Museu da Língua Portuguesa

museu no Brasil

Museu da Língua Portuguesa ou Estação Luz da Nossa Língua é um museu interativo sobre a língua portuguesa localizado na cidade de São Paulo, Brasil, no histórico edifício Estação da Luz, no Bairro da Luz, região central da cidade. Foi concebido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, tendo um investimento de cerca de 37 milhões de reais.[2]

Museu da Língua Portuguesa
Logotipo
MPL 067.jpg
Sede da instituição.
Tipo Artes
Inauguração 20 de março de 2006 (15 anos)
Visitantes 386 789 (2014)[1]
Website museudalinguaportuguesa.org.br
Geografia
País  Brasil
Cidade São Paulo,  São Paulo
Coordenadas 23° 32' 06" S 46° 38' 06" O

O objetivo da instituição é criar um espaço vivo sobre a língua portuguesa, considerada como base da cultura do Brasil, onde seja possível causar surpresa nos visitantes com os aspectos inusitados e, muitas vezes, desconhecidos de sua língua materna. Segundo os organizadores do museu, "deseja-se que, no museu, esse público tenha acesso a novos conhecimentos e reflexões, de maneira intensa e prazerosa".[3]

O museu tem como alvo principal a média da população brasileira, composta de pessoas provenientes das mais variadas regiões e faixas sociais do país, mas que ainda não tiveram a oportunidade de obter uma ideia mais precisa e clara sobre as origens, a história e a evolução contínua da língua. De sua inauguração até o final de 2012, mais de 2,9 milhões de pessoas já haviam visitado o espaço, consolidando-o como um dos museus mais visitados do Brasil e da América do Sul.[4]

Em 21 de dezembro de 2015, o museu foi atingido por um incêndio que destruiu dois andares de sua estrutura.[5] Seu acervo, contudo, não se perdeu, por ser virtual, sendo recuperado a partir de backups.[6] Depois de passar por uma restauração, o museu foi reinaugurado em 31 de julho de 2021. Por ocasião da cerimônia, a instituição foi agraciada com a Ordem de Camões, pelos relevantes serviços prestados à língua portuguesa.

HistóriaEditar

IdealizaçãoEditar

O projeto foi iniciado em 2002, quando se começou a restaurar o prédio da Estação da Luz, sendo concluído em 2006. Teve como aliada no projeto a Lei de Incentivo à Cultura, que demonstra a contemporaneidade em que vivemos. São Paulo ainda possui um fator simbólico para o local do museu, sendo a maior cidade de falantes do português no mundo.[2][7]

Foram ainda parceiros o Ministério da Cultura, IBM Brasil, Correios, Rede Globo, Petrobras, Vivo, Eletropaulo, Grupo Votorantim e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Contou também com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da Prefeitura de São Paulo, da CPTM, dos elevadores Otis, dos sistemas de climatização Carrier e da Fundação Luso-Brasileira.

A ideia foi de Ralph Appelbaum, autor também do Museu do Holocausto, em Washington, e da Sala de Fósseis do Museu de História Natural, em Nova Iorque. O projeto arquitetônico do museu é de Paulo e Pedro Mendes da Rocha, pai e filho, ambos brasileiros. A direção do museu fica por conta da socióloga Isa Grinspum Ferraz, que coordenou uma equipe de trinta especialistas do idioma para o museu. A direção artística é de Marcello Dantas.[8]

InauguraçãoEditar

O museu foi inaugurado na segunda-feira de 20 de março de 2006,[2] com a presença do cantor e então ministro da cultura Gilberto Gil, representando o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, da ministra da cultura de Portugal, Isabel Pires de Lima, do governador paulista Geraldo Alckmin, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de António Carmona Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, do presidente da Fundação Calouste Gulbenkian e outras autoridades representativas, não apenas de Portugal e do Brasil, mas de todos os países lusófonos.

