Maria Cristina de Orléans

Disambig grey.svg Nota: Para a princesa francesa, esposa de Valdemar da Dinamarca, veja Maria de Orléans (1865–1909).

Maria Cristina Carolina Adelaide Francisca Leopoldina de Orleães (Palermo, 12 de abril de 1813 - Pisa, 6 de janeiro de 1839) foi uma princesa francesa por nascimento e duquesa de Württemberg por casamento. Era a terceira filha, a segunda menina, do rei Luís Filipe I da França, com sua esposa a princesa Maria Amélia das Duas Sicílias.

Maria
Princesa de Orleães
Duquesa de Württemberg
Nascimento 12 de abril de 1813
  Palermo, Sicília
Morte 6 de janeiro de 1839 (26 anos)
  Pisa, Toscana
Sepultado em 27 de janeiro de 1839
Capela Real, Dreux, França
Nome completo  
Maria Cristina Carolina Adelaide Francisca Leopoldina
Marido Alexandre de Württemberg
Descendência Filipe de Württemberg
Casa Orleães (por nascimento)
Württemberg (por casamento)
Pai Luís Filipe I da França
Mãe Maria Amélia das Duas Sicílias

A princesa Maria foi aluna de Ary Scheffer, praticou escultura e desenho e tornou-se uma artista de talento. Muitos dos seus trabalhos ainda existem hoje em dia e encontram-se em exposição do Museu de Dordrecht nos Países Baixos.

FamíliaEditar

Maria foi a terceira filha, segundo menina, do rei Luís Filipe I de França e da sua esposa, a princesa Maria Amélia das Duas Sicílias. Era tia de várias cabeças coroadas da Europa e da América Latina, incluindo o rei Leopoldo II da Bélgica e a imperatriz Carlota do México. Os seus avós paternos eram Luís Filipe II, Duque de Orleães e a princesa Luísa Maria Adelaide de Bourbon. Os seus avós maternos eram o rei Fernando I das Duas Sicílias e a arquiduquesa Maria Carolina da Áustria, irmã da rainha Maria Antonieta de França.[1]

BiografiaEditar

No início de 1834, devido à consolidação da Monarquia de Julho e à aceitação do rei Luís Filipe por parte de outros monarcas da Europa, o rei das Duas Sicílias, Fernando II, deu o seu consentimento para o casamento de Maria com um dos seus irmãos mais novos. Leopoldo das Duas Sicílias, conde de Siracusa era, tal como Fernando, filho do segundo casamento do rei Francisco I com a infanta Maria Isabel de Espanha. Era sobrinho da mãe de Maria e também meio-irmão da Carolina das Duas Sicílias, Duquesa de Berry, nascida do primeiro casamento do rei Francisco com a arquiduquesa Maria Clementina da Áustria, e mãe do pretendente ao trono de França, o Henrique, Conde de Chambord, Duque de Bordeaux.

Contudo, depois das revoltas que afectaram a França em abril de 1834, a corte de Nápoles exigiu que Maria recebesse imediatamente a parte da fortuna da família de Orleães que lhe pertencia devido às partilhas que Luís Filipe tinha feito entre os seus filhos a 7 de agosto de 1830 na noite em que tinha ascendido ao trono. Luís Filipe achou que esta exigência era despropositada e as negociações de casamento terminaram.

Em 1837, a princesa Maria casou-se com o duque Alexandre de Württemberg. O casamento não foi considerado prestigiante e deveu-se sobretudo à intervenção do tio do noivo, o rei Leopoldo I da Bélgica, que também era cunhado da noiva. A cerimônia realizou-se a 17 de outubro no Grand Trianon em Versalhes, que tinha sido restaurado pelo rei Luís Filipe para se tornar a sua residência privada. A cerimónia civil realizou-se na chancelaria de Pasquier e a cerimónia católica foi celebrada pelo bispo de Versalhes, Louis-Marie-Edmond Blanquart de Bailleul e a cerimónia luterana pelo pastor Cuvier. A lua-de-mel durou vários dias e foi oferecida pelo rei e pela rainha.

 
Maria com o filho Filipe, por Franz Xaver Winterhalter

Apesar de pertencer a um ramo menor de uma família alemã que não era muito privilegiada, Alexandre era sobrinho do rei Frederico I de Württemberg através do seu pai e do rei Leopoldo I da Bélgica através da sua mãe. Era também primo direito tanto da rainha Vitória do Reino Unido como do seu marido, o príncipe Alberto, do rei Fernando II de Portugal e dos czares Alexandre I e Nicolau I da Rússia.

Maria e Alexandre tiveram apenas um filho, o duque Filipe de Württemberg, que herdou o ducado da família do pai em 1865 e se casou com a arquiduquesa Maria Teresa da Áustria, filha do arquiduque Alberto, Duque de Teschen e que é antepassado dos actuais pretendentes do trono de Württemberg.

Em 1838, Maria começou a mostrar os primeiros sintomas de tuberculose e mudou-se para a cidade de Pisa com o marido na esperança de que o clima mais ameno a ajudasse a recuperar. O seu irmão, Luís, Duque de Némours, foi depois enviado para a acompanhar na viagem de regresso, mas chegou mesmo antes da sua morte a 6 de janeiro de 1839. Maria foi enterrada a 27 de janeiro na Capela Real de Dreux.

ArtistaEditar

 
Janelas da Capela de São Saturnino no Palácio de Fontainebleau

Segundo seu professor, Ary Scheffer, ela "sonhava com uma vida levada como artista e com uma profunda influência sobre a arte na França".[2] Muitos de seus trabalhos sobreviveram, em coleções no Instituto Clark de Arte[3] Museu de Arte de Snite[4] e no Museu de Dordrecht.[5]

Em particular, ela projetou as janelas da Capela de São Saturnino no Palácio de Fontainebleau, que foram feitas por Émile Wattier.[6]

AncestraisEditar

Referências

  1. The Peerage
  2. Easterday, Anastasia (1997). «"Labeur, Honneur, Douleur": Sculptors Julie Charpentier, Félicie de Fauveau, and Marie d'Orléans». Woman's Art Journal. 18 2 ed. pp. 11–16. JSTOR 1358545. doi:10.2307/1358545 
  3. «Clark Art - Joan of Arc». www.clarkart.edu. Consultado em 4 de março de 2018 
  4. admin (19 de fevereiro de 2014). «Sculpture». French Sculpture Census. Consultado em 4 de março de 2018 
  5. Portrait présumé de la princesse Marie d’Orléans, 1831 - Paris.fr
  6. Palace of Fontainebleau (ed.). «The chapelle basse Saint-Saturnin». Consultado em 23 de fevereiro de 2016 

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Maria de Orleães
  • Catalogue, Marie d'Orléans, 1813-1839, Princesse et artiste romantique, Somogy, Paris, 2008 ISBN 2-7572-0165-4.