Abrir menu principal

Miss Universo 1999

Data 26 de maio de 1999
Apresentadores Jack Wagner Ali Landry e Julie Moran
Local Chaguaramas Convention Centre, Chaguaramas, Trinidad e Tobago
Candidatas 84
Semifinalistas 10
Vencedora Mpule Kwelagobe

Miss Universo 1999 foi a 48ª edição do concurso, realizada no Chaguaramas Convention Centre, Chaguaramas, Trinidade e Tobago. Mpule Kwelagobe, de Botswana, país estreante na competição, foi coroada pela anfitriã, a trinitina Wendy Fitzwilliam, Miss Universo 1998, na primeira e única vez na história do concurso em que uma Miss Universo negra coroou uma sucessora também negra. 84 candidatas competiram nesta edição, o maior número até então, no dia 26 de maio daquele ano.

EventoEditar

Repetindo o conceito do ano anterior, Trinidad e Tobago aceitou sediar o último concurso do milênio, que até então contou com o maior número de participantes desde sua criação. Algumas das favoritas iniciais eram a francesa Mareva Galanter, a primeira Miss França nascida no Tahiti, a panamenha Yamani Sayed , a brasileira Renata Fan, a única árabe-israelense Miss Israel até hoje, Rana Raslam, a venezuelana Carolina Indriago, a porto-riquenha Brenda Liz Lopez e a filipina Miriam Quiambao, que era apenas a segunda colocada do Miss Filipinas, porque a vencedora daquele país foi destronada por não ter cidadania filipina.[1]

O Top 10 foi formado por Botswana, Filipinas, Espanha, Venezuela, África do Sul, Índia, México, Porto Rico, Jamaica e uma surpresa, a Miss Gana. Um novo corte proporcionou um Top 5. Após a entrevista sobraram apenas a esfuziante Diana Nogueira da Espanha,a filipina Miriam Quiambao e a surpreendente negra de 1,83 m e grande personalidade, Mpule Kwelagobe, a primeira representante de Botswana no concurso. Até aquele momento, parecia que as Filipinas fariam uma nova Miss Universo, mas surpreendentemente Mpule contagiou a todos com seu senso de humor, personalidade contagiante, respostas inteligentes e bem formuladas e espontânea, a aparência exótica e conquistou o título nos votos dos jurados. A mulher que dois anos antes havia sido completamente ignorada pelos jurados do Miss Mundo, tornou-se a primeira africana negra a ser coroada como Miss Universo. [1]

Desde sua coroação, Mpule sobressaiu-se como ativista dos Direitos Humanos, sendo honrada e reconhecida por seu trabalho contra a AIDS e pela defesa dos direitos dos jovens e das mulheres a terem maior acesso à educação sobre sexo reprodutivo e serviços referentes a esta causa.[1] Em 2000, depois de coroar a sucessora, ela foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade pela Organização das Nações Unidas, para trabalhar especialmente com jovens e com a conscientização e educação sobre o vírus da AIDS.[2]

ResultadosEditar

Colocação Candidata País
Miss Universo 1999 Mpule Kwelagobe   Botswana
2º lugar Miriam Quiambao   Filipinas
3º lugar Diana Nogueira   Espanha
Semifinalistas (Top 5): Soraia Raciti
Carolina Indriago
  África do Sul
  Venezuela
Semifinalistas (Top 10): Gul Panag
Silvia Salgado
Brenda Lopez
Nicole Haughton
Akuba Cudjoe
  Índia
  México
  Porto Rico
  Jamaica
  Gana
Premiações especiais
Miss Simpatia Marisa Ferreira   Portugal
Miss Fotogenia Brenda Lopez   Porto Rico
Melhor Traje Típico Nicole Dyer   Trinidad e Tobago
Melhor Traje de Banho Diana Nogueira   Espanha
Prêmio Estilo Clairol Miriam Quiambao   Filipinas

CandidatasEditar

  • Em negrito, a candidata eleita Miss Universo 1999. Em itálico, as semifinalistas.[3]

FatosEditar

  • Foi a primeira vez desde 1976 que a Miss EUA não ficou entre as semifinalistas.[1]
  • Miss Rússia, Alexandra Petrova, foi assassinada a tiros por um desconhecido em 2000, em frente de seu apartamento em Cheboksary, na Rússia.[4]

Referências

  1. a b c d «Mpule Kwelagobe - Miss Universe 1999». GlobalBeauties. Consultado em 7 de junho de 2013. Arquivado do original em 29 de maio de 2013 
  2. «MPULE KWELAGOBE». UNFPA. Consultado em 7 de junho de 2013 
  3. a b «1999». pageantopolis. Consultado em 7 de junho de 2013. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  4. «Ex-Miss Rússia é assassinada a tiros». Folha de S Paulo. Consultado em 7 de junho de 2013 

Ligações externasEditar