IncêndioEditar

 
Combate ao incêndio de 2015

No dia 21 de dezembro de 2015, um incêndio de grandes proporções atingiu o prédio do museu, mobilizando 37 viaturas do Corpo de Bombeiros. O incêndio foi causado por curto-circuito que teve início no primeiro andar do prédio, no qual era exibida a exposição "O tempo e eu", baseada nos trabalhos do historiador Câmara Cascudo.[9] O bombeiro civil do museu, Ronaldo Ferreira da Cruz, faleceu de parada cardiorrespiratória enquanto tentava conter o fogo.[10]

Apesar das instalações terem ficado totalmente destruídas, não houve grande prejuízo ao acervo, por ser na maior parte digital, podendo ser recuperado a partir de cópias de segurança.[6] O maior prejuízo foi ao patrimônio arquitetônico do prédio, inaugurado originalmente em 1867 e restaurado em 2006 para receber as instalações do museu.[11]

Recuperação e reinauguraçãoEditar

Um mês depois do incêndio, foi assinado um acordo de cooperação entre o Governo do estado, a Secretaria de Cultura, a Fundação Roberto Marinho e a organização social ID Brasil, para a execução da reforma do museu.[12][13]

Em 12 de dezembro de 2016, o governo do estado de São Paulo anunciou a parceria "Aliança Solidária" e anunciou que o museu deve voltar a receber visitantes no primeiro semestre de 2019. O custo total da obra de recuperação será de 65 milhões de reais, dos quais 34 milhões são investimentos da iniciativa privada. A empresa portuguesa Energias de Portugal é a principal patrocinadora. O Grupo Globo e o Grupo Itaú também participam da Aliança. O arquiteto Pedro Mendes da Rocha, responsável pelo desenvolvimento do projeto original do Museu da Língua junto com seu pai, o premiado arquiteto e urbanista Paulo Mendes da Rocha, fará as adaptações necessárias no projeto.[14]

O Museu da Língua Portuguesa fez exposições itinerantes do seu acervo no estado de São Paulo em 2016, durante o processo de restauração do incêndio. A mostra de "Estação da Língua" foi aberta no dia 4 de março, em Araraquara, interior paulista, e passou por outras cidades durante o ano. Segundo a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, a exposição itinerante seguiu o conceito central do Museu da Língua Portuguesa, propondo interatividade e tecnologia como veículos para apresentar o idioma ao público, nos seus mais variados sotaques e evoluções. Como o acervo do museu é digital, ele pode ser aplicado e adaptado para outros espaços. A "Estação Língua" tinha trezentos metros quadrados de área expositiva, e entre as atrações, contou com o "Mapa dos Falares", mostrando a singularidade do português falado em diferentes regiões do estado de São Paulo.[15]

 
Cerimônia de reinauguração do museu, em 31 de julho de 2021

No dia 21 de dezembro de 2016 foram iniciadas as reformas no museu, restaurando primeiramente a face leste do edifício. De acordo com a gerente geral de Patrimônio da Fundação Roberto Marinho, Lucia Basto, no ano de 2017 a restauração teve como foco reconstituir e restaurar as fachadas restantes do Museu que sofreram deteriorações no incêndio de 2015. A gerente também disse que o modelo da estrutura arquitetônica seria mantido, porém adaptado às leis então vigentes. Ainda de acordo com ela, os planos e projetos para 2018 enquadravam a reconstituição do telhado, como também a parte hidráulica e elétrica. A reforma também contaria com a cobertura de zinco no estabelecimento, vidros temperados (para combater o alastramento de chamas) e equipamentos mais modernos, prevenindo futuros riscos de incêndios.[16] Concluída a reforma, que custou R$ 85,8 milhões, a reabertura do museu aconteceu em 31 de julho de 2021. No terceiro piso, foi projetado um terraço com vista para o Jardim da Luz e para a torre do relógio da estação. A infraestrutura e o sistema segurança passaram por uma reformulação, com novas medidas de prevenção a incêndios, como recomendado pelo Corpo de Bombeiros. Novas medidas de sustentabilidade foram adotadas, como técnicas de economia de água e energia, bem como a reutilização e restauração da madeira que estava na construção original.[17][18][19]

