Marquês de Angeja

Marquês de Angeja é um título nobiliárquico português criado, de juro e herdade e com Honras de Parente, por D. João V de Portugal por Carta de 21 de Janeiro de 1714 a favor de D. Pedro António de Menezes Noronha de Albuquerque, 2.º Conde e 13º Senhor de Vila Verde. Era filho de D. António de Noronha, 1º Conde e 12º Senhor de Vila Verde.

Coronet of a Marquess - Kingdom of Portugal.svg
Marquês de Angeja
Criação Regente D. Pedro
em nome de D. Afonso VI
21 de Janeiro de 1714
Ordem Parente da Casa Real
Honras Honras de Parente
Tipo juro e herdade
Relação Angeja, Comarca de Aveiro
1.º Titular D. Pedro de Menezes Noronha de Albuquerque,
2º Conde e 13º Senhor de Vila Verde
Linhagem Noronha
Títulos Subsidiários Conde de Vila Verde
Conde de Peniche
Senhorios Senhor de Vila Verde
Actual Titular Francisco de Almeida e Noronha Azevedo Coutinho

HistóriaEditar

A Casa dos Marqueses de Angeja tem ascendência real, descendendo do Rei D. Fernando I de Portugal e do Rei Henrique II de Castela.

Após uma longa linhagem de Senhores de Vila Verde, cujo senhorio foi outorgado de juro e herdade pelo Rei D. João I, a ascensão à dignidade condal deu-se na pessoa de D. António de Noronha, 12º Senhor de Vila Verde, criado 1º Conde de Vila Verde, de juro e herdade, por Decreto de 10 de Dezembro de 1654 do Rei D. João IV.

Em 1714 o 2º Conde de Vila Verde, D. Pedro António de Menezes Noronha de Albuquerque, foi elevado a Marquês de Angeja, de juro e herdade e com Honras de Parente da Casa Real, com tratamento de sobrinho d´El-Rei.

Em 1833 os Condes de Peniche, ramo colateral dos Noronhas, herdaram a Casa de Angeja, com todos os títulos e honras associadas.

Marqueses de AngejaEditar

TitularesEditar

  1. D. Pedro António de Menezes Noronha de Albuquerque (1661-1731), 2º conde e 13º Senhor de Vila Verde, tendo sido vice-rei da Índia e do Brasil;
  2. D. António de Noronha de Albuquerque (1680-1735), 3º conde e 14º Senhor de Vila Verde ;
  3. D. Pedro José de Noronha Camões de Albuquerque Moniz e Sousa (1716-1788), 4.º conde e 15º Senhor de Vila Verde;
  4. D. José Xavier de Noronha Camões de Albuquerque de Sousa Moniz (1741-1811), 6.º conde e 16º Senhor de Vila Verde;
  5. D. Pedro José de Noronha (1771-1804), 7.º conde e 17º Senhor de Vila Verde;
  6. D. João de Noronha Camões de Albuquerque Sousa Moniz (1788-1827), 9.º conde e 18.º Senhor de Vila Verde; irmão do predecessor em virtude deste não ter deixado descendência;
  7. D. Maria do Carmo de Noronha Camões e Albuquerque (1813-1833), 10.ª condessa de Vila Verde;
  8. D. Caetano Gaspar de Almeida Noronha Portugal Camões Albuquerque Moniz e Sousa (1820-1881), 3.º conde de Peniche e 19.º Senhor de Vila Verde; primo da predecessora em virtude desta não ter deixado descendência; em outubro de 1872, é julgado pela Câmara dos Pares, presidida pelo duque de Ávila e Bolama, devido à participação no levantamento conhecido como A Pavorosa, em julho do mesmo ano;
  9. D. Manuel Gaspar de Almeida Noronha Portugal Camões de Albuquerque Moniz e Sousa (1845-1901)
  10. D. Manuel de Almeida e Noronha de Azevedo Coutinho (1953-2004), bisneto do predecessor[1][2].
  11. D. Francisco de Almeida e Noronha Azevedo Coutinho (n. 1983)

ArmasEditar

Os Marqueses de Angeja usam como armas: Noronha.

GenealogiaEditar

D. Pedro I
(1320–1367)
Rei de Portugal
Henrique II
(1333–1379)
Rei de Castela
D. Fernando I
(1345–1383)
Rei de Portugal
D. João I
(1357–1433)
Rei de Portugal
João I
(1358–1390)
Rei de Castela
Alphonso Enriquez
(1350–1395)
Conde de Noreña e Gijón
Isabel
(1364–1435)
Senhora de Viseu
D. Duarte I
(1391–1438)
Rei de Portugal
D. Pedro de Noronha
(1379–1452)
Arcebispo de Lisboa
D. Fernando de Noronha
(1380- ? )
Conde de Vila Real
Casa Real
de Castela
Marqueses
de Angeja
Marqueses
de Vila Real
Casa Real
de Portugal

Referências