fascism, National Socialism, Translated from the German by Lelia Vennewitz, Holt, Rinehart and Winston, (1966) p. 154
  62. a b c «Mussolini e la settimana rossa». alfonsinemonamour.racine.ra.it. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  63. Renzo De Felice, Mussolini il rivoluzionario, 1883-1920, Collana Biblioteca di cultura storica, Einaudi, Torino, 1965.
  64. a b Finaldi, G. (2014) Mussolini and Italian Fascism, New York and London, Routledge. p. 24
  65. Stanley G. Payne, A History of Fascism, 1914-1945, University of Wisconsin Press, 1995, p. 84
  66. Tucker, Spencer (2005). Encyclopedia of World War I: a political, social, and military history. Santa Barbara, California: ABC-CLIO. p. 1001
  67. Leo Valiani, Il partito socialista italiano nel periodo della neutralità 1914-1915, Milano, 1963, p. 8.
  68. Renzo De Felice, Mussolini il rivoluzionario. p. 274-275 e 286-287.
  69. Emil Ludwig. Nine Etched from Life. Ayer Company Publishers, 1934 (original), 1969. p. 321.
  70. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 189
  71. a b Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 191
  72. Sternhell, Zeev; Sznajder, Mario; Ashéri, Maia (1994). The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press 
  73. Antonio Spinola, Mussolini. Il fascino di un dittatore, Mondadori, Milano, 1989
  74. a b Smith, D. M. (1997) Modern Italy; A Political History. Ann Arbor: The University of Michigan Press. p. 284.
  75. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 200
  76. Discorso del 24 novembre 1914
  77. Mediterranean Fascism 1919-1945 Edited by Charles F. Delzel, Harper Rowe 1970, page 6
  78. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 191 - 192
  79. Discorso pronunciato a Genova nel salone dell'Università Popolare il 28 dicembre 1914
  80. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 192
  81. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 193
  82. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 195
  83. Mussolini, B. (2006). My Autobiography with The Political and Social Doctrine of Fascism (em inglês). Mineloa, NY: Dover Publication Inc. p. 227
  84. McIntosh, M. A. (26 de outubro de 2020). «Fin De Siècle and the Rise of Fascism». Brewminate (em inglês). Consultado em 23 de novembro de 2020 
  85. a b O'Brien, Paul. Mussolini in the First World War: The Journalist, The Soldier, The Fascist.
  86. Gregor, A. (1979) Young Mussolini and the intellectual origins of fascism. Berkeley and Los Angeles, California, US; London, England, UK: University of California Press. p. 196
  87. Rachele Mussolini (1974) p. 129
  88. a b Owen, Richard (13 de janeiro de 2005). «Power-mad Mussolini sacrificed wife and son». Times Online. Consultado em 14 de maio de 2009 
  89. Peter York. Dictator Style. [S.l.]: Chronicle Books, San Francisco (2006), ISBN 0-8118-5314-4. pp. 17–18 
  90. Renzo De Felice, Mussolini il Rivoluzionario cit., p. 321 - 322.
  91. a b Mussolini: A Study In Power, Ivone Kirkpatrick, Hawthorne Books, 1964. ISBN 0-837-18400-2
  92. R. de Felice, Mussolini il rivoluzionario. p. 353
  93. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario. p. 405 - 406, 687 e 734.
  94. Documentos revelam que Mussolini espionou para a Grã-Bretanha, por Georgina Cooper. O Globo, 14 de outubro de 2009.
  95. Peter Neville (2004) Mussolini, Oxon, England, UK; New York: NY, Routledge, p. 36
  96. O'Brien, Paul (4 de março de 2014). Mussolini in the First World War: The Journalist, the Soldier, the Fascist (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing 
  97. a b Gentile, E. (21 de março de 2019). Mussolini contra Lenin (em espanhol). [S.l.]: Alianza Editorial 
  98. Seymour, Richard (2017). Corbyn: The strange rebirth of radical politics. London and New York: Verso 
  99. a b Zimmerman, Joshua D. (2005). Jews in Italy Under Fascist and Nazi Rule, 1922–1945. Cambridge University Press. p. 62.