Durante a cerimônia de reinauguração, o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, agraciou o Museu da Língua Portuguesa com a recém-criada Ordem de Camões, tendo esta sido a primeira concessão desta ordem honorífica portuguesa.[20]

EstruturaEditar

 
Estação da Luz

O museu possui um acervo inovador e predominantemente virtual, combinando arte, tecnologia e interatividade, lembrando que o museu está localizado num prédio histórico. Composto das mais diversificadas exposições nas quais são utilizados objetos, vídeos, sons e imagens projetadas em grandes telas sobre a língua portuguesa, considerada do ponto de vista de patrimônio cultural dos povos lusófonos.

Ocupa três andares da Estação da Luz, com 4 333 metros quadrados.[21] Criação do arquiteto brasileiro Rafic Farah, logo na entrada vê-se a chamada "Árvore da Língua", uma escultura com três andares de altura em que nas folhas surgem contornos de objetos e as raízes formadas por palavras que deram origem ao português. A árvore pode ser visualizada quando o visitante usa o elevador de acesso aos outros andares, que tem paredes transparentes.

AndaresEditar

As exposições tiveram curadoria de Isa Grinspum Ferraz e Hugo Barreto.

Entrada/TérreoEditar

 
Placa da entrada do Museu da Língua Portuguesa

A entrada se encontra na porta A da Estação da Luz, em frente à Pinacoteca de São Paulo. É na entrada do prédio que se encontra a bilheteria, café, loja e a administração do museu.

Primeiro andarEditar

É onde ficam localizadas as exposições temporárias, o Espaço Educativo Paulo Freire, e também outro espaço da administração.[22]

Segundo andarEditar

 
Mapa do segundo andar do museu

A exposição "Línguas do mundo" é onde os visitantes podem ouvir as várias línguas faladas pelos povos, destacando 23 línguas diferentes.[23]

A "Rua da Língua" é uma longa tela de cem metros, cobrindo boa parte da parede do primeiro andar. São projetadas palavras, textos, imagens e desenhos.[22]

"Nós da Língua", 23 telas são expostas, com o nome dos países que falam a língua portuguesa próximo destas telas. Algumas das telas são interativas.[23]

"Laços de família" mostra como a língua portuguesa surgiu, indo da língua indo-europeu e o latim até as línguas como o português, o espanhol e o galego.

A exposição "Português do Brasil" expõem a evolução da língua portuguesa desde sua origem histórica do latim durante a conquista dos romanos da região ibérica até as influências dos meios de comunicação atuais, como a televisão e as redes sociais. Algumas das telas são texto, outras são imagens, e em alguns casos há telas interativas com vídeos curtos explicando o tópico abordado naquela seção da exposição.

A exposição "Palavras-cruzadas" são oito totens interativos. Essa exposição é complementar à exposição "Português do Brasil".[23]

"Línguas do cotidiano" é um pequeno auditório onde há um projetor que exibe oito filmes diferentes.[22]

"Beco das palavras" envolve o uso de três telas interativas, cada uma com palavras diferentes. Com a correta interação, as palavras são unificadas e criam uma nova palavra com um novo significado.[22]

Terceiro andar e terraçoEditar

 
Auditório no terceiro andar.

O terceiro andar também é chamado de "Língua viva".[24]

A exposição "Falares" mostra a diversidade da língua portuguesa em seus sotaques, vocabulário, entre outros fatores que alteram o jeito de de se expressar a partir do português.[23]

"O que pode a língua" é um auditório, usado para mostrar filmes e poesias. Ao final da exposição no auditório, os visitantes são convidados a irem ao terraço, onde têm uma visão privilegiada da torre do relógio da estação Luz e do Jardim da Luz.[25][24]


