Abrir menu principal

Em mecânica clássica, uma força central é uma força cuja magnitude depende somente da distância r do objeto à origem e é dirigida ao longo da linha que os une:[1]

onde é a força, F é o vetor função de força, F é um escalar cujo valor é a função de força, r é o vetor posição, ||r|| é o seu comprimento, e = r/||r|| é o vetor unitário correspondente.

Equivalentemente, um campo de força é central se, e somente se, ele possui simetria esférica.

PropriedadesEditar

Um campo de forças centrais é um campo conservativo, isto é, pode sempre ser expresso como o negativo do gradiente de um potencial:

 

(O limite superior de integração é arbitrário, pois o potencial é definido a menos de uma constante aditiva).

Em um campo conservativo, a energia mecânica total (cinética e potencial) é conservada:

 

(Onde denota a derivada de r em relação ao tempo, que é a velocidade). Num campo de força central, o momento angular também se conserva:

 

pois o torque exercido pela força central é nulo. Como conseqüência, o corpo se move no plano perpendicular ao vetor momento angular, contendo a origem, e obedece a segunda lei de Kepler. (Se o momento angular é zero, o corpo se move ao longo da linha que o une à origem).

Uma conseqüência de ser conservativo, um campo de força central é irrotacional, isto é, seu rotacional é zero, exceto na origem:

 

ExemplosEditar

A força gravitacional e a força de Coulomb são dois exemplos familiares onde F(r) é proporcional à 1/r2. Um objeto em tal campo de força com F negativo (correspondente a uma força atrativa) obedece às leis de Kepler do movimento planetário.

O campo de força de um oscilador harmônico no espaço é central, com F(r) proporcional a r e negativo.

Pelo teorema de Bertrand, as leis de forças F(r) = −k/r2 e F(r) = −kr são os únicos campos centrais possíveis onde as órbitas são estáveis e fechadas.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Eric W. Weisstein (1996–2007). «Central Force». ScienceWorld. Wolfram Research. Consultado em 18 de agosto de 2008