  100. Vivarelli, R. (2012) Storia delle origini del fascismo, volume I, Il. Mulino. p. 360
  101. Vivarelli, R. (2012) Storia delle origini del fascismo, volume I, Il. Mulino. p. 362
  102. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario. p. 504.
  103. Programma di San Sepolcro, pubblicato su "Il Popolo d'Italia" del 24 marzo 1919
  104. O.O., vol. XIV, p. 88, 102-133
  105. Giordano Bruno Guerri (1995) Fascisti. Milano: Le Scie Mondadori. p. 70
  106. O.O., vol. XVIII, p. 201
  107. Smith, D. M. (1981) Mussolini. p. 65
  108. O.O., vol. XIII, p. 231.
  109. O.O., vol. XIII, p. 26 e 252.
  110. R. De Felice, Breve storia del fascismo, Mondadori, Cles, 2009, p. 9-10
  111. Paolo Buchignani (2006) La rivoluzione in camicia nera, Milano: Le Scie Mondadori. p. 105 - 106
  112. «Il manifesto dei fasci di combattimento». web.tiscalinet.it. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  113. Leandro Castellani (1969) L'impresa di Fiume, su Storia illustrata n° 142. p. 36
  114. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario. p. 531
  115. Carteggio Arnaldo-Benito Mussolini, p. 223-224 (16 settembre 1919).
  116. a b Smith, D. M. (1983) Mussolini, New York, NY, Vintage Books. p. 38
  117. a b Smith, D. M. (1959) Modern Italy: A Political History. p. 324
  118. Smith, D. M. (1979) Modern Italy: A Political History, University of Michigan Press. p. 284 e 297
  119. Clark, M. (2014) Mussolini (Profiles in Power), Routledge. p. 44
  120. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 573 - 577.
  121. R. De Felice, Mussolini il rivoluzionario, p. 592 e 658 - 659
  122. Discorso di Cremona, 7 settembre 1920
  123. Parlato, Giuseppe (2000). La sinistra fascista. Bologna: Il Mulino. p. 88
  124. Gentile, E. (1 de setembro de 2014). E fu subito regime: Il fascismo e la marcia su Roma (em italiano). [S.l.]: Gius.Laterza & Figli Spa 
  125. a b c d Zimmerman, Joshua D. (2005). Jews in Italy Under Fascist and Nazi Rule, 1922–1945. Cambridge University Press. p. 160
  126. Zimmerman, Joshua D. (2005). Jews in Italy Under Fascist and Nazi Rule, 1922–1945. Cambridge University Press. p. 26–27
  127. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 64.
  128. Ernst Nolte, The Three Faces of Fascism: Action Française, Italian Fascism, National Socialism, Henry Holt & Company, Inc.; first edition, 1966, p. 154
  129. Discorso alla Camera, 21 giugno 1921
  130. Ernst Nolte, The Three Faces of Fascism: Action Française, Italian Fascism, National Socialism, Henry Holt & Company, Inc.; first edition, 1966, p. 203
  131. Ernst Nolte, The Three Faces of Fascism: Action Française, Italian Fascism, National Socialism, Henry Holt & Company, Inc.; first edition, 1966, p. 206
  132. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 111 e 138.
  133. Stanley G. Payne (1995) A History of Fascism, 1914-1945. University of Wisconsin Press. p. 99
  134. Charles F. Delzell, edit., Mediterranean Fascism 1919-1945, New York, NY, Walker and Company, 1971, p. 26
  135. Stanley G. Payne (1995) A History of Fascism, 1914-1945.University of Wisconsin Press. p. 100
  136. Discorso all'Augusteo di Roma, 7 novembre 1921
  137. Joel Krieger, ed., The Oxford Companion to Comparative Politics, Oxford University Press, 2012, p. 120
  138. O.O., vol. XVI, p. 241 e 297
  139. Amendola, Una battaglia, p. 186.
  140. Nitti, Rivelazioni, p. 346-7
  141. Discorso in Urdine de 22 settembre 1922
  142. Sassoon, Donald (2009). Mussolini e a ascensão do fascismo. Rio de Janeiro: Agir. 200 páginas. ISBN 978-85-220-0806-3 
  143. R. de Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 325.
  144. Lyttelton, Adrian (2009). The Seizure of Power: Fascism in Italy, 1919–1929. New York: Routledge.. p. 75–77.
  145. Carsten (1982) The Rise of Fascism. p.76
  146. Discorso alla Camera, 16 novembre 1922
  147. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 481
  148. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 524 e 535.
