Mau Tempo, Marés e Mudança

filme de 1976 dirigido por Ricardo Costa
Manuel Pardal (direita) com um amigo fazendo frente ao capataz

Mau Tempo, Marés e Mudança é um documentário português de longa-metragem de Ricardo Costa, a sua primeira docuficção: uma etnoficção. A personagem central deste filme é o poeta Manuel de Brito Pardal, repentista: um dos representantes da tradição oral da literatura popular na poesia. [1] Foi publicado em 1977 um livro com poemas seus, intitulado Em Cima do Mar Salgado, edição do investigador José Ruivinho Brazão. [2]

O povoamento do território português foi desde sempre resultado de migrações humanas, que depois do século XVI se mantiveram com a colonização do Brasil, acarretando consigo hábitos não só sociais mas também culturais. A poesia popular foi um deles, reproduzindo-se aí em larga escala. [3] [4]

Na filmografia do realizador, Mau Tempo, Marés e Mudança é um filme sucedido por duas outras docuficções: O Pão e o Vinho e Brumas (o primeiro da trilogia LONGES).

Em formato televisivo, o filme divide-se em três partes: 1 – Mau Tempo, 2 – Marés, 3 – Mudança (versão TV). Estreou na RTP em 1977, integrado na série Mar Limiar, em três episódios separados.

SinopseEditar

Manuel Pardal, pescador na vila algarvia da Quarteira, é um poeta analfabeto, como quase todos os improvisadores populares do Alentejo e do Algarve. Tal como o bem conhecido António Aleixo, é um repentista. É o único repentista pescador de que há memória na literatura popular em Portugal.

Manuel Pardal pesca na sua lancha a remos, à qual adaptou um motor fora de borda, tal como muitos outros nessa época fizeram. Permite-lhe o motor percorrer distâncias consideravelmente maiores ao longo da costa. Pesca à linha ou com rede de emalhar peixe graúdo e miúdo. Por experiência sabe para que lado deve ir, este ou oeste, mais ao abrigo ou mais ao largo. Ganha assim a vida.

É um filósofo. A solidão e os tempos de espera no silêncio do mar fazem-no pensar. E pensa muito, o que reforça o seu sentir e o seu saber: algo que não é privilégio dos letrados, tal como nos garante Manuel Viegas Guerreiro. E não falha na letra: nem na rima nem mesmo quando encena aquilo que quer dizer. Não tem papas na língua, nem quando recita ou canta o fado. Sempre que o desafiam entra no jogo. E aqui o vemos, desenvolto, contando velhas histórias que ilustram bem os novos tempos.

Enquadramento históricoEditar

Mau Tempo, Marés e Mudança, de Ricardo Costa, Gente da Praia da Vieira de António Campos e Trás-os-Montes (filme) de António Reis e Margarida Cordeiro são três docuficções portuguesas do mesmo ano. Os primeiros filmes do género realizados antes destes em Portugal são Maria do Mar (1930) e Ala-Arriba! (filme) (1942) de Leitão de Barros e ainda Acto da Primavera (1962), de Manoel de Oliveira.

O Acto da Primavera é uma encenação filmada de um Auto da Paixão, representado por populares da Curalha, aldeia de Trás-os-Montes. Trás-os-Montes (filme) é um documentário criado a partir de uma ideia de ficção poética. Gente da Praia da Vieira e Mau Tempo, Marés e Mudança partem para o modo ficcional por outra via. Primeiro, pela escolha do tema: a vida dos pescadores da costa de Portugal. Segundo, pela abordagem desse tema a partir de uma ideia puramente documental, isto é, filmando na essência «a vida tal e qual ela é» e depois nela introduzindo situações ficcionais. O tema dos pescadores da praia da Viera de Leiria é também abordado, além de Campos, por Ricardo Costa na sua primeira longa-metragem: Avieiros. Qualquer um destes filmes explora as técnicas do cinema directo, que se desenvolveu a partir da década de sessenta, com notáveis representantes nos Estados Unidos, Canadá e França.

 
Manuel Pardal, olhos nos olhos

São estes filmes obras pioneiras no seu género, como docuficção. Curiosamente, a perspectiva temática comum a todos eles, de diferentes países, é a vida das gentes do mar:

Ficha técnicaEditar

  • Argumento: Ricardo Costa
  • Realizador: Ricardo Costa
  • Produção: Ricardo Costa / RTP - 1976/77
  • Intérpretes: Manuel Pardal, família, gentes da Quarteira
  • Imagem: Ricardo Costa
  • Som: Maurício Cunha e Jorge Melo Cardoso
  • Sonoplastia: Jorge Melo Cardoso
  • Montagem: Alice Cruz
  • Laboratórios: RTP
  • Formato: 16 mm p/b
  • Género: documentário etnográfico (docuficção)
  • Duração: 90’ aprox.
  • Estreia: RTP, 1976/1977
Ficheiro:Pardal-fado.jpg
Manuel Pardal canta o fado na taverna

Festivais e projecções especiaisEditar

  • Mostra de Cinema Documental - O Algarve Documentado (Quarteira, Praça do Mar, 12 de Agosto de 2010, 21h 30,) [5]

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar