Henry Brockholst Livingston

Henry Brockholst Livingston (25 de Novembro de 1757 – 18 de Março de 1823) foi um oficial da Guerra Revolucionária Americana, juiz do Tribunal de Apelações de Nova York e, eventualmente, Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos.[1]

H. Brockholst Livingston
H. Brockholst Livingston
Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos
Período 10 de novembro de 1806
a 18 de março de 1823
Nomeado por Thomas Jefferson
Antecessor(a) William Paterson
Sucessor(a) Smith Thompson
Dados pessoais
Nome completo Henry Brockholst Livingston
Nascimento 25 de novembro de 1757
Cidade de Nova York, Província de Nova Iorque, América Britânica
Morte 18 de março de 1823 (65 anos)
Washington, D.C., EUA
Alma mater Universidade de Princeton (BA)
Cônjuge Catherine Keteltas (c. 1784–1804)
Ann Ludlow
Catherine Seaman
Parentesco William Livingston (Pai)
John Jay (cunhado)
John Symmes (cunhado)
Maurice Power (genro)
Robert Livingston (tio)
Peter Van Brugh Livingston (tio)
Philip Livingston (tio)
Henry Ledyard (neto)
Partido Democrata-Republicano
Assinatura Assinatura de Henry Brockholst Livingston

Primeiros anosEditar

Livingston nasceu na Cidade de Nova York em 1757, filho de Susanna French (morreu em 1789) e William Livingston (1723–1790).[2]

Formou-se com um diploma de Bacharel em Artes pelo College of New Jersey (atual Universidade de Princeton) em 1774.

CarreiraEditar

Livingston herdou a propriedade da família em New Jersey, Liberty Hall (o atual local da Universidade Kean), e a manteve até 1798. Durante a Guerra Revolucionária Americana, foi Tenente-Coronel da New York Line, servindo na equipe do General Philip Schuyler de 1775 até 1777 e como ajudante de campo do então Major-General Benedict Arnold na Batalha de Saratoga. Foi secretário particular de John Jay, então Ministro dos EUA na Espanha de 1779 até 1782. Livingston foi brevemente preso pelos britânicos em Nova York em 1782.

Depois da guerra, Livingston estudou direito e foi aceito na Ordem em 1783. Trabalhou como advogado particular na Cidade de Nova York de 1783 até 1802. Foi membro original da Sociedade de Cincinnati.

Livingston exerceu como um dos três advogados de defesa, ao lado de Alexander Hamilton e Aaron Burr, no julgamento de Levi Weeks pelo assassinato de Elma Sands.[3]

Carreira judicialEditar

De 1802 até 1807, Livingston exerceu como juiz da Suprema Corte de Nova York, onde foi o autor de uma famosa dissidência no caso Pierson v. Post de 1805.

Dois anos depois, no dia 10 de Novembro de 1806, Livingston recebeu uma nomeação de recesso de Thomas Jefferson para a Suprema Corte dos Estados Unidos, para uma vaga deixada por William Paterson. Nomeado formalmente no dia 15 de Dezembro de 1806 como a segunda pessoa nomeada por Jefferson, Livingston foi confirmado pelo Senado dos Estados Unidos no dia 17 de Dezembro de 1806 e foi empossado no dia 16 de Janeiro de 1807. Exerceu na Suprema Corte desde então até sua morte em 1823. Durante seu mandato na Suprema Corte, os votos e pareceres de Livingston frequentemente seguiram o exemplo do Chefe de Justiça, John Marshall. Naquela época, os Juízes da Suprema Corte eram obrigados a "circularem"; no caso do Juiz Livingston, presidiu casos no Estado de Nova York.[4]

Aliança Virgínia-Nova YorkEditar

Antes de sua nomeação para a Suprema Corte dos Estados Unidos, Livingston exerceu como juiz da Suprema Corte do Estado de Nova York, membro da Assembleia do Estado de Nova York e ativista político imensamente proeminente. Devido aos laços familiares, a lealdade de Livingston ao partido Democrata-Republicano logo desapareceu. Basicamente, Livingston se rebelou e incitou os Federalistas em proporções gigantescas. Com membros que consistia de Aaron Burr, Robert R. Livingston e Edward Livingston (ambos primos de Brockholst), Livingston se tornou um dos poucos surgindo de uma facção política compacta em Nova York para formar uma aliança com os apoiadores de Jefferson na Virgínia. Isso ficou conhecido como a aliança Virgínia-Nova York, que provou ser vital na eleição de Jefferson de 1800-1801.[5]

