Teodora de Saxe-Meiningen (1890–1972)

aristocrata alemã
Se procura a filha da princesa Carlota da Prússia, consulte Teodora de Saxe-Meiningen.

Teodora de Saxe-Meiningen (Hanôver, 29 de Maio de 1890Friburgo em Brisgóvia, 12 de Março de 1972) foi a filha mais velha do príncipe Frederico João de Saxe-Meiningen, filho mais novo de Jorge II, Duque de Saxe-Meiningen, e da condessa Adelaide de Lippe-Biesterfeld, filha de Ernsto, Conde de Lippe-Biesterfeld.[1] Depois do seu casamento, passou a ser conhecida como grã-duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach.

Teodora
Grã-Duquesa Consorte de Saxe-Weimar-Eisenach
Princesa de Saxe-Meiningen
Grã-Duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach
Reinado 14 de janeiro de 1910
a 9 de novembro de 1918
Antecessor(a) Carolina Reuss de Greiz
Sucessor(a) Título extinto
 
Marido Guilherme Ernesto, Grão-Duque de Saxe-Weimar-Eisenach
Descendência Sofia de Saxe-Weimar-Eisenach
Carlos Augusto
Bernardo de Saxe-Weimar-Eisenach
Jorge de Saxe-Weimar-Eisenach
Casa Saxe-Meiningen (por nascimento)
Saxe-Weimar-Eisenach (por casamento)
Nome completo Teodora Carolina Carlota Maria Adelaide Augusta Matilde
Nascimento 29 de maio de 1890
  Hanôver, Império Alemão
Morte 12 de março de 1972 (81 anos)
  Friburgo em Brisgóvia, Alemanha
Pai Frederico João de Saxe-Meiningen
Mãe Adelaide de Lippe-Biesterfeld

BiografiaEditar

CasamentoEditar

Durante uma visita de verão ao palácio de Wilhelmshöhe, Teodora foi incentivada por um parente seu, o imperador Guilherme II a apresentar-se ao viúvo Guilherme Ernesto, Grão-Duque de Saxe-Weimar-Eisenach.[2] Nessa altura, o grão-duque estava a prestar serviço militar na artilharia prussiana.[2] No entanto, apesar do papel que teve no noivado, o imperador Guilherme recusou o convite para o casamento. Esta decisão causou muita especulação, uma vez que tanto ele como a esposa eram muito chegados ao grão-duque.[3] Muitos consideraram que tal se deveu ao facto de tanto o imperador se dar mal com o avô de Teodora, Jorge II, duque de Saxe-Meiningen, cujo casamento morganático com Ellen Franz tinha desagradado a muitos membros da realeza, incluindo Guilherme.[3] Jorge era também o único membro de uma casa real alemã que ainda não tinha visitado o imperador desde que este tinha subido ao trono em 1888, e nunca recebia convidados da família imperial da Alemanha em sua casa.[3] A censura de Guilherme foi ainda mais surpreendente na altura porque, pouco tempo antes, este tinha autorizado um casamento entre um príncipe Hohenzollern (Frederico Guilherme da Prússia, filho do príncipe Alberto da Prússia) com uma mulher da nobreza que tinha uma posição muito mais inferior. Era considerado estranho que ele se recusasse a reconhecer um casamento entre duas pessoas na mesma posição, mas que permitisse outro em circunstâncias diferentes, ainda mais tendo em conta que o casamento desigual foi entre membros da sua própria família, que se encontrava sujeita aos comportamentos e regras rigorosos dos Hohenzollern.[4]

O facto de o imperador não ter aparecido no casamento foi tão mal visto em Saxe-Meiningen que quando os jornais deram a notícia, o palácio real decidiu emitir um comunicado no qual afirmava que ele nunca tinha sido convidado.[4]

A 14 de janeiro de 1910, em Meiningen, Teodora casou-se com Guilherme Ernesto.[1] Foi a sua segunda esposa (a primeira, a princesa Carolina Reuss de Greiz morreu sem deixar filhos dezoito meses depois do casamento, em 1905).[5] O primeiro casamento de Guilherme tinha sido infeliz e a sua esposa tinha até fugido para a Suíça. Depois de a convencerem a regressar à corte, ela acabou por morrer pouco tempo depois, sendo que algumas fontes afirmam que se terá suicidado.[5]

Vida na corteEditar

O casamento de Teodora foi infeliz; a corte de Weimar era considerada uma das mais rígidas em termos de etiqueta na Alemanha.[5] Uma fonte recordouː

"Lá, a realeza é mantida numa espécie de prisão, e embora o grão-duque prospere neste ambiente e é demasiado conservador para admitir qualquer mudança, acaba por sufocar os membros mais espirituosos da família ".[5]

Teodora sentia-se infeliz neste ambiente e, aos 23 anos, soube-se que tinha sido enviada para um sanatório por motivos de saúde.[5] Sofreu vários ataques graves de sarampo e escarlatina que contraiu devido às visitas que fazia a um hospital que tinha fundado. O facto de passar grande parte do seu tempo nesse hospital devia-se ao facto de se sentir infeliz na corte e ver aquele lugar como um refúgio.[5] A etiqueta demasiado exigente também a distanciou a ela e aos filhos do grão-duque Embora não haja relatos de que o seu marido fosse violento, segundo uma fonte ele era:

