Abrir menu principal

Isabel Maria de Oliveira Capeloa Gil (Mira, Mira, 22 de julho de 1965) é uma académica portuguesa. É a 6.ª Reitora da Universidade Católica Portuguesa, nomeada pela Congregação para a Educação Católica a 26 de setembro de 2016, por proposta do Magno Chanceler da instituição, D. Manuel Clemente, 17.º Patriarca de Lisboa. Tomou posse a 28 de outubro de 2016.[1].É Presidente da Federação Internacional de Universidades Católicas (FIUC), desde 2018.[2].


Índice

BiografiaEditar

Professora Catedrática de Estudos de Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa de Lisboa,[3] licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e é Mestra em Estudos Alemães pelas mesmas instituições. Estudou na Ludwig Maximilian Universität, em Munique, Baviera, e na Universidade de Chicago, em Chicago, Illinois, doutorando-se em Estudos Alemães na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa de Lisboa, da qual foi Diretora entre 2005 e 2012,[4] tendo contribuído para o desenvolvimento de uma estratégia de especialização inteligente para a unidade, sobretudo nas áreas de Comunicação e Cultura, e pelo alargamento da relação com o mundo empresarial nestes setores.[5]

Com mais de 150 trabalhos publicados, o seu trabalho de investigação tem contribuído para a definição do campo dos Estudos de Cultura. Na gestão universitária, tem-se destacado no desenvolvimento da estratégia de internacionalização e investigação da Universidade, da qual foi Vice-Reitora entre 2012 e 2016 e responsável pelos pelouros de Investigação e Internacionalização.[6]

Criou e coordenou entre 2014 e 2015 a rede de colaboração entre a Universidade e o sector cultural, onde se incluiu o Mestrado em Estudos de Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, considerado como o terceiro melhor Mestrado de Gestão das Artes a nível mundial.[7]

Pertence e tem ocupado cargos de gestão em diversas associações científicas nacionais e internacionais, das quais se destacam a ICLA (International Comparative Literature Association) e a ICA (International Communication Association). Foi Professora Convidada em diversas Universidades, entre as quais se contam a Universidade de Munique, a Universidade Ca’Foscari de Veneza, a Houston School of Film da National University of Ireland, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e a Universidade de São José, em Macau. Foi Investigadora Visitante do Wissenschaftskolleg, em Berlim, e do Freeman Spogli Institute for International Studies da Universidade de Stanford.Desde 2010 tem o título de Honorary Fellow da School of Advanced Studies da Universidade de Londres. Coordenou o Research Leadership Forum da Global Federation of Competitiveness Councils(GFCC).[8] É ainda membro do European Council of Foreign Relations,[9]do Conselho Consultivo da Fundação Calouste Gulbenkian e Presidente do Conselho de Administração da Fundação UCP.

Publicações (seleção)Editar

A sua investigação está publicada em português, inglês, alemão, francês e espanhol e incide sobre Teoria Cultural, Cultura Visual, Literaturas Comparadas e Culturas Comparadas.[10]

