Guillaume-René Meignan

Guillaume-René Meignan (12 de abril de 1817 em Chauvigné, França – 20 de janeiro de 1896 em Tours ) foi um apologista católico francês e exegeta bíblico, arcebispo de Tours e cardeal.

Guillaume-René Meignan
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo de Tours
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Tours
Nomeação 21 de fevereiro de 1884
Predecessor Charles-Théodore Colet
Sucessor René-François Renou
Mandato 1884 - 1896
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 13 de junho de 1840
Nomeação episcopal 12 de dezembro de 1864
Ordenação episcopal 1 de maio de 1865
por Henri Louis Charles Maret
Nomeado arcebispo 21 de fevereiro de 1884
Cardinalato
Criação 16 de janeiro de 1893
por Papa Leão XIII
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santíssima Trindade no Monte Pincio
Brasão
Armes meignan.jpg
Lema Pax in caritate
Dados pessoais
Nascimento Chauvigné
12 de abril de 1817
Morte Tours
20 de janeiro de 1896 (78 anos)
Nacionalidade francês
Habilitação académica La Sapienza
Funções exercidas -Bispo de Châlons-en-Champagne (1865-1882)
-Bispo de Arras (1882-1884)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

VidaEditar

Tendo constatado a sua vocação para o sacerdócio, após a conclusão dos estudos académicos no liceu de Angers e no Château-Gontier, estudou filosofia no seminário de Le Mans, onde recebeu o subdiaconato em 1839. Desta instituição passou para o Collège de Tessé, que pertencia à Diocese de Le Mans, onde, enquanto lecionava em um dos graus médios, continuou seus próprios estudos eclesiásticos.

O Abade Bercy, orientalista de alguma distinção, cuja atenção atraiu em Le Mans e mais tarde em Tessé, aconselhou-o a fazer da exegese escritural seu estudo especial. Jean-Baptiste Bouvier o ordenou sacerdote (14 de junho de 1840) e o enviou a Paris para um novo curso de filosofia com Victor Cousin. Meignan conheceu Ozanam, Montalembert e outros como eles, que o incentivaram a se preparar para as polêmicas necessidades da época, continuando seus estudos na Alemanha.

Seguindo esse conselho, ele se tornou aluno em Munique de professores como Joseph Görres, Ignaz von Döllinger e Karl Joseph Hieronymus Windischmann; e quando sua atração anterior pelos estudos das Escrituras foi totalmente despertada sob o estímulo das então novas discussões de Tübingen, ele se dirigiu a Berlim, onde assistiu às palestras de August Neander, Ernst Wilhelm Hengstenberg e Friedrich Wilhelm Joseph Schelling.

Em, ou logo depois de maio de 1843, Meignan voltou a Paris para ser contado entre o clero da arquidiocese, mas logo (1845) foi obrigado a visitar Roma para o bem de sua saúde, que estava debilitada. Ele pareceu se recuperar imediatamente e foi capaz de seguir seus estudos com tanto sucesso que obteve o Doutorado em Teologia na Sapienza (março de 1846). Aqui novamente ele foi ajudado pelo interesse e conselho de muitos homens eminentes, de Giovanni Perrone e Olympe-Philippe Gerbet, bem como pelos ensinamentos de Carlo Passaglia, Francis Xavier Patrizi e Augustin Theiner. Entre este período e 1861, quando se tornou professor de Sagrada Escritura na Sorbonne, ocupou vários cargos acadêmicos na Arquidiocese de Paris, da qual Mons. Darboy o fez Vigário Geral em 1863. Em 1864 foi elevado ao bispado de Châlons, em 1882 transferido para a Sé de Arras e em 1884 para o arcebispado de Tours.

TrabalhoEditar

Ele foi um dos principais antagonistas de Ernest Renan. Ele teve como objetivo esclarecer a mente leiga sobre tópicos atuais de controvérsia e fornecer a seus leitores o ponto de vista cristão. Sua carreira como apologista começou já em 1856, com a publicação de "Les Prophéties messianiques. Le Pentateuque "(Paris). Em 1860 apareceu "M. Renan réfuté par les rationalistes allemands" (Paris) e "Les Evangiles et la critique au XIXe siècle" (Paris); em 1886 "De l'irréligion systématique, ses influences actuelles" (Paris); em 1890 "Salomon, son règne, ses écrits" (Paris); em 1892 "Les prophètes d'Israël et le Messie, depuis Daniel jusqu'à Jean-Baptiste" (Paris).

Ele escreveu muitas outras obras sobre temas semelhantes. Seu tratamento da profecia messiânica se estende além da mera exegese verbal e inclui um exame crítico dos eventos e condições históricas. Como outros grandes polemistas católicos de sua época, ele teve que sofrer críticas adversas; estas foram respondidas pelo Papa Leão XIII, que o elevou ao cardinalato em 15 de dezembro de 1892.

FontesEditar

  • Boissonot, Le cardinal Meignan (Paris, 1899)

Ligações externasEditar

Este artigo incorpora texto da Catholic Encyclopedia, publicação de 1913 em domínio público.