"Um dos soberanos mais ricos da Europa; estoico, bem-comportado, embutido com um grande orgulho da sua raça, e com um sentido muito recto daquilo que devem fazer os que são escolhidos pelo Senhor. É também um dos governantes alemães mais respeitados e digno (...) o grão-duque é muito aborrecido e a sua corte reflecte o ambiente do seu carácter neste sentido, e de tal forma que Weimar se tornou uma das capitais mais melancólicas da Europa".[5]

Teodora era muito popular entre as classes média e baixa de Weimar, algo que se devia sobretudo ao charme e gentileza que mostrava perante os pobres e os que sofriam.[5]

Últimos anosEditar

A 9 de Novembro de 1918, Guilherme Ernesto juntamente com todos os outros monarcas alemãs após a derrota da Alemanha na [Primeira Guerra Mundial]] foi forçado a abdicar. O seu trono e todas as suas terras foram perdidos e ele fugiu com a família para a Silésia, onde morreu três anos depois. Teodora morreu a 12 de Março de 1972 em Freiburg im Breisgau, Alemanha.

DescendênciaEditar

Teodora e o marido tiveram quatro filhos:

  1. Sofia de Saxe-Weimar-Eisenach (20 de março de 1911 - 21 de novembro de 1988), casada com Friedrich Günther, Príncipe de Schwarzburg, de quem se divorciou um ano depois; sem descendência.
  2. Carlos Augusto, Grão-Duque Hereditário de Saxe-Weimar-Eisenach (28 de julho de 1912 - 14 de outubro de 1988), casado com a baronesa Isabel de Wangenheim-Winterstein; com descendência.
  3. Bernardo de Saxe-Weimar-Eisenach (3 de março de 1917 - 23 de março de 1986), casado com a princesa Felicitas de Salm Horstmar; com descendência, incluindo a princesa Catarina Teodora de Saxe-Weimar-Eisenach, casada com o príncipe Emanuel José de Hohenzollern-Emden, filho de Francisco José, Príncipe de Hohenzollern-Emden (divorciaram-se em 1985).
  4. Jorge de Saxe-Weimar-Eisenach (24 de novembro de 1921 - 11 de março de 2011), mudou de nome para Jörg Brena em 1953 e renunciou aos seus direitos de sucessão.

Títulos, formas de tratamento, honras e brasão de armasEditar

Títulos e formas de tratamentoEditar

  • 29 de maio de 1890 – 21 de janeiro de 1910: Sua Alteza Sereníssima, a princesa Teodora de Saxe-Meiningen
  • 21 de janeiro de 1910 – 9 de novembro de 1918: Sua Alteza Real, a Grã-Duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach
  • Como pretendente
    • 9 de novembro de 1918 - 24 de abril de 1923: Sua Alteza Real, a Grã-Duquesa de Saxe-Weimar-Eisenach
  • Como pretendente
    • 24 de abril de 1923 - 12 de março de 1972: Sua Alteza Real, a Grã-Duquesa viúva de Saxe-Weimar-Eisenach

GenealogiaEditar

Os antepassados de Teodora de Saxe-Meiningen (1890–1972) em três gerações
eodora de Saxe-Meiningen (1890–1972) Pai:
Frederico João de Saxe-Meiningen
Avô paterno:
Jorge II, Duque de Saxe-Meiningen
Bisavô paterno:
Bernardo II, Duque de Saxe-Meiningen
Bisavó paterna:
Maria Frederica de Hesse-Cassel
Avó paterna:
Teodora de Hohenlohe-Langenburg
Bisavô paterno:
Ernesto I, Príncipe de Hohenlohe-Langenburg
Bisavó paterna:
Teodora de Leiningen
Mãe:
Adelaide de Lippe-Biesterfeld
Avô materno:
Ernesto, Conde de Lippe-Biesterfeld
Bisavô materno:
Júlio, Conde de Lippe-Biesterfeld
Bisavó materna:
Adelaide de Castell-Castell
Avó materna:
Carolina de Wartensleben
Bisavô materno:
Leopoldo, Conde von Wartensleben
Bisavó materna:
Mathilde Halbach

Referências

  1. a b Lundy, Darryl. «The Peerage: Feodore Carola Charlotte Prinzessin von Sachsen-Meiningen». Consultado em 28 de julho de 2010 
  2. a b "Kaiser Made Royal Match", The Washington Post (Berlin), 12 October 1909 
  3. a b c "Why the Kaiser Wasn't At Wedding", The Washington Post, 11 January 1910 
  4. a b "The Kaiser On Marriage", The New York Times (Berlin), 30 January 1910  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "nyt1" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  5. a b c d e f g h "Sad Fate of Two Grand Duchesses", The Washington Post, 29 September 1913  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "wp4" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes