Abrir menu principal

Wikipédia β

Maria Amélia de Nápoles e Sicília

Maria Amélia
Princesa das Duas Sicílias
Retrato por Franz Xaver Winterhalter, 1842
Rainha Consorte dos Franceses
Reinado 9 de agosto de 1830
a 24 de fevereiro de 1848
Predecessora Maria Teresa Carlota de França
Sucessora Monarquia abolida
 
Marido Luís Filipe I de França
Descendência Fernando Filipe, Duque de Orleães
Luísa Maria de Orleães
Maria de Orleães
Luís, Duque de Némours
Francisca de Orleães
Clementina de Orleães
Francisco, Príncipe de Joinville
Carlos, Duque de Penthièvre
Henrique, Duque de Aumale
Antônio, Duque de Montpensier
Casa Bourbon-Duas Sicílias (por nascimento)
Orleães (por casamento)
Nome completo
Maria Amélia Teresa
Nascimento 26 de abril de 1782
  Palácio Real de Caserta, Caserta, Nápoles
Morte 24 de março de 1866 (83 anos)
  Claremont House, Surrey, Inglaterra, Reino Unido
Enterro Capela Real de Dreux, Dreux, França
Pai Fernando I das Duas Sicílias
Mãe Maria Carolina da Áustria
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Maria Amélia

Maria Amélia de Nápoles e Sicília (Maria Amélia Teresa; Caserta, 26 de abril de 1782Surrey, 24 de março de 1866) foi uma rainha francesa pelo casamento com Luís Filipe I, Rei dos Franceses.

Índice

Primeiros anos e casamentoEditar

A princesa Maria Amélia era a quinta filha de Fernando I das Duas Sicílias (na época de seu nascimento, seu pai era conhecido como Fernando IV de Nápoles) e de sua esposa, a arquiduquesa austríaca Maria Carolina da Áustria, a irmã favorita de Maria Antonieta, rainha de França.

Maria Amélia recebeu uma educação tão esmerada que era chamada de La Santa por seus familiares. Em 1798, a família real napolitana partiu para Palermo, e a princesa, juntamente com sua mãe, viveu na corte da Áustria entre 1800 e 1802. Em 1806, a família novamente deixou Nápoles para evitar as tropas do general André Masséna. Foi neste período em que ela conheceu seu futuro marido, o exilado duque de Orleães, Luís Filipe, que era descendente de Luís XIII da França, e pretendente ao trono.

Ao chegar na França, em 1814, o duque e a duquesa d'Orleães mal puderam instalar-se no Palácio Real em Paris por causa da Campanha de Waterloo, que os obrigou a voltar ao exílio. Maria Amélia e seus filhos refugiaram-se na Inglaterra, onde passaram dois anos em Twickenham, em Londres.

Duquesa de OrleãesEditar

Durante os primeiros anos de seu casamento, Maria Amélia e Luís Filipe I viveram sob proteção britânica em Palermo, em um palácio dado a eles por seu pai, o Palazzo Orléans.

Maria Amélia foi para a França com seu novo marido em 1814, onde ela tentou fazer um lar com sua família que aumentava, mas com o breve retorno de Napoleão, ela foi forçada a fugir novamente. Antes da ascensão de seu marido ao poder, Maria Amélia e seu marido tiveram que lidar com um problema de dinheiro persistente devido ao fato de que eles não tinham renda para além do que foram dadas pela coroa inglesa.[1] A família recebeu permissão para retornar à França novamente em 1817.[2]

Durante seu mandato como duque e duquesa de Orleães, seu esposo fez o Palais Royal um centro da sociedade elevada em Paris quando a aristocracia encontrou a corte real, que foi organizada de acordo com o etiquete renascido do Antigo Regime, demasiado rígido. Maria Amélia era descrita como digna, mas silenciosa e retirada. Em 1825, o duque e a duquesa encontraram-se com a irmã e cunhado, o rei e a rainha da Sardenha, em Chambéry, e em maio de 1830, seu irmão e cunhada, o rei e a rainha das Duas Sicílias, no Palais-Royal.

