Abrir menu principal
Glauco Arbix militou na Libelu.

A Liberdade e Luta (Libelu) foi uma tendência do movimento estudantil brasileiro dos anos 1970, ligada ao trotskismo e ao jornal O Trabalho, que era editado, à época, pela Organização Socialista Internacionalista (OSI). A Libelu ficou conhecida por ser a primeira tendência política a defender a palavra de ordem "Abaixo a Ditadura" publicamente. Ela participou ativamente da reconstrução da União Nacional dos Estudantes (UNE), da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e teve muitos de seus militantes em importantes diretórios e centros acadêmicos do país.

A Libelu foi dissolvida na primeira metade da década de 1980, com a integração de alguns de seus quadros ao Partido dos Trabalhadores (PT). A corrente "O Trabalho" do PT, seção brasileira da IV Internacional (1993) liderada por Markus Sokol, representa a continuação da estrutura da OSI na atualidade.

Índice

MilitantesEditar

Referências

  1. a b c d e f g h Revista Forum - "A libelu ganhou o poder" (acessado em 16 de janeiro de 2010)
  2. A lenda Libelu. Antigos militantes de uma organização trotskista chegam ao centro do governo com Lula. Por Ronald Freitas. Época.
  3. a b O Estado de S. Paulo - "A esquerda desconfortável" (acessado em 16 de janeiro de 2010)
  4. MENEZES, Cynara. Zen Socialismo: Os melhores posts do blog socialista morena. São Paulo: Geração Editorial, 2015.
  5. Laura Capriglione: uma jornalista livre, num Brasil em transe. Carta Maior, 6 de dezembro de 2015
  6. «O legado do sectarismo: O exemplo da LIBELU». Recanto das Letras 
  7. De marginais e heróis. Blog do Reinaldo Azevedo (acessado em 16 de janeiro de 2010)
  8. a b Fundação Perseu Abramo. Teoria e Debate nº 65 - fevereiro/março de 2006. Memória: Geraldo Siqueira. (acessado em 16 de janeiro de 2010)
  9. Caros Amigos, 22 de setembro de 2010. Entrevista: José Arbex Jr.: "O Estado brasileiro se estruturou contra a nação" Arquivado em 22 de maio de 2011, no Wayback Machine..
  10. Libelu era trotskismo com rock e fuminho. Por Matinas Suzuki Júnior. Folha de S. Paulo, 20 de setembro de 1997.

Artigos sobreEditar

Ver tambémEditar