Abrir menu principal

Wikipédia β

NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde julho de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para o municipio do estado da Bahia com esse nome, veja Cipó (Bahia). Para outros significados, veja Liana (desambiguação).
Lianas emaranhadas numa floresta dos Gates Ocidentais, em Kerala, na Índia

Lianas, cipós e trepadeiras pertencem a um grupo de plantas que germinam no solo, mantêm-se enraizadas no solo durante toda sua vida e necessitam de um suporte para manterem-se eretas e crescerem em direção à luz abundante disponível sobre o dossel das florestas. As trepadeiras podem ser herbáceas ou lenhosas. As lianas são trepadeiras lenhosas, sendo considerado um pleonasmo falar em "liana lenhosa".

Índice

EtimologiaEditar

"Liana" é oriundo do francês liane[1]. "Cipó" é oriundo do tupi ïsï'pó[2]. "Trepadeira" é derivado do verbo "trepar"[3].

DescriçãoEditar

Há vários métodos que as lianas utilizam para escalar superfícies. As lianas podem ser volúveis (quando seu caule molda-se a uma superfície, enrolando-se e prendendo-se a ela), apresentarem gavinhas, possuírem raízes grampiformes (cuja única função é prender o caule sobre uma superfície vertical), ou serem lianas facultativas (ou seja, arbustos com ramos longos e/ou com espinhos ervas rasteiras, que, quando em contato com um aparato vertical, apóiam seus ramos e desenvolvem-se verticalmente).

Lianas são comuns, e algumas frutas e legumes populares, como uvas, maracujás, quiuí e chuchu, são originados deste tipo de plantas. Algumas plantas ornamentais, como o jasmim, a clemátis, a jiboia, algumas rosas e filodendros também são trepadeiras, sendo tipicamente usadas para a cobertura de grades e caramanchões.

Os primeiros estudos científicos sobre esse tipo de planta foram feitos por Darwin (1867) e outros biólogos do século XIX. Apenas recentemente, os pesquisadores em ecologia voltaram a atenção a este importante grupo de plantas, que só haviam sido previamente estudadas por taxonomistas, na botânica sistemática, devido à presença desse tipo de planta em importantes famílias botânicas.

Evolução, diversidade e distribuiçãoEditar

Existem trepadeiras entre as pteridófitas, gimnospermas e entre as angiospermas. Existem plantas trepadeiras entre várias linhagens de palmeiras (por exemplo: Desmoncus) e outras monocotiledôneas. Entre as dicotiledôneas encontramos exemplos em Bignoniaceae(ex: Pyrostegia), Vitaceae (família da uva), Leguminosae (por ex: Mucuna, feijão-de-corda), Menispermaceae e Hippocrateaceae (celastraceae segundo apg). Alguns gêneros distintamente de outras, incluem espécies de trepadeiras, arbustos e árvores (exemplo: Bauhinia). Algumas espécies podem crescer como trepadeiras quando apinhadas, sendo arbustos ou árvores quando sem apoio (suportes mecânicos). Como exemplo, o gênero Banisteriopsis, a qual pertence o cipó caapi, que faz o chá ayahuasca), que possui espécies que assumem tanto o hábito trepador quanto arbustivo (sem a necessidade de suporte). As trepadeiras são encontradas das florestas dos trópicos até as zonas polares dos hemisférios norte e sul, bem como nos desertos. Mas a sua maior biodiversidade é encontrada nas florestas tropicais.

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 027
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.409
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 710

BibliografiaEditar

  • Parthasarathy, N. (ed.). Biodiversity of lianas. Switzerland: Springer, 2015. (Sustainable development and biodiversity, vol 5.)
  • Schnitzer, S.A., Bongers, F., Burnham, R.J., Putz, F.E. (eds.). The ecology of lianas. Wiley-Blackwell, Oxford, 2015.

Ligações externasEditar