Abrir menu principal

Maria Teresa da Áustria (1767–1827)

Maria Teresa da Áustria
Retrato por Vincenzo Giannini, c. 1785 a 1787, no Palácio Pitti.
Rainha da Saxónia
Reinado 5 de maio de 1827
a 7 de novembro de 1827
Antecessor(a) Amália de Zweibrücken-Birkenfeld
Sucessor(a) Maria Ana da Baviera
 
Cônjuge Antônio da Saxônia
Descendência Maria Luísa da Saxónia
Frederico Augusto da Saxónia
Maria Joana da Saxónia
Maria Teresa da Saxónia
Casa Wettin
Habsburgo-Lorena
Nome completo
Maria Teresa Josefa Carlota Joana
Nascimento 14 de janeiro de 1767
  Florença, Itália
Morte 7 de novembro de 1827 (60 anos)
  Leipzig, Saxónia
Enterro Jazigo da família na Catedral da Santíssima Trindade, Dresden
Pai Leopoldo II do Sacro Império Romano-Germânico
Mãe Maria Luísa da Espanha
Religião Católica

Maria Teresa Josefa Carlota Joana da Áustria (Florença; 14 de janeiro de 1767Leipzig, 7 de novembro de 1827), foi arquiduquesa da Áustria e princesa da Toscana por nascimento. Como a segunda esposa do rei Antônio da Saxônia, foi rainha consorte da Saxônia.

Início de VidaEditar

 
Maria Teresa em 1771, por Anton Raphael Mengs.

Maria Teresa nasceu em Florença, na Itália, sendo a filha mais velha do grão-duque Pedro Leopoldo da Toscana que se viria a tornar Imperador Romano-Germânico Leopoldo II, e da sua esposa, a princesa Maria Luísa da Espanha. Tal como todas as filhas mais velhas da família Habsburgo, recebeu o nome da sua avó paterna, a imperatriz Maria Teresa da Áustria.

Maria Teresa e seus irmãos tiveram uma educação um pouco diferente do que era habitual para as crianças reais na época: eles eram criados por seus pais em vez de um séquito de criados, eram em grande parte mantidos à parte da corte cerimonial e eram ensinados a viver simplesmente e modestamente.

CasamentoEditar

A 8 de Setembro de 1787, Maria Teresa casou-se por procuração com o futuro rei Antônio da Saxônia. O casal voltou a proferir os seus votos, na presença um do outro, em Dresden, a 18 de Outubro de 1787. Antônio já tinha sido casado anteriormente com a princesa Maria Carolina de Saboia que tinha morrido de varíola em 1782. Inicialmente, era esperado que a ópera de Mozart Don Giovanni fosse apresentada em honra de Maria Teresa e António quando o casal visitou Praga a 14 de outubro de 1787, quando viajavam de Dresden para Viena. Chegaram mesmo a ser impressos librettos em sua honra.

No entanto, não foi possível concluir os preparativos da ópera a tempo, por isso esta foi substituída por "As Bodas de Fígaro", por ordem expressa do tio da noiva, o sacro-imperador José II. Muitos espectadores consideraram a escolha de "As Bodas de Fígaro" pouco apropriada para uma jovem noiva e o casal saiu do teatro cedo, antes do final do espetáculo. Mozart queixou-se das intrigas criadas à volta deste acontecimento numa carta dirigida ao seu amigo Gottfried von Jacquin, escrita em várias fases entre 15 e 25 de outubro de 1787. Antônio também se encontrava em Praga em setembro de 1791, quando estreou uma outra ópera de Mozart La Clemenza di Tito, escrita para as cerimônias de coroação do seu sogro, o sacro-imperador Leopoldo II, como Rei da Boêmia.[1]

Maria Teresa foi descrita como um personagem simples e caseiro dedicado a uma vida familiar privada, e ela teria ficado aliviada ao se casar com um marido que, no momento do casamento, não deveria ter sucesso em um trono. Seus quatro filhos morreram quando bebês. No entanto, com a morte de sua prima e cunhada, Princesa Carolina de Parma, ela e sua outra cunhada, Amália de Zweibrücken-Birkenfeld, dividiram a responsabilidade de criar os filhos de Carolina, algo que dizem que elas fizeram muito estritamente.

MorteEditar

Maria Teresa ajudou seu pai, então Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, a organizar o encontro entre a Áustria, a Prússia e os emigrados franceses na Saxônia, o que resultou na Declaração de Pillnitz em 25 de agosto de 1791.

Em 1806, ela e sua família fugiram Saxônia para Praga durante a guerra contra Napoleão Bonaparte. Eles puderam retornar em 1813. Ela foi capaz de desfrutar do título de rainha da Saxônia durante apenas alguns meses após a morte do seu cunhado, o rei Frederico Augusto I, em Maio de 1827. A aliança de Frederico com Napoleão fez com que a Saxônia perdesse grande parte do seu território no final das Invasões Napoleónicas.

Maria Teresa morreu em Leipzig em 1827.

DescendênciaEditar

Maria Teresa e Antônio tiveram quatro filhos, mas nenhum sobreviveu aos dois anos de vida:

  1. Maria Luísa da Saxônia (14 de março de 1795 - 25 de abril de 1796)
  2. Frederico Augusto da Saxônia (nascido e morto a 5 de abril de 1796)
  3. Maria Joana da Saxônia (5 de abril de 1798 - 30 de outubro de 1799)
  4. Maria Teresa da Saxônia (nascida e morta a 15 de outubro de 1799)

GenealogiaEditar

Os antepassados de Maria Teresa da Áustria em três gerações[2]
Maria Teresa da Áustria Pai:
Leopoldo II do Sacro Império Romano-Germânico
Avô paterno:
Francisco I do Sacro Império Romano-Germânico
Bisavô paterno:
Leopoldo, Duque de Lorena
Bisavó paterna:
Isabel Carlota de Orleães
Avó paterna:
Maria Teresa da Áustria
Bisavô paterno:
Carlos VI do Sacro Império Romano-Germânico
Bisavó paterna:
Isabel Cristina de Brunsvique-Volfembutel
Mãe:
Maria Luísa da Espanha
Avô materno:
Carlos III de Espanha
Bisavô materno:
Filipe V de Espanha
Bisavó materna:
Isabel Farnésio
Avó materna:
Maria Amália da Saxônia
Bisavô materno:
Augusto III da Polônia
Bisavó materna:
Maria Josefa da Áustria

Referências

  1. Daniel E. Freeman, Mozart in Prague (2013) ISBN 0979422310.
  2. The Peerage, consultado a 1 de agosto de 2014
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Maria Teresa da Áustria (1767–1827)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.