Língua okanagan

Okanagan (Colville)

n̓səl̓xcin

Falado(a) em: Canadá, Estados Unidos
Região: Interior sul da Columbia Britânica, centro-norte de Washington
Total de falantes: 600 (2007–2014), como 2.ª língua 2 mil
Família: Salishe
 Salishe interior
  Meridional
   Okanagan (Colville)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: oka

Okanagan, ou Colville-Okanagan, é uma língua salishe que cresceu entre os povos nativos da região do Interior Plateau do sul da Columbia Britânica, Sua base inicial foi a bacia do rio Okanagan e do rio Columbia antes da existência dos países Canadá e Estados Unidos. Após a colonização britânica, americana e canadense durante o século XIX e a subsequente repressão de todas as línguas salishanas, o uso de Colville-Okanagan diminuiu drasticamente.

História e característicasEditar

Historicamente, Colville-Okanagan originou-se de uma língua que foi falada na bacia do rio Columbia (Colômbia Bacia do rio de Colômbia), a qual é hoje nomeado Salishe Proto Sul Interior. Em consequência da expansão inicial de Colville-Okanagan antes dos contatos com europeus, a língua desenvolveu três dialetos separados: Colville, Okanagan, e Lagos. Há um baixo grau de divergência dialética em termos de vocabulário e gramática. A variação é principalmente na pronúncia.

A grande maioria das palavras de Colville-Okanagan são do Proto-Salish ou de Proto-Interior. Um número de palavras de Colville-Okanagan é compartilhado ou tomado emprestado das línguas vizinhas do Salishe, de línguas de Sahaptian e de Kutenai. Os empréstimos de palavra mais recentes são do inglês e francês. Colville-Okanagan era uma forma exclusivamente oral de comunicação até o final do século XIX, quando sacerdotes e linguistas começaram a transcrever a linguagem em listas de palavras, dicionários, gramáticas e traduções. Colville-Okanagan é atualmente escrita no alfabeto latino usando o chamado “American Phonetic Alphabet”.

Na própria língua Colville-Okanagan, ela é conhecida como nsəlxcin ou nsyilxcn. Os falantes de "nsəlxcin" ocuparam a parcela do norte da bacia do Colômbia: do rio Methow no oeste, do lago Kootenay no leste e ao norte ao longo do rio de Columbia e dos lagos Arrow. Em Colville-Okanagan todas as tribos falantes nsyilxcn são agrupadas sob a etiqueta étnica syilx . Colville-Okanagan é a língua de herança das Tribos Indígenas “Lower Similkameen”, “Upper Similkameen”, “Primeira Nação Westbank”, “ Osoyoos”, “Penticton”, “Okanagan”, “Upper Nicola Indian Band”, “Colville”, “Sanpoil”, “Sinixt Lagos”, “Nespelem” e “Methow”, Tribos Confederadas da Reserva de Colville.

ExtinçãoEditar

Colville-Okanagan está altamente ameaçada de extinção e raramente é aprendida como primeira língua ou segunda língua. Há cerca de 150 falantes de Colville-Okanagan Salish, a maioria dos quais vivem na Colúmbia Britânica.[1] A linguagem é atualmente moribunda e não tem falantes fluentes com menos de 50 anos de idade. Colville-Okanagan é a segunda língua salishe mais falada após a língua shuswap.

RevitalizaçãoEditar

Em 2012, a CBC apresentou um documentário sobre um família que ensinava Nsyilxcen a suas crianças em casa.[2] Quatro organizações sem fins lucrativos que apóiam a aquisição de língua Colville-Okanagan e sua revitalização de são a Paul Creek Language Association em Keremeos, Columbia Britânica; o Centro de En'owkin em Penticton, também na Columbia Britânico; a Escola de Imersão de Whaterfalls, Washington, Estados Unidos, bem como a Escola Salishe de Spokane, também em Washington.

FonologiaEditar

ConsoantesEditar

Bilabial Alveolar Palatal Velar Uvular Glotal
Central Lateral plana labial plana labial
Nasal plana m n
glotalizada
Oclusiva plana p t k q ʔ
Ejetiva tʃʼ kʷʼ qʷʼ
Fricativa s ɬ x χ χʷ h
Aproxi-
mante
plana l j w
glotalizada
Vibrante plana r
glotalizada

VogaisEditar

As vogais são: [i], [a], [u], [ə], and [o]. O [ə] É a única variante não tônica entre as vogais completas em Okanagan enquanto a vogal [o] só existe em palavras de origem estrangeira. A tonicidade só existe nas vogais completas [i], [a], e [u].

OrtografiaEditar

Letra nome Letra IPA Pron. base inglês Ex.Okaganan
a a /a/ conf. father anwí (é você)
c ci /t͡ʃ/ conf. church cʕas (colisão)
c̓a /t͡ʃʼ/ conf. cats c̓ałt (frio)
ə ə /ə/ conf. elephant əcxʷuy (vai)
h ha /h/ conf. happy hiw̓t (rato)
i is /i/ conf. see ixíʔ (que/então)
k kut /k/ conf. kite kilx (mão)
k̓it /kʼ/ como um k forte k̓ast (mau)
kʷup /kʷ/ conf. queen kʷint (tomar)
k̓ʷ k̓ʷap /kʷʼ/ como um forte k̓ʷck̓ʷact (forte)
l li /l/ conf. love limt (feliz)
əl̓ /lˀ/ como um l curto sl̓ax̌t (amigo)
ł łu /ɬ/ com um l' 'succionado łt̓ap (saltar/pular)
ƛ̓ ƛ̓i /t͡ɬʼ/ como um clique tl (lado da boca) ƛ̓lap (parar)
m mi /m/ conf. mom mahúyaʔ (guaxinim)
əm̓ /mˀ/ como um m curto stim̓ (o que)
n nu /n/ conf. no naqs (um)
ən̓ /nˀ/ conf. n curto n̓in̓wiʔs (mais tarde)
p pi /p/ conf. pop pn̓kin̓ (quando)
p̓a /pʼ/ conf. estourado p p̓um (marrom)
q qi /q/ conf. k no fundo da garganta qáqnaʔ (vovó)
q̓u /qʼ/ conf. q forte q̓aʔxán (sapato)
qʷa /qʷ/ conf. q com lábios arredondados qʷacqn (chapéu)
q̓ʷ q̓ʷʕay /qʷʼ/ conf. q forte com lábios arredondados q̓ʷmqin (chifre)
r ri /r/ co yirncút (arredondar)
s sas /s/ conf. sister síyaʔ (saskatoon/sarvis/baga de junho)
t ti /t/ conf. top tum̓ (mãe)
t̓a /tʼ/ conf. t forte t̓ínaʔ (ouvido)
u u /u/ conf. soon uł (e)
w wa /w/ conf. walk wikn (eu vi)
əw̓s /wˀ/ conf. w curto sw̓aw̓ásaʔ (titia)
x xu /x/ conf. h suave no fundo da garganta xixəw̓tm (menina)
x̌a /χ/ conf. l h gutural no fundo da garganta x̌ast (bom)
xʷi /xʷ/ conf.n h fundo da garganta com lábios arredondados xʷuy (ir)
x̌ʷ x̌ʷay /χʷ/ conf. h' 'gutural no fundo da garganta com lábios arredondados x̌ʷus (espuma)
y yi /j/ conf. yellow yus (escuro/púrpura)
y̓u /jˀ/ conf. y curto c̓sy̓aqn (cabeça)
ʕ ʕay /ʕ/ conf. a curto no fundo da garganta ʕaymt (raivoso)
ʕ̓ ʕ̓aw /ʕˀ/ conf.ʕ curto ʕ̓ac̓nt (olhar)
ʕʷ ? /ʕʷ/ conf. ownasalizado no fundo da garganta kaʕʷm (orar)
ʔ ʔət /ʔ/ uma parada de respiração no fundo da garganta conf. uh-oh ʔaʔúsaʔ (ovo)

MorfologiaEditar

A morfologia de Okanagan é bastante complexa. É uma linguagem que marca as palavras principais da frase (base) e que se baseia principalmente na informação gramatical que está sendo colocada diretamente no predicado por meio de afixos e clíticos. A combinação de sufixos derivatórios e flexionais e prefixos que são adicionados às palavras base fazem para uma linguagem compacta.[3]

Marcadores pessoaisEditar

Okanagan demonstra grande flexibilidade ao lidar com pessoas gramaticais, número e gênero. A linguagem codifica a pessoa através de uma série de prefixos e sufixos, e usa seu sistema numérico em conjunto com pronominais pluralizados para comunicar o número de “atores” dentro de uma frase. Por exemplo: tkaˀkaˀɬis

k- kaˀ- kaˀɬis

classifica número plural.reduplicado três

"Há três pessoas"[3]

Neste exemplo, a classificação / k / designa que a palavra contém um classificador numérico.