Exílio e morteEditar

Na Inglaterra, Luís Filipe e Maria Amélia foram bem recebidos pela rainha Vitória do Reino Unido, que os deixaram viver em Claremont House para toda a vida. Como o Estado francês decidira não confiscar sua propriedade, eles não tiveram problemas de dinheiro

Luís Filipe morreu dois anos depois. Após a morte de seu marido, Maria Amélia continuou vivendo na Inglaterra onde assiste à missa diária e foi uma amiga bem próxima da rainha Victoria.[3] Ela passou seus anos restantes vivendo uma vida familiar privada, e foi acompanhado pela maioria de seus filhos, com exceção do Duque de Montpensier. Maria Amélia considerava que o ramo mais velho do Bourbon tinha direito superior ao trono francês e apoiou seu filho, o duque de Nemours, quando se reconciliou com o chefe da linha de Bourbon mais velha, Henrique, Conde de Chambord, em nome dos Orléans linha. Na sua morte, ela também pediu para ser chamada duquesa de Orléans em sua pedra grave em vez de Rainha dos franceses.

Maria Amélia faleceu em 24 de março de 1866, aos 83 anos de idade.[4] Depois de sua morte, o vestido que mantinha desde 1848, quando seu marido deixara a França, foi posto sobre ela, de acordo com seus últimos desejos.[5]

DescendênciaEditar

Nome Nascimento Morte Notas
Fernando Filipe, Duque de Orleães   3 de setembro de 1810 13 de julho de 1842 Casou-se com Helena de Mecklemburgo-Schwerin, com descendência.
Luísa Maria de Orleães   3 de abril de 1812 11 de outubro de 1850 Casou-se com Leopoldo I da Bélgica, com descendência.
Maria de Orleães   12 de abril de 1813 6 de dezembro de 1839 Casou-se com Alexandre, Duque de Württemberg, com descendência.
Luís, Duque de Némours   28 de outubro de 1814 26 de junho de 1896 Casou-se com Vitória de Saxe-Coburgo-Koháry, com descendência.
Francisca de Orleães   26 de março de 1816 20 de maio de 1818 Morreu aos 2 anos.
Clementina de Orleães   6 de março de 1817 16 de fevereiro de 1907 Casou-se com Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, com descendência.
Francisco, Príncipe de Joinville   14 de agosto de 1818 16 de junho de 1900 Casou-se com Francisca do Brasil, com descendência.
Carlos, Duque de Penthièvre   16 de janeiro de 1820 25 de julho de 1828 Morreu aos 8 anos.
Henrique, Duque de Aumale   16 de janeiro de 1822 7 de maio de 1897 Casou-se com Maria Carolina das Duas Sicílias, com descendência.
Antônio, Duque de Montpensier   31 de julho de 1824 4 de fevereiro de 1890 Casou-se com Luísa Fernanda de Espanha, com descendência.

AncestraisEditar

Referências

  1. Dyson, p. 112.
  2. Dyson, p. 153.
  3. Dyson, p. 295.
  4. Dyson, p. 306.
  5. Dyson, p. 307.

BibliografiaEditar

  • Dyson, C. C. (1910). The life of Marie-Amélie. New York: D. Appleton and Company. OCLC 526786 
  • Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  • Howarth, T.E.B. Citizen-King, The Life of Louis-Philippe, King of the French. London: Eyre & Spottiswoode, 1961.
  • Margadant, Jo Burr. "The Duchesse de Berry and Royalist Political Culture in Postrevolutionary France. History Workshop Journal, No. 43, (Spring, 1997).
  • Margadant, Jo Burr. "Gender, Vice, and the Political Imagery in Postrevolutionary France: Reinterpreting the Failure of the July Monarchy 1830–1848." American Historical Review 104.5, (1995).
  • Paris, Isabelle comtesse de. La Reine Marie-Amelie, Grand-mere de l'Europe. Paris: Perrin, 1998.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Amélia de Nápoles e Sicília
Maria Amélia de Nápoles e Sicília
Casa de Bourbon-Duas Sicílias
Ramo da Casa de Bourbon
26 de abril de 1782 – 24 de março de 1866
Precedida por
Maria Teresa Carlota de França
 
Rainha Consorte dos Franceses
9 de agosto de 1830 – 24 de fevereiro de 1848
Monarquia abolida
Precedida por
Luísa Maria Adelaide de Bourbon
 
Duquesa de Orleães
25 de novembro de 1809 – 9 de agosto de 1830
Sucedida por
Helena de Mecklemburgo-Schwerin