João Goulart Filho

João Vicente Goulart
Em discurso no Plenário do Congresso Nacional em 2015
Deputado estadual do Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 1983
a 1º de fevereiro de 1987
Dados pessoais
Nascimento 22 de novembro de 1956 (63 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Progenitores Mãe: Maria Thereza Goulart
Pai: João Goulart
Partido PDT (1979-2002)
PGT (2002-2003)
PDT (2003-2017)
PPL (2017-2018)
PCdoB (2018-presente)
Profissão filósofo
escritor

João Vicente Fontella Goulart (Rio de Janeiro, 22 de novembro de 1956), também chamado de João Goulart Filho, é um filósofo e político brasileiro.

BiografiaEditar

Filho do ex-presidente da República João Goulart e de Dona Maria Thereza, viveu sua infância e adolescência do exílio no Uruguai ao lado dos pais. Foi um dos fundadores do Partido Democrático Trabalhista, ao lado do seu tio Leonel Brizola.Erro de citação: Elemento de abertura <ref> está mal formado ou tem um nome inválido

É fundador e atual presidente do Instituto João Goulart, que tem objetivo voltado à pesquisa histórica e à reflexão sobre o processo político brasileiro em prol da soberania nacional.[1]

Exerceu ao longo da vida um mandato de deputado na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em 1982, eleito pelo PDT.Erro de citação: Elemento de abertura <ref> está mal formado ou tem um nome inválido Em 2002, se candidatou a deputado federal pelo PGT,[2] partido que se fundiu ao Partido Liberal juntamente com o PST, em 2003.[3] Voltou para o PDT, onde permaneceu até o início de 2017, em oposição ao apoio dado pelo partido ao governo Rodrigo Rollemberg (PSB), no Distrito Federal, após o governador barrar a construção do Memorial da Liberdade e Democracia Presidente João Goulart.[4]

Campanha presidencial em 2018Editar

Foi lançado pelo Partido Pátria Livre (PPL) como candidato à presidência do Brasil para as eleições de 2018, sendo Léo da Silva Alves candidato à vice-presidência.[5] Sua campanha teve como proposta a retomada das reformas trabalhistas e sociais que, segundo o candidato, "vinham sendo desenvolvidas e o processo foi interrompido com o golpe militar de 1964".[6] Após o pleito, ficou em último lugar, obtendo 30 176 votos (0,03% dos votos válidos) em sufrágio universal.[7]

Em dezembro de 2018, para evitar a cláusula de barreira, o Partido Pátria Livre (PPL) de Goulart Filho incorporou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).[8][9]

Obras publicadasEditar

  • Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta - 2016, pela editora Civilização Brasileira, finalista do Prêmio Jabuti.[10][11]
  • Entre Anjos e Demônios/poemas do exílio - 2018, pela editora Recanto das Letras.[12]

Referências

  1. «Instituto João Goulart». 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017 
  2. Candidatos a Deputado Federal
  3. «PL se funde com PST e PGT e garante tempo na TV». Folha Online. 11 de fevereiro de 2003. Consultado em 11 de fevereiro de 2003 
  4. «Filho de Jango deixa o PDT». O Globo. 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017 
  5. «Filho de Jango, deposto pela ditadura, pode disputar a Presidência». VEJA. 2017. Consultado em 26 de dezembro de 2017 
  6. «PPL lança João Goulart Filho candidato a presidente». BOL Notícias. 5 de agosto de 2018. Consultado em 3 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2018 
  7. «João Goulart Filho 54». Eleições 2018. Consultado em 3 de novembro de 2018 
  8. PCdoB e PPL aclamam e celebram a união em grande ato político
  9. PPL será incorporado ao PCdoB, anunciam presidentes dos dois partidos
  10. Civilização Brasileira, ed. (2016). Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta. Rio de Janeiro: [s.n.] 350 páginas. ISBN 978-8520010921 
  11. «Jango e eu: Memórias de exílio sem volta». Rádioweb UFPA. 25 de dezembro de 2017 
  12. Recanto das Letras, ed. (2018). Entre Anjos e Demônios/poemas do exílio. [S.l.: s.n.] 74 páginas. ISBN 9788569943655 
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.