Abrir menu principal

José Guilherme Godinho Sivuca Ferreira

José Guilherme Godinho Sivuca Ferreira (Valença, 1930) conhecido também como Sivuca é um ex-policial e político brasileiro.[1]

HistóriaEditar

Membro da Scuderie Detetive Le Cocq, foi um dos responsáveis pela morte do bandido Cara de Cavalo.[2] Muitos dos integrantes da Escuderia Le Cocq, que tinha como objetivo a repressão ao crime, executaram bandidos ao longo do tempo o que ocasionou passarem a ter a sigla EM, no popular, como referente a esquadrão da morte.

Bandido bom é bandido morto!” foi o slogan de sucesso da campanha eleitoral utilizada por José Guilherme Godinho, o Sivuca, quando Delegado de Policia do Rio de Janeiro, para se eleger em meados da década de 80 (1986) Deputado Estadual, sendo que os postes públicos no centro do RJ tinham cartazes com esse slogan.

O Delegado Sivuca foi da Polícia Especial, esta responsável pela guarda pessoal de Getúlio Vargas, mas com a extinção dessa polícia com a criação do Estado da Guanabara em 1960, passou com outros, como Detetive, a integrar a Polícia Civil do Novo Estado que por meio do Secretário de Segurança Pública Luís França passou a fazer parte dos “doze homens de ouro” da polícia carioca com o objetivo de “limpar a cidade”. Com a morte do Detetive Milton Le Cocq pelo famoso bandido Cara de Cavalo, criaram a Escuderia do Detetive Le Cocq que era simbolizada por uma caveira com dois ossos da tíbia cruzados por baixo, e a sigla E.M. que, na verdade, simbolizava Esquadrão Motorizado que outrora o próprio Delegado Sivuca integrou quando da Polícia Especial. Reza à lenda que o bandido Cara de Cavalo foi morto à época (década de 60) com mais de 50 tiros, tendo entre os seus executores os policiais Sivuca e Luís Mariano.

Na política, utilizava o bordão "bandido bom é bandido morto".[2] Foi eleito deputado estadual pelo PFL nas Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1990 e reeleito nas Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1994, pelo PPR.[3]

Referências

  1. José Guilherme Godinho Sivuca Ferreira (1998)
  2. a b Leitão, Alexandre (16 de julho de 2014). «A Scuderie Le Coq». Revista da Biblioteca Nacional. Consultado em 3 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 31 de agosto de 2016 
  3. «Resultados das Eleições 1994 - Rio de Janeiro - deputado estadual». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 18 de outubro de 2016 
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.