Abrir menu principal
Madalena Barbosa
Nome completo Maria Madalena Freire Avelar Barbosa
Nascimento 1942
Faro, Algarve
Morte 21 de fevereiro de 2008 (66 anos)
Ocupação Feminista

Maria Madalena Freire Avelar Barbosa, mais conhecida como Madalena Barbosa Faro, Algarve, (194221 de fevereiro de 2008) foi a fundadora, em abril de 1972, do Movimento de Libertação das Mulheres, criado para "lutar pelo direito de igualdade sem discriminação de sexo".

BiografiaEditar

Primeiros anos, casamento e formaçãoEditar

Maria Madalena Barbosa nasceu na cidade de Faro, no Algarve,[1] em 1942.[carece de fontes?] Fazia parte família Freire, originária da cidade de Silves.[1] Partiu com os pais para Angola, onde casou ainda durante a juventude, tendo tido as duas primeiras filhas.[1] Em 1964 fixou-se em Lisboa com a família, cidade onde teve mais dois filhos e duas filhas.[1]

Após o divórcio, licenciou-se em História pela Faculdade de Letras de Lisboa, e posteriormente tirou o mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa com a tese Invisibilidade e Tectos de Vidro: Representações do Género na Campanha Eleitoral Legislativa de 1995.[1]

ActivismoEditar

Destacou-se principalmente por ter lutado pelos direitos das mulheres, tendo sido uma das fundadoras do Movimento de Libertação das Mulheres, que foi criado na sequência da fundação da Associação de Planeamento para a Família em 1968, e do Movimento Democrático de Mulheres no ano seguinte.[1] Madalena Barbosa defendeu principalmente pela igualdade de direitos das mulheres, pelo direito ao divórcio, e pela despenalização do aborto voluntário, entre outras causas.[1] Fez parte da Comissão da Condição Feminina[1] em 1980, comissão parlamentar para lutar pela igualdade entre sexos.[carece de fontes?] Nas eleições autárquicas de 2007 candidatou-se à Câmara Municipal de Lisboa pelo agrupamento de esquerda Movimento Cidadãos por Lisboa.[carece de fontes?]

Em reconhecimento pelos seus esforços pela igualdade, foi nomeada como representante de Portugal em várias conferências da União Europeia sobre direitos humanos.[1] Também foi responsável pela preparação dos assuntos sobre a igualdade, durante a presidência portuguesa da União Europeia.[1]

Em 2019 o Prémio Madalena Barbosa foi atribuído ao Festival Feminista de Lisboa pela Câmara Municipal de Lisboa em parceria com a CIG - Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.[2][3]

FalecimentoEditar

Faleceu em 2008, vítima de uma doença repentina, tendo sido enterrada no dia 22 de fevereiro.[1] Pouco tempo antes da sua morte, expressou o seu desejo de ver publicada uma compilação dos vários textos que escreveu para a imprensa, obra que foi apresentada ao público no dia do seu funeral, com o título Que Força é Essa?.[1]

Referências

BibliografiaEditar

  • MARREIROS, Glória Maria (2015). Algarvios pelo coração, algarvios por nascimento. Lisboa: Edições Colibri. 432 páginas. ISBN 978-989-689-519-8 

Ligações externasEditar