  149. Scotti, Italo. «II fascismo e la Camera dei deputati: I. - La Costituente fascista (1922-1928)» (PDF) 
  150. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 561-562.
  151. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 557-570.
  152. a b «PMLI Corporativismo e sciopero sotto Mussolini. Il patto di Palazzo Chigi. La Carta del lavoro. Ordine del giorno del Gran Consiglio sul problema dello sciopero». web.archive.org. 25 de novembro de 2020. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  153. «§ 10.2.1 - R.D. 30 dicembre 1923, n. 2841. Riforma della legge 17 luglio 1890, n. 6972, sulle istituzioni pubbliche di assistenza e beneficenza.». web.archive.org. 14 de julho de 2014. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  154. «When the Soviet Union Entered World Politics». publishing.cdlib.org. Consultado em 26 de novembro de 2020 
  155. «Il riconoscimento della Russia sovietica - Prassi Italiana di Diritto Internazionale». web.archive.org. 13 de dezembro de 2014. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  156. Patel, Dhirubhai (3 de junho de 2020). Benito Mussolini: Former Prime Minister of Italy (em inglês). [S.l.]: Lulu Press, Inc 
  157. Alessandro Visani (2004) La conquista della maggioranza, Mussolini, il PNF e le elezioni del 1924, Fratelli Frilli Editori. p. 134 -143
  158. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 406-407, 440-444, 481, 584.
  159. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 563
  160. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 622.
  161. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 646
  162. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 703.
  163. R. De Felice, Mussolini il fascista - La conquista del potere, p. 705
  164. Discorso sul delitto Matteotti, 3 gennaio 1925
  165. Douglas J. Forsyth (2002) The Crisis of Liberal Italy, Cambridge University Press. p. 75
  166. Forsyth, The Crisis of Liberal Italy, p. 272
  167. Nicholas Farrell (2004) Mussolini: A New Life, Phoenix. p. 185
  168. William G. Welk, Fascist economy policy; an analysis of Italy's economic experiment, Harvard University Press, 1938. p. 163
  169. a b Patricia Knight (2003) Mussolini and Fascism. Routledge. p. 64
  170. Farrell, Mussolini, p. 186
  171. «Com'era grigio il velluto del Gran Consiglio | Europa Quotidiano». web.archive.org. 17 de fevereiro de 2018. Consultado em 29 de novembro de 2020 
  172. R. De Felice, Mussolini il fascista - L'organizzazione dello Stato fascista, p. 130.
  173. «Benito Mussolini | The Holocaust Encyclopedia». web.archive.org. 30 de abril de 2020. Consultado em 29 de novembro de 2020 
  174. The Times, Thursday, 8 April 1926; p. 12; Issue 44240; column A
  175. «FATHER INSPIRED ZAMBONI.; But Parent of Mussolini's Assailant Long Ago Gave Up Anarchism. BLOOD SHED IN RIOTS THROUGHOUT ITALY - The New York Times». web.archive.org. 25 de fevereiro de 2019. Consultado em 29 de novembro de 2020 
  176. «THE CABINET: Italy's Debt - TIME». web.archive.org. 7 de março de 2012. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  177. «Ratified - TIME». web.archive.org. 11 de março de 2016. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  178. «ITALY: Back on Gold - TIME». web.archive.org. 23 de dezembro de 2015. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  179. «The Economy in Fascist Italy - History Learning Site». web.archive.org. 5 de novembro de 2020. Consultado em 29 de novembro de 2020 
