Geocronologia

A geocronologia é um campo de investigação científica preocupada em determinar a idade e história das rochas da Terra.[1] Tais determinações são feitas por meio de datação absoluta ou datação relativa.

RadioatividadeEditar

A Radioatividade pode ser definida como a mudança nuclear espontânea, caracterizada pela emissão de radiação eletromagnética ou partículas que resulta na transformação de um elemento em outro. [2]

O processo de decaimentoEditar

O decaimento radioativo é o nome do processo pela qual o elemento instável, espontâneamente, transforma-se em um elemento radiogênico (ou filho). Há três tipos de decaimento radioativo[3]:

  1. Decaimento alfa - Nada menos que o núcleo de Hélio, de massa quatro (dois prótons e dois nêutrons), que é emitido de um núcleo.
  2. Decaimento beta - Um elétron é emitido a partir de um nêutron dentro do núcleo, transformando o nêutron em um próton e consequentemente aumentando o número atômico em um.
  3. Decaimento gama - É uma forma de radiação eletromagnética com carga e massa nulas [2][3].

Leis do decaimento radioativoEditar

As teorias e leis da desintegração radioativa foram basicamente estabelecidas por Ernest Rutherford e Frederick Soddy em 1902[4]. Segundo a teoria, a taxa de decaimento de um átomo instável é diretamente proporcional ao número de átomos restantes a qualquer tempo t. Transformando em uma fórmula matématica obtem-se:

 

Onde   = Número de átomos finais (Radioativo);   = Número de átomos iniciais (Radiogênico);  = Número original de átomos (Radioativo)   = Constante de desintegração; t = unidade de tempo transcorrido.

Sabe-se que a constante de desintegração é pouco influenciada pelas condições de pressão, temperatura e o tipo de ligação química[2].

Os métodosEditar

Uma grande variedade de ferramentas ou métodos geocronológicos podem ser empregados para estimar quantitativa ou qualitativamente a datação de rochas e sedimentos. Existem técnicas para datar todos os materiais geológicos, de bilhões de anos a registros históricos[5]:

  • A datação do Quaternário provê um registro de mudanças climáticas e geologicamente recentes mudanças no meio ambiente.
  • Datação por U-Pb de minerais metamórficos, tais como zircão, titanita e monazita são usados para datar eventos térmicos, incluindo impactos meteoríticos terrestres, e para determinar histórias termocronológicas de terrenos.
  • Datação por U-Pb de zircão em sedimentos é usada para determinar a proveniência de sedimentos.
  • Estratigrafia de isótopos de estrôncio é um método que usa medidas extremamente precisas de isótopos de Sr de fósseis marinhos em conjunção com a conhecida composição isotópica de Sr da água do mar através do tempo para prover a datação do fóssil. Esta técnica pode também ser usada para determinar idades para outros processos geológicos, tais como a dolomitização.
  • 40Ar/39Ar provê datações isotópicas variando de 10 mil a bilhões de anos de idade com 0,1-0,5% de precisão.
  • 210Pb tem uma curta meia-vida, e data material dos últimos 150 a 200 anos.

ReferênciasEditar

  1. Rafferty, John P. (2011). Geochronology, Dating, and Precambrian Time : the Beginning of the World as We Know It. [S.l.]: Britannica Educational Pub. OCLC 630537577 
  2. a b c Geraldes, Mauro C. (2010). Introdução a Geocronologia. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia. p. 15 
  3. a b Wicander, Reed; Monroe, James S. (2010). Historical Geology: Evolution of Earth and Life Through Time. California: Brooks Cole. p. 72 
  4. Rutherford, Ernest; Soddy, Frederick (1902). «LXXXIV — The radioactivity of thorium compounds. II. The cause and nature of radioactivity». Journal of the Chemical Society. Consultado em 23 de março de 2020 
  5. Geochronology - USGS (em inglês)
  Este artigo sobre Geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.