Além disso, Okanagan depende fortemente do uso de sufixos para designar gênero. Okanagan lida com o gênero de forma muito semelhante, ligando tanto o determinante quanto o "homem" à sentença, o gênero de um objeto ou sujeito também pode ser comunicado: wikən iˀ sqəltmixw

wik- -ən iˀ sqəltmixw

vi 1sg det homem "Eu vi o homem"

Neste exemplo (sqəltmix w), há uma combinação de marcador 2.ª pessoa singular com 'esposa'. Ela é codificada no significado da palavra através da inclusão do sufixo de gênero no final da frase.

Os marcadores de pessoa no Okanagan são anexados a verbos, substantivos ou adjetivos. O marcador utilizado dependendo da transitividade dos verbos e outras condições. O marcador da pessoa usado depende muito do caso que está sendo usado na sentença.

Caso absolutivoEditar

Os marcadores absolutivos dentro de Okanagan só podem ser usados se o predicado da sentença for intransitivo.

Por exemplo, [Kən c'k-am] (I contar) é perfeitamente viável em Okanagan, mas * [Kən c'k-ən-t] * (eu conto) não é porque o verbo 'contar' é transitivo. Os marcadores de pessoa nunca ocorrem sem um verbo intransitivo.[3]

Marcador pessoa Singular Plural
1.ª kən kwu
2.ª kw p
3.ª null (...-əlx)

Caso possessivoEditar

Os possessivos simples dentro de Okanagan são predominantly um resultado do prefixação e do circunfixação num verbo. No entanto, Okanagan usa possessivos simples como formas de aspecto mesmo nos verbos de formas muito complexas. Esta prática é predominantemente vista em línguas salish do interior do sul.[3]

Raiz: kilx 'mão'

Possessivo Uso Proceso morfológico Tradução
1.ª SG in-kilx prefixo minha-mão
2.ª SG an-kilx prefixo tua-mão
3.ª SG iʔ circunfixo kilxəs circunfixo suamão
1.ª PL i? circunfixo kilxəət circunfixo nossa mão
2.ª PL iʔ circunfixo kilxə mp circunfixo vossa (de vocês) mão
3.ª PL iʔ circunfixo kilxə səlx circunfixo sua (deles) mão

Onde a prefixação ocorre com -in / an na 1.ª e 2.ª pessoa do singular, / n / pode sofrer a exclusão como abaixo:

isxʷuytn in-s-xʷuy-tan 1sg poss-nom -go- inst "elas são minha trilhas"

akɬtkɬmilxʷ an- kɬ- tkɬmilxʷ 2sg poss-ser-mulher "ela será tua mulher"

anik'mən an-nik'mən 2sg poss-faca "tua faca" [3]

Caso ergativoEditar

No caso dos verbos, a morfologia de Okanagan trata da transitividade de várias maneiras. O primeiro é um conjunto de regras para verbos que só têm um único objeto direto, verbos transitivos. Para o caso ergativo há duas variantes de marcadores de pessoa um acentuado e um não acentuado (som).

acentuado não acentuado
1.ª SG -ín -n
2.ª SG -íxw -xw
3.ª SG -ís -s
1.ª PL -ím -m
2.ª PL -ip -p
3.ª PL -ísəlx -səlx

A raiz: c'k-ən-t equivale ao verbo transitivo 'contar.'

Uso Tradução
1.ª st SG c'k-ən-t-ín eu conto aquilo
2.ª SG c'k-ən-t-íxw tu contas aquilo
3.ª SG c'k-ən-t-ís ele/ela conta aquilo
1.ª PL c'k-ən-t-ím nós contamos aquilo
2.ª PL c'k-ən-t-íp você contam aquilo
3.ª PL c'k-ən-t-ísəlx eles/elas contam aquilo

Caso acusativoEditar

Existem dois conjuntos de afixos verbais cada um contendo dois membros que ditam a composição de um verbo. O primeiro conjunto é composto pelos afixos -nt- e -ɬt-. O segundo conjunto é composto por -st- e x (i) t onde 'i' é uma vogal tônica.

A principal diferença entre dois conjuntos é como eles incorporam afixos para permanecer gramaticalmente corretos. No caso do grupo -nt-, -tt, todas as partículas e sufixos que se juntam à raiz e ao sufixo do verbo serão idênticos para ambos. O afixo -nt- se conecta à raiz de um verbo transitivo via sufixação. O sufixo -nt- só pode fazer referência a duas pessoas: um ator e um objeto primário.

Há uma série de complementos disponíveis para Okanagan para esclarecer seus predicados entre estes estão complementos de posição, que apenas indicam o lugar de um predicado.

Além dos complementos posicionais, há uma variedade de complementos marcados, complementos usados em Okanagan que expressam mais significados através de uma série de partículas

q'y'-ənt-in (eu escrevo algo)

O afixo -ɬt- é a contrapartida biitransitiva de -nt- e funciona no mesmo modo. A diferença entre os dois é que se referem a três pessoas: um ator, e dois outros atores ou objetivos. Além disso, -ɬt- é diferenciado de seu primo bitransitivo -x (i) t porque não requer um clítico para ser uma parte do verbo.

Em contraste com este grupo, -st- e -x (i) t operam por regras exclusivas. O afixo -st-, bem como sua contrapartida, devem ser adicionadom a uma raiz de verbo por meio de sufixação. Também é transitivo, e se refere a um ator e um objetivo primário, mas implica numa referência a uma terceira pessoa, ou um objeto secundário sem declará-lo explicitamente.

q'y'-əst-in. (eu escrevo isso para mim)

O -x (i) afixo bitransitivo compartilha todas as características de -ɬt- com a única exceção de que ele requer um clítico para ser anexado à frente da raiz do verbo. A razão para o clítico em Okanagan é adicionar ênfase ou foco sobre o segundo objeto, enquanto-t - não faz distinção.[4]

Predicados and argumentosEditar

Cada frase Okanagan pode ser dividida em duas partes: predicados flexionados que são necessários para cada sentença, e argumentos opcionais. Okanagan permite um máximo de dois argumentos por construção de sentença. Estes são marcados por marcadores pronominais no predicado. Cada argumento é introduzido na sentença através de um determinante inicial; A única exceção aos determinantes iniciais é no caso de nomes próprios que não necessitam de determinantes para introduzi-los. Os predicados podem ser de qualquer categoria léxica. Pode haver argumentos adicionais adicionados a uma frase em Okanagan via complementaress. Okanagan é a única entre as línguas Salishes com inclusão desses complementares.[3]

OblíquosEditar

Okanagan tem um marcador oblíquo que serve adaptar-se a várias funções diferentes dependendo do contexto em que é usado. O marcador oblíquo "t" pode ser usado para marcar o objeto de um verbo intransitivo, como no caso abaixo.

kən ˀiɬən t sɬiqw I como obl carne I comi (um pouco de) carne[3]

't' também pode marcar o agente em uma construção passiva, e pode ser usado para marcar o agente ergativo de verbos transitivos. Finalmente, o oblíquo 't' pode ser usado para marcar funções incluindo tempo e instrumento:

kən txam t sx̌əx̌c'iˀ I penteei obl pau "Eu penteei meu cabelo com um pau"[3]

't' também pode coincidir com o determinante 'iʔ' no caso de instrumentos e agentes passivos:

tʕapəntís [iʔ [t swlwlmínk]]. disparar-DIR-3SG.ERG DET OBL arma eu disparei (nele) com a arma.

Mike cúmqs-nt-m [iʔ [t tkɬmílxʷ]].

Mike beijo-DIR-PASS DET OBL mulher Mike foi beijado pela mulher[5]

ComplementosEditar

Há uma série de complementos disponíveis para Okanagan para esclarecer seus predicados entre estes são complementos de posição, que apenas indicam o lugar de um predicado.

Além dos complementos posicionais, há uma variedade de complementos marcados, complementos usados em Okanagan que expressam mais significado através de uma série de partículas.[6]

O primeiro dos complementos marcados é o prefixo / yi /. Para a maior parte, / yi / é um complemento opcional que é usado em casos definidos, com exceção dos casos em que um substantivo próprio é usado. Nesses casos, o prefixo / yi / não é permitido. Quando / yi / é usado refere-se a um referente definido.[6]

wikən yiˀ sqilx " Eu vi as/aquelas pessoas." Os complementos seqüenciais são compostos das partículas / ɬ / e / ɬa /. / Ɬa / transmite a sequência temporal enquanto / ɬ / representa um elemento subordinado. wajˀ x̌ast ɬ k[w] cxwujˀ "é bom que você venha."

wajˀ x̌ast ɬa kw cxwujˀ "vai ser bom depois que você vier"

Okanagan também contém um número de complementos de localização que se referem a quando ou onde algo aconteceu. É um ponto de referência. As partículas / l / e a variante / lə / são usadas para amarrar um predicado a uma hora ou lugar.[6] Xwujˀ lə sənkwəkw əˀac. "Ele veio na noite"

Os complementos ablativos Okanagan vêm na forma da partícula / tl / Junto com os complementos direcionais, / k'/ e / k'l /, falantes Okanagan podem indicar movimento. O complemento ablativo / tl / serve apenas para indicar "afastando-se". Por exemplo, na frase abaixo, o ablativo é "de (através do oceano)".

Kw s-cu-txx tl sk'wətikənx "Você estava dizendo que ele é de Seattle?"

As duas partículas do complemento direcional representam ambas direções: em direção a algo ou em direção a um local específico. / K / significa movimento em direção a algo:

K' incitxw "para minha casa" (não “na direção dela”)

A partícula / k'l / modifica esta frase para que ela especifique a casa como o local para o qual o sujeito deve se mover.K'əl incitxw "para minha casa" (para lá usar)

ClassificaçãoEditar

Os verbos podem reagir de várias maneiras quando um sufixo é anexado à raiz da palavra. Abaixo estão algumas maneiras pelas quais as raízes intransitivas são modificadas.[7]

-t pode indicar uma característica natural da raiz c'ik' "queimando" c'ik't "queimado"

-lx Indica que o sujeito está envolvido em uma atividade qiclx "corre"

-ils expressa estado de espírito. nk'wpils "solitário"

-p expressa falta de controle de um sujeito kmap "escurecendo (céu)"

Transitivos:

-n Envolve a ação sobre um objeto por um sujeito Kwu caʔntis "ele me atingiu"

-s envolvem ação ou estado resultante de uma atividade. kwu cˀaistixw

- Sut indica quando a ação de um sujeito é dirigida para si mesma. tarqnsut "chutar-se"

raízes transitivas sem marcação de pessoa indicam imperativos nlk'ipnt "abra isso"

intransitivos podem expressar um imperativo com o sufixo –x: xwuy "vá"

Espaço, tempo, modoEditar

O sistema Okanagan depende fortemente de seus afixos para demonstrar tempo, espaço e tempo. Abaixo são demonstrados vários afixos que se ligam às raízes para codificar o significado.

Dos dois exemplos a seguir, eles só são possíveis no paradigma -n transitivo.[7]

ks- Ação não realizada

ˁikstxt'am " Eu vou cuidar dele "

səc- passado perfeito ˁi-səc-txt'-am " Eu estive cuidando dele."

Os exemplos a seguir são para intransitivos.

-k não realizado: expressa um futuro intencional. (eu estou querendo…) Kn q[w]əl' – t " estou ansioso"

-aʔx Continuativo: Ação o estado atual

Kn scputaʔx
"estou celebrando"

Prefixos direcionaisEditar

ɬ- Moviemento para trás

c- Movimento direcionado a quem fala

kɬ- sob, em baixo[7]

Marcação preposicional para objetos oblíquosEditar

tl' de onde, fonte.

k'l para, em, objetivo, recipiente, dativo.

k' para, benefativo.

L em, locativo.

nˁəɬ com, comitativo.