Ver tambémEditar

Referências

  1. Edison Veiga (4 de abril de 2015). «Diretor do Museu de Arte do Rio quer inverter eixo cultural da cidade». O Estado de S. Paulo. Consultado em 4 de abril de 2015 
  2. a b c Governo do Estado de São Paulo (ed.). «Museu da Língua Portuguesa». Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  3. Museu da Língua Portuguesa (ed.). «O Museu». Consultado em 19 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2015 
  4. Museu da Língua Portuguesa, ed. (28 de dezembro de 2012). «Museu da Língua Portuguesa já recebeu mais de 2.920.000 visitantes!». Consultado em 19 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2015 
  5. Almeida Moreira, José (23 de dezembro de 2015). «Brasil - Lâmpada provocou incêndio no Museu da Língua Portuguesa». Diário de Notícias. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  6. a b «Acervo do Museu da Língua Portuguesa pode ser recuperado, diz curadora». Jornal Zero Hora (RBS). 21 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2015 
  7. Edison Veiga (25 de janeiro de 2016). «São Paulo, uma cidade vibrante como o fogo». O Estado de S.Paulo. Consultado em 8 de abril de 2018. Arquivado do original em 6 de junho de 2017 
  8. Bob Fernandes (14 de novembro de 2011). Terra Magazien, ed. «A verdade sobre o Museu da Língua Portuguesa». Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  9. «Câmera registra início do fogo que destruiu Museu da Língua Portuguesa». G1. 5 de janeiro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  10. Oliveira, André (22 de dezembro de 2015). «Incêndio destrói o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo». El País. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  11. «Com acervo virtual, maior dano do incêndio ao Museu da Língua Portuguesa deve ser à arquitetura». Jornal Zero Hora (RBS). 21 de dezembro de 2015 
  12. Assesoria de Imprensa, Secretária da Cultura (11 de março de 2016). «Alckmin assina convênio para reconstrução do Museu da Língua Portuguesa». Museu da Língua Portuguesa. Consultado em 27 de agosto de 2016. Arquivado do original em 11 de setembro de 2016 
  13. «Governo faz acordo para restaurar Museu da Língua Portuguesa». Época Negócios. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 23 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2016 
  14. «SP anuncia parceria para restauração do Museu da Língua Portuguesa». G1. 12 de dezembro de 2016 
  15. Paulo, Do G1 São (16 de fevereiro de 2016). «Fechado após fogo, Museu da Língua Portuguesa terá mostras itinerantes». São Paulo. Consultado em 21 de março de 2021 
  16. «Museu da Língua Portuguesa começa reforma da face leste do prédio». O Globo. 21 de dezembro de 2016 
  17. «Reaberto, Museu da Língua Portuguesa tem terraço em homenagem a Paulo Mendes da Rocha». Casa Vogue. 5 de agosto de 2021 
  18. «Museu da Língua Portuguesa reabre as portas em 31 de julho após quase 6 anos fechado; instalações foram reformuladas». G1. Consultado em 12 de julho de 2021 
  19. Doria reinaugura Museu da Língua Portuguesa, fechado após incêndio em noticias.uol.com.br, 31 de julho de 2021
  20. «Museu da Língua Portuguesa é o primeiro a receber a nova medalha Camões». Público. Consultado em 11 de agosto de 2021 
  21. UOL, ed. (20 de março de 2008). «Museu da Língua Portuguesa comemora segundo aniversário». Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  22. a b c d «Exposição original». Museu da Língua Portuguesa. Consultado em 19 de agosto de 2021 
  23. a b c d Giannini, Alessandro. «Museu da Língua Portuguesa abre ao público no fim de julho». VEJA. Consultado em 19 de agosto de 2021 
  24. a b Ferraz, Isa Grinspum. «Língua viva apresentação». Museu da Língua Portuguesa, aplicativo. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  25. Martins, Bruna (5 de agosto de 2021). «Reaberto, Museu da Língua Portuguesa tem terraço em homenagem a Paulo Mendes da Rocha». Casa Vogue. Edições Globo Condé Nast. Consultado em 19 de agosto de 2021 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Museu da Língua Portuguesa
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Museu da Língua Portuguesa