Partido Progressista Reformador

partido político brasileiro que existiu entre 1993 e 1995
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de PPR, veja PPR (desambiguação).

O Partido Progressista Reformador (PPR) foi um partido político brasileiro criado após a fusão entre o Partido Democrático Social e o Partido Democrata Cristão em convenção nacional no dia 4 de abril de 1993.[2]

Partido Progressista Reformador
LogoPPR93renderizado.png
Número eleitoral 11
Presidente Esperidião Amin
Fundação 4 de abril de 1993
Dissolução 14 de setembro de 1995 (2 anos)
Sede Brasília
Ideologia Conservadorismo
Liberalismo Social
Espectro político Direita[1]
Antecessor PDS
PDC
Sucessor PPB
Cores       Azul
      Vermelho

Política do Brasil
Partidos políticos
Eleições

SurgimentoEditar

Sucessor de legendas surgidas ou recriadas durante a reforma partidária de 1979 no governo João Figueiredo,[3] o Partido Progressista Reformador tinha em Paulo Maluf, então prefeito de São Paulo, sua liderança mais forte e conhecida. Para que a nova legenda nascesse, PDS e PDC realizaram convenções em separado antes de decidirem pela união e mesmo com a proposta sacramentada,[4] houve uma disputa interna sobre qual seria o nome da nova agremiação e nisso venceu a proposta do senador Jarbas Passarinho.[5][nota 1]

Em termos geopolíticos a fusão combinou a relevância havida pelo PDS no Centro-Sul do país e os enclaves do PDC na Amazônia e no Nordeste.[4][6] A nova legenda reuniu ao todo nove senadores e sessenta e oito deputados federais integrantes da terceira maior bancada do Congresso Nacional, tendo como líderes o senador Epitácio Cafeteira e o deputado José Luís Maia enquanto a presidência nacional da agremiação coube ao senador Esperidião Amin. Suas bancadas no Congresso Nacional foram constituídas após 8 de junho de 1993 quando o Tribunal Superior Eleitoral deferiu o seu pedido de registro.[nota 2][nota 3]

Além da prefeitura de São Paulo com Paulo Maluf, o PPR detinha as cidades de Boa Vista com Teresa Surita, Manaus com Amazonino Mendes e Palmas com Eduardo Siqueira Campos conforme estabeleceram as eleições de 1992 e também governava o Acre, então administrado por Romildo Magalhães.[nota 4]

Participação e desempenho eleitoraisEditar

Nascido para fazer oposição ao Governo Itamar Franco,[7] o PPR apresentou Esperidião Amin como candidato a presidente e Gardênia Gonçalves como vice-presidente em 1994 numa empreitada onde o partido ficou em sexto lugar com 1.739.458 votos, equivalentes a 2,75% do total.[8][9][10] Ao final do pleito, contudo, o partido elegeu três governadores de estado, dois senadores, 51 deputados federais e 113 deputados estaduais.

Em 14 de setembro de 1995 se fundiu com o Partido Progressista e assim formou o Partido Progressista Brasileiro (PPB) que deu sustentáculo aos dois governos de Fernando Henrique Cardoso e, em 2003, mudou sua denominação para Partido Progressista, mudando novamente de nome em 2017 para o atual Progressistas.

Utilizava o 11 como número identificador da sigla, assim como ia ser feito pelos sucessores - Partido Progressista Brasileiro (1995 a 2003), Partido Progressista (2003 a 2017) e Progressistas (2017 até hoje) - e seu antecessor, o Partido Democrático Social, substituto da Aliança Renovadora Nacional (ARENA).

