Abrir menu principal
Gipsita
Gips - Lubin, Poland..jpg
Classificação Strunz sulfatos
Cor incolor, branco a cinza, amarelo, vermelho, castanho
Fórmula química Ca[SO4] • 2H2O
Ocorrência raro
Propriedades cristalográficas
Sistema cristalino monoclínico
Grupo espacial = monoclínico-prismático 2/m[1]
Propriedades físicas
Densidade 2,32 g/cm3
Dureza 1,5-3,0 (Mohs)
Clivagem perfeita
Fratura concoide
Brilho ceroso
Risca branca
Outras fluorescência ausente

Gipsite (pt) ou gipsita (pt-BR), também chamada pedra de gesso, gesso (do grego gypsos) ou sulfato de cálcio hidratado,[2] é um minério de cálcio cuja composição química corresponde à fórmula Ca(SO4) • 2H2O.

Índice

CaracterísticasEditar

O gipsito é, basicamente, composta por sulfato de cálcio hidratado. Apresenta geralmente coloração de branca a translúcida. Outras características são os aspectos micáceo, lamelar, o brilho nacarado, o tato untuoso (ou fibroso) e a dureza baixa (2,0). É o sulfato mais comum na crosta terrestre, ocorrendo em evaporitos ou na forma de camadas interestratificadas de folhelhos, calcário e argila, podendo também ser encontrado em meteoritos.

MarteEditar

A presença de depósitos de gipsita em Marte detectada pela sonda Opportunity é tratada como uma evidência de que houve água corrente na superfície do planeta no passado.[3]

PropriedadesEditar

Através da calcinação, a gipsita perde sua água de cristalização, podendo, então, ser transformada em gesso quando mantém água cristalizada (CaSO4 + 1/2 H2O), ou sulfato de cálcio (anidrita) quando perde totalmente a água cristalizada.

AplicaçõesEditar

É usada principalmente na fabricação de cimento, como também na fabricação de ácido sulfúrico, giz, vidros, esmaltes, gesso e na produção de cerveja. É usada também como molde para fundição; desidratante; aglutinante e corretivo de solo (fornecedor de cálcio e enxofre), além de possuir aplicação na metalurgia (na formação de escória, entre outras aplicações.)

Reservas e ProduçãoEditar

Reservas e produção globaisEditar

Os Estados Unidos são os maiores produtores e consumidores mundiais de gipsito; enquanto a sua produção, em 2001, foi da ordem de 19 milhões de toneladas, a de outros países grandes produtores foi a metade, ou um terço.[carece de fontes?] Em termos mundiais, a indústria cimenteira é a maior consumidora, enquanto nos países desenvolvidos a indústria de gesso e seus derivados absorve a maior parte da gipsito produzida.

Reservas e produção brasileirasEditar

Cerca de 93% das reservas brasileiras (aproximadamente 1,271 milhões de toneladas) estão concentradas na Bahia (44%), Pará (31%) e Pernambuco (18%), ficando o restante distribuído, em ordem decrescente, entre o Maranhão, Ceará, Piauí, Tocantins e Amazonas. A porção das reservas que apresenta melhores condições de aproveitamento econômico está situada na Bacia do Araripe, região de fronteira dos Estados do Piauí, Ceará e principalmente em Pernambuco, especificamente nos municípios de Ipubi, Trindade, Ouricuri e Araripina e ainda áreas exploradas em Exu e Bodocó. O aproveitamento das reservas do Pará tem, como fatores impeditivos, a grande distância dos centros consumidores e deficiências de infraestrutura.[carece de fontes?]

Fabricação sintéticaEditar

A gipsito também pode ser fabricada de maneira artificial (sintetizada), através de um processo industrial no qual ocorre a precipitação a partir de carbonato de cálcio e ácido sulfúrico:  .

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Gipsita

Referências

  1. «Webmineral - Gypsum»  (em inglês)
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 851.
  3. «NASA Mars Rover Finds Mineral Vein Deposited by Water». NASA. Consultado em 12 de dezembro de 2011 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre um mineral ou mineraloide é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.