 
Sepultura de Livingston

Últimos anos e morteEditar

Livingston foi eleito membro da American Antiquarian Society em 1814.[6]

Livingston morreu em Washington, D.C.. Seus restos mortais estão sepultados no Cemitério Green-Wood em Brooklyn, Nova York.[7]

FamíliaEditar

Os tios paternos de Livingston eram Robert Livingston (1708-1790), Peter Van Brugh Livingston (1710-1792), Philip Livingston (1716-1778) e seus avós paternos eram Philip Livingston (1686-1749), o segundo Lorde de Livingston Manor, e Catherine Van Brugh, filha única do Prefeito de Albany, Pieter Van Brugh (1666–1740).[1]

Sua irmã, Sarah Van Brugh Livingston (1756-1802), casou-se com John Jay (1745-1829), que era diplomata, um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos, signatário do Tratado de Paris, o segundo Governador de Nova York, e o primeiro Chefe de Justiça dos Estados Unidos, em 1774.

Outra irmã, Susannah Livingston (1748–1840), casou-se com John Cleves Symmes (1742–1814), que foi delegado ao Congresso Continental de Nova Jersey e, mais tarde, um pioneiro no Território do Noroeste. Sua enteada Anna Symmes, filha de Symmes de um casamento anterior, casou-se com o eventual Presidente William Henry Harrison e era avó do Presidente Benjamin Harrison.[8]

Casamentos e filhosEditar

Livingston casou-se três vezes. Casou-se pela primeira vez com Catherine Keteltas (1761-1804), filha de Peter Keteltas e Elizabeth Van Zandt, no dia 2 de Dezembro de 1784.[1] Ele e Catherine foram os pais de:

  • Eliza Livingston (1786–1860), que casou-se com Jasper Hall Livingston (1780–1835), filho de Philip Philip Livingston (1741–1787).[9]
  • Susan French Livingston (1789–1864), que casou-se com Benjamin Ledyard (1779–1812).[10]
  • Catherine Augusta Livingston (1791-1854), que casou-se com Archibald McVicker (1785-1849).[11]
  • Robert C. Livingston (1793)

Após a morte de sua primeira esposa em 1804, casou-se com Ann N. Ludlow (1775–1815), filha de Gabriel Henry Ludlow e Ann Williams.[12] Juntos, foram os pais de:

  • Carroll Livingston (1805–1867), que casou-se com Cornelia Livingston.
  • Anson Livingston (1807–1873), que casou-se com Anne Greenleaf Livingston (1809–1887), filha de Henry Walter Livingston (1768–1810).[13][14][15]

Após a morte de sua segunda esposa em 1815, casou-se com Catherine Seaman (1775-1859), filha de Edward Seaman e viúva do Capitão John Kortright.[16] Juntos, Henry e Catherine foram os pais de:[1]

  • Jasper Hall Livingston (1815–1900), gêmeo, que casou-se com Matilda Anna Cecilia Morris, a filha mais nova de Sir John Morris, 2º Baronete de Clasemont, em 1851.[17][18]
  • Catherine Louise Livingston (1815–1890), gêmea, que casou-se com Maurice Power (1811–1870), um parlamentar irlandês do Condado de Cork que exerceu como Vice-Governador de Santa Lúcia.[19][20]
  • Henry Brockholst Livingston (1819–1892),[21] que casou-se com Marianna Gribaldo e passaram a morar na Itália.[22]

DescendentesEditar

Através de sua filha Eliza, foi o bisavô de Edwin Brockholst Livingston (1852–1929), um historiador.

Através de sua filha Susan, foi o avô de Henry Brockholst Ledyard (1812–1880) e bisavô de Lewis Cass Ledyard (1851–1932).[10]

Através de sua filha Catherine McVicker, foi o avô de Brockholst McVicker (1810–1883)[23] e Archibald McVicker (1816–1904).[11]

Através de sua filha Catherine Power, foi o avô de: Brockholst Livingston Power, John Livingston Power e Alice Livingston Power (que casou-se com seu primo Edwin).