Livros

Livros editados

Artigos científicos

  • (1994).Caos e Metamorfose: Uma Leitura da Dança na Obra de Hugo von Hofmannsthal", Runa nº20, 2/93, pp.151-160.[11]
  • (1995). "Antigonae - Antigone. Uma leitura de Hölderlin e Claus Bremer", Runa, nº22,2/1994, pp.99-114.[12]
  • (2000). "Tot sein und atmen... O complexo de Antígona no romance Malina de Ingeborg Bachmann", Runa, nº23-24, 1995, pp.309-325.[13]
  • (2003). „Komm mit, o Schöne, Komm mit mir zum Tanze’ Die Geschlechtspolitik und die Ort des Tanzes in Texten J.W.Goethes", Runa, 28/1999-2000, pp.131-148.
  • (2006). „Schweig und tanze!” Textos no Limite da (Re)Presentação. A Palavra e o Gesto no Drama de Franz Werfel, Eberhard Pannwitz e Hugo von Hofmannsthal", Dedalus, nº 9, 2004, pp.91-117.
  • (2009). "O que significa Estudos de Cultura? Um diagnóstico cosmopolita sobre o caso da Cultura Alemã", Revista de Comunicação e Cultura, nº6, 2009, pp. 137-166.[15]
  • (2010). "The Visuality of Catastrophe in Ernst Jünger’s Der gefährliche Augenblick and Die veränderte Welt", Kulturpoetik, 10,1, 2010, pp.62-84.
  • (2011). (com João Ferreira Duarte), Fluid CartographiesNew Modernities Special Monographic Issue, Journal of Romance Studies, Vol.11, Issue 1, Spring 2011.
  • (2011). "Savages and Neurotics. Freud at the Colonial School", Journal of Romance Studies, Vol.11.3, 2011, pp. 27-42.[16]
  • (2011). "A Question of Scale? Lázló László Almásy's Desert Mapping and Its Postcolonial Rewriting" Journal of Romance Studies, Vol.11.1.[17]
  • (2011). "Fuss-Karrieren: Der Schuh von Baudelaire bis Warhol", Paragrana. Zeitschrift für historische Anthropologie 21.2, 2011, pp. 1-23.
  • (2013). "Fragile Matters. Literature and the Scene of Torture" in New German Critique, 127, Feb. 2016, pp. 119-140.[18]

Capítulos de Livros

  • (2002). "Bodies Beyond the Fall. The Allure of Dolls from Rilke to Salman Rushdie", in Ana Gabriela Macedo, Orlando Grossegesse (eds.), Re-Presentações do Corpo Re-Presenting the Body, Braga: Universidade do Minho, Centro de Estudos Humanísticos, pp. 47-66
  • (2005). "Nemesi's City. Urban Casualties and the Modernist Novel", in Manfred Schmeling, Monika Schmitz-Emans (eds.), Modernist Landscapes, Würzburg: Königshausen & Neumann, pp. 215-232.
  • (2006). "Jede Frau ist eine Tänzerin… The Gender of Dance in Weimar Culture" in Christiane Schönfeld, Carmel Finnan (eds.), Practicing Modernity. Female Creativity and Weimar Germany, Würzburg: Königshausen & Neumann, pp.218-241.
  • (2007). "Die Schwere. Ein Versuch über Macht und Tanz" in Christoph Wulf, Gabriele Brandstetter (eds.), Tanz als Anthropologie, Munique: Wilhelm Fink Verlag, pp. 64-84.
  • (2008). "Sentimental Physics: Gottfried Benn, Heisenberg, & Co." in Monika Schmitz-Emans, Manfred Schmeling (eds.), Literature and Science, Würzburg: Königshausen & Neumann, pp. 177-192.
  • (2008). "Stemming the Tide… Carl Schmitt and Ernst Jünger’s Reactionary Modernism" in António Sousa Ribeiro, Maria Irene Ramalho (eds.), Translocal Modernisms, Zurich: Peter Lang, pp. 185-212.
  • (2009). "Le voyeur dans la nuit. L’esthétique nocturne d’Egar Allan Poe" in Alain Montandon (ed.), Promenades Nocturnes, Paris : L’Harmattan, pp. 61-84.
  • (2011). "Monks, Managers and Celebrities. Refiguring the European University" in Barbie Zelizer (ed.), Making the University Matter, Londres: Routledge, pp. 73-83.
  • (2012). "The Visual Literacy of Disaster in Ernst Jünger’s Photo Books" in Carsten Meiner, Kristin Veel (eds), The Cultural Life of Catastrophes and Crises, Berlin, New York: de Gruyter, pp. 147-176.
  • (2012). "This is (Not) It! Rate, Rattle and Roll in the Struggle for Financial Narratives" in Ansgar Nünning, Kai Sicks (eds.), Turning Points. Concepts and Narratives of Change in Literature and Other Media, Berlin: de Gruyter, pp. 191-212.
  • (2013). "The Risk Doctrine. On Money, Uncertainty and Literature" in Monika Schmitz-Emans, (ed), Literatur als Wagnis/Literature as Risk. DFG Symposium 2011, Berlin: de Gruyter, pp. 239-263.
  • (2014). "Visual recall in the present. Critical nostalgia and the memory of empire in Portuguese culture" in Naomi Segal, Daniela Koleva (eds.), Cultural Literacy in Europe, London: Palgrave, 2014, pp. 25-52.
  • (2015). "Smuggling Lust. On the Cultural Re-Turn of Luxury" in Anders Michelsen, Frederik Tygstrup (eds.): Socioaesthetics:Ambiance - Imaginary, Amsterdam: Brill Publishers, pp. 202-220.
  • (2016). "Seeing Voice. On the Cinematic Politics of Representation" in Alexandra Lopes, Adriana Martins (eds.), Mediations of Disruption in Postconflict Cinema, London: Palgrave, pp. 154-168

ReferênciasEditar

  1. «Reitora da Católica lidera federação internacional de universidades». Entrevista futuro/interior/reitora-da-catolica-lidera-federacao-internacional-de-universidades-9645772.html. 27 de julho de 2018 à RTP - a partir do minuto 20|data=29 de outubro de 2016}}
  2. {{citar web|url=http://https://www.dn.pt/vida-e-
  3. «Católica reafirma rumo e anuncia modernização digital». O Jornal Económico. 4 de novembro de 2016 
  4. «Isabel Capeloa Gil é a nova Reitora da Universidade Católica». Jornal Expresso. 6 outubro de 2016 
  5. «Curriculum Vitae da Profª Doutora Isabel Capeloa Gil» (PDF). Site da Universidade Católica Portuguesa. Outubro de 2016 
  6. «Isabel Gil é a nova Reitora da Universidade Católica». Site do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas( CRUP). Outubro de 2016 [ligação inativa]
  7. «Best Masters Ranking». Site Oficial Eduniversal: Best Masters Ranking. 2015/2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. «Global Innovation Summit 2018». Site Global Federation of Competitiveness of Councils(GFCC). 3 outubro de 2018 
  9. «ECFR Council Members». Site European Council of Foreign Relations 
  10. «Curriculum Vitae da Profª Doutora Isabel Capeloa Gil» (PDF). Site da Universidade Católica Portuguesa. Outubro de 2016 
  11. «Caos e Metamorfose: Uma Leitura da Dança na Obra de Hugo von Hofmannsthal». Books on Google 
  12. «Antigonae - Antigone. Uma leitura de Hölderlin e Claus Bremer». Site do Centro de Estudos Comparatistas. Consultado em 18 de novembro de 2016. Arquivado do original em 18 de novembro de 2016 
  13. «Tot sein und atmen... O complexo de Antígona no romance Malina de Ingeborg Bachmann». Site da Biblioteca Universitária João Paulo II 
  14. «Antigone and Cassandra: Gender and Nationalism in German Literature= Site da Wiley Online Library» 
  15. «O que significa Estudos de Cultura? Um diagnóstico cosmopolita sobre o caso da Cultura Alemã». Revista de Comunicação e Cultura, nº6, 2009, pp. Consultado em 21 de novembro de 2016. Arquivado do original em 21 de novembro de 2016 
  16. «Savages and Neurotics. Freud at the Colonial School", Journal of Romance Studies». Liverpool University Press Online 
  17. «A Question of Scale? Lázló László Almásy's Desert Mapping and Its Postcolonial Rewriting». Conference Report on "After Writing Back: Present and Future Perspectives in Postcolonial Studies"- Giessen University. Consultado em 21 de novembro de 2016. Arquivado do original em 21 de novembro de 2016 
  18. «Fragile Matters. Literature and the Scene of Torture" in New German Critique, 127, Feb. 2016, pp. 119-140». Duke University press 

Ligações ExternasEditar