ˁit com, por meio de, instrumental[7]

Notas e referências

  1. Gordon, Raymond G. Ed. (2005). Salishan: Ethnologue. Ethnologue: Languages of the World, 15th ed. Retrieved April 14, 2014.
  2. «First Voices: bringing aboriginal language to the dinner table. The Bent family, who live near Penticton, are teaching their young children both English and Nsyilxcen». Daybreak South - CBC Player. 20 de junho de 2012. Consultado em 5 de agosto de 2012 
  3. a b c d e f g h Baptiste, Maxine Rose. Okanagan wh-questions. Diss. University of British Columbia, 2001.
  4. Mattina, Anthony. The Colville-Okanagan Transitive System. International Journal of American Linguistics, Vol. 48, No. 4 (Oct. 1982), pp. 421-435
  5. Lyon, John (2013). «Oblique Marked Relatives in Southern Interior Salish: Implications for the Movement Analysis». Canadian Journal of Linguistics. 58 (2): 349–382 
  6. a b c Mattina, Anthony. "Colville Grammatical Structure." University of Hawaii. May 1973.
  7. a b c d Pattison, Lois Cornelia. "Douglas Lake Okanagan: Phonology and Morphology." University of British Columbia. 1978.

BibliografiaEditar

Textos de aprendizadoEditar

  • Peterson, Wiley, and Parkin. (2004). Nsəlxcin 1: A Beginning Course in Colville-Okanagan Salish. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. (2005). Captíkʷł 1: Nsəlxcin Stories for Beginners. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. (2007). Nsəlxcin 2: An Intermediate Course in Okanagan Salish. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. (2007). Captíkʷł 2: More Nsəlxcin Stories for Beginners. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. (In Press). Nsəlxcin 3. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. (In Press). Captíkʷł 3. The Paul Creek Language Association.
  • Manuel, Herbert, and Anthony Mattina. (1983). Okanagan Pronunciation Primer. University of Montana Linguistics Laboratory.

Narrativas, canções, dicionários, listas de palavrasEditar

  • Doak, Ivy G. (1983). The 1908 Okanagan Word Lists of James Teit. Missoula, Montana: Dept. of Anthropology, University of Montana, 1983.
  • Mattina, Anthony and Madeline DeSautel. (2002). Dora Noyes DeSautel łaʔ kłcaptikʷł: Okanagan Salish Narratives. University of Montana Occasional Papers in Linguistics 15.
  • Seymour, Peter, Madeline DeSautel, and Anthony Mattina. (1985). The Golden Woman: The Colville Narrative of Peter J. Seymour. Tucson: University of Arizona Press.
  • Seymour, Peter, Madeline DeSautel, and Anthony Mattina. (1974). The Narrative of Peter J. Seymour Blue Jay and His Brother-In-Law Wolf.
  • Lindley, Lottie & John Lyon. (2012). 12 Upper Nicola Okanagan Texts. ICSNL 47, UBCWPL vol. 32, Vancouver BC.
  • Lindley, Lottie & John Lyon. (2013). 12 More Upper Nicola Okanagan Narratives. ICSNL 48, UBCWPL vol. 35, Vancouver BC.
  • Mattina, Anthony. Colville-Okanagan Dictionary. Missoula, Mont: Dept. of Anthropology, University of Montana, 1987.
  • Pierre, Larry and Martin Louie. (1973). Classified Word List for the Okanagan Language. MS, Penticton, B.C.
  • Purl, Douglas. (1974). The Narrative of Peter J. Seymour: Blue Jay and Wolf. ICSL 9, Vancouver, B.C.
  • Someday, James B. (1980). Colville Indian Language Dictionary. Ed.D. dissertation, University of North Dakota, Grand Forks. DAI 41A:1048.
  • Peterson and Parkin n̓səl̓xcin iʔ‿sn̓kʷnim: Songs for Beginners in Okanagan Salish. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin n̓səl̓xcin iʔ‿sn̓kʷnim 2: More Songs for Beginners in Okanagan Salish. The Paul Creek Language Association.
  • Peterson and Parkin. n̓səl̓xcin iʔ‿sn̓kʷnim 3: Even More Songs for Beginners in Colville-Okanagan. The Paul Creek Language Association.