Genealogia partidária do PPREditar

Diagrama da origem histórica do partido
Aliança Renovadora Nacional
(ARENA) 1966–1979
Partido Democrático Social
(PDS) 1980–1993
Partido Democrata Cristão
(PDC) 1985–1993
Partido Social Trabalhista
(PST) 1988–1993
Partido Trabalhista Renovador
(PTR) 1985–1993
Partido Progressista Reformador
(PPR) 1993–1995
Partido Progressista
(PP) 1993–1995
Frente Liberal
(FL)

Partido da Frente Liberal
(PFL) 1985–2007

Democratas
(DEM) 2007–presente
Partido Progressista Brasileiro
(PPB) 1995–2003

Partido Progressista
(PP) 2003–2017

Progressistas
(PP) 2017–presente
Fonte: [11][12]

Participação e desempenho eleitoralEditar

Participação em eleições presidenciaisEditar

Ano Imagem Candidato(a) a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos % Colocação Ref.
1994   Esperidião Amin (PPR) Gardênia Gonçalves (PPR) sem coligação 1.739.894 2,75% 6.º [13]

Notas e referências

Notas

  1. Convencionais gaúchos defenderam o nome "Partido Progressista Democrático (PPD)" à nova agremiação.
  2. Os números referentes à bancada original do PPR foram colhidos no Diário do Congresso Nacional e nos Anais do Senado Federal entre junho e setembro de 1993. A contagem cessou quando o primeiro de seus parlamentares deixou a legenda.
  3. Jairo Azi foi o primeiro dentre os parlamentares fundadores do PPR a deixar o partido conforme um ofício entregue à mesa diretora da Câmara dos Deputados no qual ele comunica seu ingresso no PSD. Por coincidência sua defecção foi seguida pela chegada de José Maria Eymael, ora egresso do Partido Progressista.
  4. Nessa época a prefeita de Boa Vista era conhecida como "Teresa Jucá" devido ao matrimônio com o político Romero Jucá.

Referências

  1. Yan de Souza Carreirão (2 de junho de 2006). «Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina. Universidade Estadual de Campinas». scielo.br. Scielo. Consultado em 22 de julho de 2020 
  2. Redação (5 de abril de 1993). «Maluf lança PPR com ataques a Lula. Geral, p. 04». acervo.estadao.com.br. O Estado de S. Paulo. Consultado em 13 de julho de 2021 
  3. BRASIL. Presidência da República. «Lei n.º 6.767 de 20/11/1979». Consultado em 6 de junho de 2016 
  4. a b Lúcio Vaz (18 de fevereiro de 1993). «PDS fecha acordo para se fundir com o PDC. Primeiro Caderno, Brasil, p. 1-9». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de julho de 2021 
  5. Tales Faria (5 de abril de 1993). «Regra três" do PPR é Amin. Primeiro Caderno, Brasil, p. 1-5». acervo.folha.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de julho de 2021 
  6. Ronaldo Brasiliense (9 de outubro de 1994). «PPR, ex-Arena, vira partido "amazônico" e será oposição. Primeiro Caderno – Política e Governo, p. 02». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 13 de julho de 2021 
  7. Franklin Martins (14 de fevereiro de 1994). «PPR se firma como direita moderna. Primeiro Caderno – Política e Governo, p. 02». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 13 de julho de 2021 
  8. BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. «Repositório de Dados Eleitorais». Consultado em 13 de julho de 2021 
  9. Redação (31 de março de 1994). «PPR lança Amin para vaga de Maluf. Primeiro Caderno – Política e Governo, p. 02». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 13 de julho de 2021 
  10. Redação (24 de maio de 1994). «Outra mulher é vice. Primeiro Caderno – Política e Governo, p. 04». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 13 de julho de 2021 
  11. TSE. «Histórico de partidos». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  12. Marcio Rodrigo Nunes Cambraia (outubro–dezembro de 2010). «A Formação da Frente Liberal e a Transição Democrática no Brasil (1984-85)». Revista On-Line Liberdade e Cidadania. Fundação Liberdade e Cidadania. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  13. Redação (13 de abril de 1994). «Amin é '100% candidato' e vai se tornar líder nacional, diz Maluf. Folha Online». folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de julho de 2020