  180. Blamires, Cyprian & Jackson, Paul (2006) World Fascism: A Historical Encyclopedia: Volume 1, p. 629
  181. James Strachey Barnes, Universal Aspects of Fascism, Williams and Norgate, London: UK, 1929, p. 113-114.
  182. «Il Tribunale Speciale». www.storiaxxisecolo.it. Consultado em 29 de novembro de 2020 
  183. Belmonte, Dres Juan O. Pons Y. N. Florencia Pons (2011). «Carta del Lavoro" (1927)» 
  184. Discorso al Congresso Nazionale dei Sindacati Fascisti in Roma, 7 maggio 1928.
  185. Arrigo Petacco (2004) L'uomo della provvidenza: Mussolini, ascesa e caduta di un mito, Milano, Mondadori. p. 190
  186. The Mafia and Politics Arquivado em 4 de janeiro de 2009 no Wayback Machine., por Judith Chubb, Cornell Studies in International Affairs, Occasional Papers No. 23, 1989
  187. Dickie, John (2007). Cosa Nostra: A History of the Sicilian Mafia, Hodder. ISBN 978-0-340-93526-2
  188. Roberts, Jeremy (2006). Benito Mussolini. Minneapolis, MN: Twenty-First Century Books, p. 60.
  189. a b c d e f Smith, D. M. (1982) Mussolini. p. 162 – 163
  190. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Benito Mussolini". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de abril de 2015 
  191. Konrad Jarausch (2015) Out of Ashes: A new history of Europe in the 20th century
  192. a b c Sullivan, Barry "More than meets the eye: the Ethiopian War and the Origins of the Second World War" p. 178–203 from The Origins of the Second World War Reconsidered A.J.P. Taylor and the Historians, London: Routledge, 1999 p. 193.
  193. Fattorini, Emma (2011). Hitler, Mussolini and the Vatican: Pope Pius XI and the speech that was never made ([English edition] ed.). Cambridge: Polity Press. p. 11
  194. Christopher Hibbert (1975) Benito Mussolini. p. 99
  195. «Regio Esercito - MVSN - Riconquista della Libia 1923-1931». www.regioesercito.it. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  196. Duggan, Christopher (2007). The Force of Destiny: A History of Italy Since 1796. New York: Houghton Mifflin. p. 497.
  197. Gerwarth, Robert; Manela, Erez (3 de julho de 2014). Empires at War: 1911-1923 (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford 
  198. Arielli, Nir (2010). Fascist Italy and the Middle East, 1933–40. Palgrave Macmillan. p. 92–99.
  199. Discorso pronunciato a Tripoli il 18 marzo 1937
  200. Kaplan, 2005, p. 154
  201. Albrecht-Carrie, Rene; Jarausch, Konrad Hugo (1967)."The Four Power Pact, 1933". The American Historical Review . 72 (2): 571
  202. a b c d e f «Hitler and Mussolini». Nazi Germany (em inglês). 1 de junho de 2012. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  203. a b Hamilton, Andrew (30 de novembro de 2020). «When Mussolini Scorned Hitler». web.archive.org. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  204. Richard Lamb (1997) Mussolini and the British. p. 149
  205. «Engelbert Dollfuss | chancellor of Austria». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  206. «L'ASSASSINIO DI DOLLFUSS E LA SORTE DELL'AUSTRIA - Lettere al Corriere della Sera». www.corriere.it. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  207. «11-14 April 1935. The Stresa Front to stop Adolf Hitler. | Beyond Thirty-Nine». web.archive.org. 4 de julho de 2016. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  208. a b Cannistraro, P.V. (April 1972). "Mussolini's Cultural Revolution: Fascist or Nationalist?". Journal of Contemporary History. 7 (3): 115–39.
