Fat Wreck Chords

Fat Wreck Chords é uma editora discográfica independente, fundada na Califórnia (Estados Unidos) em 1990, pelo Baixista e Vocalista da banda NOFX, Fat Mike, com a sua namorada (atual ex-mulher) Erin Kelly-Burkett.[1][2][3]

Fat Wreck Chords
Logótipo da Fat Wrech Chords.
O fundador Fat Mike, na sede em san Francisco.
Gravadora independente
Atividade Música e entretenimento
Gênero Punk-rock
Fundação 1990
Sede Estados Unidos San Francisco, California
Proprietário(s) Mike Burkett e Erin Burkett
Subsidiárias Honest Dons
Pink & Black
Website oficial www.fatwreck.com

Também conhecida pelo diminutivo Fat Wreck, é uma das maiores editoras do género Punk rock, a nível mundial,[4][5][6] tendo lançado mais de 300 albums de bandas como NOFX, Lagwagon, Against Me!, Anti-Flag, Rise against, Propagandhi ou Mad Caddies.[7][8][9]

HistóriaEditar

A Fat Wreck Chords (em inglês lê-se Fat Records, traduzido como "albums gordos") foi fundada por Michael Burkett (mais conhecido por Fat Mike) em Berkeley (Califórnia), juntamente com a sua namorada Erin Kelly, em 1990. Em sintonia com a mentalidade Punk Diy, Fat Mike pretendia criar uma editora que permitisse lançar os álbums da sua banda (NOFX) de forma independente, com total controlo sobre a distribuição e lucros dos mesmos, à semelhança do que acontecia na Epitaph Records, editora dos Bad Religion e na qual os NOFX participavam há alguns anos. Procurava também servir de plataforma de lançamento para outras bandas do mesmo género musical que partilhassem da mesma mentalidade.[1][3]

Com o aumento das bandas que faziam parte do seu catálogo, a editora cresceu exponencialmente durante os anos 90, concentrando a sua atividade em São Francisco (Califórnia). Até ao final de 1999, a Fat Wreck vendeu mais de 1 milhão de álbuns por ano, com uma equipa de 18 funcionários distribuídos por quatro escritórios.[7]

A Fat Wreck possui duas subsidiárias (Honest Dons[10] e Pink & Black[11]), que lançaram alguns albums sob a sua alçada, de bandas como Chixdiggit, Teen Idols, Fabulous Disaster ou Dance Hall Crashers.

Apesar do seu sucesso comercial, a ideologia punk dos seus fundadores levou a que a Fat Wreck Chords nunca tenha oficialmente pertencido à Associação Americana da Indústria de Gravação, embora tenham sido incluídos na sua lista de membros contra sua vontade, por várias ocasiões, e posteriormente solicitado a sua remoção da mesma.[12]

Um documentário sobre a história da Fat Wreck Chords foi lançado em 2016, no Festival Internacional de Cinema de Dallas.[2][6]

Política e modelo de negócioEditar

Uma das características que melhor distingue a Fat Wreck das restantes editoras discográficas, é o facto de apenas assinarem contratos com bandas relativos a um único álbum. Isto permite que as bandas do seu catálogo optem por lançar novos trabalhos noutra editora, caso o pretendam fazer. Em diversas situações, bandas da Fat Wreck (NOFX incluídos) lançaram albums noutras editoras, e virse versa.[13]

Com uma vincada mentalidade punk, a editora e várias das suas bandas participam regularmente em movimentos políticos e de protesto, geralmente, em sintonia com movimentos de Esquerda.

Em 2004, criaram a plataforma Punkvoter, com o objetivo de sensibilizar os jovens americanos a participar na Eleição presidencial nos Estados Unidos em 2004, a favor de John Kerry e contra George W. Bush.[14]

Catálogo de bandas na Fat Wreck ChordsEditar

 
A Fat Wreck foi criada originalmente para lançar os albums dos NOFX.
 