Aspectos linguísticosEditar

  • Arrowsmith, Gary L. (1968). Colville Phonemics. M.A. thesis, University of Washington, Seattle.
  • Baptiste, M. (2002). Wh-Questions in Okanagan Salish. M.A. thesis, University of British Columbia, Vancouver, B.C.
  • Barthmaier, Paul. (2004). Intonation Units in Okanagan. Pp. 30–42 of Gerdts and Matthewson (eds.) 2004.
  • Barthmaier, Paul. (2002). Transitivity and Lexical Suffixes in Okanagan. Papers for ICSNL 37 (Gillon, C., N. Sawai, and R. Wojdak, eds.). UBCWPL 9:1–17.
  • Charlie, William M., Clara Jack, and Anthony Mattina. (1988). William Charlie's "Two-Headed Person": Preliminary Notes on Colville-Okanagan Oratory. ICSNL 23(s.p.), Eugene, Oregon.
  • Dilts, Philip. (2006). An Analysis of the Okanagan "Middle" Marker -M. Papers for ICSNL 41 (Kiyota, M., J. Thompson, and N. Yamane-Tanaka, eds.). UBCWPL 11:77–98.
  • Doak, Ivy G. (1981). A Note on Plural Suppletion in Colville Okanagan. Pp. 143–147 of (Anthony) Mattina and Montler (eds.) 1981.
  • Doak, Ivy G. (2004). [Review of Dora Noyes DeSautel ła' kłcaptíkwł ([Anthony] Mattina and DeSautel [eds.] 2002.] AL 46:220–222.
  • Doak, Ivy and Anthony Mattina. (1997). Okanagan -lx, Coeur d'Alene -lš, and Cognate Forms. IJAL 63:334–361.
  • Fleisher, Mark S. (1979). A Note on Schuhmacher's Inference of wahú' in Colville Salish. IJAL 45:279–280.
  • Galloway, Brent D. (1991). [Review of Colville-Okanagan Dictionary ([Anthony] Mattina 1987).] IJAL 57:402–405.
  • Harrington, John P. (1942). Lummi and Nespelem Fieldnotes. Microfilm reel No. 015, remaining data as per Harrington 1910.
  • Hébert, Yvonne M. (1978). Sandhi in a Salishan Language: Okanagan. ICSL 13:26–56, Victoria, B.C.
  • Hébert, Yvonne M. (1979). A Note on Aspect in (Nicola Lake) Okanagan. ICSL 14:173–209, Bellingham, Washington.
  • Hébert, Yvonne M. (1982a). Transitivity in (Nicola Lake) Okanagan. Ph.D. dissertation, University of British Columbia, Vancouver, B.C. DAI 43A:3896.
  • Hébert, Yvonne M. (1982b). Aspect and Transitivity in (Nicola Lake) Okanagan. Syntax and Semantics 15:195–215.
  • Hébert, Yvonne M. (1983). Noun and Verb in a Salishan Language. KWPL 8:31–81.
  • Hill-Tout, Charles. (1911). Report on the Ethnology of the Okanák.ēn of British Columbia, an Interior Division of the Salish Stock. JAIGBI 41:130–161. London.
  • Kennedy, Dorothy I. D. and Randall T. [Randy] Bouchard. (1998). ‘Northern Okanagan, Lakes, and Colville.' Pp. 238–252 of Walker, Jr. (vol. ed.) 1998.
  • Kinkade, M. Dale. (1967). On the Identification of the Methows (Salish). IJAL 33:193–197.
  • Kinkade, M. Dale. (1987). [Review of The Golden Woman: The Colville Narrative of Peter J. Seymour (Mattina 1985).] Western Folklore 46:213–214.
  • Kroeber, Karl, and Eric P. Hamp. (1989). [Review of The Golden Woman: The Colville Narrative of Peter J. Seymour (Mattina, ed.).] IJAL 55:94–97.
  • Krueger, John R. (1967). Miscellanea Selica V: English-Salish Index and Finder List. AL 9(2):12–25.
  • Lyon, John (2013). Predication and Equation in Okanagan Salish: The Syntax and Semantics of DPs and Non-verbal Predication University of British Columbia, PhD Dissertation. (http://hdl.handle.net/2429/45684)
  • Lyon, John. (2013). Oblique Marked Relatives in Southern Interior Salish: Implications for the Movement Analysis. Canadian Journal of Linguistics 58:2. pp 349–382.