  209. Christopher Hibbert (1975) Benito Mussolini. p. 98
  210. Gillette, Aaron (14 de janeiro de 2004). Racial Theories in Fascist Italy (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  211. Affairs, Institute of Jewish (1943). Hitler's Ten-year War on the Jews (em inglês). [S.l.]: Institute of Jewish Affairs of the American Jewish Congress, World Jewish congress 
  212. «Il Duce- discorso contro razzismo tedesco/speach against against racism» 
  213. Nash, Ernest (1961) Pictorial Dictionary of Ancient Rome, Volume 1. New York: Frederick A. Praeger. p 268
  214. «ITALY: Volpi Out - TIME». web.archive.org. 19 de março de 2013. Consultado em 24 de dezembro de 2020 
  215. Spirito, Ugo (1977). Memorie di un incosciente. Milano: Rusconi. p. 190
  216. Discorso al Consiglio Nazionale delle Corporazioni a Roma, 14 novembre 1933
  217. James, Harold; O’Rourke, Kevin (2011). «Quaderni di Storia Economica. Italy and the First Age of Globalization, 1861-1940» (PDF). Banca d’Italia 
  218. The Oxford Handbook of the Italian Economy Since Unification (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 7 de março de 2013 
  219. Giordano, Francesco (2007). Storia del sistema bancario italiano (em italiano). [S.l.]: Donzelli 
  220. William G. Welk, Fascist economy policy; an analysis of Italy's economic experiment, Harvard University Press, 1938. p. 172
  221. a b Stanley G. Payne, A History of Fascism, 1914-1945, University of Wisconsin Press, 1995, p. 230
  222. A History of Early Twentieth Century Etiópia.
  223. «Ethiopia 1935-36: mustard gas and attacks on the Red Cross». web.archive.org. 1 de dezembro de 2006. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  224. a b Discorso in Campidoglio all'Assemblea Nazionale delle Corporazioni sul piano regolatore della nuova economia italiana, 23 marzo 1936
  225. Davide Rodogno (2006). Fascism's European Empire: Italian Occupation During the Second World War. Cambridge University Press. p. 65.
  226. Christopher Hibbert (1975) Benito Mussolini. p. 87
  227. Christopher Hibbert (1975) Benito Mussolini. p. 110
  228. Smith, D. M. (1982) Mussolini. p. 222 – 223
  229. «BBC NEWS | Europe | Il Duce 'sought Hitler ban'». web.archive.org. 23 de abril de 2020. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  230. Santi Corvaja, Robert L. Miller. (2008) Hitler & Mussolini: The Secret Meetings. New York, New York, USA: Enigma Books. p. 74
  231. Gilbert, Martin; Gott, Richard (1967). The Appeasers.
  232. Baigorri-Jalón, Jesús. From Paris to Nuremberg: The birth of conference interpreting. Vol. 111. John Benjamins Publishing Company, 2014, p.167-168
  233. a b c d Lukes, Igor; Goldstein, Erik (1999). The Munich crisis, 1938 : prelude to World War II. [S.l.]: London ; Portland, OR : Frank Cass 
  234. Strang, Bruce (2003) On the Fiery March, New York: Praeger. p. 47.
  235. Cassels, Alan "Mussolini and the Myth of Rome" pp. 57–74 from The Origins of the Second World War Reconsidered A.J.P. Taylor and the Historians edited by Gordon Martel, London: Routledge, 1999 p. 64.
  236. Strang, Bruce (2003) On the Fiery March, New York: Praeger. p. 200.
  237. Strang, Bruce (2003) On the Fiery March, New York: Praeger. p. 200–201.
  238. a b Kallis (2002) p. 153.
  239. Cassels, Alan "Mussolini and the Myth of Rome" pp. 57–74 from The Origins of the Second World War Reconsidered A.J.P. Taylor and the Historians edited by Gordon Martel, London: Routledge, 1999 p. 67.
  240. Kallis (2002) p. 97
  241. «THE ITALO». web.archive.org. 20 de julho de 2011. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  242. a b c Knox, MacGregor (27 de junho de 1986). Mussolini Unleashed, 1939-1941: Politics and Strategy in Fascist Italy's Last War (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  243. «"Sonderaktion Krakau" - brutalny atak na polską inteligencję - Historia - polskieradio.pl». web.archive.org. 29 de setembro de 2019. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  244. Mussolini, Chroniques de l'histoire, éditions Chronique. p. 85
  245. «Mussolini: Speech of the 10 June 1940, Declaration of War on France and England « Historical Resources About The Second World War». web.archive.org. 22 de setembro de 2018. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  246. «El «anodino» encuentro entre Franco y Mussolini». abc (em espanhol). 11 de fevereiro de 2010. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  247. Discorso al Teatro Adriano di Roma, 23 febbraio 1941