Os No Use for a Name permaneceram na Fat Wreck durante a maior parte da sua carreira, até à morte do vocalista Tony Sly.[15][16]
 
Os Lagwagon foram a primeira banda a assinar com a Fat Wreck Chords e continuam ligados à editora, tendo editado 7 albums de estúdio.[17][18][19]

Embora a política da Fat Wreck Chords permita que as suas bandas mudem de editora discográfica após cada album lançado, alguns grupos permaneceram ligados à gravadora durante a maioria ou totalidade da sua carreira, como os Lagwagon, No Use for a Name, Mad Caddies ou Strung Out. Outras, como os Rise Against, eventualmente decidiram assinar por uma editora que lhes permitisse uma maior distribuição. Abaixo encontram-se as bandas que fazem parte do atual catálogo da Fat Wreck, bem como aquelas que lançaram albums na editora, mas já não estão ligados à mesma:[3][8]

AtualidadeEditar

 
Após atingirem uma notoriedade mundial, os Rise Against assinaram com a Virgin Records.[20][21][22]

No passadoEditar

BNA :Banda não ativa atualmente.

ASA :Banda atualmente sem editora.

Referências

  1. a b «NOFX | Biography & History». AllMusic (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  2. a b «Fat Wreck Chords "Punk-U-Mentary" out today (watch a clip)». BrooklynVegan (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 7 de maio de 2018 
  3. a b c «Fat Wreck Chords». Discogs (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2019 
  4. «Fat Wreck Chords Turns 25: Why It Matters - TuneCore». United States (em inglês). 18 de agosto de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 18 de junho de 2016 
  5. «Fat Wreck Chords' Vanessa Burt: 'You don't need to be a punk band to feel that outrage'». The Industry Observer (em inglês). 25 de julho de 2018. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  6. a b Grubbs, Eric (5 de abril de 2016). «Dallas Director's Fat Wreck Chords Documentary Finally Being Released». Dallas Observer. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 21 de maio de 2016 
  7. a b Bayer, Jonah (6 de agosto de 2015). «Rank Your Records: NOFX Frontman Fat Mike Lists His Top Ten Fat Wreck Chord Releases». Vice (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019 
  8. a b Punknews.org. «About Fat Wreck Chords». www.punknews.org (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 7 de maio de 2019 
  9. Alex, Rae; Louder, ra2015-07-17T12:00:00 197Z. «The 11 best albums released by Fat Wreck Chords». loudersound (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019 
  10. «Honest Don's». Discogs (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 1 de abril de 2019 
  11. «Pink & Black Records». Discogs (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 7 de abril de 2019 
  12. «F.A.Q.». Fat Wreck Chords (em inglês). Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 8 de maio de 2019 
  13. «Fat Wreck Chords and the Beauty of the One Record Deal». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  14. «PunkVoter.com». www.punkvoter.com. Consultado em 19 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2018 
  15. «Rise Against Interview». www.thrashermagazine.com (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 20 de junho de 2019 
  16. Louder, Mischa Pearlman2014-07-08T10:45:00 188Z. «Interview: Rise Against - 'I hope we can change some minds'». loudersound (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019 
  17. «Rise Against Interview». www.thrashermagazine.com (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 20 de junho de 2019 
  18. Louder, Mischa Pearlman2014-07-08T10:45:00 188Z. «Interview: Rise Against - 'I hope we can change some minds'». loudersound (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019 
  19. «Rise Against Are Writing A New Album – But They Will Be Taking Their Time». Kerrang!. Consultado em 20 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2019 
  20. «Rise Against Interview». www.thrashermagazine.com (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 20 de junho de 2019 
  21. Louder, Mischa Pearlman2014-07-08T10:45:00 188Z. «Interview: Rise Against - 'I hope we can change some minds'». loudersound (em inglês). Consultado em 20 de novembro de 2019 
  22. «Rise Against Are Writing A New Album – But They Will Be Taking Their Time». Kerrang!. Consultado em 20 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 1 de outubro de 2019