Abrir menu principal
Miguel Lombardi
Deputado federal por São Paulo
Período 1 de fevereiro de 2015
até a atualidade
Vereador de Limeira
Período 1 de janeiro de 1997
até 1 de fevereiro de 2015[1]
Dados pessoais
Nascimento 29 de janeiro de 1964 (55 anos)[2]
Limeira, SP, Brasil
Alma mater Uninter[3]
Partido PL

Miguel Lombardi (Limeira, 29 de janeiro de 1964)[2] é um corretor e político brasileiro [4], que atualmente é deputado federal pelo estado de São Paulo. Atua em defesa de Limeira e do interior paulista no Congresso Nacional. Lombardi é filiado ao Partido Liberal (PL).[3] Foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo nas eleições de 2014.[5] Antes de ser escolhido pelo povo paulista como um dos seus representantes na Câmara Federal, ele exerceu quatro mandatos consecutivos como vereador no município de Limeira.

Vida públicaEditar

Em 1996, iniciou a vida pública na cidade de Limeira. Foi candidato a vereador e obteve 1.049 votos, conquistando a 1ª suplência. Nos anos de 1997 a 2000, assessorou o vice-prefeito Paulo Brasil Batistella. No ano 2000, voltou a disputar o pleito para vereador, sendo eleito com 1.635 votos, e foi reeleito em 2004, 2008 e 2012. Elaborou as seguintes leis: Bolsa-Creche, Fecha-Bar, Proibição da Cobrança da Taxa de Religação de Água, Parcelamento das Taxas de Alvarás e Vigilância Sanitária.

Lombardi foi membro da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados do Brasil por oito anos e presidiu a comissão por seis vezes. Teve um papel destacado na Comissão Permanente de Saúde. Ele também presidiu a histórica Comissão Processante (CP) que, pela primeira vez na história da cidade, cassou o mandato de um prefeito. Em 2014, foi eleito deputado federal com a maioria dos votos dos limeirenses, após duas décadas sem representante no Congresso Nacional.

Miguel Lombardi iniciou o mandato no dia 1 de fevereiro de 2015. Atualmente, é titular da Comissão da Seguridade Social e Família e integra a Subcomissão de Reestruturação da Organização, Funcionamento e Financiamento do SUS; a Subcomissão de Saúde e a Subcomissão da Política Agrícola. No primeiro ano de mandato, apresentou seis projetos de lei. Notabilizou-se por registrar 100% de presença nos dias de votação. Foi eleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), pelo PR.

Posicionamento políticoEditar

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[6] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[6] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[6][7] Em agosto de 2017, votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[6][8] Na sessão do dia 25 de outubro de 2017, o deputado, mais uma vez, votou contra o prosseguimento da investigação de Temer, acusado pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação livrou o Michel Temer de uma investigação por parte do Supremo Tribunal Federal (STF).[9]

Referências

  1. Zampar, Lígia (7 de outubro de 2014). «Miguel Lombardi é eleito deputado federal». Jornal de Limeira. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  2. a b «MIGUEL LOMBARDI». UOL. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  3. a b «MIGUEL LOMBARDI - PR/SP». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  4. https://www.camara.leg.br/deputados/178985/biografia
  5. «Miguel Lombardi 2277». Eleições 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. Miguel Lombardi foi candidato a Deputado Federal por São Paulo pelo Partido da República e foi eleito. Obteve 32.080 votos (0.15%) 
  6. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  7. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  8. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  9. «Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer». Terra 

Ligações externasEditar