  248. Weinberg, G. (2005) A World in arms. Cambridge: Cambridge University Press. p. 276–277.
  249. Trial of German Major War Criminals. 3. p. 398.
  250. Landolfi, Enrico (1993). Benito Mussolini. L'altra faccia del pianeta fascista - Rosso imperiale. Chieti: Solfanelli Editore. p. 58 - 65
  251. Gianfranco Bianchi (1963). 25 Luglio: crollo di un regime. Milano: Mursia. p. 647
  252. Gianfranco Bianchi (1963). 25 Luglio: crollo di un regime. Milano: Mursia. p. 704
  253. Whittam, John (15 de outubro de 1995). Fascist Italy (em inglês). [S.l.]: Manchester University Press 
  254. Milavicorner - Operação Oak: O resgate de Mussolini
  255. a b Smith, D. M. (1982) Mussolini. p. 311
  256. Rachele Mussolini (1974) p. 131
  257. a b Moseley, Ray (2004). Mussolini: The Last 600 Days of Il Duce (em inglês). [S.l.]: Taylor Trade Publications 
  258. Smith, D. M. (1983), Mussolini. New York, NY, Vintage Books. p. 311
  259. Gregor, A. (1969) The Ideology of Fascism: The Rationale of Totalitarianism, New York: NY, The Free Press. p. 307
  260. Discorso radiofonico di Mussolini da Monaco con cui annuncia la RSI, 18 de setembro de 1943
  261. Auley, Bruce F. (2003), Hitler, Stalin and Mussolini: Totalitarianism in the Twentieth Century Italy (2nd ed.), Wheeling: Harlan Davidson, p. 228
  262. a b Shirer, William (1960). The Rise and Fall of the Third Reich. New York City: Simon & Schuster.
  263. Grand, Alexander (2010) Italian fascism: its origins & development, 3d edition, University of Nebraska Press. p. 131
  264. Gregor, A. (1969). The Ideology of Fascism: The Rationale of Totalitarianism (em inglês). [S.l.]: Free Press. p. 293 - 297 
  265. Pugliese, Italian Fascism and Antifascism, p. 191
  266. «L'Archivio "storia - history"». web.archive.org. 8 de fevereiro de 2018. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  267. Gregor, A. (1969). The Ideology of Fascism: The Rationale of Totalitarianism (em inglês). [S.l.]: Free Press. p. 293 
  268. Frederick W. Deakin (1962), The Brutal Friendship, Mussolini, Hitler and the Fall of Italian Fascism, Londra, Weidenfeld & Nicolson, p. 900 - 901
  269. De Grand, Alexander J. (2000) Italian fascism: its origins & development, 3d edition (illustrated), Publisher: University of Nebraska Press, p. 131
  270. C.L.N., Bollettino ufficiale degli atti del C.L.N.-Giunta regionale di governo per il Piemonte, 25 aprile 1945, tratto da Perticone G., La repubblica di Salò, ed. Leonardo, Roma, 1947.
  271. Zuccotti, Susan (1987). The Italians and the Holocaust : persecution, rescue, and survival. [S.l.]: New York : Basic Books 
  272. Gillette, Aaron (14 de janeiro de 2004). Racial Theories in Fascist Italy (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  273. Moseley, Ray (2004). Mussolini: The Last 600 Days of Il Duce. p. 26.
  274. Payne, Stanley G. (1996). A History of Fascism, 1914-1945. Routledge.
  275. Berben, Paul (1962). L’Attentat contre Hitler. París: Robert Laffont. p. 119 - 120
  276. «ESR | January 3, 2005 | The twilight of Italian fascism - A review of Mussolini: The Last 600 Days of Il Duce». web.archive.org. 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  277. Ultima intervista a Mussolini, 22 de abril de 1945
  278. Benito Mussolini (em inglês) no Find a Grave
  279. «Mussolini's hometown finally bans fascist souvenirs». The Telegraph (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  280. Mussolini, B. Testamento politico di Benito Mussolini
  281. Rachele Mussolini (1974), p. 135
  282. Jim Heddlesten. «Comando Supremo: Events of 1941». Comandosupremo.com 

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons

Precedido por
Luigi Facta
Primeiro-ministro da Itália
1922 - 1943
Sucedido por
General Pietro Badoglio