Através de seu filho Henry, foi o avô de Oscar Enrico Federico Livingston (1875–1945).[22]

Através de seu filho Anson, foi o avô de Ludlow Livingston (1838–1873), Mary Allen Livingston Harrison (1830–1921) e Ann Ludlow Livingston (1832–1913).[15]

ReferênciasEditar

  1. a b c d Livingston, Edwin Brockholst (1910). The Livingstons of Livingston Manor: Being the History of that Branch of the Scottish House of Callendar which Settled in the English Province of New York During the Reign of Charles the Second; and Also Including an Account of Robert Livingston of Albany, "The Nephew," a Settler in the Same Province and His Principal Descendants (em inglês). New York: The Knickerbocker Press. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  2. Nelson, William (1876). Biographical Sketch of William Colfax, Captain of Washington's Body Guard. [S.l.: s.n.] 
  3. James, Bill (2012). Popular Crime: Reflections on the Celebration of Violence. [S.l.]: Simon and Schuster. p. 12. ISBN 978-1-4165-5274-1 
  4. «Livingston, Henry Brockholst». www.fjc.gov (em inglês). Federal Judicial Center. Consultado em 9 de Dezembro de 2017 
  5. Abraham, Henry J. (2006). «President Jefferson's Three Appointments to the Supreme Court of the United States: 1804, 1807, and 1807». Journal of Supreme Court History. 31 (2): 141–154. doi:10.1111/j.1540-5818.2006.00132.x 
  6. American Antiquarian Society Members Directory
  7. Green-Wood Cemetery
  8. Kamuf, Betty (20 de Julho de 2016). «The Life of John Cleves Symmes». Cincinnati.com (em inglês). USA Today. Consultado em 16 de Abril de 2017 
  9. «The Livingstons of Livingston Manor». HathiTrust digital library. Consultado em 18 de Janeiro de 2014 
  10. a b Farmer, Silas (1889), The History of Detroit and Michigan, pp. 1041–1043 
  11. a b Andreas, Alfred Theodore (1885). History of Chicago | From the Earliest Period to the Present Time | Vol. II – From 1857 until the Fire of 1871. Chicago: The A. T. Andreas Company. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  12. Gordon, William Seton (1919). Gabriel Ludlow and His Descendants. [S.l.: s.n.] Consultado em 26 de Abril de 2017 
  13. Ferreri, James G. (26 de Abril de 2013). «The Underground Railroad wound through Staten Island's Livingston». SILive.com. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  14. Fioravante, Janice (24 de Novembro de 2002). «If You're Thinking of Living In/Livingston, Staten Island; Filmgoers May Find the Streets Familiar». The New York Times. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  15. a b Hall, Henry (1895). America's Successful Men of Affairs: The City of New York | Vol. I. New York: New York Tribune. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  16. The Letters of Moore Furman, Deputy Quarter-Master General of New Jersey in the Revolution. New York: F.H. Hitchcock. 1912. p. 9. Consultado em 3 de Outubro de 2015 
  17. Lodge, Edmund (1890). The Peerage, Baronetage, Knightage & Companionage of the British Empire (em inglês). London: Hurst and Blackett, Limited. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  18. Urban, Sylvanus (1855). The Gentleman's Magazine and Historical Review, Vol. XLIII (em inglês). London: John Bowyer Nichols and Sons. Consultado em 26 de Abril de 2017 
  19. «Legal Notices». New York Daily Tribune. 20 de Janeiro de 1860. p. 2. Consultado em 13 de maio de 2021 – via Newspapers.com 
  20. De Burgh, Hussey (1878). The Landowners of Ireland. [S.l.]: Hodges, Foster, and Figgis 
  21. «Death of Henry Livingston». The New York Times. London. 21 de Julho de 1892. p. 2. Consultado em 13 de maio de 2021 – via Newspapers.com 
  22. a b di Magistrati (1877). Annali della giurisprudenza italiana: raccolta generale di decisioni in materia civile e commerciale, di diritto pubblico e amministrativo e di procedura civile (em italiano). Firenze: [s.n.] Consultado em 26 de Abril de 2017 
  23. Society, Chicago Medical (1922). History of medicine and surgery and physicians and surgeons of Chicago, endorsed by and published under the supervision of the council of the Chicago Medical Society (em inglês). [S.l.]: The Biographical Publishing Corporation. Consultado em 26 de Abril de 2017 

FontesEditar

Henry Brockholst Livingston no Biographical Directory of Federal Judges, uma publicação de domínio público do Federal Judicial Center

Leia maisEditar

Cargos jurídicos
Precedido por
William Paterson
Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos
1806–1823
Sucedido por
Smith Thompson