Abrir menu principal

Maximiliano de Hohenberg

Maximiliano
Príncipe de Hohenberg
Maximiliano em 1913, com 11 anos.
Duque de Hohenberg
Reinado 1917 - 8 de janeiro de 1962
Antecessor(a) Sofia Maria
Sucessor(a) Francisco Fernando
 
Esposa Isabel de de Waldburg
Descendência Francisco
Jorge
Alberto
João
Pedro
Geraldo
Casa Hohenberg
Nome completo
Maximiliano Carlos Francisco Michael Humberto Antônio Ignácio José Maria
Nascimento 29 de julho de 1902
Morte 8 de janeiro de 1962 (59 anos)
Pai Francisco Fernando
Mãe Sofia Maria Josefina

Maximiliano, duque de Hohenberg (Maximilian Karl Franz Michael Hubert Anton Ignatius Joseph Maria von Hohenberg; 29 de setembro de 1902 – 8 de janeiro de 1962), era o filho mais velho do arquiduque Francisco Fernando da Áustria e sua esposa Sofia, duquesa de Hohenberg.[1] Por causa do casamento morganático de seus pais, ele foi excluído da sucessão ao trono do Império Austro-húngaro,[1] para o qual seu pai era o herdeiro presuntivo.

VidaEditar

 
Sarcófago de Maximiliano, com o de sua mulher à esquerda

Maximiliano nasceu com o menor título principesco e designação territorial (von Hohenberg), reconhecido à sua mãe no tempo de seu casamento e, em 1905 compartilhada com seus irmãos, no recebimento do estilo de "Alteza Serena".[1] Embora Sofia tivesse sido promovida de princesa (Fürstin) à duquesa (Herzogin) em 1909 pelo imperador Francisco José, Maximiliano não herdou o título após a morte de sua mãe, em 1914. Em 31 de agosto de 1917, no entanto, o imperador Carlos I concedeu-lhe o ducado em uma base hereditária, aumentando o seu tratamento de "Alteza Serena" (Durchlaucht) para "Alteza" (Hoheit).[1]

Após o assassinato de seus pais em Sarajevo, em 1914, o que resultou na eclosão da Primeira Guerra Mundial, o príncipe Maximiliano, sua irmã Sofia e seu irmão, Ernesto foram acolhidos por seu tio materno, Jaroslav de Hohenstein.

Em 1919, após a derrota do Império Austro-húngaro e o colapso da monarquia dos Habsburgos, o governo da nova república da Tchecoslováquia desapropriou o Castelo Konopištěe e outros bens de família no antigo Reino da Boêmia, além da expulsão de Maximiliano e seus irmãos para a Áustria. Posteriormente, eles viveram em Viena e no Castelo Artstetten, na Baixa Áustria.[1] Maximiliano obteve uma licenciatura em direito da Universidade de Graz, em 1926.[1] Ele adquiriu propriedades e trabalhou como advogado.

Em março de 1938, a Áustria tornou-se parte do Terceiro Reich como resultado do Anschluss. Por ter defendido a independência da Áustria e falado contra o Anschluss, Maximiliano e seu irmão Ernesto foram presos pelas autoridades alemãs e confinados no campo de concentração de Dachau, onde eles eram empregados na limpeza de latrinas. De acordo com Leopold Figl (que serviu como chanceler da Áustria após a Segunda Guerra Mundial), eles fizeram o trabalho de bom grado e mantinham boas relações com companheiros de prisão. Maximiliano foi libertado depois de seis meses (Ernesto foi transferido para outros campos de concentração e liberado somente em 1943) e, em seguida, foi obrigado a ficar no Castelo Artstetten; as autoridades do Reich também desapropriaram da família outras propriedades na Áustria.

Após a libertação da Áustria, em 1945, os moradores de Artstetten elegeram Maximiliano como prefeito, com a concordância das autoridades de ocupação soviética. Ele serviu dois mandatos de cinco anos como prefeito.

Maximiliano morreu em 8 de janeiro de 1962, com a idade de 59. Está sepultado na cripta da família Hohenberg no Castelo Artstetten.[2]Os restos de sua esposa estão em um sarcófago a esquerda dele.

Casamento e descendênciaEditar

Maximiliano casou com a condessa Isabel de Waldburg, em 16 de novembro de 1926. Ele tiveram seis filhos: Francisco,Jorge, Alberto, João, Pedro e Geraldo.[1]

Títulos e estilosEditar

  • 1902-1905: o Príncipe Maximiliano de Hohenberg
  • 1905-1914: Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Maximiliano de Hohenberg
  • 1917-1962: Sua Alteza Maximiliano, Duque de Hohenberg

Referências

  1. a b c d e f g "Almanach de Gotha", Hohenberg, (Gotha: Justus Perthes, 1942), pp. 52, 440-441, (French).
  2. «Family crypt info». Consultado em 13 de julho de 2016. Arquivado do original em 9 de junho de 2016