Isabelle Stengers

Isabelle Stengers (Cidade de Bruxelas, 1949) é uma filósofa e historiadora belga notável por sua contribuição na filosofia da ciência. Stengers formou-se em química na Universidade Livre de Bruxelas. Ela é autora de livros sobre Teoria do Caos, em parceria com o químico russo Ilya Prigogine.[1] Stengers e Prigogine se inspiram no trabalho de Deleuze; tratando-o como uma fonte filosófica importante para pensar em questões relativas à irreversibilidade e o universo como um sistema aberto.

Isabelle Stengers
Nascimento 1949 (73 anos)
Cidade de Bruxelas
Cidadania Bélgica
Progenitores
  • Jean Stengers
Irmão(s) Marie-Laure Stengers
Alma mater
  • Université libre de Bruxelles
Ocupação filósofa, professora universitária, química
Empregador Université Libre de Bruxelles

BiografiaEditar

Os interesses de pesquisa da Professora Stengers incluem a filosofia da ciência e a história da ciência. Stengers é professora em Filosofia da Ciência na Universidade Livre de Bruxelas[2] e recebeu o grande prêmio de filosofia da Academia Francesa em 1993.[3] Stengers escreveu sua tese de doutorado sobre o filósofo inglês Alfred North Whitehead,[4] outros trabalhos também trataram de filósofos europeus como Michel Serres, Gilbert Simondon e Gilles Deleuze. Stengers também colaborou com o psiquiatra Leon Chertok,[5] e o sociólogo e antropólogo da ciência Bruno Latour. Seu livro "A invenção das Ciências Modernas"[6] foi parcialmente inspirado no ensaio de Latour, "Jamais Fomos Modernos"[7]

ObrasEditar

  • A Nova Aliança: a metamorfose da ciência (1979), em coautoria com Ilya Prigogine, Brasília, Editora Universidade de Brasilia, 1997.
  • "Quem tem medo da ciência? : ciencia e poderes", São Paulo, Siciliano, 1990.
  • "O coração e a razão : a hipnose de Lavoisier a Lacan", em coautoria com Leon Chertok, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990.
  • "O Fim das Certezas: tempo, caos e as leis da Natureza", em coautoria com Ilya Prigogine, Editora UNESP, 2011
  • '"A invenção das Ciências Modernas", São Paulo, Editora 34, 2002.
  • "No Tempo das Catástrofes", São Paulo, Cosac Naify, Coleção EXIT, 2015.

Referências

  1. "O Fim das Certezas: tempo, caos e as leis da Natureza", Editora UNESP (2011) e "Entre o Tempo e a Eternidade", Companhia das Letras (1992)
  2. Ver: http://www.upress.umn.edu/Books/S/stengers_cosmopoliticsI.html e http://www.v2.nl/archive/people/isabelle-stengers
  3. See: http://www.upress.umn.edu/Books/S/stengers_science.html
  4. Penser avec Whitehead, Paris, Le Seuil, « L’ordre philosophique », 2002.
  5. A critique of psychoanalytic reason: hypnosis as a scientific problem from Lavoisier to Lacan, Noel Evans M (trans.), Stanford: Stanford University Press (1992)
  6. "A invenção das Ciências Modernas", São Paulo, Editora 34, 2002
  7. "Jamais Fomos Modernos", São Paulo, Editora 34, 1994"


  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.