Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
José Tadeu Ribeiro
Nascimento 1 de agosto de 1953 (65 anos)
Três Corações
Cidadania Brasil
Ocupação diretor de fotografia

José Tadeu Ribeiro (Três Corações, 1 de agosto de 1953) é um fotógrafo de cinema e televisão brasileiro.

Índice

JuventudeEditar

Na juventude, José Tadeu vinha ao Rio de Janeiro frequentemente acompanhado do pai, que era ligado ao ramo do café. Contrariando o desejo de sua família para que estudasse Agronomia, entrou para o curso de jornalismo na UFMG, em 1969.

Na universidade, travou contato com o fotojornalismo, começando a trabalhar como fotógrafo para revistas e jornais locais; em seguida trabalhando para o jornal Estado de Minas.

Início de carreiraEditar

O contato com o cinema se deu através de Lucila Avelar, sua prima, que na época trabalhava na Cinemateca Brasileira, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Em 1976, ela lhe apresenta Lauro Escorel, que o convida para ser segundo assistente de fotografia no longa metragem Lúcio Flávio, de Hector Babenco. O filme ganha melhor fotografia no Festival de Gramado de 1978[1] e, a partir desse momento, se muda definitivamente para o Rio de Janeiro, iniciando carreira como assistente em diversos filmes consagrados, como Bye Bye Brasil e Eles não usam Black Tie.

CinefilmesEditar

Em 1979, José Tadeu ganha um edital nacional da Embrafilme, em conjunto com Jorge Veras, para visitar as fábricas da indústria cinematográfica europeia.[carece de fontes?]

Conhece as sedes da Angenieux, na França e da Zeiss e Arriflex, na Alemanha. Na mesma viagem, compra sua primeira câmera 35mm, junto com Lauro e Eduardo Escorel. Juntos, fundam a produtora Cinefilmes.[carece de fontes?]

Seu primeiro filme como diretor de fotografia foi Nunca Fomos tão Felizes, em 1984, de Murilo Salles, em que ganha o prêmio de melhor fotografia no Festival de Gramado. No mesmo ano, dirige a fotografia do longa-metragem Noites do Sertão e ganha!Artigos que necessitam de esclarecimento[necessário esclarecer] melhor fotografia[2] no Festival de Brasília.

Em 1985, começa a trabalhar no filme Brás Cubas, de Júlio Bressane, diretor com o qual José Tadeu realizou mais filmes. Nos anos seguintes, dirige a fotografia de vários filmes[carece de fontes?], trabalhando com Fábio Barreto, Murilo Salles, Neville de Almeida, Cacá Diegues e Bruno Barreto. Na década de 90, fecha a Cinefilmes, por conta da crise do cinema brasileiro[carece de fontes?].

Década de 90Editar

Começa a trabalhar em comerciais e na área de publicidade. Com a retomada do Cinema Brasileiro[carece de fontes?], volta a fotografar filmes para o cinema, como Menino Maluquinho, O Mandarim e Miramar. Inicia sua carreira na televisão com Daniel Filho, fazendo alguns trabalhos para a TV Globo, como a série "Mulher", de 1997.[carece de fontes?]

AtualidadeEditar

Em 2001, dirige a fotografia de Os Maias, minissérie da TV Globo dirigida por Luiz Fernando Carvalho. No mesmo ano, fotografa os filmes Copacabana, de Carla Camurati e “Dias de Nietzsche em Turim”, de Júlio Bressane. Em 2002, fotografa Avassaladoras, de Mara Mourão e a novela Esperança, de Luiz Fernando Carvalho.[carece de fontes?]

Em 2006, com o mesmo diretor, faz a fotografia de Hoje é dia de Maria, marcando um de seus mais conceituados trabalhos.[3]

Segue fotografando minisséries e novelas para a TV Globo em parceria com Wolf Maya, José Alvarenga Jr. e Luiz Fernando Carvalho.[4] Um dos seus últimos trabalhos foi a novela Meu Pedacinho de Chão.[5]

FilmografiaEditar

Longa-metragemEditar

  • 1982 -  Nunca fomos tão felizes
  • 1983 - Noites do Sertão, O Cavalinho Azul
  • 1984 - O Rei do Rio, Os Trapalhões no Reino da Fantasia
  • 1985 - Brás Cubas, Sonho sem Fim, A Cor do seu Destino
  • 1986 - Besame Mucho, Luzia homem
  • 1988 - Faca de Dois Gumes
  • 1987 - Romance da Empregada
  • 1988 - O Escorpião Escarlate
  • 1989 - Os Sermões do padre Antonio Vieira
  • 1990 - A Grande Arte (parte)
  • 1991 - Isadora Duncan, O Menino Maluquinho
  • 1995 - Mandarim
  • 1996 - Miramar
  • 1996 - Alô
  • 1997 - Amor e Cia
  • 1998 - São Geronimo
  • 2000 - Minha vida em suas mãos, Copacabana, Dias de Nietzsche em Turim
  • 2001 - Avassaladoras, Uma onda no ar, São Francisco - Um Rio Cheio de História
  • 2002 - Concerto Campestre
  • 2004 - Sexo, Amor e Traição

Curta-metragensEditar

  • 1979 - Madrugada
  • 1981 - No Mundo da Lua
  • 1986 - Garganta
  • 1986 - Tim Maia
  • 1986 - Histórias da Rocinha
  • 1986 - SOS Brunet
  • 1987 - Salvar o Brasil
  • 1989 - Trancado por Dentro

Minisséries para TVEditar

  • 1996 - Madona de Cedro
  • 1997 - A Justiceira
  • 1988 - Mulher (primeira parte)
  • 1991 - Mulher (segunda parte)
  • 2000 - Os Maias
  • 2002 - Um Só Coracão
  • 2004 - Hoje é dia de Maria
  • 2005 - Hoje é dia de Maria (parte 2)
  • 2006 - A Pedra do Reino

Referências

  1. «Lista de premiados no Festival de Gramado». Wikipédia, a enciclopédia livre 
  2. «70 Anos de Cinema». www.70anosdecinema.pro.br. Consultado em 1 de março de 2016 
  3. «Hoje é dia de Maria: a influência das artes visuais nas direções de arte e fotografia» (PDF). Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Consultado em 2 de março de 2016 
  4. «Filmografia de José Tadeu Ribeiro». AdoroCinema. Consultado em 2 de março de 2016 
  5. «Tricordiano é o diretor de fotografia da nova novela das seis». trescoracoes.mg.gov.br. Consultado em 2 de março de 2016