  • Mattina, Anthony and Clara Jack. (1982). Okanagan Communication and Language. ICSNL 17:269–294, Portland, Oregon.
  • Mattina, Anthony and Clara Jack. (1986). Okanagan-Colville Kinship Terms. ICSNL 21:339–346, Seattle, Washington. [Published as Mattina and Jack 1992.]
  • Mattina, Anthony and Nancy J. Mattina (1995). Okanagan ks- and -kł. ICSNL 30, Victoria, B.C.
  • Mattina, Anthony and Sarah Peterson. (1997). Diminutives in Colville-Okanagan. ICSNL 32:317–324, Port Angeles, Washington.
  • Mattina, Anthony and Allan Taylor. (1984). The Salish Vocabularies of David Thompson. IJAL 50:48–83.
  • Mattina, Nancy J. (1993). Some Lexical Properties of Colville-Okanagan Ditransitives. ICSNL 28:265–284, Seattle, Washington.
  • Mattina, Nancy J. (1994a). Roots, Bases, and Stems in Colville-Okanagan. ICSNL 29, Pablo, Montana.
  • Mattina, Nancy J. (1994b). Argument Structure of Nouns, Nominalizations, and Denominals in Okanagan Salish. Paper presented at the 2nd Annual University of Victoria Salish Morphosyntax Workshop, Victoria, B.C.
  • Mattina, Nancy J. (1994c). Notes on Word Order in Colville-Okanagan Salish. NWLC 10:93–102. Burnaby, B.C.: Simon Fraser University.
  • Mattina, Nancy J. (1996a). Aspect and Category in Okanagan Word Formation. Ottawa: National Library of Canada = Bibliothèque nationale du Canada, 1997. ISBN 0-612-17011-X
  • Mattina, Nancy J. (1996b). Anticausatives in Okanagan. Paper presented at the 4th Annual University of Victoria Salish Morphosyntax Conference, Victoria, B.C.
  • Mattina, Nancy J. (1999a). Future in Colville-Okanagan Salish. ICSNL 34:215–230, Kamloops, B.C. [Note also (Nancy) Mattina 1999c.]
  • Mattina, Nancy J. (1999b). Toward a History of the Inflectional Future in Colville-Okanagan Salish. University of California Santa Barbara Occasional Papers in Linguistics 17:27–42. Santa Barbara: University of California Santa Barbara.
  • Mattina, Nancy J. (2004). smiyáw sucnmínctәxw: Coyote Proposes. Pp. 289–299 of Gerdts and Matthewson (eds.) 2004.
  • O'Brien, Michael. (1967). A Phonology of Methow. ICSL 2, Seattle, Washington.
  • Pattison, Lois C. (1978). Douglas Lake Okanagan: Phonology and Morphology. M.A. thesis, University of British Columbia.
  • Petersen, Janet E. (1980). Colville Lexical Suffixes and Comparative Notes. MS.
  • Ray, Verne F. (1932). The Sanpoil and Nespelem: Salish Peoples of Northwestern Washington. UWPA 5. Seattle.
  • Schuhmacher, W. W. (1977). The Colville Name for Hawaii. IJAL 43:65–66.
  • Spier, Leslie. (1938). The Sinkaietk or Southern Okanagan of Washington. General Series in Anthropology, no. 6. Menasha, Wisconsin: George Banta Publishing.
  • Turner, Nancy J., Randy Bouchard, and Dorothy D. Kennedy. (1980). Ethnobotany of the Okanagan-Colville Indians of British Columbia and Washington. Occasional Paper Series 21. Victoria: British Columbia Provincial Museum.
  • Vogt, Hans. (1940). Salishan Studies. Comparative Notes on Kalispel, Spokane, Colville and Coeur d'Alene. Oslo: Skrifter utgitt av Det Norske Videnskaps-Akademi i Oslo, II, Hist.-filos. Klasse, No. 2, Jacob Dybwad.
  • Watkins, Donald. (1972). A Description of the Phonemes and Position Classes in the Morphology of Head of the Lake Okanagan. Ph.D. dissertation, University of Alberta, Edmonton.
  • Watkins, Donald. (1974). A Boas original. IJAL 40:29–43.
  • Young, Philip. (1971). A Phonology of Okanogan. M.A. thesis, University of Kansas.

Ligações externasEditar