Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde abril de 2016). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo.

Dr. Walter Horten (Alemanha, 13 de Novembro de 1913 - Baden-Baden, Alemanha, 9 de Dezembro de 1998) e Dr. Reimar Horten (Alemanha, 2 de Março de 1915 - Villa General Belgrano, Argentina, 14 de Março de 1994) conhecidos como "irmãos Horten" eram entusiastas da aeronáutica. Criadores de um dos mais sofisticados aviões da II Guerra Mundial: a "asa voadora".

BiografiaEditar

Vidas adiantadasEditar

 
Planador Horten Parabel (1938).
 
Horten Ho III.
 
Horten Ho VI.

No período entre guerras o Tratado de Versalhes limitou a construção de aviões militares pela Alemanha. Em resposta, militares alemães passaram a voar de forma semi-clandestina, tomando a forma de "clubes" civis, onde os alunos formados em planadores sob a supervisão de pilotos veteranos dispensados após a I Guerra Mundial. As determinações de Versalhes tratavam de aeronaves motorizadas, mas não citavam os planadores (com os avanços da aviação motorizada o voo planado fora praticamente esquecido). Os irmãos Horten, então adolescentes, envolveram-se em tais clubes de voo.

Este retorno para o ensino dos fundamentos básicos do voo, e uma admiração pelo inovador projetista alemão Dr. Alexander Lippisch, levou os Hortens para além da concepção dominante das tendências das décadas de 1920 e 1930, e em direção a experimentação de aeronaves alternativas. Em seguida, encheram a casa de seus pais com modelos de planadores em madeira. O primeiro "planador Horten" voou em 1933, quando os dois irmãos estavam ainda em sua adolescência.

Os planadores Horten eram extremamente simples e aerodinâmicos, geralmente constituídos por uma enorme, asa de albatroz com um minúsculo casulo na fuselagem. Mas a grande vantagem deste desenho dos Horten foi o arrasto extremamente baixo. Este foi o caminho para alcançar velocidades elevadas.

II Guerra MundialEditar

 
Horten Ho IX visto pela frente…
 
…e por trás.

Em 1939, com Adolf Hitler no poder e com Tratado de Versalhes sem efeito, Walter e Reimar haviam entrado na Luftwaffe como pilotos (o terceiro irmão, Wolfram, foi morto a bordo de um bombardeiro Heinkel He 111 durante a Batalha de Dunquerque). Eram considerados como consultores de projetos, apesar da comunidade aeronáutica alemã tender a não reconhecer os Hortens como parte da elite cultural.

Em 1937, o Hortens começaram a usar o motores em seus aviões, com a estreia do bimotor Ho VII (um planador que anteriormente era rebocado por uma mula). A Luftwaffe, porém, não usou muitos dos seus projetos até 1942, quando uma de suas aeronaves foi equipada com turbinas a jato, concebendo um bombardeiro, designado Horten Ho IX.

Garantir o uso de turbojatos foi difícil para a Alemanha, como outros projetos desenvolvidos tinham maior prioridade devido ao esforço de guerra. Embora o turbojato usado no Ho IX V2 quase atingiu uma então espantosa velocidade de 500 mph em ensaios, o projeto foi dado a empresa com menor tecnologia em aviões, a Gothaer Waggonfabrik, e desenvolvido como o Horten Ho 229 (às vezes, erroneamente chamado Gotha Go 229).

O Ho 229 foi um caça a jato com um grande potencial, mas chegou demasiado tarde para o serviço. Outro avançado projeto dos Horten na década de 1940 foi o supersônico Delta-Ho X, concebido como um caça híbrido turbojato/foguete com uma velocidade máxima de Mach 1,4, mas apenas testado como planador (Horten Ho-XIII).

Pós-guerraEditar

Após o término da guerra, Reimar Horten emigrou para a Argentina, onde continuou projetar e construir planadores e uma asa voadora bimotor de transporte, projeto que não foi bem sucedido comercialmente. Walter permaneceu na Alemanha e no pós-guerra tornou-se um oficial da Força Aérea Alemã (a nova Luftwaffe). Reimar morreu em seu rancho na Argentina em 1994, enquanto Walter morreu na Alemanha em 1998.

No final dos anos 40, o pessoal do Projeto Sign, da força aérea americana considerou seriamente a possibilidade de que os objetos voadores não identificados poderiam ter sido aviões fabricados secretamente pela URSS baseados em desenhos dos Hortens.

Exemplares não restaurados do Horten Horten III e planador VI são exibidos no Steven F. Udvar-Hazy Center e na Museu do Ar e Espaço (NASM), em Washington. Dois planadores Horten construídos na Argentina podem ser vistos no Museu Nacional de Aeronáutica localizada na MORON a poucos quilômetros a oeste de Buenos Aires. O Ho 229 V3 levado para os EUA como parte da Operação Paperclip para avaliação está em armazenagem no NASM aguardando possível restauração, e um exemplar do planador Horten IV está localizado no museu Planes of Fame em Chino, Califórnia. Um Horten IV restaurado também está em exposição no Deutsches Museum em Munique.

Ver tambémEditar

FontesEditar

  • The Horten brothers and their all-wing aircraft. David Myhra, Schiffer Pub, 1998. ISBN 0764304410
  • UFOs and abductions: challenging the borders of knowledge. David Michael Jacobs, University Press of Kansas, p. 82-122, 2000. ISBN 0700610324